Praias de Itapoá, no Litoral Norte de SC, são atingidas por caravelas e águas vivas - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

Meio ambiente27/10/2018 | 15h45Atualizada em 06/11/2018 | 13h29

Praias de Itapoá, no Litoral Norte de SC, são atingidas por caravelas e águas vivas

Saiba os sintomas e o que fazer se entrar em contato com estes animais marinhos

Praias de Itapoá, no Litoral Norte de SC, são atingidas por caravelas e águas vivas Alexandre Cattony Storrer da Silva/Arquivo Pessoal
Caravelas aparecem na areia e o contato dela com a pele humana causa muita dor Foto: Alexandre Cattony Storrer da Silva / Arquivo Pessoal
A Notícia
A Notícia

Um fenômeno marinho vem atingindo boa parte das praias de Itapoá, no litoral Norte de SC, nos últimos dias. Trata-se do aparecimento das chamadas caravelas e águas-vivas na faixa de areia, que sempre trazem preocupação aos banhistas, principalmente por causa das queimaduras que elas provocam ao entrarem em contato com a pele humana. As informações são da Prefeitura Municipal de Itapoá.

Conforme o Corpo de Bombeiros Militares de Santa Catarina, o aparecimento do animal marinho é muito comum nesta época do ano devido a característica das águas, que têm fundo arenoso. Além disso, elas costumam vir para perto da orla após a ocorrência ressacas e tempestades. Geralmente, as caravelas flutuam na superfície da água e, apesar de se deslocarem em baixa velocidade, ficam sujeitas às condições das correntes marinhas e ondas.

Para capturar seu alimento, elas inoculam sua peçonha através dos nematocistos. Cada nematocisto possui uma pequena cápsula arredondada contendo a peçonha e uma ponta que é projetada para fora ao entrar em contato com a vítima. A água-viva possui milhares de nematocistos prontos para serem disparados ao entrar em contato com a pele humana, o que causa muita dor. 

SINAIS E SINTOMAS:

− Os mais comuns são as urticárias e queimaduras locais dolorosas que podem durar de 30 minutos a 24 horas;

− Nos casos mais graves, podem ocorrer dor de cabeça, mal-estar, náuseas, vômitos, câimbras e outros que vão desde a dificuldade respiratória até as arritmias cardíacas, paralisia, delírio e convulsão;

− A morte é rara, mas pode ocorrer por insuficiência respiratória ou choque, provocado por efeito da intoxicação ou de anafilaxia;

TRATAMENTO PRÉ-HOSPITALAR:

1. Não permitir que a vítima coce o local;
2. Se possível remover cuidadosamente os tentáculos aderidos, e NUNCA esfregar a região atingida, pois aumenta o rompimento dos nematocistos;
3. Lavar abundantemente a região atingida com a água do mar para remover ao máximo os nematocistos e os tentáculos aderidos à pele. Não utilize água doce, pois ela pode romper (por osmose) os nematocistos que ainda não descarregaram sua peçonha;
4. Lavar a região, sem esfregar, com ácido acético a 5% (vinagre) por cerca de 5 a 10 minutos e alternar com água do mar por 2 a 3 vezes. O vinagre desativa os nematocistos ainda íntegros e neutraliza a peçonha, mas não tem ação sobre a dor;
5. Caso a dor continue, use compressas geladas no local;
6. Havendo reação alérgica ou inflamatória importante, a vítima deverá ser conduzida para atendimento médico.

Leia mais sobre Itapoá:
Itapoá investe no verão e recupera danos causados pela ressaca
Itapoá é destino para turistas que procuram lugar tranquilo no verão

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaSaiba o que pode mudar com o decreto de armas https://t.co/K9dov1SsUehá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaEm carta, governadores pedem revogação de decreto que flexibiliza porte de armas https://t.co/nzzfn4qr9Lhá 1 horaRetweet

Veja também

A Notícia
Busca