Noite de Gala vai reunir bailarinos que foram destaque nos 35 anos de Festival de Dança de Joinville - Geral - A Notícia

Versão mobile

Maior do mundo18/07/2017 | 07h08Atualizada em 18/07/2017 | 15h11

Noite de Gala vai reunir bailarinos que foram destaque nos 35 anos de Festival de Dança de Joinville

Pessoas que vieram durante a infância e a adolescência foram premiados, tornaram-se profissionais e agora retornam como convidados especiais

Noite de Gala vai reunir bailarinos que foram destaque nos 35 anos de Festival de Dança de Joinville Wilian Aguiar/divulgação
Paula Alves, 21 anos, tinha nove anos quando participou pela primeira vez do Festival Meia Ponta, em Joinville Foto: Wilian Aguiar / divulgação

A Noite de Gala deste ano tem no programa um grande espetáculo formado por apresentações de diferentes gêneros, com bailarinos e grupos que tiveram suas histórias entrelaçadas aos 35 anos do Festival de Joinville. É o que Ely Diniz chama de ciclo do Festival: pessoas que vieram durante a infância e a adolescência para a Mostra Competitiva, foram premiados, tornaram-se profissionais e agora retornam como convidados especiais.

Leia as últimas notícias sobre Joinville e região no AN.com.br

Por isso, é simbólico que o coreógrafo que idealizou e dirigirá a Noite de Gala seja Marcelo Misailidis. Ele tinha 17 anos quando veio a Joinville pela primeira vez, em 1986, dançou um solo de O Corsário e recebeu o prêmio de terceiro lugar em balé clássico de repertório. Em 1988, dançou um pas de deux com Pollyana Ribeiro, e o casal foi premiado com o primeiro lugar.

Conheça os espetáculos das noites especiais do 35º Festival de Dança

Apenas três anos depois, um episódio inusitado faria toda a diferença no início da carreira profissional de Marcelo: ele fazia parte da Associação de Ballet do Rio e foi convidado para dançar com Ana Botafogo no Festival de Joinville, em uma edição que inovou ao ter convidados especiais se apresentando todas as noites, antes da Mostra Competitiva.

Festival de Joinville divulga selecionados para Mostra Competitiva

Nos dias seguintes, Cecília Kerche e Nora Esteves, que, assim como Ana, eram bailarinas principais do Balé do Theatro Municipal do Rio, ficaram sem partners, e Marcelo assumiu a responsabilidade todas as noites. Pouco tempo depois de retornar para casa, recebeu o convite para virar primeiro-bailarino do Theatro do Rio, uma ascensão meteórica rara de acontecer.

Confira as datas e horários de venda de ingressos para o Festival

— Voltei várias vezes depois para noites especiais. Em Joinville, dancei com as maiores bailarinas do Brasil. Depois, voltei como diretor artístico do Balé do Theatro Municipal em 2008 com O Lago dos Cisnes; em 2012, como jurado; e, depois, como curador. Mas sou apenas mais uma formiga em meio a muitas histórias semelhantes produzidas pelo Festival de Joinville — avalia.

Entre as ¿formigas¿ da nova geração está Paula Alves, 21 anos. A paulista, bailarina da São Paulo Companhia de Dança, mantida pelo Estado de São Paulo, está entre os jovens sucessos da Noite de Gala. Paula é, talvez, o melhor exemplo de todas as possibilidades deste ciclo do Festival de Joinville. Ela tinha nove anos quando participou pela primeira vez do Festival Meia Ponta, a Mostra Competitiva dos alunos mais novos, que, na época, ainda não apontava vencedores.

— Minha irmã mais velha também dançava, então eu já vinha a Joinville antes, para acompanhá-la. Para mim, Joinville era o mundo mágico do balé. Quando comecei a vir como participante, eu sentia que estava virando ¿gente grande¿ — recorda Paula.

Talento precoce, ela surpreendeu até os professores da Especial Academia de Ballet, escola tradicional que já recebeu e viu muitos de seus alunos serem premiados. Paula tinha apenas 13 anos quando dançou na Mostra Competitiva pela primeira vez e levou dois prêmios de primeiro lugar na categoria júnior de balé clássico de repertório.

No ano seguinte, o primeiro lugar foi dividido com um anúncio ainda melhor na Noite dos Campeões: ela havia sido escolhida como bailarina-revelação, premiação que garantia vaga na seletiva do Youth America Grand Prix, em Nova York – onde ela foi premiada com o segundo lugar. Em 2011, Paula voltava para ganhar mais um troféu de primeiro lugar e para ser celebrada como melhor bailarina da 29ª edição.

— Passei a madrugada inteira chorando. Não acreditava que tinha recebido o prêmio máximo dado a um bailarino em Joinville — conta.

Mais do que ter o nome marcado na história do Festival de Dança de Joinville, receber o prêmio de melhor bailarina dava direito a uma vaga no Grand Prix de Lausanne, na Suíça, que é referência em concursos de dança clássica no mundo. Paula viveu a experiência com apenas 15 anos. Ela voltaria ainda ao Festival outras duas vezes: dançou em meio a outras estudantes em grand pas de deux na Mostra Competitiva e na Mostra Estímulo em 2014, completando todas as opções do ciclo do Festival até chegar ao posto de convidada.

— Agora, a responsabilidade é diferente, porque vou como profissional, representando uma companhia e posso mostrar que é possível ser bem-sucedida no meu País — afirma.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia"São infelizes coincidências", diz secretário sobre ataques a agentes prisionais em SC https://t.co/l7puETDfhv #LeianoANhá 18 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMorre Uno Theilacker, ex-ciclista premiado de Joinville https://t.co/jqZFCzrkHQ #LeianoANhá 19 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros