Conheça a história de Diego, que realizou o sonho da profissionalização no esporte - A Notícia

Versão mobile

 

Joinville que Queremos16/08/2016 | 08h49

Conheça a história de Diego, que realizou o sonho da profissionalização no esporte

Atleta que assistia aos jogos pela televisão quando criança já ouviu a torcida gritar seu nome, após um gol pelo JEC nos acréscimos

Conheça a história de Diego, que realizou o sonho da profissionalização no esporte Maykon Lammerhirt/Agencia RBS
Diego joga futebol desde os dez anos, quando iniciou na escolinha do Projeto Anhuma, na cidade de Corumbá, Mato Grosso do Sul. Está no JEC desde 2015 Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS
Bárbara Elice

Especial

A bola está no pé da criança brasileira desde muito cedo. A brincadeira começa em casa, passa para disputa na rua com as traves feitas de chinelos, se espalha nas escolinhas pelos bairros, pelos times amadores e grandes clubes. Talvez por isso o futebol seja um esporte tão popular, capaz de transformar a vida de meninos e meninas.

Saiba mais sobre o projeto Joinville que Queremos

Leia mais informações sobre Joinville e região no AN.com.br

Essa trajetória parece simples, mas pode levar os meninos longe. Dez anos após se matricular na escolinha de um projeto social no bairro em que morava, Diego Jara Rodrigues defendeu três times e percorreu cerca de 2.500 quilômetros pelo Brasil antes de assumir a lateral esquerda do Joinville Esporte Clube.

Desde os dez anos, Diego chama a atenção dos técnicos esportivos pela força e estatura. A descoberta foi na escolinha de futebol do Projeto Anhuma, na cidade de Corumbá, Mato Grosso do Sul, divisa com a Bolívia. Ele entrou no projeto para se divertir com os amigos. Três meses depois, foi convocado por um técnico e trocou o campo pelas quadras de futsal, onde permaneceu até os 17 anos participando de campeonatos regionais.

A meninada vendia rifa para bancar as viagens. Foi nessa época que Diego percebeu o potencial do esporte, quis se aprimorar e alçar voos mais altos. Quando o técnico de futsal virou auxiliar de campo, o levou para iniciar sua carreira nos gramados.

Segundo Diego, as oportunidades eram muito raras em Corumbá. Naquela época, não havia referência de pessoas que se profissionalizaram a partir do esporte lá. Entretanto, um olheiro fez peneira no Projeto Anhuma e Diego foi selecionado para jogar em Morrinhos, interior de Goiás, onde disputou o campeonato estadual sub-18. Foi a primeira oportunidade.

— Viajei o Brasil sozinho. Na primeira vez que saí de casa fiquei nove meses sem voltar. No começo, tudo é novo, então é bom, mas depois comecei a sentir saudade. Eu era bem apegado aos meus dois irmãos mais novos, de quem eu cuidava enquanto meus pais trabalhavam. Mas isso me ajudou a ter mais maturidade para lidar com as coisas, sempre soube me virar — conta, com fala calma.

O segundo teste foi pouco tempo depois, no União São João Esporte Clube, na cidade de Araras, São Paulo. Foi esse time que revelou o pentacampeão Roberto Carlos, na década de 1990. Mas, por falta de patrocínio, Diego não chegou a vestir a camisa do União. O agente encontrou um empresário de Blumenau disposto a investir no atleta, o que provocou a vinda para o Estado de Santa Catarina.

Diego começou na base do Metropolitano em 2013, onde conseguiu aprofundar a experiência dentro de campo. Disputou dois campeonatos catarinenses sub-20 e os Jogos Abertos. Ele treinava com os profissionais, mas jogava pelo time de base, até que chamou a atenção mais uma vez.

Desde que chegou ao Joinville Esporte Clube, em 2015, disputou a Copa Sul-americana, Campeonato Catarinense, Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro pelas séries A e B. Em Joinville, encontrou a oportunidade de trabalhar com profissionais qualificados, bons equipamentos e dividir o campo com atletas experientes. Diego relata ter desenvolvido mais força, preparo físico e maturidade. Entretanto, a experiência mais marcante para o atleta foi ter disputado o campeonato na primeira divisão do futebol brasileiro, em 2015.

