Tiras de medição de glicose chegam em Joinville, mas nem todos os postos recebem material - A Notícia

Versão mobile

Saúde02/11/2017 | 18h18Atualizada em 06/11/2017 | 16h05

Tiras de medição de glicose chegam em Joinville, mas nem todos os postos recebem material

Prefeitura informou que problema será resolvido até semana que vem - prazo informado anteriormente era 31 de outubro

Tiras de medição de glicose chegam em Joinville, mas nem todos os postos recebem material Diego Vara/Agencia RBS
Com elas, é possível verificar o nível de glicose no sangue e fazer o controle da doença Foto: Diego Vara / Agencia RBS
Alex Sander Magdyel
Alex Sander Magdyel

alex.cardoso@somosnsc.com.br

O problema da falta de tiras para medição de glicose ainda preocupa os diabéticos em Joinville. A Prefeitura informou que um lote de de 125 mil tiras chegou no dia 27 de outubro e que elas começaram a ser distribuídas na segunda-feira. Não foi isso que representantes da Associação dos Diabéticos de Joinville (Adijo) disseram. A associação informou que ninguém havia conseguido pegar o material até terça-feira. A equipe de reportagem do jornal A Notícia entrou em contato com vários postos de saúde na tarde desta quarta-feira e constatou que nem todos receberam o material.

A Prefeitura informou que o problema será resolvido até semana que vem - o prazo informado anteriormente era 31 de outubro - e não divulgou a relação de postos que já receberam o material. O atraso na compra do material aconteceu, segundo o governo, porque a empresa fornecedora não pôde mais fazer a entrega devido a problemas na documentação. A homologação da contratação de uma nova empresa ocorreu no dia 17 de outubro. O contrato assinado é de R$ 1.564.000 e tem validade de 12 meses, com a previsão de compra de 300 mil unidades e distribuição de 120 fitas por usuário por mês. Outro lote de 125 mil tiras chegará na semana que vem, informou a Prefeitura.

Com parte da entrega feita em postos apenas na tarde desta quarta-feira - véspera de feriado -, muitos diabéticos não tiveram tempo hábil para buscar o material. Agora, só poderão buscar as tiras a partir de segunda-feira. Além dos postos que não receberam as tiras - alguns informaram que não havia previsão para chegada -, há unidades que informaram que há restrições quanto ao fornecimento do material. Há postos que estão priorizando apenas casos mais urgentes e outros que informaram que as tiras devem esgotar nos próximos dias.

Das 14 unidades que atenderam a reportagem do jornal A Notícia, oito afirmaram que as tiras haviam sido entregues na unidade, enquanto seis informaram que não. Cristine Armani, uma das integrantes da Adijo, que tem um filho de 13 anos com diabetes, afirmou que a grande preocupação é com a continuidade do fornecimento das tiras. A reportagem do AN acompanhou Cristine na quarta-feira, às 14h30, quando ela foi verificar se as fitas haviam chegado na Unidade Básica de Saúde do bairro São Marcos. A resposta dos servidores foi negativa, mas Cristine voltou por volta das 16h30 e conseguiu retirar o material para o seu filho. 

– Já faziam 60 dias que eu não pegava as fitas. Em tese, eles teriam que repor tudo que não me entregaram. É um direito meu – reclama Cristine. Seu filho usa quatro fitas por dia, o que equivale a 120 por mês. De acordo com  ela, uma caixa com 100 fitas custa R$ 187.


Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC/Krona vence o Joaçaba e está nas semifinais do Estadual https://t.co/0THcIkplBJ #LeianoANhá 16 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConheça a realeza da Schützenfest 2018, festa que ocorre em Jaraguá do Sul https://t.co/xK8i9mN5wR #LeianoANhá 1 horaRetweet

Veja também

A Notícia
Busca