Morador de Joinville revê família após cinco anos com ajuda de campanha solidária - Geral - A Notícia

Versão mobile

 

Família completa30/11/2018 | 12h34

Morador de Joinville revê família após cinco anos com ajuda de campanha solidária

Cerca de seis mil quilômetros separavam David Cesar, refugiado haitiano que mora no Norte de SC, da esposa e as três filhas; Elas vieram do país caribenho e vão morar na cidade

Morador de Joinville revê família após cinco anos com ajuda de campanha solidária Salmo Duarte/A Notícia
Família de haitianos se reúne depois de ficar cinco anos separada em Joinville Foto: Salmo Duarte / A Notícia

O reencontro emocionado entre um refugiado haitiano e morador de Joinville com a mulher e suas três filhas pôs fim à espera de um abraço guardado por cinco anos. Esse foi o tempo que delimitou a distância de cerca de seis mil quilômetros entre David Cesar e a família, que ficou em Jacmel, a 27 km de Porto Príncipe, capital do Haiti, após o terremoto que atingiu o país. Na época, ele veio sozinho para o Brasil com o desejo de constituir uma vida melhor e reunir recursos para trazê-las a Santa Catarina. O “final feliz” ocorreu no dia 30 de outubro, tendo como impulsor a solidariedade dos joinvilenses.

Isto porque, desde que chegou a Joinville, David aprendeu português, conseguiu emprego e passou a enviar parte da renda para sustentar a esposa, Destine, e as filhas Rose, hoje com 17 anos, Stephanie (11) e Shamma (9). No entanto, ainda era necessário juntar de uma só vez cerca de R$ 20 mil para as passagens de avião que trariam as quatro mulheres para Joinville.

– Revê-las depois de tanto tempo trouxe uma emoção muito forte, que nem dá para explicar. Foram cinco anos longe delas, e família é a coisa mais importante na vida da gente – celebra David.

O obstáculo só foi vencido pela inquietação de um pai e a solidariedade de colegas de trabalho e de amigos, que juntos começaram a mudar o destino dessa história no ano passado. Em outubro de 2017, funcionários do Posto XV, da Rua 15 de Novembro, onde ele trabalha, lançaram uma campanha de arrecadação com o objetivo de reunir o dinheiro e possibilitar que o pai e as filhas pudessem se reencontrar e refazer a vida em Santa Catarina.

Foram cerca de 40 dias de campanha de venda de garrafinhas de água, com o dinheiro revertido à causa, além de doações espontâneas. O total arrecadado superou as expectativas e atingiu a marca de R$ 21.042, mas a história guardava outra surpresa: a emissão de novos vistos do país caribenho para o Brasil estava suspensa e o reencontro aqui poderia não acontecer.

Desde então, uma série de e-mails e telefonemas foram trocados com o consulado brasileiro no Haiti, e quando David já pensava em voltar para casa, elas receberam em setembro o “sim” para ter o visto.

– O desafio maior foi a liberação dos vistos, estávamos há quase um ano de mão atadas e só conseguimos sob regime de exceção. Após termos 20 pedidos por e-mail negados, finalmente o vice-cônsul do Brasil em Porto Príncipe se sensibilizou e concedeu o visto para reunião familiar – conta João Masiero Luz, gerente do posto.

Segundo João, a negociação teve a ajuda direta de um cliente do posto de combustíveis e hoje amigo de David. O homem também utilizou as milhas a que tinha direito de usar em uma empresa aérea e levou David até o Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, para buscar a família. O encontro ocorreu último dia 30, um ano depois de "A Notícia" publicar a campanha.

– Quando o encontro aconteceu, o David não se cabia de felicidade. O astral dele está renovado e ele continua abastecendo os carros, servindo e esperando os clientes com um sorriso no rosto que contagia — elogia João.

Agora, de acordo com a administração do estabelecimento, todas as despesas referentes à campanha serão fixadas no posto para prestação de contas. Já para a família, as próximas conquistas são de um emprego para Destine e a junção de documentos para que as meninas entrem na escola. Desafios estes vistos apenas como mais um capítulo para as novas moradoras de Joinville, que ganharam amigos, um novo lar e uma segunda língua, a qual começam a aprender dizendo palavras que revelam os sentimentos que trouxeram na bagagem: “feliz” e “contente”.

 
A Notícia
Busca