Família sofre ameaça após denunciar recusa de taxistas para levar criança ferida à emergência   - Geral - A Notícia

Versão mobile

Rafael Martini25/09/2017 | 10h48Atualizada em 25/09/2017 | 10h48

Família sofre ameaça após denunciar recusa de taxistas para levar criança ferida à emergência  

O mínimo que se espera do Executivo é uma punição exemplar. E um pedido de desculpa à família em alto e bom tom por todo o constrangimento

Família sofre ameaça após denunciar recusa de taxistas para levar criança ferida à emergência   Patrick Rodrigues/Agencia RBS
Foto: Patrick Rodrigues / Agencia RBS

O susto do jovem casal ao ver o filho de dois anos ensanguentado após uma queda dentro de casa já passou com a devida medicação e quatro pontos. Mas a angústia ao se confrontar com a impunidade escancarada está longe do fim. O acidente ocorrido na semana passada ganhou repercussão nacional após a negativa para o imediato atendimento da criança no Hospital Florianópolis, por falta de cirurgião, e a recusa de três taxistas em conduzir a família para uma emergência particular. O argumento deles: como chegaram em carro da Uber até ali, que fossem embora da mesma forma.

Uma postagem da mãe da criança no dia seguinte relatando o episódio viralizou nas redes sociais. Até este domingo foram 2.308 compartilhamentos e 1,1 mil comentários. A partir daí o caso ganhou contorno ainda mais revoltante. Os pais foram procurados por um homem que se identificou como taxista, ordenando que apagassem a postagem por bem. Caso contrário, seria por mal. Mais um exemplo de que sutileza não é o forte de criminosos que mancham a imagem de toda uma categoria. A família registrou boletim de ocorrência por omissão de socorro e também contra o autor das ameaças. Teve até que contratar um advogado para tratar do caso.

Mas o que indigna, tira o sono e embrulha o estômago das vítimas é a impunidade. O presidente do Sindicato dos Taxistas teria dito a eles que está com dificuldades para identificar os motoristas. Imagina só, deve ter milhares que trabalham à noite naquele ponto. 

Já prefeitura, quem detém a outorga das licenças destas placas, também foi, no mínimo, tímida até agora nesse caso. Na mesma semana um homem foi espancado no aeroporto e uma criança poderia ter sofrido problemas graves. Em ambos os casos, taxistas foram os protagonistas. O mínimo que se espera do Executivo é uma punição exemplar. E um pedido de desculpa à família em alto e bom tom por todo o constrangimento.

A sorte é que sempre existe uma boa alma disposta a ajudar. Derick Silva, ao ver o desespero dos pais no hospital, ofereceu-se para leva-los até ou emergência, mesmo sem conhecê-los.

Nesta terça-feira os pais e avós do menino vão se reunir com Derick e a família dele para comer uma pizza e celebrar a vida. Afinal, se na terra a coisa tá complicada com tanta maldade, resta a certeza de que os anjos da guarda existem e estão entre nós.

Acompanhe as últimas publicações de Rafael Martini

Leia notícias da Grande Florianópolis


A Notícia
Busca