Equipes continuam trabalho de remoção de produtos químicos do rio São João, em Garuva - Meio Ambiente - Geral - A Notícia

Versão mobile

 

Meio Ambiente10/04/2018 | 10h13Atualizada em 13/04/2018 | 13h28

Equipes continuam trabalho de remoção de produtos químicos do rio São João, em Garuva

Cerca de 25 mil litros de diesel e 13 mil litros de Osmose K33 atingiram o rio após acidente

Equipes continuam trabalho de remoção de produtos químicos do rio São João, em Garuva Salmo Duarte/A Notícia
Moradores ajudam a retirar peixes mortos no rio São João Foto: Salmo Duarte / A Notícia

Os trabalhos de limpeza e remoção dos materiais químicos do rio São João, entre Garuva e Guaratuba, continuam nesta terça-feira. Cerca de 25 mil litros de diesel e 13 mil litros de Osmose K33 - inseticida altamente corrosivo, usado exclusivamente para preservação de madeira - foram derramados no rio após um acidente envolvendo três caminhões na última sexta-feira.

Os produtos impactaram uma área de 12 quilômetros de extensão. As equipes lideradas pela WGRA - empresa contratada pelos proprietários dos caminhões envolvidos no acidente - seguem coletando os peixes mortos e o material químico que param nas barreiras de contenção instaladas ao longo do rio. Também está sendo removida a terra contaminada.

Assista vídeo do acidente entre caminhões que contaminou rio entre Garuva e Guaratuba

Homem morre em acidente envolvendo três caminhões na BR-376

A carga dos caminhões entra no rio São João por meio de um córrego, localizado próximo de onde ocorreu o acidente. Na segunda-feira, as equipes fizeram a contenção do córrego, trancando a parte limpa e bombeando para outro riacho. A intenção é evitar que o material químico continuasse a descer para o rio.

Também continua a orientação para que a população não use a água do rio para consumo, banho ou pesca até que os trabalhos sejam finalizados. No entanto, a contaminação não afeta a distribuição e abastecimento de água do município, que é feita pelo rio do Braço.

Segundo o coordenador regional da Defesa Civil, Antônio Edival Pereira, o órgão vai se reunir com técnicos do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA), do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e do Ibama para decidir quais serão as multas aplicadas para as empresas proprietárias dos caminhões envolvidos no acidente.

Leia mais notícias

 
A Notícia
Busca