Pastel de tangerina e cerveja da melhor qualidade: fotógrafa do DC dá  15 dicas de lugares imperdíveis no Vale do Itajaí - Geral - A Notícia

Versão mobile

Viver SC28/11/2016 | 17h15Atualizada em 28/11/2016 | 18h18

Pastel de tangerina e cerveja da melhor qualidade: fotógrafa do DC dá  15 dicas de lugares imperdíveis no Vale do Itajaí

Cerveja da melhor qualidade, comida saborosa, esportes radicais e espetáculos da natureza são algumas das atrações que fazem do Vale do Itajaí uma região que sempre deixa um gostinho de "quero voltar". A fotógrafa do DC, Betina Humeres, percorreu 1,2 mil quilômetros na região para produzir o Viver SC e separou 15 dicas de lugares que valem a pena incluir no roteiro. Confira:

1. Queijos da dona Nilda

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Os queijos da Nilda (foto) são uma ótima pedida em Rio do Sul. O carro-chefe é o queijo minas (puro e temperado), tanto que não tinha nenhum quando fomos, todos tinham sido vendidos. Nilda começou a fazer queijo em casa, com o marido, a partir da sobra da ordenha das vacas. No início ela dividia o produto com os amigos e a família, até que o negócio ficou sério e o casal investiu em um curso de queijo para dar início a uma queijaria profissional em casa, no final dos anos 1990. Uma cozinha industrial foi montada e a produção se expandiu. Hoje ela fornece queijo para alguns hotéis da região, o Hospital Regional de Rio do Sul e mais de 100 clientes por mês.Eu provei dois tipos de queijo prato, um temperado com pimenta e um curado no vinho e são uma delícia! Você pode entrar em contato pelo telefone (47) 99988-4411.

2. Esticadinha

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Se você vai até a queijaria da dona Nilda, não deixe de conhecer as cachoeiras do bairro Bela Aliança. Ali pertinho fica a Cachoeira da Magia. Você pode pagar
R$ 5 para um guia acompanhá-lo até os pontos mais interessantes para banho ou para a melhor vista. Mas há várias outras quedas-d'água em Rio do Sul.

3. Tilápia chapeada

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Uma deliciosa porção de filé de tilápia com uma fartura de acompanhamentos é a boa pedida do Estação Sabor, em Apiúna. Você pode escolher a tilápia chapeada, frita ou ao molho. A refeição para duas pessoas custa em média R$43 e vale cada centavo. O lugar é muito bonito, fica à beira do lago onde os peixes servidos são criados.

4. Pastel sabor tangerina

Foto: Divulgação / Agencia RBS

Outra dica legal é experimentar o pastel de tangerina do Italiana Gastrobar e Pastelaria. Na cidade de Apiúna acontece a tradicional Festa da Tangerina e a ideia do pastel surgiu daí. Simples assim. A proprietária Angélica Mazurek, 32, afirma que o pastel se tornou mais popular entre pessoas de outras cidades há três anos, quando foi lançada uma promoção: no mês da festa da tangerina, na compra de qualquer pastel ou lanche, o cliente era presenteado com um mini pastel da fruta. Assim, o lugar se tornou uma referência pelo pastel deste sabor.

– Isso fez com que ampliássemos o período de oferta do pastel e passássemos a comercializá-lo em diferentes tamanhos também – diz.

5. Sonhar pode

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Você pode estar passeando por Itajaí e se deparar com um grafite na parede dizendo que "sonhar pode". Essas e outras intervenções foram feitas pelo artista plástico e poeta Mauro Caelum, que morreu em setembro. Itajaiense, Mauro chamava seu trabalho de "arte da transformação" por utilizar materiais normalmente descartados pelas pessoas. A casa onde morava e o ateliê podem ser visitados. Para quem gosta de arte essa é uma ótima opção. Fica na Rua José Tedeo, 169, no bairro São Judas. 

6. Cartão-postal

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

A catedral São João Batista, de Rio do Sul, é uma daquelas visitas das quais não dá pra fugir. É linda, tem mais de 60 anos e está bem no centro da cidade. A construção é um dos cartões-postais locais e foi erguida no lugar da antiga igreja matriz, entre o final dos anos 1940 e início de 1950.

7. Sempre uma novidade

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Cada vez que eu vou ao zoológico de Pomerode me surpreendo. Sempre tem alguma novidade. O lugar está superbonito e organizado. Ele foi o primeiro zoológico da região Sul do Brasil e é o maior de Santa Catarina. Hoje tem aproximadamente 1.300 animais e 250 espécies, muitas delas correm risco de extinção e o espaço participa de um esforço coletivo para preservá-las. O zoo fica na Rua Hermann Weege, 180, Centro. Ingressos entre R$ 15 e R$ 300.

8. Rota da Cerveja de Blumenau

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Se você for a Blumenau fora da época da Oktoberfest e quiser apreciar uma boa cerveja, não deixe de fazer o passeio pelo Vale da Cerveja. Ele fica disponível durante o ano todo e permite que você defina a rota como preferir. Você vai degustar os mais variados tipos de cerveja, em diferentes cervejarias (nas fábricas) que têm uma estrutura de recepção ao turista muito bem elaborada. As cervejarias de Blumenau, Brusque, Gaspar, Ibirama, Pomerode, Timbó, entre outros, estão neste circuito. As opções de percurso estão no site valedacerveja.com e o indicado é agendar a visita. 

9. Mercado aconchegante

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

O Mercado do Peixe em Itajaí é um lugar muito simpático e aconchegante onde se pode comer um bom peixinho e desfrutar uma boa música. A programação cultural é intensa e sempre tem alguém se apresentando por lá. Dali você também acompanha as manobras dos grandiosos navios no porto, o que é bem interessante.

10. Vista espetacular

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Pra quem gosta de trilhas, caminhadas e uma bela paisagem, o topo do Morro do Macaco, em Bombinhas, é imperdível. Sem dúvida, uma das vistas mais bonitas da região. A caminhada é de nível intermediário, eu diria. A subida não é das mais fáceis, mas o que se vê lá de cima compensa o esforço.

11. Esculturas naturais

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

As grutas de Botuverá ficam em Ourinho, a 15 quilômetros do centro da cidade. Desde pequena eu queria conhecer e foi esse trabalho que proporcionou minha primeira visita. No dia em que fomos estava lá uma excursão de senhoras da terceira idade, muito animadas e empenhadas no passeio. Isso é um estímulo para quem teme alguns degraus de escada. Não são poucos, mas são totalmente possíveis. A visita é guiada e o pessoal é muito atencioso. As grutas possuem aproximadamente 1,2 mil metros de extensão e são compostas por várias esculturas feitas pela água que criam os famosos estalactites, estalagmites e outras formas incríveis. A caverna fica num parque muito bonito, onde se pode ver corredeiras, cachoeiras e animais nativos. Para aqueles que não podem visitar as cavernas por motivos diversos, é possível fazer uma trilha pela mata até uma cachoeira. Mas atenção: leve repelente!

12. Coleção de relíquias

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

No parque onde ficam as grutas de Botuverá, está em fase de construção o Museu da Imigração, organizado por Pedro Luiz Bonomini, o seu Pedrinho. Na área externa já se podem ver réplicas idênticas às originais dos moinhos de farinha e açúcar. E na área interna (ainda em construção) há uma verdadeira coleção de relíquias e utensílios que ajudam a contar a história da cidade.

13.  Engenho do seu Augusto

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Em Botuverá existe um moinho de farinha e de cana em pleno funcionamento. Fica na casa do seu Augusto Colombi. Na verdade, na casa do seu Augusto tem de tudo. Moinho para farinha, açúcar, tacho para o melado, abelha para fazer mel e uma oficina com ferramentas de marcenaria e serralheria em que ele cria de tudo. Antigamente, o moinho funcionava dia e noite. As pessoas traziam o milho ou a cana e ele fazia virar farinha ou açúcar. O pagamento era com uma parte do fubá produzido. Hoje, a demanda é menor, mas ainda funciona. A oficina na entrada da casa é encantadora. Ali ele produz um mundo de coisas, em madeira e metal, inclusive a forma do pão de milho que a sua esposa, dona Irma, faz para vender. Você encontra o pão de milho, o mel e o melado que eles fabricam na padaria da família, que hoje é administrada por um dos oito filhos na Rua João Moreli, 219. Mas seja ágil: a fornada de 29 pães só sai na sexta-feira, chega na padaria perto do meio-dia e acaba rápido!

14. Para quem gosta de aventura

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

O rio Itajaí-Açu é o mais importante do Vale do Itajaí. Ali na região de Apiúna ele tem muita força, e o pessoal que curte esporte radical não pode perder. Há pelo menos 20 anos a Ativa oferece o rafting como principal atividade. Mas você também pode curtir uma trilha no Morro da Cruz ou um rapel na Cachoeira do Engenho. A empresa funciona todos os dias com reserva. Se você achar conveniente, pode agendar também um almoço ou um café da tarde (porque dá fome mesmo!). Aqui você consegue todas as informações que precisa: ativaraftingvaleeuropeu.com

15. Cucas para todos os gostos

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Se você vai a Pomerode ou região, não pode deixar de experimentar a incrível variedade de cucas feitas na Confeitaria Torten Paradies. É um paraíso para quem gosta dos doces e salgados alemães. Eles têm o serviço de café colonial também, mas uma cuca acompanhada de uma xícara de café não tem hora. Eu experimentei a de castanha-do-Pará com coco, mas há variedade de mais de 30 tipos. Tem pra todos os gostos! O café colonial é servido todos os dias das 14h30min às 19h. São mais de 100 opções para se deliciar.

Leia também:

Conheça o trabalho de Kelly Greicy, prática de Itajaí responsável por manobrar navios de mais de 80 mil toneladas

Um castelo, inscrições milenares e uma pedra desafiadora estão entre as 12 curiosidades encontradas na Serra de SC

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConmebol confirma título da Chapecoense na Copa Sul-Americana https://t.co/DRSnXaMH9jhá 15 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaTrês pessoas morrem em acidente na BR-101, em Joinville https://t.co/l8OUqDJflmhá 15 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros