Darcy Vargas e Hospital Regional foram os pontos de mobilização de servidores da saúde em Joinville - A Notícia

Vers?o mobile

 

Saúde27/03/2018 | 11h56Atualizada em 27/03/2018 | 11h56

Darcy Vargas e Hospital Regional foram os pontos de mobilização de servidores da saúde em Joinville

Funcionários estaduais realizaram paralisação de uma hora na manhã desta terça-feira, mas não houve impacto em atendimentos

Darcy Vargas e Hospital Regional foram os pontos de mobilização de servidores da saúde em Joinville Salmo Duarte/A Notícia
Foto: Salmo Duarte / A Notícia

Servidores estaduais da saúde da Maternidade Darcy Vargas e do Hospital Regional Hans Dieter Schmidt realizaram paralisação de uma hora na manhã desta terça-feira em Joinville, entre 9 e 10 horas da manhã. Na maternidade, a paralisação contou com a presença de aproximadamente trinta pessoas e no hospital Regional com quase cem servidores, de todos os setores da unidade, que se reuniram em frente ao pronto socorro.

Segundo o comando de greve em Joinville, a paralisação não chegou a afetar o atendimento aos pacientes. A paralisação teve o objetivo de chamar atenção do Estado para a pauta de reivindicação da categoria que vai desde a abertura de concurso público até o reajuste. 

Os servidores querem um reajuste de 100% no vale alimentação, passando dos atuais R$ 12 reais para R$ 24 e  reajuste salarial de 15,66% nos salários. Outro pedido da categoria, são melhorias no ambiente de trabalho e incorporação de gratificações. Conforme Enilda Mariano Stolf, diretora do SindiSaúde, os funcionários querem uma rodada de negociações com o Estado.

O Sindicato dos Trabalhadores da Saúde Estadual e Privada de Florianópolis e Região (SindSaúde/SC) diz que enviou ofício à Secretaria de Saúde notificando sobre o calendário de mobilizações. Se não houver negociação, devem paralisar as atividades também na terça-feira da próxima semana, dia 3 de abril, entre 9h e 11h.  Informaram ainda da possibilidade de greve a partir do dia 4 de abril, caso não haja acordo. Segundo a categoria, desde 2016 não há negociação efetiva com a pasta. 


 
A Notícia
Busca