Joinvilense representará o Brasil em encontro internacional de contadores de histórias - A Notícia

Versão mobile

 

Cultura01/08/2018 | 08h00Atualizada em 01/08/2018 | 08h00

Joinvilense representará o Brasil em encontro internacional de contadores de histórias

A atriz Daniele Pamplona é a única catarinense a participar da programação do evento, que ocorre na Colômbio entre 8 e 10 de agosto

Joinvilense representará o Brasil em encontro internacional de contadores de histórias Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Daniele é pesquisadora de conto popular e oralidade Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal
A Notícia
A Notícia

A atriz e contadora de histórias Daniele Pamplona, de Joinville, viaja na próxima segunda-feira, 6 de agosto, para a Colômbia. Ela é a única catarinense a representar o Brasil no 5º Encontro Internacional Cântaro del Cuentos. Considerado referência do gênero na América Latina, o evento ocorrerá de 8 a 10 de agosto em Itagui, na região metropolitana de Medelín, e vai reunir contadores de histórias do Brasil, Colômbia, Argentina, Bolívia e Costa Rica. Para viabilizar a participação, Daniele conta com o apoio dos parceiros joinvilenses UniSociesc e Casa 97.

Realizado pela Prefeitura de Itagui (Colômbia) em parceria com a Fatum Educação, de Curitiba, o encontro une a arte da narração oral, seus aparatos, técnicas e linguagens às questões culturais. Na programação estão previstos debates, palestras e oficinas com representantes de países da América Latina, além de sessões de contação de histórias. O objetivo é promover a troca de experiências sobre a arte de narrar contos e ampliar o acesso da população colombiana – especialmente das comunidades socialmente vulneráveis – à arte e à cultura.

Formada em Artes Cênicas pela Faculdade de Artes do Paraná e pós-graduada em Literatura Infantil Juvenil pela Associação Catarinense de Ensino (ACE-SC), Daniele Pamplona é pesquisadora de conto popular e oralidade e professora de pós-graduação em Contação de Histórias da Fatum (PR), nas disciplinas de Conto Popular e Resgate da Oralidade, Técnicas e Estratégias para Contar Histórias. 

— Conto histórias desde menina e, naturalmente, decidi fazer da arte a minha carreira. Desenvolvi, em paralelo, o trabalho de atriz e de contadora de histórias, procurando sempre estratégias de convergência destas artes — diz Daniele.

Contadora de histórias desde 2001, ela já apresentou espetáculos em livrarias, feiras do livro, escolas e eventos no Paraná e Santa Catarina, além de participar das circulações do Baú de Histórias e Circuito Sul-Brasileiro de Narrativas do SESC. Coordenadora artística da Casa Teatral Produções, de Joinville, a atriz é também conto-terapeuta formada pelo Instituto Ipê-Roxo de Florianópolis. 

— Esta foi a forma que eu encontrei de aliar o trabalho artístico ao desenvolvimento humano — comenta.

Desde 2009, Daniele Pamplona desenvolve pesquisa teórico-prática ligada à questão da oralidade e da contação de histórias, com foco em pesquisadores como Gilka Girardello, Marie Shedlock, Ruth Sawyer, Regina Machado, Celso Sisto, Maria de Lurdes Patrini e Luiz Abreu. 

— Meu artigo mais recente, chamado "O jogo da oralidade na prática do contador de histórias" fala justamente sobre a minha inspiração no jogo teatral e na expressividade natural dos contadores de histórias tradicionais. São dois contrapontos que em muito se assemelham à busca pela espontaneidade e pela qualidade técnica ao narrar histórias  —explica.

 
A Notícia
Busca