Pollyanne Oliveira realizou o sonho de escrever um livro em Joinville - A Notícia

Versão mobile

 

Joinville dos sonhos10/03/2018 | 09h01Atualizada em 11/03/2018 | 11h57

Pollyanne Oliveira realizou o sonho de escrever um livro em Joinville

Nove meses depois de chegar a cidade, a nordestina estava com meu livro em mãos. Hoje já tem proposta para publicar o segundo, que já está pronto

Pollyanne Oliveira realizou o sonho de escrever um livro em Joinville Salmo Duarte/A Notícia
Polly não está apenas no papel de escritora, mas atua como agente do empoderamento feminino Foto: Salmo Duarte / A Notícia

É compreensível que mulheres como a maranhense Pollyanne Oliveira, 32 anos, se reconheçam facilmente na leitura do livro mais famoso de Honoré de Balzac. “A Mulher de 30 Anos”, descrita pelo escritor francês como mais decidida e conhecedora de si, virou um referencial que, no caso de Pollyanne, a Polly, ajuda a explicar a reviravolta que a vida tomou quando ela deixou a casa dos 20 anos. 

Diferentemente da personagem de Balzac, a nordestina formada em artes cênicas já havia encontrado um grande amor quando completou 30 anos, mas faltava a realização de um grande sonho: ser reconhecida como escritora. O encorajamento que ela mesma atribui à idade a fez chegar a Joinville com o marido e os dois filhos. Intuitivamente, a única certeza de Polly sobre a cidade escolhida era de que, de alguma forma, ela traria as chances necessárias para a realização do seu sonho. 

– Propus para meu marido a mudança de cidade sem fazer ideia de onde. Eu sequer tinha ouvido falar de Joinville até uma pesquisa no Google me chamar atenção. Compramos a passagem sem hesitar e do dia para a noite estávamos embarcando.

A mudança foi motivada pela violência urbana crescente da capital maranhense e o pouco incentivo que Pollyanne recebia para dar continuidade à carreira de escritora na sua cidade natal, São Luís. Ela até chegou a fazer contato com diversas editoras, sem nenhuma resposta positiva para a publicação de “A Escolha”, sua primeira obra.

– No Nordeste é muito difícil conquistar algo por meio da arte e, de início, a ideia já era vir para Santa Catarina.

Coincidência ou não, a recepção ao livro mudou quando a família desembarcou na cidade catarinense. Novas editoras passaram a fazer propostas para que o livro de Polly chegasse aos leitores. Em pouco tempo, ela e o marido também estavam empregados.

– Nove meses depois de chegar em Joinville, eu estava com meu livro pronto em mãos. Hoje já tenho proposta para publicar o segundo, que já está pronto.

A publicação de “A Escolha” inclusive motivou Polly a se dedicar somente à escrita. No blog Imeditamente, a nordestina também divide experiências cotidianas e reflexões, hábito influenciado pela mãe, escritora de diários desde a juventude. 

Ela também está prestes a lançar um canal no YouTube voltado a encorajar outras mulheres a partir das experiências que teve em um relacionamento abusivo e, até mesmo, a ajudar mulheres a aceitarem sua própria aparência, decisão que vem colocando Polly não apenas no papel de escritora, mas como agente do empoderamento feminino.

– Sou nordestina com orgulho, mas, sem dúvida, os meus maiores sonhos foram realizados aqui em Joinville.

* Texto: Rafaela Mazzaro, especial

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaStammtisch reúne 30 mil pessoas e bate recorde de público em Joinville https://t.co/o3p9KysHzn #LeianoANhá 12 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaManifestação contra o PT é realizada em Joinville https://t.co/7rpisz31D6 #LeianoANhá 12 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca