O que fazer para a vaga temporária de fim de ano virar efetiva - Geral - A Notícia

Versão mobile

Emprego24/11/2017 | 14h52Atualizada em 24/11/2017 | 14h52

O que fazer para a vaga temporária de fim de ano virar efetiva

Emprego temporário pode ser a chance de segurar a oportunidade por muito mais tempo

O que fazer para a vaga temporária de fim de ano virar efetiva Leandro Rodrigues/Agencia RBS
Vanessa tem o perfil buscado pelos empregadores Foto: Leandro Rodrigues / Agencia RBS

As oportunidades de trabalho temporário neste final de ano prometem aumentar. Ainda não será uma avalanche de vagas. É importante lembrar que o Brasil dá, por enquanto, os primeiros sinais de saída de uma crise econômica. Mesmo assim, já é suficiente para oferecer um cenário melhor do que o do ano passado.

– Em 2016, o setor contratou cerca de 4,9 mil temporários. Para este ano, prevemos cerca de 5,2 mil trabalhadores. Na medida em que o varejo vai se fortalecendo, há grandes possibilidades para pessoas com talento – diz o presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV), Vilson Noer.

Mas pode ser muito mais do que uma vaga temporária. O presidente da AGV garante que se trata de uma porta privilegiada para garantir emprego fixo depois do fim do contrato. Mas é preciso fazer brilhar o olho do empregador.

– É preciso ter vontade de se relacionar com as pessoas. Deve-se estar preparado para entrar em uma competição forte como é o varejo. E sempre com muita atitude, com entusiasmo e comprometimento com a cultura organizacional – orienta Noer.

Candidatos mais qualificados 

Além de ser bom para quem busca de emprego, as vagas temporárias deste ano trazem uma vantagem ao contratantes, acredita a economista-chefe da Fecomércio/RS, Patrícia Palermo: candidatos mais qualificados. As demissões dos últimos anos colocaram gente talentosa no mercado pronta para ser contratada. É o caso da vendedora desempregada Vanessa Paola da Silva, 26 anos, de Sapucaia do Sul. Ela está otimista com a expectativa de mais vagas de trabalho temporário para este ano. A caminhada para deixar currículos e fazer cadastro nas agências de emprego já começou. De acordo com os especialistas ouvidos pela reportagem, ela está com tudo para botar a mão em uma oportunidade.

– Fiz curso técnico na área de comércio e estou sempre me reciclando, indo a palestras, procurando me aperfeiçoar – conta a jovem.

Dicas para conquistar a sua vaga


O perfil procurado pelos contratantes no comércio

- Educação: o Ensino Médio completo é fundamental para sonhar com uma vaga. O nível educacional é indicativo de que o trabalhador tem as ferramentas básicas para atender bem um cliente.
- Estabilidade: um candidato só com experiências anteriores de trabalho curtas (de seis meses, por exemplo) pode perder a vaga. Pode indicar instabilidade emocional ou dificuldade de cumprir metas. Considera-se estabilidade a partir de um ano de atuação.
- Experiência: há interesse em um profissional que atuou em áreas diferentes. Um candidato que trabalhou no setor de vestuário e de móveis, por exemplo, mostra capacidade de se adaptar e versatilidade.
- Reciclagem: quem não ficou parado no tempo atrai mais os empregadores. Falta de grana não justifica a falta de cursos, palestras ou workshops no currículo. Contam também atividades gratuitas.
- Foco: não se procura trabalhador que diga "qualquer coisa serve". Alguém que tem foco, que sabe onde quer atuar, onde procurar as oportunidades, interessa mais ao empregador.

Temporário que pode ficar

- Os empregadores prometem olhar com atenção os trabalhadores temporários. É uma forma de experimentar aquele trabalhador antes de oferecer um contrato fixo de trabalho.
- A crise econômica colocou gente qualificada na fila por um emprego. O lojista atento vai querer ficar com esse trabalhador.
- E nem sempre é necessário criar uma nova vaga. A empresa terá a chance de comparar a produtividade do temporário com os demais empregados e, se for o caso, fazer uma troca.
- Um trabalhador que tome a iniciativa e não precise a todo momento ser orientado e motivado é tudo o que uma empresa procura.
- Manter a chamada postura proativa é uma das chaves para o trabalhador temporário abrir a porta para uma contratação por tempo indeterminado.
- Buscar superar as metas traçadas (que aumentam os vencimentos no final do mês) e não se contentar com a remuneração básica é o comportamento que faz a diferença.

Fontes: Ticiana Casado Teixeira, coordenadora de RH da AST Facilities; Patrícia Palermo, economista-chefe da Fecomércio/RS, Vilson Noer, presidente da AGV, e Sindicato de Hospedagem e Alimentação de POA e Região (Sindha) 

O que muda neste ano para o temporário

Contratação
Antes, o contrato temporário era de três meses, prorrogável por mais três: até seis meses. Desde março, a Leia da Terceirização ampliou esse prazo para seis meses, prorrogáveis por mais três: até nove meses.

Direitos
O temporário tem direito a quase todos os direitos de um trabalhador efetivo, com exceção do aviso prévio, multa do FGTS e seguro-desemprego, justamente por se tratar de uma contratação transitória.

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Operação Natal Shopping, da Fazenda estadual, fiscaliza mais de 1.200 comércios https://t.co/sx0RCNrwGf #LeianoANhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Operação Natal Shopping, da Fazenda estadual, fiscaliza mais de 1.200 comércios https://t.co/VlUwNaP6VQ #LeianoANhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca