Família do Haiti encontrou em Joinville a chance de reconstrução de vida - A Notícia

Versão mobile

 

Joinville dos sonhos11/03/2018 | 12h53Atualizada em 11/03/2018 | 12h59

Família do Haiti encontrou em Joinville a chance de reconstrução de vida

Eles trabalham em casas terapêuticas e esperam a oportunidade de revalidar os diplomas para exercerem suas profissões de economista e enfermeira

Família do Haiti encontrou em Joinville a chance de reconstrução de vida Salmo Duarte/A Notícia
Depois de passar por Amazonas e São Paulo, Basil encontrou em Joinville um lugar para a família viver Foto: Salmo Duarte / A Notícia

O motivo que trouxe o casal Gertha Louis, 40 anos, e Saint Hilaire Basil, 46 anos, e os três filhos a Joinville não difere dos mais de 85 mil que desembarcaram no Brasil nos últimos anos. Mais do que escapar dos escombros deixados pelo terremoto e a crise econômica e política que assolou o país, os que conseguiram desembarcar por aqui ansiavam por um território amistoso que lembrasse de alguma forma o estilo de vida haitiano. O Brasil reduzido ao trio "favela, Carnaval e violência" que a família conhecia do noticiário se mostrou bem diferente quando Basil chegou ao Amazonas e, depois, a São Paulo.

Em um primeiro momento, o haitiano não se adaptou, muito por causa da agitação do segundo destino. A metrópole, mesmo cheia de oportunidades, não atendia ao desejo de Basil em proporcionar um novo lar tranquilo à família que ainda o aguardava no Haiti.

A primeira tentativa de adaptação durou sete meses, e Basil voltou para o Haiti. Mas a situação do país caribenho piorou e uma chance de ele estudar na Universidade Federal do Paraná para cursar geografia o motivou a retornar. Os planos universitários só mudaram quando um amigo, também refugiado, comentou sobre as indústrias e o estilo de vida de Joinville. Não precisou de muito tempo para Basil trazer a esposa Gertha e os filhos de oito, seis e três anos.

Hoje, eles vivem em uma casa alugada no bairro Nova Brasília. Os pais trabalham em casas terapêuticas e de inclusão e todos os filhos estão matriculados na rede pública de ensino. À noite, Gertha ainda cursa administração hospitalar na Fundação Pró-Rim.

– Para mim, Joinville é como um paraíso. Aqui, a gente pode viver tranquilo com a família. Se não procura problema, não se encontra com ele.

A família vive o sonho de reconstrução, mas ainda longe do ideal. Gertha, enfermeira formada, não consegue exercer a profissão porque seu diploma por enquanto não foi revalidado pelo Conselho Regional de Enfermagem de Santa Catarina. Inclusive, para que a enfermeira desse encaminhamento do documento, precisou contar com a solidariedade para fazer a tradução para o português, já que há um alto custo por trás. 

A necessidade dela virou proposta de lei, apresentada no ano passado durante o Projeto Câmara Mirim, em Brasília, para que outros refugiados possam ter a gratuidade do serviço. Basil, formado em economia, também sonha um dia aplicar seus conhecimentos no país que o acolheu.

– Queremos um dia comprar uma casa nova, um carro melhor. Ainda temos muito para conquistar.

Além dos desejos pessoais, o casal almeja ajudar outros refugiados com um local em Joinville onde eles possam ser acolhidos e encaminhados para regularização de documentos e encaminhamento ao mercado de trabalho. Por enquanto, o pouco que podem fazer é enviar dinheiro para a família que permanece no Haiti e orar pelos que ainda sofrem por lá.

– As pessoas não sabem, mas atrás de cada haitiano que vive aqui existem vários outros que dependem dele.

*Texto: Rafaela Mazzaro, especial


 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaHomem é preso por falsa comunicação de roubo em Guaramirim https://t.co/Zd6R0PvtrF #LeianoANhá 4 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A Notícia8ª Night Run Joinville registrou recorde de participantes neste sábado https://t.co/nfZDxvjr1D #LeianoANhá 17 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca