Saiba como está o atendimento nos hospitais de Joinville durante a greve dos caminhoneiros - A Notícia

Versão mobile

 

 

Saúde25/05/2018 | 18h54Atualizada em 25/05/2018 | 18h56

Saiba como está o atendimento nos hospitais de Joinville durante a greve dos caminhoneiros

Duas unidades de saúde da cidade atuarão com restrições e a Fundação Pró-rim demonstrou preocupação com atendimento por falta de estoque

Saiba como está o atendimento nos hospitais de Joinville durante a greve dos caminhoneiros Salmo Duarte/A Notícia
Hospital São José mantém as cirurgias eletivas, e as urgentes entrarão de forma emergencial Foto: Salmo Duarte / A Notícia
A Notícia
A Notícia

Pelo menos dois hospitais e unidades de saúde de Joinville precisaram realizar mudanças no atendimento por causa da greve dos caminhoneiros. As alterações ocorrem por precaução, para que a paralisação não impacte diretamente nos serviços emergenciais. Por causa da greve, pode haver impacto no fornecimento de medicamentos e utensílios médicos. A Fundação Pró-rim indicou preocupação com falta de equipamentos e medicamentos e transporte de pacientes.

Confira o atendimento de cada unidade:

Hospital Infantil
Foram suspensas temporariamente as cirurgias eletivas agendadas para os próximos dias. Esta ação foi motivada pelo baixo estoque de suprimentos ocorrido em função de problemas de logística enfrentados por nossos fornecedores. Os demais atendimentos oferecidos pela instituição, bem como as cirurgias de emergência, permanecem sendo realizados sem nenhum tipo de prejuízo.
Contato: (47) 3145-1600

Hospital Regional Hans Dieter Schmitd
Por precaução foram canceladas as cirurgias eletivas nesta sexta-feira. O atendimento da urgência, emergência e de pacientes que estão internados dentro do Hospital Regional continua. A medida foi tomada porque nesta quinta-feira a unidade não recebeu os medicamentos e, apesar de o estoque do hospital estar abastecido, a alteração foi planejada para garantir insumos para situações emergenciais, caso a greve se prolongue por mais dias. Fone: 3461-5500

Maternidade Darcy Vargas
Atendimento continua sem restrições.
Fone: 3461-5700

Hospital Municipal São José
Não houve mudanças no atendimento da unidade. Segundo a Prefeitura, o efeito da greve não interferiu nas cirurgias eletivas. O que muda no atendimento nas eletivas são as cirurgias urgentes que entram de forma emergencial.
Fone: 3441-6666

Hospital Bethesda
Atendimento está normal, mas há preocupação que se a greve se manter pode acabar o gás neste sábado. Isso impactaria muito nos atendimentos no lugar. 

Unidades Básicas de Saúde
Atendimento continua normalmente.

Farmácia Escola
Atendimento continua normalmente.
Fone: 3433-2575

Hospital Dona Helena
Os estoques de suprimentos continuam normais assim como o atendimento do centro-cirúrgico.  Contato: 3451-3333 

Hospital da Unimed
Cirurgias eletivas estão mantidas. Postos de coleta dos laboratórios da Unimed (ruas Dr. João Colin e Anita Garibaldi) estarão fechados.

Fundação Pró-rim
A Fundação Pró-rim informou que se a greve dos caminhoneiros persistir pelos próximos dias haverá falta de produtos essenciais para a realização de hemodiálise. Esta situação pode colocar em risco a vida dos pacientes renais atendidos pela Fundação Pró-Rim e suas unidades parceiras. O alerta é do diretor administrativo da Fundação Pró-Rim, Gilberto Meyer e foi feito nesta sexta-feira, 25.

Os estoques incluem filtros, soro fisiológico, anticoagulante, medicamentos e todos os produtos químicos para esterilização das máquinas de hemodiálise. Há ainda a preocupação com a falta de transporte dos pacientes, muitos os quais dependem dos serviços prestados pelas secretarias de saúde. Caso haja a falta de combustível para o deslocamento, estes pacientes podem ficar sem o tratamento.

De acordo com o diretor da Pró-Rim, se necessário, a instituição poderá reduzir o tempo de permanência do paciente na máquina de hemodiálise. 

— Essa medida não é recomendável, mas diante da gravidade da situação, é uma forma de prolongar um pouco mais o tratamento e torcer para que seja encontrada uma solução imediata para este impasse que afeta todo o país — explica Gilberto.

Ele acredita que mesmo após o encerramento da greve, o problema poderá se estender por até quatro dias até a desmobilização geral dos caminhoneiros.

Leia mais:
Veja como ficam os serviços públicos de Joinville e região nesta sexta-feira por causa da greve
Greve dos caminhoneiros continua em 17 pontos na região Norte de SC
Caminhoneiros continuam concentrados às margens da BR-101, em Joinville
Falta de combustíveis é o principal impacto da greve na rotina dos moradores de Joinville
AO VIVO: acompanhe a greve dos caminhoneiros em Santa Catarina  

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLei de Diretrizes Orçamentárias propõe orçamento de R$ 3 bilhões para Joinville em 2019 https://t.co/MKnB3p2iCg #LeianoANhá 18 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaGaroto de Joinville vence 15ª partida consecutiva e alcança top 10 da categoria no circuito europeu https://t.co/kyPGHSJXSl #LeianoANhá 18 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca