Coreia do Sul volta atrás e retira embargo da carne de frango do Brasil - Geral - A Notícia

Versão mobile

Operação Carne Fraca21/03/2017 | 02h46Atualizada em 21/03/2017 | 12h02

Coreia do Sul volta atrás e retira embargo da carne de frango do Brasil

País asiático havia anunciado medida de restrição, mas voltou atrás depois de receber garantias do Ministério da Agricultura do Brasil

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Alguns dos maiores importadores de carne do Brasil anunciaram na segunda-feira restrições à compra do produto, o maior efeito econômico até agora da operação Carne Fraca, deflagrada na sexta-feira pela Polícia Federal. União Europeia, China e Chile confirmaram algum tipo de restrição às exportações. A Coreia do Sul, que havia se juntado ao grupo de importadores, voltou atrás na abertura do mercado, nesta terça-feira, porém intensificando a vigilância. Juntos, esses mercados representam cerca de 35% das vendas externas de carne bovina do Brasil.


Preocupado com os efeitos da operação da PF sobre as exportações, o presidente Michel Temer autorizou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, a endurecer nas negociações, para evitar o fechamento dos mercados à carne brasileira.

Leia mais:
Juiz pede para ver laudos técnicos que serviram de base para Carne Fraca
Repercussão da Operação Carne Fraca gera atrito entre PF e governo
Operação deu à UE argumento para pedir a suspensão da carne do Brasil 

— Comércio é assim, às vezes tem cotovelada — comentou o ministro — Se tiver de ter uma reação mais forte, farei com toda tranquilidade.

Ele falava sobre a hipótese de o Chile adotar uma suspensão total à importação da carne brasileira, embora o governo brasileiro não tivesse até então clareza sobre a extensão das medidas restritivas chilenas. Blairo lembrou que o Brasil importa produtos de lá e, se for o caso, poderá adotar restrições a eles.

Na segunda-feira, o governo fazia uma corrida contra o tempo para evitar que países suspendam de forma mais definitiva as importações de carne brasileira.

— Seria um desastre — disse Maggi — Eu torço, rezo, penso e trabalho para que isso não acontecer.

Ele disse que um eventual embargo às importações levaria anos para ser revertido. Na crise da vaca louca, em 2012, a China passou três anos sem comprar o produto brasileiro.

As primeiras reações dos países compradores mostram, por enquanto, um prejuízo limitado às vendas brasileiras de carne. A China, principal mercado do País, comunicou que os embarques do Brasil não serão desembaraçados, ou seja, não deixarão a área do porto, até que haja explicações adicionais das autoridades brasileiras. Estava programada para a noite de de segunda-feira uma teleconferência entre autoridades brasileiras e chinesas para prestar os esclarecimentos necessários.

Outro mercado importante, a União Europeia suspendeu a compra dos 21 estabelecimentos suspeitos, uma decisão vista com certo alívio pela área técnica, que temia uma medida mais forte. Em sintonia, o Brasil deixou de emitir autorização para esses frigoríficos venderem para a Europa. De acordo com o ministério, quatro frigoríficos da lista efetivamente exportam para lá. Entre eles, estão a BRF e a JBS.

De acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), as exportações para China, Chile, União Europeia e Coreia do Sul representaram no ano passado 34,42% das exportações da carne bovina e 20,16% das de frango.

No caso da carne bovina, as vendas ao mercado externo somaram US$ 4,344 bilhões, dos quais 16,71% foram adquiridos pela China, principal comprador, e 11,24% pela UE. Nas exportações de frango, que somaram US$ 5,946 bilhões no ano passado, a China comprou 14,45% do total e a Coreia, 2,85%.

A Notícia
Busca