Projeto de lei que queria regulamentar escritórios virtuais de Joinville é vetado - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

Política01/10/2018 | 20h56Atualizada em 01/10/2018 | 20h56

Projeto de lei que queria regulamentar escritórios virtuais de Joinville é vetado

Comissão de Legislação da Câmara de Vereadores acatou decisão do prefeito. Discussão ainda irá a Plenário

Projeto de lei que queria regulamentar escritórios virtuais de Joinville é vetado Salmo Duarte/A Notícia
Foto: Salmo Duarte / A Notícia
A Notícia
A Notícia

A Comissão de Legislação da Câmara de Vereadores aprovou nesta segunda-feira, 1º de outubro, o parecer que acata o veto total do Executivo ao Projeto de Lei Complementar 45/2017, que pretendia regulamentar os escritórios virtuais em Joinville. O projeto, de autoria do vereador Jaime Evaristo (PSC), havia sido aprovado em agosto.

O prefeito Udo Dohler (MDB) alegou que a proposta tenta normatizar assuntos que são de competência exclusiva da União. O veto ainda deve ser discutido e votado em Plenário, onde pode ser derrubado. 

Os escritórios virtuais são espaços que podem ser compartilhados por pequenas e médias empresas, trabalhadores autônomos e profissionais liberais, e servir como endereço fiscal — para registro de CNPJ, por exemplo — ou comercial — para atendimento em nome da empresa ou recebimento de correspondência — mesmo que o trabalho não seja efetivamente realizado no local. Além disso, eles podem ser alugados para coworking — quando um espaço de trabalho é dividido por profissionais de diferentes áreas e empresas.

Segundo a justificativa do projeto de lei, os escritórios virtuais não têm uma lei federal ou estadual específica que regulamente esse tipo de serviço. A regulamentação prevê regras para os escritórios e usuários.


 
A Notícia
Busca