MP investiga suposta morte por engano em operação do Bope, em Piçarras - Geral - A Notícia

Versão mobile

Segurança18/11/2017 | 14h33Atualizada em 18/11/2017 | 14h33

MP investiga suposta morte por engano em operação do Bope, em Piçarras

Órgão estipulou um prazo de 10 dias para o comando do Bope elucidar detalhes da ação

MP investiga suposta morte por engano em operação do Bope, em Piçarras Gabriela Florêncio/A Notícia
Assaltantes teriam entrado pela lateral da agência bancária Foto: Gabriela Florêncio / A Notícia

O Ministério Público do Estado de Santa Catarina (MPSC) instaurou, nesta sexta-feira (17), procedimento para apurar as circunstâncias de três mortes que ocorreram durante operação do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar em Balneário Piçarras, no Norte do Estado.  

O caso ocorreu na ultima quinta-feira (16), quando a equipe de elite supostamente trocou tiros com uma quadrilha de assaltantes a agências bancárias. Em decorrência da ação, um homem teria sido morto por engano. José Manoel Pereira, 44 anos, foi internado em estado grave, mas não resistiu ao disparo sofrido na nuca e morreu na sexta-feira (17). Outros dois homens apontados como suspeitos também foram mortos no confronto. 

"Estávamos no lugar errado, na hora errada", diz sobrinho de homem baleado durante ação em Piçarras

O procedimento do MP foi assinado pelos promotores Raul Rogério Rabello e Wilson Paulo Mendonça Neto, da Capital. No despacho, o órgão estipulou um prazo de 10 dias para o comando do Bope elucidar detalhes da ação. 

No documento, o Ministério Público solicita esclarecimentos sobre a autorização dada pela corporação para o emprego da tropa de elite na ocasião, como ocorreu o acionamento da equipe e qual era a investigação que vinha sendo feita pelo Bope.

'O Bope é a tropa que atua em situações de ocorrências de alto risco, com repreensão em lugares de conflito, atuando em lugares de crise, inclusive dispondo de policiais altamente adestrados, equipados e apoiados', descreve o MP.

Além disso, o Instituto Geral de Perícias (IGP) deverá encaminhar laudo pericial com análise de materiais residuais nas mãos das vítimas. O exame pode ajudar a verificar se elas portavam arma de fogo no momento do tiroteio. 

Ação do Bope em Balneário Piçarras será alvo de investigação

O MP também pretende solicitar o boletim de ocorrência da operação e questionar se o  comando do 25ª Batalhão de Polícia Militar estava ciente da atuação do Bope na área. 

'O crescente número de mortes em operações policiais exige atenção para a sua causa, cuja elucidação e o combate reclamam a garantia de uma investigação imediata, específica, imparcial, célere e eficaz dos casos de letalidade policial', anotaram os promotores. 

Contraponto
Conforme o Comando do Bope, a ação aconteceu para combater a organização criminosa que pratica roubo a bancos na região. Os policiais da tropa especial chegaram no lugar para fazer a prisão dos suspeitos, mas foram recebidos com tiros. Dois assaltantes foram mortos durante o confronto e um terceiro se entregou sem estar armado. A morte de José Manoel Pereira – que estava dentro de um veículo próximo do local – será investigada por meio de Inquérito Policial Militar (IPM), já que outras equipes da PM também atuaram durante a operação.  

Confira a nota na íntegra:
Foi uma operação do GAECO de Joinville com apoio do BOPE e outras OPMs da região, operação esta implementada com base em monitoramentos realizados de integrantes de uma quadrilha especializada em arrombamento a banco na região norte do Estado. As informações colhidas apontavam para a realização do assalto nesta madrugada em algum dos bancos de Piçarras ou Barra Velha.

Equipes de monitoramento realizaram a observação dos bancos quando por volta das 3 horas foi percebido movimentação no Banco do Brasil de Piçarras, momento em que guarnições do BOPE tentaram a abordagem da quadrilha, porém os mesmos empreenderam fuga em várias direções. 

Alguns embarcaram em um veículo Siena escuro e ao serem interpelados pelas guarnições de serviço (na contenção estavam integrantes do GAECO, BOPE e outras OPMs), os ocupantes do Siena abriram fogo, sendo revidado pelos PPMM, e empreenderam fuga. No local do confronto foi localizado um revólver com cartuchos deflagrados. O siena foi apreendido mais tarde e apresentado na delegacia.

As guarnições do BOPE continuaram as buscas nas proximidades, onde em um terreno próximo localizaram um masculino que se rendeu e foi preso. No mesmo matagal outro masculino enfrentou a guarnição efetuando disparos e no revide acabou em óbito.

Em outro local próximo ao banco outra guarnição do BOPE tentou efetuar a prisão de outro integrante da quadrilha que também resistiu e veio a óbito no confronto. Um veículo Corsa branco também foi apreendido após ter sido usado na fuga. Três armas de fogo, além de aparelhos celulares, luvas e equipamento para arrombamento também foram apreendidos.

Pelo levantamento das informações, a quadrilha é composta por oito a dez integrantes. Os assaltantes arrombaram uma parede lateral do banco e estavam usando equipamento de corte para tentar abrir o cofre. 

A identidade dos mesmos está sendo apurada, mas já se sabe que são oriundos do Paraná e Santa Catarina. Posteriormente surgiu a informação de que pessoas não envolvidas na ocorrência teriam sido atingidas por disparos de arma. Este fato será apurado durante a investigação (IPM).

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Joinvilenses gastarão menos no Natal pelo segundo ano consecutivo https://t.co/KGt8V4KnO2 #LeianoANhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Joinvilenses gastarão menos no Natal pelo segundo ano consecutivo https://t.co/8ozJevj7bo #LeianoANhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca