Mulheres catarinenses estão engravidando mais tarde, segundo IBGE - Geral - A Notícia

Versão mobile

Registro Civil 201524/11/2016 | 11h59Atualizada em 24/11/2016 | 13h34

Mulheres catarinenses estão engravidando mais tarde, segundo IBGE

Grávidas com mais de 30 anos respondem por 33,8% dos nascimentos em Santa Catarina, enquanto que aquelas que têm entre 20 e 24 anos somam 23,64% dos partos de nascidos vivos

Mulheres catarinenses estão engravidando mais tarde, segundo IBGE Carlinhos Rodrigues/Agencia RBS
Gravidez tardia também acontece no restante do país, conforme estudo Estatísticas do Registro Civil 2015 Foto: Carlinhos Rodrigues / Agencia RBS

A decisão por ter filhos é cada vez mais adiada entre as mulheres catarinenses. Se em 2005 quase um terço (27,86%) dos nascimentos em Santa Catarina envolvia mães com idade entre 20 e 24 anos, uma década depois é possível observar um crescimento expressivo da participação de parturientes pertencentes a grupos etários mais experientes: 30 a 34 (22,4%) e 35 a 39 anos (11,4%). 

O fenômeno da gravidez tardia, que mostra um envelhecimento no padrão de filhos nascidos vivos das mulheres catarinenses, repete-se em praticamente todo o país. É o que indica o levantamento Estatísticas do Registro Civil 2015, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na manhã desta quinta-feira.

Em uma análise dos nascimentos em 2005, 2010 e 2015, percebe-se uma progressiva mudança na idade com a qual as mulheres têm filhos. Em 2005, o padrão da curva dos nascimentos era eminentemente jovem, com mais de 30% dos nascimentos em casos de mães entre 20 e 24 anos. 

Em 2010, nota-se uma diminuição relativa dos nascimentos desse grupo e aumento dos nascimentos de mães que tenham entre 25 a 29 anos. Os dados de 2015 também evidenciam o aumento da representatividade dos nascidos registrados de mães do grupo etário 30-39 anos em relação aos demais anos analisados, com relativa redução dos registros de filhos de mães em idades mais jovens.

SC tem o 3º menor percentual de registros de nascimentos tardios do país

Em 2015, foram registrados 96.822 nascimentos ocorridos em 2015, um aumento de 4,32% em relação a 2014. Em um intervalo de nove anos, o percentual de registros tardios (efetuados até 3 anos após os nascimentos) caiu de 6,15% (2003) para 0,86% (2012). São Paulo apresenta o menor percentual de registros de nascimentos tardios do país (0,48%), seguido pelo Paraná (0,52%) e Santa Catarina (0,55%). 

Leia também
SC está entre os cinco Estados que mais registraram casamentos homoafetivos em 2015, diz IBGE

Gravidez: Sonho cada vez mais adiado para grande parte das mulheres

Preservação ovariana evita riscos na gravidez em idade avançada

Mamães cinquentonas

as-4894285.html" target="_blank">Mamães cinquentonas

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia'AN' testa o aplicativo Uber no primeiro dia de funcionamento em Joinville https://t.co/il68udAyxO https://t.co/6WUEYID981há 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaVagner Mancini será o técnico da Chapecoense https://t.co/QEwIhlRC03há 9 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros