Santa Catarina tem mais de 2 mil focos do Aedes aegypti em 2017 - Geral - A Notícia

Versão mobile

Combate ao mosquito09/03/2017 | 18h38Atualizada em 09/03/2017 | 18h38

Santa Catarina tem mais de 2 mil focos do Aedes aegypti em 2017

Nos dois primeiros meses do ano, foram encontrados focos em 96 municípios catarinenses, sendo que 53 são considerados infestados

Santa Catarina tem mais de 2 mil focos do Aedes aegypti em 2017 Fiocruz Imagens/Divulgação
Foto: Fiocruz Imagens / Divulgação
Diário Catarinense
Diário Catarinense

Nos dois primeiros meses de 2017, Santa Catarina registrou 2.153 focos de Aedes aegypti, mosquito transmissor dengue, da febre de chikungunya e do zika vírus. Esses focos estão concentrados em 96 municípios catarinenses, sendo que 53 deles são considerados infestados, conforme divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de SC (Dive-SC) nesta quinta-feira. Os números são referentes ao período de 1 de janeiro a 25 de fevereiro. 

A quantidade de focos é praticamente a mesma registrada no mesmo período do ano passado, quando foram identificados 2.310 focos, em 104 municípios. Apesar da quantidade de mosquitos, o Estado registrou até o momento um caso de dengue, no município de São Miguel do Oeste, que está aguardando definição do Local Provável de Infecção (LPI); e um de febre de chikungunya, em um residente no município de Florianópolis que adquiriu a doença no Pará. No mesmo período do ano passado, haviam sido confirmados 1.337 casos de dengue em Santa Catarina.

— Apesar de não estarmos registrando casos de dengue, não podemos nos tranquilizar. Os dados confirmam que o mosquito está presente e as ações de eliminação de criadouros e de controle vetorial devem se manter constantes — enfatiza Suzana Zeccer, gerente de vigilância de zoonoses da Dive/SC.

Ações dentro dos órgãos públicos

O governo no Estado publicou o Decreto 1.079 de 01 de março de 2017, instituindo comissões de articulação e monitoramento das ações de prevenção e eliminação de focos do Aedes aegypti no âmbito dos órgãos e das entidades da Administração Pública Estadual Direta e Indireta. 

— Com isso, todos os órgãos estaduais devem criar suas comissões para inspecionar esses locais, eliminando condições para a proliferação do mosquito — comemora Suzana.

Municípios infestados

Atualmente, existem 53 municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti em Santa Catarina (a definição de infestação é realizada de acordo com a disseminação e manutenção dos focos). 

Leia também:

Febre amarela: o que você precisa saber sobre a doença

Santa Catarina tem três novos casos suspeitos de febre amarela

 
 
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros