Ritmo de vida cada vez mais acelerado pode desencadear problemas emocionais - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

Joinville que Queremos20/11/2015 | 07h09

Ritmo de vida cada vez mais acelerado pode desencadear problemas emocionais

Planejamento e até orientação profissional são soluções para desacelerar e driblar o estresse

Ritmo de vida cada vez mais acelerado pode desencadear problemas emocionais Rodrigo Philipps/Agencia RBS
José Filho frequenta as aulas no espaço mantido pela professora Laura Packer Foto: Rodrigo Philipps / Agencia RBS
Bárbara Elice

Especial

Acorda cedo, toma café às pressas, responde o whatsapp, enfrenta o trânsito, deixa as crianças na escola e vai ao trabalho. Planeja a rotina, atinge metas, lê 30 e-mails, reunião com a chefia e improvisa sobre o que deu errado. Sai do trabalho e mais trânsito. A casa está uma bagunça. Jantar, dormir e acordar cedo no outro dia.

A sensação é de que as 24 horas do dia não são mais suficientes. E esse ritmo frenético tornou-se o comportamento padrão para dar conta de todas as tarefas, o que pode desencadear problemas emocionais como transtorno de ansiedade, fobias, síndrome do pânico e depressões.

Confira página especial do projeto Joinville que Queremos

Segundo a psicóloga especialista em terapia cognitiva comportamental Cleonice de Fátima Andrade, em Joinville há muita procura por tratamentos de depressão e ansiedade, principalmente com causa relacionada ao ritmo de trabalho acelerado.
Conforme a psicóloga, com as demissões que ocorreram recentemente, por exemplo, os trabalhadores ficam inseguros e acabam assumindo diversas atividades, acumulam funções e têm a qualidade de vida afetada.

— As pessoas estão assumindo cada vez mais compromissos e responsabilidades não porque escolhem assim, mas devido às necessidades das organizações. É a competitividade e a insegurança de enfrentar o desemprego, caso não atendam a essa demanda, assim como a necessidade de acompanhar as mudanças e informações da vida moderna. Percebe-se que esse ritmo de trabalho tem aumentado de forma significativa nos últimos anos. Isso acontece por causa de muitos fatores: competitividade, materialismo e consumo, exigência de resultados breves e lucrativos — argumenta.

Diante dessas cobranças, a mente humana reage sob estresse. Sintomas psicológicos e físicos passam se manifestar, como irritabilidade, alteração do padrão do sono e do apetite, gastrite, prisão de ventre e enxaqueca.

Para manter a saúde e o equilíbrio emocional, a psicóloga orienta a dividir o tempo dedicado à família, ao convívio social, ao lazer, à saúde e à vida acadêmica ou profissional. Para isso, é necessário, às vezes, compartilhar as responsabilidades e buscar orientação, sobretudo antes de se tornar vítima do estresse.

— Se não houver uma programação, além de adquirir a Síndrome de Burnout — a do esgotamento profissional — ainda terá de lidar com prejuízos nas outras áreas por falta de dedicação e com problemas emocionais e físicos que surgirão. Até porque excessos de atividades fazem com que, ao longo do tempo, devido ao cansaço e estresse, os resultados atingidos não sejam satisfatórios. Quanto maior a quantidade, menor a qualidade — explica.

E os problemas não afetam somente mulheres e homens adultos, mas crianças. Essas, muitas vezes, não sabem exatamente como verbalizar e identificar as emoções e, portanto, é mais difícil para saber quando ajudá-las. Agressividade, irritabilidade, dores de cabeça e barriga e baixo desempenho escolar podem ser sinais de que a criança está experimentando um alto nível de estresse.

Ioga ajuda a lidar com o estresse

Uma alternativa para navegar no contrafluxo dessa correria cotidiana, o ioga tem conquistado cada vez mais adeptos. Professora da primeira casa de ioga da cidade, desde 1986, Laura Packer afirma ter percebido o aumento da procura e aponta que surgiram interessados por diferentes razões: questões terapêuticas, físicas e pela necessidade de 'encontrar o seu centro'

Segundo a professora, a prática permite que cada um desenvolva o que é mais conveniente para si, ao longo do processo. No caso do ritmo de vida acelerado, o ioga pode ajudar a ficar mais calmo, a ter mais foco e concentração para lidar com as situações. No corpo físico, devido ao trabalho de postura, ele atua no sistema orgânico, com benefícios para a digestão, o coração, músculos e respiração.

— E a meditação é transformadora. É comprovado que passam pela mente cerca de 90 mil pensamentos por dia. Como se dá conta disso? Perdemos muita energia e isso vem com o cansaço, insônia e ansiedade. A meditação diminui o fluxo intenso de pensamento e leva o sistema orgânico ao estado de omeostase, de equilíbrio, e sente-se então a serenidade — destaca Laura.

Praticante de ioga desde os 12 anos, por influência do irmão mais velho, José Filho, 23 anos, encontrou uma atividade completa para cuidar do corpo e das emoções. Ele tornou-se terapeuta reiki — um profissional que ministra a cura por meio da energia, com o uso das mãos.

Segundo José, ele melhorou a atenção e conquistou uma consciência mais tranquila. Doenças físicas ou psíquicas também não constam no seu histórico, pois, além de melhorar a autoestima, o ioga pode fortalecer o sistema imunológico.

— O mundo externo exige muito do homem e ele acaba não dando tanta atenção à sua realidade interna. Isso foi esquecido. Olha-se mais para fora, para aquilo que se quer adquirir, e não para aquilo que já é, as coisas mais simples, como as emoções —  afirma José.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Joinville que Queremos 19/11/2015 | 07h06

Animais de estimação que compartilham a rotina de crianças e idosos em Joinville

Na quarta reportagem da série, conheça os bichinhos que são parceiros para todas as horas e ajudam a melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas

Joinville que Queremos 16/11/2015 | 07h10

Febre dos grupos de corrida conquista Joinville

Na terceira edição do projeto Joinville Que Queremos em 2015, tema qualidade de vida será assunto principal na série de reportagens que começa nesta segunda-feira

Joinville que Queremos 21/08/2015 | 09h25

Confira as opções para entrar na previdência privada

Há dois tipos de planos que podem garantir renda extra ao fim de uma carreira. Antes de escolher, consulte um especialista

INSS 14/08/2015 | 15h20

Governo não deve pagar adiantamento do 13º a aposentados em agosto

Ainda não há previsão de nova data para o pagamento

Economia 12/08/2015 | 13h21

Claudio Loetz: Programa do Sebrae estimula pequenos empreendimentos em Joinville

As soluções do Sebrae pretendem dar mais competitividade aos negócios a longo prazo

Talento em pauta 11/08/2015 | 13h04

A empresa vai quebrar, o que vai fazer?

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaTroca de livros e contação de histórias marcam lançamento da Feira do Livro, em Joinville https://t.co/zSernfjZvrhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaVereador quer retirar faixa viária da rua Visconde de Mauá, em Joinville https://t.co/00sNwdVwFThá 1 horaRetweet

Veja também

A Notícia
Busca