Joinville registra 24 casos de suicídio até junho deste ano - Geral - A Notícia

Versão mobile

Saúde26/08/2017 | 10h40Atualizada em 26/08/2017 | 11h50

Joinville registra 24 casos de suicídio até junho deste ano

Especialista alerta para a importância do acolhimento de pessoas que possam atravessar período de tristeza profunda ou depressão

Até junho deste ano, a Secretaria Municipal de Saúde já havia registrado 24 casos de suicídio em Joinville. É quase o número total de mortes deste tipo em 2015, quando ocorreram 28 casos – em 2016, elas subiram para 53, o maior número de suicídios já verificado desde que o levantamento começou a ocorrer, em 1996.

As mortes voluntárias são causadas por transtornos psiquiátricos como depressão, esquizofrenia e síndrome do pânico e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 300 milhões de pessoas sofrem com pelo menos uma delas no mundo.

Leia as últimas notícias de Joinville e região em AN.com.br

— Quando a pessoa tem depressão, ela vivencia uma tristeza profunda e, às vezes, bate o desespero, porque ela não enxerga mais sentido na vida. Ela não quer se matar, ela quer acabar com o sofrimento — afirma a coordenadora do Serviço Ambulatorial de Psiquiatria da Prefeitura de Joinville, Roselaine Elisa Radtke.

A especialista explica que, nestes casos, geralmente há busca de apoio na família ou em outro ponto de equilíbrio, como amigos ou a igreja. Ao mesmo tempo, mães e pais que, antes do suicídio, também levam os filhos ou outro parente vulnerável à morte acreditam que, desta forma, poderão evitar o sofrimento.

— Elas não conseguem ver o mundo como um lugar bom e temem que os filhos não recebam cuidados em sua ausência — analisa.

Segundo ela, apesar de haver sinais que possibilitam identificar indícios de depressão e comportamentos suicidas, nem sempre as pessoas o demonstram. Em adultos, geralmente há perda do prazer por atividades rotineiras, tristeza na maior parte do tempo, sensação de cansaço e fraqueza, baixa autoestima, ansiedade excessiva e irritabilidade exagerada.

Como em outras doenças, é necessário procurar ajuda: a rede pública de saúde oferece atendimento gratuito em todas as etapas, de consultas a internação.

Onde buscar ajuda
— Unidades básicas de saúde: para consultas com psicólogos e psiquiatras.
— Caps II - Nossa Casa e Caps III - Dê-lírios: para casos mais graves, em que o tratamento é urgente.
— Centro de Valorização da Vida: para aconselhamento
Telefone 141 ou (47) 3422-0800.

Leia também:
ESPECIAL: Na direção da vida: prevenção ao suicídio
Mulher e dois filhos são encontrados mortos dentro de casa em Joinville

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMotorista colide contra viatura da PM na área Central de Joinville https://t.co/VpBrz0U5aa #LeianoANhá 8 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaDois homens morrem após ação de combate ao tráfico de drogas em Araquari https://t.co/ug6GIjF79N #LeianoANhá 9 horas Retweet
A Notícia
Busca