Metade da população de Florianópolis está acima do peso, aponta pesquisa  - Geral - A Notícia

Versão mobile

 

Ministério da Saúde21/06/2018 | 14h33Atualizada em 21/06/2018 | 18h48

Metade da população de Florianópolis está acima do peso, aponta pesquisa 

Vigitel mostra ainda que obesidade atinge 15% dos florianopolitanos

Metade da população de Florianópolis está acima do peso, aponta pesquisa  Tom Wang/Shutterstock
Foto: Tom Wang / Shutterstock
Diário Catarinense
Diário Catarinense

Seis a cada 10 moradores de Florianópolis estão acima do peso ou obesos. É o que aponta a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2017, do Ministério da Saúde, divulgada nesta semana. O levantamento mostra que 15% dos habitantes da capital estão obesos e que 49,8% possuem excesso de peso. 

No país essas taxas são ainda maiores. A obesidade já é uma realidade para 18,9% dos brasileiros e o sobrepeso atinge mais da metade da população (54%). Se comparado com os dados do levantamento anterior, a Capital catarinense apresentou uma leve piora. De 14,5% obesos em 2016 passou para 15% em 2017;  e de 48,8% com sobrepeso subiu para 49,8%. Na Vigitel de 2016, Florianópolis aparecia como a Capital com menor índice de obesos. Neste ano, o Ministério da Saúde ainda não divulgou o relatório completo. 

Para avaliar a obesidade e o excesso de peso, a pesquisa leva em consideração o Índice de Massa Corporal (IMC). Por meio dele, é possível classificar um indivíduo em relação ao seu próprio peso, bem como saber de complicações metabólicas e outros riscos para a saúde, diz o Ministério da Saúde.

Na contramão desses altos percentuais, o consumo regular de frutas e hortaliças cresceu 5,7% (de 2008 a 2017), a prática de atividade física no tempo livre aumentou 119% (de 2009 a 2017) e o consumo de refrigerantes e bebidas açucaradas caiu 44,5% em Florianópolis. A Vigitel mostrou ainda que a população de Florianópolis tem aumentado o consumo regular de frutas e hortaliças. Percebe-se que a ingestão regular (em cinco ou mais dias na semana) destes alimentos ficou parecida em ambos os sexos, passando de 41,6% em 2008 e indo para 44%, em 2017.

— Mesmo com esta tendência a estabilidade e com o crescimento de pessoas que praticam atividade física e que estão consumindo alimentos mais saudáveis, não podemos deixar de continuar vigilantes com a população de Florianópolis. A obesidade e o sobrepeso são portas de entrada para doenças crônicas, como hipertensão e diabetes, que prejudicam a saúde da população e que poderiam ser evitadas — ressaltou a diretora do Departamento de Vigilância de Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde (DANTPS), do Ministério da Saúde, Fátima Marinho.

O Vigitel é uma pesquisa telefônica realizada com maiores de 18 anos, nas 26 capitais e no Distrito Federal, sobre diversos assuntos relacionados à saúde. Assim, entre fevereiro e dezembro de 2017, foram entrevistados por telefone 53.034 pessoas.

Leia também:

Florianópolis tem o menor índice de obesos entre as capitais brasileiras

Fogos de artifício causaram 154 internações em SC em 10 anos, aponta pesquisa

Ministério da Saúde estende vacinação da febre amarela para todos municípios de SC 


 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC goleia o Figueirense e vence a primeira na Copa Santa Catarina https://t.co/Os8SoSQEaQ #LeianoANhá 10 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaDo clássico ao rock, Pianíssimo de Joinville prova que piano é para todos os gostos e idades  https://t.co/CAz69AcaB7 #LeianoANhá 21 horas Retweet
A Notícia
Busca