Criminalização viola a autonomia da mulher, diz Barroso sobre aborto; leia íntegra do voto - Geral - A Notícia

Versão mobile

Decisão no STF30/11/2016 | 11h22Atualizada em 30/11/2016 | 15h20

Criminalização viola a autonomia da mulher, diz Barroso sobre aborto; leia íntegra do voto

Ministro apresentou posicionamento afastando prisão preventiva de acusados de suposta prática de aborto com consentimento da gestante

Criminalização viola a autonomia da mulher, diz Barroso sobre aborto; leia íntegra do voto Carlos Humberto/STF
Foto: Carlos Humberto / STF
Zero Hora
Zero Hora

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão tomada nesta terça-feira, afastou a prisão preventiva de duas pessoas denunciadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) por suposta prática de aborto com consentimento da gestante e formação de quadrilha.

Tratava-se do julgamento de um habeas corpus. O ministro Luís Roberto Barroso, em um voto seguido pela maioria, ressaltou que não estavam presentes requisitos mínimos que autorizam a prisão cautelar, ou seja, antes da condenação. Barroso sustentou que a criminalização do aborto é incompatível com direitos fundamentais — entre os quais, direitos sexuais e reprodutivos, autonomia da mulher, integridade física e psíquica da gestante e princípio da igualdade.

— A tudo isto se acrescenta o impacto da criminalização sobre as mulheres pobres. É que o tratamento como crime, dado pela lei penal brasileira, impede que estas mulheres, que não têm acesso a médicos e clínicas privadas, recorram ao sistema público de saúde para se submeterem aos procedimentos cabíveis. Como consequência, multiplicam-se os casos de automutilação, lesões graves e óbitos — sustentou o ministro.

Leia mais:
O aborto dentro da lei
Em resposta ao STF, Maia cria comissão especial para discutir aborto

A decisão não é vinculante, portanto, não passa a valer necessariamente para os demais casos que discutam questão idêntica. Mas abre um precedente, fazendo com que a decisão seja seguida por juízes de outras instâncias.

Leia na íntegra o voto do ministro Luís Roberto Barroso

O caso

Depois de os acusados terem sido presos em flagrante, a Justiça de primeiro grau concedeu liberdade provisória, com o argumento de que as infrações seriam de médio potencial ofensivo e com penas relativamente brandas. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, após recurso do MPRJ, decretou a prisão preventiva, que foi mantida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O relator do habeas corpus, ministro Marco Aurélio Mello, deferiu de forma cautelar a revogação da prisão em 2014 — em agosto deste ano, o mérito do pedido começou a ser julgado no Supremo, e Marco Aurélio confirmou sua liminar.

Como houve pedido de vista de Barroso, o julgamento se estendeu. Nesta terça-feira, Barroso apresentou seu voto concedendo ordem de ofício (acredita que o habeas corpus não é o instrumento adequado para o pedido, mas reconhece que a prisão não é necessária).

Os ministros Edson Fachin e Rosa Weber acompanharam esse entendimento, e o ministro Luiz Fux concedeu o HC de ofício, restringindo-se a revogar a prisão preventiva.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia'AN' testa o aplicativo Uber no primeiro dia de funcionamento em Joinville https://t.co/il68udAyxO https://t.co/6WUEYID981há 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaVagner Mancini será o técnico da Chapecoense https://t.co/QEwIhlRC03há 9 horas Retweet
  •  
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros