Diocese de Joinville divulga nota sobre condenação de padre a 33 anos de prisão - A Notícia

Versão mobile

 

 

Abuso sexual08/05/2018 | 17h05Atualizada em 09/05/2018 | 15h47

Diocese de Joinville divulga nota sobre condenação de padre a 33 anos de prisão

Sacerdote foi preso em junho do ano passado na casa da mãe, em Joinville

Diocese de Joinville divulga nota sobre condenação de padre a 33 anos de prisão /

A Diocese de Joinville emitiu uma nota oficial a respeito da condenação do padre Marcos Roberto Ferreira, que ocorreu na segunda-feira, 7 de maio. Marcos foi preso em junho de 2017, sob acusação de abusar de crianças em São Francisco do Sul, no Norte de SC, depois que uma vítima conseguiu entrar em contato com o pai relatando um abuso. 

Nesta segunda-feira, o homem foi condenado em primeira instância a 33 anos, dois meses e seis dias de prisão em regime fechado por estupro de vulnerável. Em nota, a Diocese informa que o padre estava afastado do sacerdócio desde que as denúncias vieram à tona. A entidade ainda confirma que o padre não voltará mais a exercer a atividade sacerdotal.  

Confira a nota na íntegra: 

A Diocese de Joinville, a respeito da condenação do padre Marcos Roberto Ferreira, ocorrida no dia 8 de maio de 2018, oficialmente comunica que:
- Desde que tomou conhecimento das denúncias, o referido padre foi devidamente suspenso do ministério sacerdotal como prevê o Código de Direito Canônico e orienta o Papa Francisco.
- Cumpre ressaltar, que o padre Marcos Roberto Ferreira contratou advogado próprio para defendê-lo e está custeando os serviços com recursos próprios. Portanto, informações referentes ao processo, à condenação em primeira instância e possíveis recursos, devem ser verificadas diretamente com sua defesa.
- Diante da condenação em primeira instância, a Diocese continuará o processo canônico que culminará na redução ao estado laical do referido padre, ou seja, definitivamente não exercerá mais o ministério sacerdotal.
Lamentamos os fatos e nos unimos em oração por todos os que estão sofrendo.  
A Diocese de Joinville continua à disposição das autoridades competentes, comprometida com a busca da verdade e repudia totalmente a pedofilia.
- Desde que tomou conhecimento das denúncias, o referido padre foi devidamente suspenso do ministério sacerdotal como prevê o Código de Direito Canônico e orienta o Papa Francisco.
- Cumpre ressaltar, que o padre Marcos Roberto Ferreira contratou advogado próprio para defendê-lo e está custeando os serviços com recursos próprios. Portanto, informações referentes ao processo, à condenação em primeira instância e possíveis recursos, devem ser verificadas diretamente com sua defesa.
- Diante da condenação em primeira instância, a Diocese continuará o processo canônico que culminará na redução ao estado laical do referido padre, ou seja, definitivamente não exercerá mais o ministério sacerdotal.
Lamentamos os fatos e nos unimos em oração por todos os que estão sofrendo.  
A Diocese de Joinville continua à disposição das autoridades competentes, comprometida com a busca da verdade e repudia totalmente a pedofilia.

Leia mais:

Os detalhes da noite que terminou com padre preso por suspeita de abuso sexual


 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC comunica rescisão de contrato com zagueiro https://t.co/M2R08TGRGQ #LeianoANhá 1 minutoRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaCampanha de vacinação contra a gripe será encerrada no dia 30 de maio em Joinville https://t.co/VwK5fuygUH #LeianoANhá 17 minutosRetweet

Veja também

A Notícia
Busca