Ex-presidente do BNDES, Luciano Coutinho é um dos alvos da Bullish - Geral - A Notícia

Versão mobile

Operação da PF12/05/2017 | 11h59Atualizada em 12/05/2017 | 11h59

Ex-presidente do BNDES, Luciano Coutinho é um dos alvos da Bullish

Operação também investiga JBS e Antonio Palocci em fraude em aportes concedidos pela instituição

Ex-presidente do BNDES, Luciano Coutinho é um dos alvos da Bullish Fábio Motta/Agência Estado
Luciano Coutinho foi levado coercitivamente para depor pela Polícia Federal Foto: Fábio Motta / Agência Estado
Zero Hora e Estadão Conteúdo

O ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Luciano Coutinho é um dos alvos da Operação Bullish, que investiga a empresa de carne JBS e o ex-ministro Antonio Palocci em fraude em aportes concedidos pela instituição. A polícia tinha um pedido de condução coercitiva para levar Coutinho para depor, mas o mandado não foi cumprido, uma vez que ele está no Exterior.

Os aportes concedidos pelo BNDES tinham como objetivo a aquisição de empresas também do ramo de frigoríficos no valor total de R$ 8,1 bilhões. Segundo as investigações, as transações foram executadas sem a exigência de garantias, gerando prejuízo de aproximadamente R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos.

Leia mais:
Marta Sfredo: O elo perdido da Lava-Jato e a "empresa do Lulinha"
PF investiga JBS e Palocci em fraude em empréstimos concedidos pelo BNDES
Bullish é sexta operação que mira a JBS

Na ação, os agentes cumpriram 37 mandados de condução coercitiva e 20 de busca e apreensão no Rio de Janeiro e em São Paulo. A Justiça Federal em Brasília determinou o cumprimento de mandados de busca e apreensão nas casas de Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, mas negou o pedido de prisão dos irmãos sob o argumento poderia "abalar ainda mais a já afetada imagem" da empresa. Foi ordenada, alternativamente, a apreensão dos passaportes de investigados.

A 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, considerou que há indícios de irregularidades graves. "Os fatos indicam ao menos uma atuação temerária e incompatível com a prudência que operações desse porte estão a requerer, havendo, talvez, a configuração de crime de gestão temerária, cuja pena também é elevada (de dois a oito anos)", diz trecho da decisão que autorizou as medidas.

O documento destaca que há indícios também de corrupção, citando delação premiada do ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto, que relatou à Lava Jato suposto pagamento de propina, pela JBS, ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha.A decisão cita também o fato de o grupo ser grande financiador de partidos políticos, "uma vez que a lógica dessa doação seria a de obter facilidades posteriores". 

Levanta ainda a possibilidade de os novos rearranjos na estrutura social do grupo terem como propósito a lavagem de dinheiro.Os investigados tiveram bens bloqueados. Os irmãos Batista, que já são alvo de outras operações, estão proibidos de fazer mudanças na estrutura de suas empresas e de abrir novas companhias no Brasil e no Exterior.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConfira dez vagas abertas na área de tecnologia da informação em Joinville https://t.co/NphlLGRY1f #LeianoANhá 45 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPingo é apresentado no JEC e garante que equipe brigará pelo acesso https://t.co/AnhmTNYZID #LeianoANhá 1 horaRetweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros