Joinville tem 31 crianças à espera de um lar e 300 cadastros de quem se dispõe a adotar - A Notícia

Versão mobile

Joinville que Queremos23/06/2016 | 08h03Atualizada em 28/06/2016 | 09h17

Joinville tem 31 crianças à espera de um lar e 300 cadastros de quem se dispõe a adotar

Apesar do número de interessados, a não anda porque essas crianças não se encaixam nas exigências

Joinville tem 31 crianças à espera de um lar e 300 cadastros de quem se dispõe a adotar Salmo Duarte/Agencia RBS
Cristiane e Aquiles, com os filhos Gabriel (D) e João Lucas, defendem mudanças para evitar devoluções de crianças Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS
Bárbara Elice

Especial

Quando uma família decide adotar uma criança, é preenchido um formulário com informações sobre o tipo de pessoa que gostaria de acolher. Existe um perfil bem específico que é mais procurado: crianças de zero a dois anos, sem irmãos, nem problemas de saúde e, preferencialmente, meninas. Daí surge uma conta injusta: em Joinville, há 300 famílias interessadas em adotar e 31 crianças à espera de um lar.
A fila não anda porque essas crianças não se encaixam nas exigências. Apesar de já terem seus processos de destituição do pátrio poder familiar concluídos e, portanto, estarem aptas à adoção, não existem casais cadastrados que aceitem crianças maiores de oito anos em Joinville. Provavelmente, elas ficarão nas instituições de acolhimento até completar a maioridade. Atualmente, há 164 crianças em abrigos da cidade. A maioria delas ainda não está apta à adoção, pois aguarda a conclusão dos processos e ainda pode retornar ao convívio familiar.

Em 2015, foram realizadas 21 adoções (11 meninos e dez meninas), sendo que apenas três delas foram caracterizadas como adoção tardia. Além da espera nos abrigos, o processo que concretiza a adoção tem etapas a serem cumpridas. O casal interessado deve passar por uma avaliação psicológica, estudo social, curso preparatório e, se o parecer da equipe técnica forense for favorável, o juiz decide pela adoção. Depois dos trâmites burocráticos, a criança e o casal vão experimentar um período de convivência, monitorado pelo Serviço Social e Ministério Público. Só depois, a adoção de fato acontece.

Esses procedimentos podem parecer excessivos, no entanto, quando a família está de coração aberto, não há burocracia que impeça a adoção. Esse é o exemplo de Cristiane Bianchi e Aquiles Francisco Filipini, que acolheram os meninos Gabriel David Filipini, hoje com 14 anos, e João Lucas Bianchi Filipini, de nove anos.

Não se pode esperar que tudo seja perfeito

Gabriel é fruto de uma adoção consensual, ou seja, foi acolhido por Cristiane e Aquiles dias após o nascimento. Na época, eles moravam na cidade de Herval do Oeste, no Oeste de Santa Catarina. Lá, Cristiane era voluntária no abrigo de crianças, onde havia poucos monitores. Foi no Abrigo Anjos da Luz que, aos três meses, João Lucas chamou a atenção dela: um bebê magrinho, que não se mexia e havia perdido um irmão por desnutrição.

Confira mais reportagens na página do Projeto Joinville Que Queremos.

Confira as últimas notícias de Joinville e região.


Mesmo tendo se afeiçoado ao menino, Cristiane ficou feliz quando soube que ele havia sido adotado por uma família. Porém, cerca de dois meses depois, ele foi devolvido, devido ao diagnóstico de paralisia severa. Para Cristiane, a devolução de crianças é muito pior do que o sistema burocrático da adoção.

– É preciso mudar isso. Não é feita exigência nenhuma, só é preciso ter condições para sustentar. Na época, meu marido era vendedor e foi demitido no dia em que o João chegou. Passamos dificuldades, mas nem passou pela nossa cabeça a devolução. Tudo é simples na vida. É a gente quem complica – ensina.

Aquiles pontua que, em Joinville, há dez casais disponíveis para cada criança que poderia ser adotada. Na opinião dele, o problema está em escolher pelo perfil e esperar que tudo seja sempre perfeito, sem nenhum imprevisto, como no caso das doenças.

– Se você quiser adotar, existem crianças esperando por um lar. Só não existem crianças disponíveis para quem quer escolher. Se você estiver esperando um filho (de gravidez), não vai saber como ele virá ao mundo. Algum imprevisto pode acontecer. E você vai abandoná-lo por isso? Se as pessoas escolhessem menos, iriam sobrar famílias – afirma.

Mudança para Joinville em busca de melhor atendimento

Há cinco anos, Cristiane deixou Herval do Oeste, uma cidade pequena, que dispõe de poucos médicos, para buscar atendimento na Associação de Atendimento à Criança Deficiente (AACD) de Joinville. Aqui, encontrou especialistas que ajudaram a melhorar o desenvolvimento do João Lucas. As consultas com ortopedista, cardiologista, pneumologista, neurologista e nutricionista tornaram o menino uma criança muito ativa e expressiva.

No bairro Adhemar Garcia, a família também encontrou uma vizinhança querida, que contribuiu para a permanência na cidade. Aos nove anos, João Lucas é cuidado pelos pais e pelo irmão mais velho, Gabriel.

– Eu aprendi muito com ele. Ele depende da gente para tudo, mas não reclama da vida. Nós temos tudo e ficamos reclamando. Para mim, ele é um exemplo. Depois que o João veio, aprendi a sempre estar de bom humor, foi um puxão de orelha. Temos dificuldades, claro, porque somos seres humanos, mas eu aprendi a parar de reclamar e fazer mais as coisas – diz o pai.

Como adotar
1. O processo de adoção começa na Vara da Infância e da Juventude, no fórum da comarca da cidade onde os interessados em adotar moram. É lá que é possível dar início à inscrição no Cadastro Único Informatizado de Adoção e Abrigo (Cuida).

2. Após essa etapa, a Justiça agenda a entrevista para o interessado escolher tipo físico, idade e sexo, e passa uma lista de documentos para fazer o cadastro no sistema, como comprovantes de renda e certidão de antecedentes criminais.

3. Os documentos são analisados e os interessados, chamados para duas entrevistas. O objetivo é avaliar condições financeiras, emocionais e o estilo de vida da família. Os pretendentes também são obrigados a frequentar cursos preparatórios ministrados junto ao Poder Judiciário.

4. Com laudos e informações da família, o juiz define se o interessado está apto e o inclui na lista de pretendentes, cruzando as informações com as das crianças. Quando a sentença de habilitação para adotar é julgada eles concorrem à adoção.

5. A família espera até surgir uma criança com o perfil que procura.

6. Pretendentes e criança se conhecem. Primeiros contatos são monitorados pela Justiça.

7. Se tudo ocorrer bem e a avaliação técnica for positiva, a criança passa a morar com a família, que recebe a guarda provisória até a conclusão do processo.

8. Assim que o juiz proferir a sentença de adoção, a criança passa a ter sobrenome da nova família e os mesmos direitos de um filho biológico.


Quem pode adotar?

Homens e mulheres independentemtne do estado civil ou da orientação sexual, desde que sejam maiores de 18 anos.

O adotante deve ser pelo menos 16 anos mais velho do que o adotado. 

Cônjuge ou concubino pode adotar o filho do companheiro.

Quem não pode adotar?

Avô não pode adotar neto.

Irmão não pode adotar irmão.

Tutor não pode adotar o tutelado.


Quem pode ser adotado?

Criança ou adolescente com, no máximo, 18 anos, na data do pedido de adoção, cujos pais forem falecidos ou desconhecidos, tiverem sido destituídos do poder familiar ou concordarem com a adoção de seu filho.

Pessoa maior de 18 anos que já esteja sob a guarda ou tutela do adotante na data do pedido de adoção.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Joinville que Queremos 18/06/2016 | 07h01

Entenda como Joinville se prepara para receber os recém-nascidos e dá suporte às grávidas atendidas na rede pública

No ECA, há um capítulo inteiro sobre a vida e a saúde como direitos fundamentais

OPINIÃO 17/06/2016 | 09h30

Direitos e Deveres

Sérgio Ricardo Joesting, promotor de justiça da infância e juventude fala sobre o ECA; para ele, a crise não é somente econômica ou política, é de falta de respeito

Joinville que Queremos 17/06/2016 | 09h01

Livro reúne relatos sobre aplicação do ECA no Norte de Santa Catarina

A publicação, com 270 páginas, faz um resgate histórico inédito no Brasil

Tema em discussão 16/06/2016 | 07h03

Joinville que Queremos: o que as crianças sabem sobre seus direitos

Desde cedo, as escolas ensinam, em sala de aula, sobre os direitos da criança e do adolescente. Como você encara o assunto? Durante 12 dias, o “AN” terá reportagens especiais sobre o tema

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaCondutor morre após carro colidir com caminhão na BR-280, em Jaraguá do Sul https://t.co/Rq6BmUjrx6 #LeianoANhá 3 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaMotorista é demitido em Joinville por falar mal do chefe em aplicativo de mensagens https://t.co/JdK4yb3kmg #LeianoANhá 4 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros