Conheça a curiosa história da onça do Paraíso - A Notícia

Versão mobile

AN no Jardim Paraíso01/11/2017 | 06h11Atualizada em 01/11/2017 | 18h17

Conheça a curiosa história da onça do Paraíso

Filhos do caçador que deu o tiro que matou a onça relembram a história de 60 anos atrás

Conheça a curiosa história da onça do Paraíso Salmo Duarte/A Notícia
Olívio e Davi mostram o crânio da onça que o pai caçou em 1957 Foto: Salmo Duarte / A Notícia
Alex Sander Magdyel
Alex Sander Magdyel

alex.cardoso@somosnsc.com.br

A história da caça a uma onça-pintada na década de 1950 foi contada a um grupo de estudantes da Escola Municipal Professora Rosa Maria Berezoski Demarchi. Para ajudar a relembrar esta história, os filhos do caçador foram convidados a participar de um evento que celebrava o Dia do Folclore, no dia 22 de agosto. Embora a história seja verdadeira – saiu até no jornal “A Notícia” na época – os professores trabalharam tudo como se fosse uma lenda.

 Confira a página especial do projeto AN no seu bairro 

Foi em 1957, relembram Olívio Cristino, 68 anos, e Antonio Davi Cristino, 71, filhos do homem que matou o animal. Vale destacar que uma caça como esta hoje é proibida por lei, mas na época não havia nenhuma restrição legal. Os irmãos ainda lembram do medo que a onça causou nos moradores, inclusive neles, que ficaram semanas sem ir às aulas. A onça teria até matado alguns animais. Por isso, o pai de Olívio e Antonio, Maximiliano Leopoldino, foi à caça do animal, até então desconhecido por muitos moradores.

– Nunca tinha ouvido falar e nem sabia o que era uma onça. Ficamos quase um mês sem ir para a escola – lembra Olívio, também conhecido como Tino.

Quem decidiu trazer à tona essa história de 60 anos atrás foi o professor Rogério Fiedler, que trabalha na biblioteca da escola. Os filhos do caçador são tios da mulher de Rogério e foi assim que ele ficou sabendo da famosa caçada. No dia do evento no colégio, o esqueleto da cabeça da onça foi levado para os alunos conhecerem. Além da carcaça, fotos e recortes de jornais sobre o caso enfeitam a sala de Olívio. 

 JOINVILLE,SC,BRASIL,24-10-2017.An no seu Bairro.Especial Jardim Paraiso,família que matou uma onça pra se defender.(Foto:Salmo Duarte/A Notícia)
Detalhe da foto de seu Maximiliano com a onça em exposição no ginásio que hoje se chama Abel SchulzFoto: Salmo Duarte / A Notícia

Antonio lembra que as arapucas armadas com o pai não foram suficientes para pegar o animal. A onça só foi morta, segundo Antonio, quando o pai, alguns cachorros e um grupo de moradores da Vila Cubatão saíram armados em busca do felino. Ele conta que a onça foi encontrada numa árvore e atingida por um tiro certeiro.

– Tinha mais de vinte caçadores. Eles voltaram da caçada bem felizes – conta Antonio, lembrando que a onça tinha 80 quilos. 

Os irmãos contam detalhes da caça e lembram que, depois de morta a onça foi levada ao ginásio que hoje se chama Abel Schulz. A população ficou sabendo da caça e foi até lá ver o animal. Tinha até quem pagasse para entrar. No local, Maximiliano, que morreu há 38 anos, posou para fotos ao lado da onça. Eles lembram que um delegado chegou a sair em defesa dos caçadores, já que a onça trazia riscos à população e a caça havia sido feita com o objetivo de proteção da comunidade.

-->

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Colombo veta projeto que combatia roubo de cargas  https://t.co/g6s3MzCfYD #LeianoANhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaEmpresa de Joinville oferece 30 vagas para jovens de 18 a 22 anos https://t.co/WSKP0Br0IL #LeianoANhá 2 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca