Fósseis descobertos por pesquisadores do Planalto Norte de SC são de pterossauro - Geral - A Notícia

Versão mobile

 

Dia histórico 14/08/2014 | 10h59Atualizada em 15/08/2014 | 12h19

Fósseis descobertos por pesquisadores do Planalto Norte de SC são de pterossauro

Uma nova espécie de réptil estava escondida entre quatro toneladas de rochas. Descoberta científica é de importância internacional

Fósseis descobertos por pesquisadores do Planalto Norte de SC são de pterossauro 0/Agencia RBS
Os pterossauros, também chamados de répteis voadores, foram os primeiros a desenvolverem o voo ativo Foto: 0 / Agencia RBS

Caiuajara dobruskii. Esse é o nome da nova espécie de pterossauro descoberta em Cruzeiro do Oeste, no Paraná, apresentada nesta quinta-feira em coletiva de imprensa na Universidade do Contestado (UNC), de Mafra.

A nomenclatura é uma referência à pedra típica do local, o arenito caiuá, e uma homenagem aos desbravadores da região, pai e filho da família Dobruski, que moravam em um sítio na Estrada dos 600 alqueires quando descobriram os fósseis na década de 1970.

O sacrifício de uma égua da família levou às primeiras escavações no sítio onde moravam. O animal caiu na subida da estrada, quebrou os dentes, não tinha como se alimentar e teve que ser sacrificado. Munidos de picaretas, o pai Alexandre Gustavo e o filho João Gustavo queriam melhorar a estrada por onde animais puxavam as carroças.

Era 1971. Eles desejavam apenas tornar mais suave a travessia, que tinha uma pedra no meio da subida. A rocha ficava umedecida e escorregadia por causa da água que descia do morro. Pai e filho com as picaretas fizeram valetas nas laterais da "lombada" para drenar os fluídos. Às primeiras picaretadas, foram reveladas pedras diferentes, com ossos dentro.

— Meu pai nunca foi à escola, mas lia muito e logo percebeu que eram fósseis — contou João, que descreveu — Quando dava uma chuva forte, a pedra branqueava de osso.

Ninguém deu crédito à família, que vivia do plantio de hortaliças. Pai e filho chegaram a ouvir que eram ossos de galinhas devoradas por índios. Entre 1975 e 1980, eles procuraram respostas. Queriam saber "que bicho era aquele". Ninguém conseguiu responder e os fósseis foram levados para uma gaveta na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

O pai Alexandre faleceu antes do mistério começar a ser desvendado. João temia que o mesmo acontecesse com ele e a história também morresse, sem que seu sobrenome fosse lembrado e latinizado com um "i" duplo da nomenclatura da nova espécie.


 
A partir da ossada, pesquisadores reproduziram o desenho dos pterossauros

Em 2011, o pesquisador Paulo Manzig buscava materiais para o seu livro "Museus e fósseis da região Sul do Brasil". Foi ele quem abriu a gaveta e em segundos identificou:

—Tinha nas mãos um crânio de um filhote de pterossauro.

A abertura da gaveta escancarou as possibilidades de pesquisa sobre os répteis alados, extintos há, pelo menos, 65 milhões de anos. O Centro Paleontológico da UNC (Cenpaleo) passou a liderar os trabalhos, em parceria com o Museu Nacional do Rio de Janeiro, ligado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Os pesquisador da UNC, Luiz Carlos Weinschütz, afirmou que a descoberta de exemplares fósseis de jovens e adultos "permitiu a compreensão do crescimento da espécie", que tinha "hábitos de grupo".

O especialista em pterossauros da UFRJ, Alexander Kellner, sonhava em encontrar uma aglomeração de fósseis como esta, do Paraná. Foi ele quem identificou que se tratava de uma espécie nova. O Caiuajara dobruskii, conforme o pesquisador destacou em seu estudo, tem uma "arcada inferior com depressão muito acentuada", o que o distingue dos demais.

Kellner considera o esquecimento da peça engavetada algo "recorrente" e fruto da "especialização da ciência". Tão logo um conhecedor de pterossauro viu a peça, descobriu o achado.

—Um dos melhores lugares para se pesquisar são as gavetas dos museus — garantiu.

Quarenta e sete exemplares foram encontrados primeiramente, depois mais dez. Kellner acredita que há muito mais para descobrir sobre esses répteis frugívoros - caracterizados por se alimentarem de frutas, diferentes das conhecidas hoje -, que sobreviviam em áreas desérticas.



Futuro da pesquisa

Da região de 400m², apenas 20m² foram explorados nas escavações. Há muito material já coletado e a ser encontrado. A quantidade que os pesquisadores têm em mãos permitirá que jovens como a formanda em Ciências Biológicas da UNC, Camila Cassiano de Moura, possam contar a história do animal extinto a partir dos fósseis.

Camila pretende se especializar em paleohistologia e a partir do estudo das células dos fósseis dizer quanto tempo e qual o tamanho tinham os Caiuajara dobruskii.

—É um procedimento destrutivo, por isso a grande quantidade é importante — ressaltou ela.

Para o estudo das células é preciso cortar lâminas finas do fóssil, causando danos à peça. Os melhores exemplares permanecerão expostos no Museu da Terra e da Vida, na UNC.

Cruzeiro do Oeste é o terceiro lugar do mundo, conforme explicou Kellner, onde se encontrou grande concentração de fósseis de pterossauros. Na década de 1970, pesquisadores descobriram pterossauros na província de San Luis, na Argentina. Em Junho de 2014 foi a vez dos chineses escavarem fósseis de grupos de répteis voadores, em Xin Jing.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Dia histórico no Planalto Norte  14/08/2014 | 06h11

Pesquisadores revelam descoberta de fósseis de réptil nesta quinta, em Mafra

Uma nova espécie de réptil estava escondida entre quatro toneladas de rochas

 
A Notícia
Busca