Preço do gás em Joinville corresponde a 7,5% do salário mínimo - A Notícia

Vers?o mobile

 

Economia doméstica27/11/2018 | 08h00Atualizada em 27/11/2018 | 08h00

Preço do gás em Joinville corresponde a 7,5% do salário mínimo

Vinte dias após o aumento na refinaria, valor médio na cidade é de R$ 72 no botijão de 13 quilos

Preço do gás em Joinville corresponde a 7,5% do salário mínimo Salmo Duarte/A Notícia
Foto: Salmo Duarte / A Notícia
A Notícia
A Notícia

O preço do gás liquefeito de petróleo (GLP), popularmente chamado de gás de cozinha, chegou a 7,5% do salário mínimo em Joinville depois do último aumento, que está vigorando desde 6 de novembro em todo o Brasil. Na cidade, o valor médio do botijão de 13 quilos chegou a R$ 72, um aumento de 8,5% em relação aos valores da última semana de outubro, quando o preço era de R$ 68, em média.

Em pesquisa feita pela reportagem do jornal A Notícia, os preços do gás de cozinha variam entre R$ 70 e R$ 73 no caso do botijão de 13 quilos, usados mais comumente nas residências. Já o cilindro de 45 quilos, que é o mais usado em estabelecimentos comerciais e condomínios, chega a ter uma oscilação de 45% entre as revendas, com valores que variam de R$ 248 (no bairro Petrópolis) a R$ 360 (no bairro Guanabara).  

O aumento é pequeno se comparado ao do ano passado, quando o preço subiu 33% no período entre setembro e dezembro. Mesmo assim, o presidente-executivo do Sindicato dos Revendedores de Gás (Sinregás) de Santa Catarina, Jorge Magalhães, avalia que 2018 é o pior ano para o setor. 

— Esse ano não tivemos nenhuma recuperação de margem. Trabalho há 43 anos no setor e não conheço nenhum ano de tanta dificuldade, de tantas empresas de GLP à venda. Inclusive, muitos não conseguiram vender — afirma ele. 

Segundo Magalhães, não foi possível repassar para o preço final todo o aumento no valor do gás. A alta concorrência no setor, inclusive com revendedores que atuam irregularmente, prejudicam as vendas, mesmo que este seja um produto de primeira necessidade.  

— As pessoas estão consumindo menos, não estão fazendo as mesmas coisas no fogão à gás, para fazer uma economia. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o consumo de janeiro até hoje é negativo em algumas regiões. Isso é reflexo das dificuldades financeiras em todos os níveis — avalia ele. 

O impacto de 7,5% na compra do gás de cozinha nos rendimentos domiciliares atinge pelo menos 50.439 domicílios em Joinville, nos quais as famílias recebem até um salário mínimo; e 59.662 domicílios que declararam receber de um a dois salários mínimos mensais, segundo informações da pesquisa Joinville em Dados de 2018. 

Em junho, uma pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostrou que o peso do gás no orçamento das famílias de Santa Catarina chegaria a até 8,9%, considerando que há domicílios onde os rendimentos não ultrapassam R$ 773,97 e que há famílias que utilizam, em média, um botijão por mês.

Valor inicial é somado a impostos e custos das distribuidoras e revendas

O valor do GLP ficou congelado nas refinarias da Petrobras entre janeiro de 2003 e agosto de 2015. Em 2017, a direção da Petrobras mudou a política de reajustes do preço do gás de cozinha, tornando os aumentos mais frequentes, para estabelecer cotações mais próximas às do mercado global. Em julho de 2017, o valor inicial estava em R$ 17,81 e, em dezembro desse mesmo ano, chegou a R$ 24,38, um aumento de 37% no valor. Atualmente, está em R$ 25,07. 

Assim como outros combustíveis, como a gasolina e o diesel, o preço final pago pelo consumidor é composto por impostos e gastos com a distribuição. No gás de cozinha, 33% da composição do valor são a produção da estatal, 18% são impostos cobrados pelo Estado e pelo governo federal (ICMS, PIS/Pasep e Cofins) e 49% englobam os custos com a distribuição e revenda. 

Confira a pesquisa do jornal A Notícia: 

Liquigás (Bucarein)
13 kg: R$ 73
45 kg: R$ 292

Tupãgaz (Aventureiro)
13 kg: R$ 72
45 kg: R$ 330

Chamagás e Águas (Guanabara)
13 kg: R$ 70
45 kg: R$ 360

Keko (Saguaçu)
13kg: R$ 70
45 kg: R$ 300

Leal (Iririú)
13 kg: R$ 72
45 kg: R$ 300

Prata Gás (Iririú)
13 kg: R$ 70
45 kg: R$ 290

Ville Gás (Saguaçu)
13 kg: R$ 70
45 kg: não tinha na data

Roda Gás (Petrópolis)
13kg: R$ 73
45 kg: R$ 248

Confira as diferenças nos valores nos últimos dez anos:

                                        Preço inicial               Preço ao consumidor

Outubro de 2008
                                          R$ 11,69                         R$ 37,37

Outubro de 2013
                                          R$ 11,69                         R$ 42,50

Outubro de 2017
                                          R$ 21,00                        R$ 61,48

Outubro de 2018
                                          R$ 23,29                       R$ 68,03

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaFim das ADRs deve fortalecer associações de municípios https://t.co/f1izTyqXLvhá 9 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaTrecho da rua Hermann August Lepper será interditado para obras de drenagem em Joinville  https://t.co/rtLhljs3yshá 9 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca