Caminhão tanque tomba em barranco e derrama 12 mil litros de óleo em afluente do rio Cubatão, em Joinville - Meio Ambiente - Geral - A Notícia

Versão mobile

 

Perigo ambiental15/01/2015 | 15h26

Caminhão tanque tomba em barranco e derrama 12 mil litros de óleo em afluente do rio Cubatão, em Joinville

Acidente ocorreu na tarde da última quarta-feira no rio Seco, km 16 da Serra Dona Francisca

Caminhão tanque tomba em barranco e derrama 12 mil litros de óleo em afluente do rio Cubatão, em Joinville Phelippe José/Prefeitura de Joinville/Divulgação
Defesa Civil e a Secretaria do Meio Ambiente realizam o monitoramento do rio Seco Foto: Phelippe José / Prefeitura de Joinville/Divulgação
Um caminhão tanque tombou e derramou 12,4 mil litros de óleo de xisto na tarde da última quarta-feira na SC-418, atingindo as águas do rio Seco, no km 16, na Serra Dona Francisca, em Joinville.

>> Leia as últimas notícias sobre Joinville e região no AN.com.br


O veículo caiu em um barranco de 50 metros, próximo a um córrego, onde praticamente toda a carga vazou. A Defesa Civil e a Secretaria do Meio Ambiente (Sema) realizam o monitoramento do local. O motorista do caminhão sofreu apenas ferimentos leves.

Logo após o acidente, funcionários da Defesa Civil e da Sema foram acionados e iniciaram o monitoramento do leito do afluente do rio Cubatão. Quatro mantas absorventes são utilizadas na contenção da água contaminada com a carga tóxica.

Três pontos, numa extensão de quatro a cinco quilômetros, passam pela fiscalização ambiental e apenas um é de difícil acesso.

—O ideal é que esse trabalho de retirada do óleo seja feito em, no máximo, 48 horas. Além disso, já instruímos os moradores da região a não beber ou utilizar essa água na criação de animais— explica Jackson Seidel, coordenador de emergências ambientais.

A Polícia Militar Ambiental e técnicos da Sema fizeram a coleta do material, do solo e da água para análises em laboratório. Segundo Seidel, o óleo de xisto é uma substância viscosa, usada para mistura com asfalto e que pode causar riscos à saúde.

Segundo a Prefeitura de Joinville, a transportadora será autuada por dano ambiental, contaminação do solo e da água, e receberá a multa após os resultados do laudo.

De acordo com Seidel, há sensores por toda a Estação de Tratamento de Água do rio Cubatão (ETA), responsável por fornecer 70% da água de Joinville.

—Caso for identificada a presença do produto químico na água, o abastecimento é rapidamente interrompido. Como não choveu no local, facilitou nosso trabalho de contingência. Assim podemos reduzir o dano ambiental— informou.

Uma empresa de emergências ambientais foi contratada pela transportadora e realiza a sucção do material. A Companhia Águas de Joinville acompanha as ações e monitora a ETA do rio Cubatão para que o óleo não afete o abastecimento.

A NOTÍCIA

 

Siga A Notícia no Twitter

A Notícia
Busca