Projeto Missão Criança, em Joinville, aposta na música como fator de transformação social - Geral - A Notícia

Versão mobile

Joinville Que Queremos 04/09/2017 | 09h16Atualizada em 04/09/2017 | 14h22

Projeto Missão Criança, em Joinville, aposta na música como fator de transformação social

O objetivo é oferecer para crianças e adolescentes aulas de violão, flauta doce e violino e criar uma orquestra para o bairro Jardim Paraíso

Projeto Missão Criança, em Joinville, aposta na música como fator de transformação social Salmo Duarte/A Notícia
Foto: Salmo Duarte / A Notícia
Alex Sander Magdyel
Alex Sander Magdyel

alex.cardoso@somosnsc.com.br

É por meio da música que o Projeto Missão Criança quer transformar a comunidade do Jardim Paraíso, bairro da zona Norte de Joinville. A iniciativa tem uma série de outras atividades, mas, atualmente, os esforços têm sido maiores nessa área porque o Missão Criança um projeto aprovado pela Lei Rouanet e agora busca a captação de recursos necessários para a implementação.

A proposta é oferecer para crianças e adolescentes aulas de violão, flauta doce e violino e criar uma orquestra para o bairro. O valor solicitado e aprovado pelo Ministério da Cultura é de R$ 133.224 e inclui a compra de 15 violinos para os estudantes e a apresentação de dois concertos didáticos abertos à comunidade. Se conseguir captar os recursos, a orquestra terá Rafael Daniel Huch como maestro.

Leia as últimas notícias de Joinville e região

Enquanto os recursos não são captados, o projeto já recebe um pouco de música em sua sede, na rua Crux. Crianças e adolescentes participam das aulas de violão ministradas às quintas-feiras pela professora Vivian Voss Tavares. As aulas já contam com cerca de 30 alunos. Como nem todos têm violão, o projeto comprou e recebeu doações de instrumentos, que são bem-vindas no Missão Criança.

As atividades são gratuitas, e são atendidos crianças com pelo menos oito anos e adolescentes com até 17. A entidade atende a cerca de 150 crianças e adolescentes por semana, conta a coordenadora Eunice Deckmann. Ela explica que um dos motivos para oferecer as aulas de violão é a quantidade de grupos musicais nas igrejas da região.

– A música desperta o interesse das crianças. Estamos muito contentes – afirma Eunice.

Crianças e adolescentes participam das aulas de violão ministradas pela professora Vivian Voss Tavares Foto: Salmo Duarte / A Notícia

Vivian, que rege seis coros em Joinville, afirma que a experiência de dar aulas de violão para alunos do Jardim Paraíso tem sido ¿bem diferente e gostosa¿.

– As crianças estão se desenvolvendo muito bem musicalmente. Nosso objetivo é trazer as crianças para dentro da música – afirma Vivian, licenciada em música e especialista em cultura comunitária.

Confira outras reportagens do Projeto Joinville Que Queremos

Bianca Terezinha Belle, de dez anos, e Eloísa Vasconcelos Cardoso, de 11, estão na mesma turma e já aprenderam os primeiros acordes. As duas participam do Projeto Missão Criança desde os seis anos.

– É legal porque dá para tocar na igreja – diz Bianca, que também quer aprender a tocarateria.

Apoio pedagógico no contra turno escolar, atividades esportivas e merenda também são oferecidos pelo Missão Criança. Além de doações, patrocínios e editais, o projeto é mantido há 20 anos pela igreja luterana. Quem quiser contribuir pode entrar em contato pelo e-mail pmcparaiso@gmail.com ou pelo telefone (47) 3903-1827. A captação de recursos para o Projeto Música e Cidadania pode ser feita até dezembro deste ano por pessoas jurídicas e até abril de 2018 por pessoas físicas.

Quer contar sua história? Que tal ajudar Joinville a ser uma cidade ainda melhor? Entre em contato com a gente

Projeto tem cerca de 150 voluntários

De acordo com a coordenação, 150 voluntários participam das atividades oferecidas pelo Projeto Missão Criança. Entre elas, está Cristiane Renate Jung de Oliveira Santos, de 47 anos. Ela conta que há três anos teve que se afastar do trabalho depois que sofreu um acidente de trânsito em Joinville, e o voluntariado é a oportunidade que ela encontrou para ocupar o tempo livre.

– A gente aprende muito mais do que ensina. É gratificante ver como eles reagem, como eles respondem – afirma Cristiane.

A voluntária é a responsável pelas rodas de conversas realizadas com as crianças atendidas pelo projeto. Nos encontros, ela mostra situações de conflito e faz os pequenos refletirem sobre suas escolhas e consequências. Questões como drogas e violência são abordadas nas rodas de conversa do Projeto Escolha a Vida.

– As pessoas não contribuem porque acham que só podem ajudar com dinheiro, mas muitas vezes as entidades só precisam de pessoas com tempo – explica.


A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros