Prefeitura de Itapoá contabiliza pelo menos R$ 5 milhões necessários para ações após ressaca - Geral - A Notícia

Versão mobile

 

Litoral Norte24/09/2018 | 18h42Atualizada em 24/09/2018 | 21h00

Prefeitura de Itapoá contabiliza pelo menos R$ 5 milhões necessários para ações após ressaca

Cidade decretou situação de emergência após desastre natural registrado na sexta-feira, com ondas de quase dois metros de altura

Prefeitura de Itapoá contabiliza pelo menos R$ 5 milhões necessários para ações após ressaca Jadiel Miotti/Divulgação
Várias casas foram invadidas pelas águas do mar durante a ressaca Foto: Jadiel Miotti / Divulgação
A Notícia
A Notícia

A Prefeitura de Itapoá decretou situação de emergência nesta segunda-feira, motivada pelos estragos causados por uma ressaca registrada na última sexta-feira, 21. Ela provocou uma erosão de 10 metros em alguns pontos da orla e deixou vários moradores em situação de risco. Assinado pelo prefeito Marlon Neuber, ele será publicado nesta terça-feira no Diário Oficial. O tempo de vigência do decreto é de 180 dias. 

O valor já contabilizado para cobrir os estragos da parte pública e promover ações preventivas com a contenção da área degradada, além do restabelecimento da normalidade, é superior a R$ 5 milhões. Ele deve ser definido nesta terça-feira.

O secretário de Estado da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Junior, e o secretário regional de Proteção e Defesa Civil, Antonio Edival Pereira, estiveram em Itapoá para vistoriar as áreas danificadas e concordaram que os estragos são grandes e de difícil resolução por parte do município. A Prefeitura espera pela concessão dos recursos federais para dar andamento às obras.

De acordo com o departamento de comunicação da Prefeitura de Itapoá, neste momento o foco é resguardar a segurança dos moradores. Com o decreto, os contratos de prestação de serviços e de obras relacionadas à reabilitação das áreas dos desastres ficam dispensados de licitação. 

O município tem 32 quilômetros de praia e a avaliação da Defesa Civil é que pelo menos cinco quilômetros foram afetados. Segundo o decreto publicado pela Prefeitura, "esta situação de anormalidade é válida para a orla do município de Itapoá, desde a foz do Rio Saí Mirim e até o Pontal da Figueira, comprovadamente afetadas pelo desastre".

De acordo com a ata, publicada junto com o decreto, a estimativa inicial para a contenção é de R$ 5 milhões, mas a estimativa de danos nas propriedades privadas podem superar os R$ 16 milhões. Em caso de nova ressaca sem as intervenções necessárias, os valores podem chegar a R$ 100 milhões. O Conselho Municipal de Proteção e Defesa Civil recomendou contenção com estacas de eucalipto.

Entre os estragos contabilizados ontem, foi identificado que a boca da Barra do Saí também sofreu ação da ressaca, causando mais assoreamento no canal de acesso, o que dificulta a saída dos pescadores para o mar. A ponte da Figueira do Pontal também ficou comprometida pela ressaca.

As ressacas têm sido um problema constante para o município nos últimos anos, causando problemas como o encolhimento da faixa de areia e o assoreamento da boca da barra, na região do balneário Barra do Saí. Nessa última ressaca, o balneário mais atingido foi o Brasília, com uma casa parcialmente danificada. Dois moradores foram levados para a residência de familiares por motivo de segurança.


 
A Notícia
Busca