– Era contra o Fluminense. O jogo estava empatado. Bem nos acréscimos, consegui dar uma arrancada, fiz uma meia-lua no zagueiro e bati cruzado, onde o zagueiro acabou batendo gol contra para eles e os torcedores começaram a gritar o meu nome, bem no fim do jogo. Isso foi muito marcante, o estádio estava cheio. Foi a minha primeira experiência de ter essa importância num jogo e ver o pessoal reconhecer, valorizar – relata.

Dedicação para colher os frutos no futuro

Aos 20 anos, com vários campeonatos estaduais e três nacionais no currículo, Diego almeja, como muitos atletas, chegar a uma disputa internacional, como a Copa Libertadores da América. Apesar de ter o Palmeiras como time de coração, não há uma equipe que o atleta sonhe em atuar no futuro. Ele planeja se dedicar ao máximo ao JEC e colher os frutos no futuro, como vem fazendo há uma década.

– Eu tento fazer cada jogo único. Isso é muito prazeroso. Eu me lembro da minha infância, vendo pela televisão os jogos em estádios lotados e tendo vontade de estar lá jogando. Já tive o privilégio de torcedores gritarem o meu nome, pude jogar em grandes estádios, com grandes jogadores que até pouco tempo almejava ir assistir em campo. Eu fico muito feliz – diz.

As transformações que o futebol provocou na vida de Diego foram muitas. Filho mais velho de uma família humilde, ele hoje consegue ajudar os pais e irmãos financeiramente. A saudade, causada pela distância, também ajudou Diego a valorizar mais a família.

– Isso me aproximou deles, passei a dar mais valor para as coisas pequenas. No futebol, quando a gente se envolve, muita coisa muda, a gente amadurece muito.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Joinville que Queremos 12/08/2016 | 08h49

Programa em Joinville oferece aulas gratuitas para pessoas com deficiência

Natação na Univille atende à comunidade em espaço para inclusão

Joinville que Queremos 09/08/2016 | 13h36

Projeto social no Jardim Paraíso em Joinville usa o esporte para fortalecer a cidadania

Mais de 50 crianças e adolescentes fazem parte do Projeto Leões de Judá

Joinville que Queremos 08/08/2016 | 08h04

Programas sociais em Joinville formam cidadãos por meio do esporte

Conheça os projetos que ensinam atividade esportiva e cidadania para jovens em situação de vulnerabilidade social. A segunda etapa do Joinville que Queremos vai apresentar histórias inspiradoras sobre o tema até o dia

Joinville que Queremos 18/06/2016 | 07h01

Entenda como Joinville se prepara para receber os recém-nascidos e dá suporte às grávidas atendidas na rede pública

No ECA, há um capítulo inteiro sobre a vida e a saúde como direitos fundamentais

OPINIÃO 17/06/2016 | 09h30

Direitos e Deveres

Sérgio Ricardo Joesting, promotor de justiça da infância e juventude fala sobre o ECA; para ele, a crise não é somente econômica ou política, é de falta de respeito

Joinville que Queremos 17/06/2016 | 09h01

Livro reúne relatos sobre aplicação do ECA no Norte de Santa Catarina

A publicação, com 270 páginas, faz um resgate histórico inédito no Brasil

Tema em discussão 16/06/2016 | 07h03

Joinville que Queremos: o que as crianças sabem sobre seus direitos

Desde cedo, as escolas ensinam, em sala de aula, sobre os direitos da criança e do adolescente. Como você encara o assunto? Durante 12 dias, o “AN” terá reportagens especiais sobre o tema

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC/Krona vence o São Lourenço e está nas semifinais do Campeonato Catarinense https://t.co/CcVz9twQ8R #LeianoANhá 2 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaConselheiro pede a expulsão de ex-presidente do JEC do quadro associativo https://t.co/rbzp1BKQsp #LeianoANhá 2 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca