"Cartilha" que compara funções de delegado e PM reacende crise entre polícias em Balneário Camboriú - Geral - A Notícia

Versão mobile

Polêmica20/07/2017 | 15h12Atualizada em 20/07/2017 | 15h23

"Cartilha" que compara funções de delegado e PM reacende crise entre polícias em Balneário Camboriú

Publicação foi repassada entre grupos de policiais nas redes sociais

Foto: Reprodução

Uma imagem repassada através de grupos de policiais no Whatsapp reacendeu a crise institucional entre as polícias Civil e Militar em Balneário Camboriú. O texto, intitulado "Cartilha dos policiais militares e civis de Balneário Camboriú e região", afirma que um delegado não pode questionar uma prisão feita pela PM, e recomenda que policiais militares "se imponham diante das humilhações" em todas as delegacias de Polícia Civil do Estado. O caso já foi encaminhado à Secretaria de Estado de Segurança Pública, para que seja descoberta a autoria e tomadas providências.

A ¿cartilha¿ compara as funções de um policial militar e de um delegado da Polícia Civil, e afirma que questionamentos devem ser comunicados formalmente à Secretaria de Segurança Pública e ao Ministério Público.

Foto: Reprodução



O delegado Regional, David Queiroz de Souza, diz que tomou conhecimento da publicação através de grupos de Whatsapp, nesta quinta-feira. Segundo ele, tanto a Polícia Civil quanto a PM estão empenhadas em descobrir de onde saiu o material _ o que é confirmado pelo comandante da 3ª Região da PM, coronel Cláudio Koglin.

_ Nos causa preocupação, em um momento que o comando vem buscando construir uma relação de parceria junto à Delegacia Regional, com intuito de bem servir à sociedade. Me parece que a cada momento que um passo à frente nesta parceria é dado, algo aparece para tentar causar intrigas entre a PM e a Polícia Civil _ afirma o coronel.

O delegado regional diz que não há inquérito instaurado, porque a "cartilha" não configura crime, mas, segundo ele, há erro:

_ É uma publicação errada, que só está servindo para acirrar ânimos. Legalmente, o delegado tem sim atribuição para fazer a análise da prisão. Isso está gerando um desconforto enorme e aumentando a crise que infelizmente ainda não foi ceifada em Balneário Camboriú.

O relacionamento entre as duas corporações está balançado desde maio, quando seis policiais militares do Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT) de Balneário Camboriú foram presos pela Polícia Civil, sob a alegação de que teriam atrapalhado investigações e torturado um suspeito.

Desde então, o comando da PM e a Delegacia Regional vêm tentando apaziguar as corporações. Mas um indício de que o relacionamento continua abalado é o fato de a PM ter se retirado da força-tarefa que apura crimes ambientais, furtos e roubos _ apesar de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) que determinava a atuação conjunta. 

Leia também:
PM vai abrir inquérito para investigar ação de policiais
Polícia Civil divulga detalhes da ação que investiga PMs por tortura
Prisão de tenente expõe conflito entre polícias Civil e Militar em SC


Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Novo bloco do CCT da Udesc está na fase final de obras https://t.co/00zq4IWFhe #LeianoANhá 39 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaRejane: Mostra de arquitetura será realizada em casa antiga da rua Aquidaban, em Joinville  https://t.co/AugrJt6WY1 #LeianoANhá 4 horas Retweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros