Com novo reajuste da Petrobras, gasolina sobe 3,3% nas refinarias a partir desta terça-feira - Geral - A Notícia

Versão mobile

Nova política de preços04/09/2017 | 12h02Atualizada em 04/09/2017 | 14h54

Com novo reajuste da Petrobras, gasolina sobe 3,3% nas refinarias a partir desta terça-feira

Combustível acumula alta de 11,2% desde o fim de agosto

Com novo reajuste da Petrobras, gasolina sobe 3,3% nas refinarias a partir desta terça-feira Cristiano Estrela/Agencia RBS
Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS
Agência Brasil
Agência Brasil

A Petrobras anunciou para esta terça-feira (5) aumento de 3,3% na gasolina e de 0,1% no diesel. Este é o terceiro reajuste consecutivo na gasolina, que acumula acréscimo de preço de 11,2% desde o dia 31 de agosto. Já o diesel ficou 8,94% mais caro. 

O aumento é nas refinarias e está de acordo com a nova política de preços da estatal, que utiliza como base "o preço de paridade de importação, que representa a alternativa de suprimento oferecido pelos principais concorrentes para o mercado - importação do produto". 

Leia mais:
Calcule se vale mais a pena ter carro com gasolina ou gás natural
Preço do litro da gasolina comum em Porto Alegre está próximo dos R$ 4
Em 35 dias, Petrobras reajusta preços de combustíveis mais de 20 vezes 

Após dois meses em vigor da nova política de reajuste do preço dos combustíveis, a Petrobras avaliou como positiva a mudança implantada em 3 de julho, com aumentos ou reduções quase diários da gasolina e do óleo diesel. Em reunião na semana passada, o Grupo Executivo de Mercado e Preços (Gemp) da Petrobras disse que "os ajustes promovidos têm sido suficientes para garantir a aderência dos preços praticados pela companhia às volatilidades dos mercados de derivados e ao câmbio". 

Para o consultor Adriano Pires, sócio-fundador e diretor do Centro Brasileiro de Infra Estrutura (Cbie), a política de ajustes é positiva para a empresa, que, segundo ele, tem conseguido diminuir a capacidade ociosa das refinarias e reconquistar mercado na venda de gasolina e de diesel no país. 

— Acho que a política está tendo sucesso, as empresas que importavam estão tendo que ter muito mais cuidado na importação, porque a importação às vezes demora, o prazo da chegada do produto no Brasil é de uns 30 dias, e em 30 dias a Petrobras pode ter feito 30 reajustes, para baixo ou para cima, no preço da gasolina. Então, agora, as distribuidoras/importadoras de gasolina e óleo diesel têm que prestar muita atenção no estoque dos produtos. Porque antes olhavam muito só a questão do preço.

Do ponto de vista da sociedade, Pires considera uma boa política porque os reajustes diários banalizam os aumentos ou reduções e "tiram a gasolina e o diesel da primeira página do jornal". 

— A gente tinha uma cultura no Brasil de achar que preço de gasolina e diesel é diferente do preço do leite, do arroz, do feijão, e sempre ficava aquela expectativa, quando é que vai anunciar o aumento da gasolina, o aumento do diesel, daí dava primeira página do jornal e o cara aumentava o pão na padaria, o refrigerante e a cachaça no mercado — argumentou. 

Segundo ele, anteriormente os reajustes eram feitos "para controlar a inflação, aumentar a arrecadação ou ajudar os candidatos apoiados pelo governo de plantão a ganharem as eleições". 

Já o presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), Felipe Coutinho, afirmou que a nova política não diminuiu a ociosidade das refinarias, nem fez a empresa reconquistar mercado. 

— Na verdade, através da política de preço da Petrobras, a gente está entregando o mercado brasileiro para os importadores. Você pode verificar isso tanto na ociosidade das refinarias quanto nos dados de importação de derivados. Com essa política de preços, a Petrobras aumentou o preço nas refinarias. E quando reajustou o seu preço nas refinarias, ela viabilizou a importação por terceiros. Isso é o mesmo que entregar o mercado brasileiro para os concorrentes — disse. 

Coutinho discorda que os combustíveis possam ser considerados como as outras commodities (mercadorias com preços em dólar). Segundo ele, "a qualidade de vida das pessoas está ligada à intensidade energética do seu consumo". 

— A energia é o que movimenta a economia, é o que movimenta a indústria, é o que faz com que as mercadorias e as pessoas circulem. Então, quando você tem preço da energia alto, você torna toda a economia menos produtiva. E essa improdutividade da economia impacta nas condições de vida da população. Quando você consegue ter uma economia com os custos de energia mais baixos, ela fica mais competitiva e as pessoas podem consumir mais — opinou. 

O engenheiro lembra também da importância do preço da energia para a economia interna ser capaz de competir internacionalmente e no caráter estratégico e militar. 

— Você tratar a questão da energia, do petróleo, como se fosse uma mercadoria qualquer e fosse substituível, é uma falácia. Isso não é feito pelos principais países. Pelo contrário, se trata a questão da soberania energética, assim como a soberania alimentar, como uma questão vital para o interesse nacional. Quando você trata, no Brasil, o petróleo brasileiro como se fosse uma mercadoria qualquer, na verdade você está favorecendo os interesses estrangeiros que querem se apropriar do petróleo, e que não tratam o petróleo dessa forma — finalizou.

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia'Governo só apaga incêndios', diz juiz sobre ameaça ao serviço terceirizado na Penitenciária de Joinville https://t.co/jFTpPBW8o0 #LeianoANhá 18 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC terá desfalques no jogo-treino contra o Fluminense https://t.co/PdOs1Pb5TJ #LeianoANhá 26 minutosRetweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros