Claudio Loetz: O objetivo da Catarinense Pharma é a liderança - A Notícia

Versão mobile

 

Livre Mercado 20/06/2016 | 07h11

Claudio Loetz: O objetivo da Catarinense Pharma é a liderança

empresário Adriano Silva, presidente da empresa, afirma que a meta é ser líder na produção de suplementos alimentares

O empresário Adriano Silva, presidente da Catarinense Pharma, chegou ao posto em maio de 2013, em tranquilo processo de transição e de sucessão familiar, iniciado no ano anterior, ao tempo em que ainda se chamava Laboratório Catarinense.

Para atingir o comando, ele atravessou todo o percurso interno: de estagiário, passou a assistente de marketing, teve outras atribuições, foi diretor e vice-presidente, já compartilhando, então, decisões com o pai, Nei Silva. Nesta entrevista, explica o modelo de gestão utilizado na companhia, fala de mercado, de negócios.

Fortemente identificado com a ação do Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville, o também socorrista defende que o Hospital São José seja comandado por uma organização social, uma OS.

A seguir, os principais trechos da entrevista.


Leia outras colunas de Claudio Loetz.
Leia as últimas notícias de Joinville e região.

A Notícia — O senhor assumiu o comando após transição familiar. Como foi esse momento?
Adriano Bornschein Silva — Em maio de 2013 foi oficializada a transição e assumi o comando da empresa da família, o então Laboratório Catarinense. Para isso, passei por várias áreas: de estagiário, a assistente de marketing, vendas, entre outras, e, mais tarde, cheguei a vice- presidente, já compartilhando decisões com meu pai, Nei Silva.

AN — Que mudanças promoveu na organização?
Silva — Uma das prioridades foi fazer a reforma do parque fabril. Algo necessário e, assim nos adequamos à legislação nacional e internacional. Estamos aptos a atender os mais exigentes mercados. Antes dessa, a última reforma que havia sido feita data de 1995. Em 2013-2014 as reformas foram feitas, inclusive, no sistema de ar-condicionado em todos os ambientes, e que operam 24 horas por dia, todos os dias do ano. A conta de luz subiu cinco vezes. Oitenta por cento dos recursos para o investimento vieram de financiamento do BNDES. Nós fabricamos 160 itens distribuídos por 90 produtos.

AN — Quais propósitos tem a empresa?
Silva — Em 2012, o planejamento foi feito e o propósito de sermos fonte de saúde. Por isso, o foco em produtos dermocosméticos. Essa concepção de negócio também explica a parceria com a Minancora. Fazemos, desde 2014, a produção dos itens deles na unidade deles. Todos os itens, à exceção da tradicional pomada, um segredo que guardam a sete chaves.

AN — Pensaram em comprar a Minancora?
Silva — Sim. Mas isso nunca esteve em discussão. Não há vontade deles venderem. Propusemos comprar bem antes de se formar a parceria.

AN — Qual é o objetivo para os negócios?
Silva — Queremos ser líderes nas categorias de produtos que produzimos, os suplementos alimentares. Temos como fazer isso. Por exemplo, o nosso Ômega 3 é líder nacional, com participação de mercado 50% maior do segundo colocado. O tradicional Melagrião continua um sucesso de vendas. A linha de suplementos alimentares já representa mais de 40% de nossos negócios.

AN — Há planos de fazer novos investimentos significativos, depois da reforma, já comentada?
Silva — Agora não é possível. Os investimentos feitos naquela reforma e os efeitos sobre os custos, não o permitem.

AN —  Como analisa o mercado de medicamentos?
Silva — O mercado está estável. Importante observar que aumenta a expectativa de vida do brasileiro. Há mais pessoas com mais de 60 anos do que gente com menos de 18 anos.

AN — Nos segmentos em que atua, qual é o tamanho do mercado brasileiro?
Silva — Os brasileiros consomem 20% do que consomem os norte-americanos nestas categorias de produtos que fabricamos, os suplementos alimentares. O Brasil tem muito a avançar, mas a crise retarda um pouco essa equiparação com os americanos. A expansão ainda não aconteceu por aqui. O crescimento da indústria no Brasil está amarrada e fica comprometido em razão dos custos, dos juros crescentes. Existe esse limite.

AN — Teu trabalho, como líder, tem algumas marcas bem conhecidas: atenção aos funcionários, transparência, modelo de gestão com foco em pessoas.
Silva — A liderança tem de estar apta a compreender o lado humano dos colegas, dos subordinados. Isso me dá prazer: influir positivamente no dia a da das pessoas. Gosto muito de literatura focada em elementos da psicologia.

AN — Qual é tua dificuldade como liderança?
Adriano — As pessoas enxergam o Adriano com uma imagem humana, quase só assim. Tenho dificuldades de mostrar, a eles, que o negócio passa por números, de que tenho de dar resultado aos acionistas — a família. É importante ser ativo no desempenho financeiro, com equilíbrio.

AN — Como valoriza o trabalhador da Catarinense Pharma?
Silva — Instituímos a comenda Alberto Bornschein, um reconhecimento dado aos que são exemplares. Gosto da palavra time. Não importa tempo de trabalho que têm na empresa. O importante é a adaptação das pessoas às necessidades e aos novos padrões tecnológicos para executar seus serviços com qualidade.

AN — O que é sucesso profissional?
Silva — Há fatores decisivos para termos um negócio de sucesso. Temos de ter produtos desejados pelas pessoas; a empresa tem de ser forte financeiramente; e temos de ter um time de trabalho com área de Recursos Humanos transformando-se em gestão de talentos.

AN — O que o preocupa em Joinville?
Silva — Joinville precisa melhorar. Como cidadão e como empresário, o que mais me preocupa é a questão da segurança. Mas o Hospital São José precisa de melhorias. O sistema de gestão tem de mudar. Como socorrista, vejo muitas dificuldades. O caminho é uma organização social, uma OS assumir a administração do São José. O Hospital Infantil é o exemplo.

AN — O senhor é uma liderança jovem, respeitada na cidade. Tem atividades sociais conhecidas e reconhecidas. E a vida pública, a política?
Silva — Tenho muita coisa a fazer aqui na empresa. É meu foco. Não quero assumir nenhuma função fora da empresa. A política? Não. Claro que não.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Livre Mercado  17/06/2016 | 07h01

Claudio Loetz: Votação do projeto de lei que muda o Supersimples é adiada no Congresso

Enquanto isso, as empresas enquadradas não tem revisão de valores máximos e "amargam" no purgatório

Livre Mercado  14/06/2016 | 08h02

Claudio Loetz: Wetzel, de Joinville, apresenta seu plano de recuperação

Plano prevê pagamento integral, no prazo de até 30 dias, para quem tem a receber valor até cinco salários mínimos (R$ 4.200)

Livre Mercado  11/02/2016 | 07h06

Claudio Loetz: Espaço Inovaparq, em Joinville, será inaugurado no dia 17

Localizado no Perini Business Park, iniciativa vai apoiar empresas na tomada de decisões e antecipar tendências para negócios com estudos realizados por professores e alunos

Livre Mercado 18/01/2016 | 07h04

Claudio Loetz: Havan terá terceira loja construída em Joinville

Planos da empresa é de instalar também uma loja em Praia Grande e outra em Jundiaí

Livre Mercado 16/01/2016 | 11h34

Claudio Loetz: As dores cotidianas

Livre Mercado 15/01/2016 | 07h07

Claudio Loetz: Novas regras do Minha Casa, Minha Vida afetam as cidades do Norte de SC

Principal mudança trata do valor máximo dos apartamentos ou casas a serem financiadas pela Caixa Econômica Federal

Livre Mercado 11/01/2016 | 07h04

Governo do Estado quer acelerar o cadastro de propriedades rurais em SC

Prazo termina no dia 5 de maio e, até agora, pouco mais da metade dos imóveis foram regularizados

Livre Mercado 09/01/2016 | 06h31

Balança Comercial de Santa Catarina tem déficit de US$ 4,96 bilhões em 2015

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgou balanço nesta semana

Livre Mercado 08/01/2016 | 07h02

Perini reforça a segurança com instalação de novas câmeras de monitoramento

Complexo localizado na zona industrial de Joinville terá equipamentos que reconhecem as placas de veículos em apenas três segundos

Livre Mercado 06/01/2016 | 07h09

Celesc firma contrato de concessão com cinco usinas catarinenses por 30 anos

Assinatura do contrato ocorreu em Brasília, nesta terça-feira. Entre as usinas está a do Bracinho, localizada em Schroeder

Livre Mercado 05/01/2016 | 07h07

CDL de Joinville projeta crescimento de 10% nas vendas do comércio em janeiro

Para presidente da entidade, Luiz Kunde, a presença de turistas e a permanência de moradores na cidade têm contribuído para a perspectiva otimista neste início de ano

Livre Mercado 04/01/2016 | 07h02

Em Joinville, Caixa registra aumento de imóveis comercializados pelo Programa Minha Casa, Minha Vida em 2015

Foram comercializadas 1.918 unidades habitacionais, 45% mais do que em 2014

Livre Mercado 02/01/2016 | 12h17

Aeroporto de Joinville comemora avanços em 2015

Confira entrevista com Rones Rubens Heidemann, superintendente do aeroporto

Livre Mercado 30/12/2015 | 18h13

Walmart fecha unidades da rede Todo Dia em Joinville

Grupo americano não confirma número de unidades desativadas, apenas que serão "algumas"

Livre Mercado 30/12/2015 | 07h08

Mais da metade dos joinvilenses está com dívidas, diz pesquisa da Fecomércio

Índice de famílias endividadas na cidade atingiu 50,4% em dezembro. No ano passado, no mesmo mês, a taxa era 39,2%

Livre Mercado 29/12/2015 | 07h09

Mercado imobiliário de Joinville dá sinais de recuperação em alguns setores

Pesquisa encomendada pelo Sinduscon mostra que no terceiro trimestre deste ano foram comercializadas 40% mais unidades de prédios verticais do que no trimestre anterior

Livre Mercado 28/12/2015 | 06h31

Loetz: Trabalhadores das indústrias têxteis definem pauta de reivindicações

Documento tem 80 cláusulas e pede, entre outras coisas, a reposição da inflação oficial a partir de 1º de fevereiro

Livre Mercado 25/12/2015 | 19h12

Claudio Loetz, sobre 2016: "Luz no fim da escuridão? Sempre há. Precisaremos de paciência, determinação e disciplina"

Colunista faz análise sobre o que esperar da economia no ano que vem

 
A Notícia
Busca