#NiUnaMenos: Argentina se mobiliza contra o feminicídio - Mundo - A Notícia

Versão mobile

Buenos Aires19/10/2016 | 18h14

#NiUnaMenos: Argentina se mobiliza contra o feminicídio

Horrorizadas com o brutal assassinato de uma adolescente, mulheres protestaram nesta quarta-feira (19) contra a violência de gênero com várias manifestações e atividades na Argentina, e que foram reproduzidas em cidades da Espanha e da América Latina.

O país está impressionado com o homicídio de Lucía Pérez, uma jovem de 16 anos que foi drogada, estuprada e empalada até a morte há duas semanas e que desatou a quinta mobilização contra violência de gênero no país este ano.

"Por essa e tantas Lucías é que se pede justiça. Para que não haja mais Lucías e nem mais famílias destruídas como a nossa", pediu Marta Montero, mãe da jovem, em entrevista à rádio Vorterix.

As mulheres pararam seu afazeres durante uma hora, em vários escritórios privados e públicos, contra os feminicídios em Buenos Aires. Depois das 13h00 locais, protestos espontâneos e bloqueios de avenidas foram vistos, debaixo de chuva, onde era possível ler cartazes escritos "Nós paramos", "Queremos ficar vivas".

O Registro Nacional de Feminicídios, da Suprema Corte de Justiça argentina, indicou que em 2015 houve 235 mulheres assassinadas, uma a cada 36 horas.

Ceca de 18% das vítimas tinha menos de 20 anos, 43% entre 21 e 40 anos, 25% entre 41 e 60, e 9% mais de 60. Em mais da metade dos casos, os agressores foram companheiros ou ex-companheiros das vítimas.

Ao longo de 2016, 170 mulheres morreram, segundo a ONG Casa del Encuentro.

O horror se estendeu até a Espanha, que na última década conseguiu diminuir os casos mortais por violência contra mulheres. Lá, as vítimas mortais - espancadas, apunhaladas, queimadas - passaram de 71 em 2003 para 60 em 2015.

"Quantas Lucías Peréz mais até que parem de nos chamar de exageradas?", diziam os cartazes dos protestos em Madri e Barcelona.

"Para que não haja mais Lucías"

"O caso de Lucía Pérez serviu como gatilho para exigir justiça por todas as mulheres que sofrem a violência machista", disse à AFP Gabriela Spinelli, uma das mulheres que seguiu a ordem de se vestir de preto nesta quarta-feira e fazer "barulho" com suas companheiras da Defensoria Geral da Nação, no centro da capital.

Apesar da chuva e do vento em Buenos Aires, as mulheres foram apoiadas com buzinas e aplausos - estes vindos de edifícios empresariais.

A iniciativa vista nas redes sociais promete, ao anoitecer, juntar mulheres em várias cidades do Chile, Uruguai e México, segundo o coletivo #NiUnaMenos.

Lucía morreu em 8 de outubro no Mar del Plata, 400 km ao sul da capital. Ela foi estuprada e empalada causando uma dor tão insuportável que provocou uma parada cardíaca. Para evitar sua resistência, a promotoria sustenta que ela foi forçada a consumir cocaína em grandes quantidades.

O coletivo #NiUnaMenos convocou junto com outras 50 organizações a inédita paralisação nacional não só para levantar a voz contra o feminicídio, como também para expor a desigualdade da mulher no âmbito trabalhista.

A Argentina, que atravessa dificuldades econômicas, registra uma taxa de desemprego de 9,3%. "Mas no caso das mulheres já está perto dos 12%", segundo cifras da organização Red de Mujeres.

Dentro dos 30% de trabalhadores informais e não registrados, muitos são mulheres, devido à falta de direitos como licença-maternidade, subsídios por filho ou férias.

pb/ml/cb/mvv

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJovem de 24 anos é morto a tiros na zona Norte de Joinville https://t.co/NVHjEeMLQChá 9 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJoinvilense ganha quase R$ 1 milhão em aposta na Lotofácil https://t.co/m1zlCP6xes https://t.co/exHcidw8sXhá 12 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros