Clássicos infantis: nem tudo é magia e final feliz - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

Cultura14/05/2015 | 14h29

Clássicos infantis: nem tudo é magia e final feliz

Nas versões filmadas, castigos foram trocados por lições de moral

Clássicos infantis: nem tudo é magia e final feliz Divulgação/
Branca de Neve na versão Disney Foto: Divulgação
Taísa Rodrigues

Especial

Que os filmes podem ser a porta de entrada para a leitura, muitos já sabem. Mas quando o assunto são os clássicos infantis, transformados em desenhos famosos pela Disney, quem ler os originais pode acabar se espantando com diferenças. Nas versões filmadas, castigos foram trocados por lições de moral. Heróis e vilões viraram personagens caricatos, enquanto princesas ficam passivas ao mal. Para quem não leu, em um primeiro momento a história acaba sendo chocante. “AN” escolheu três contos dos irmãos Grimm que viraram filmes da Disney e mostra as diferenças.

:: Confira a página especial sobre o projeto Joinville que Queremos

Branca de Neve Versão dos Irmãos Grimm



Com a morte da mãe, ainda bebê Branca de Neve viu o pai casar novamente. A madrasta era má e queria ser a mais bonita. Mas à medida que Branca de Neve cresce, vai ficando cada vez mais linda. Ao perguntar para o espelho mágico quem era a mais bonita, a resposta não agradou à madrasta, que decidiu matar a jovem princesa, chamando um caçador.

Como ele não a matou, Branca de Neve fugiu, conhecendo os sete anões, que a acolherem por anos. Neste meio tempo (antes da maçã envenenada), a rainha tentou matar a jovem duas vezes, sem sucesso.

Quando chegou a vez da maçã, Branca de Neve apenas engasgou. Esse “engasgo” durou anos, fazendo com que ela parecesse morta. Por isso, ficou em um caixão de vidro por muito tempo, até aparecer um príncipe que implorou para ficar com ele. No caminho, um servo tropeçou, derrubando o caixão. Foi neste momento que Branca desengasgou, viveu e casou. A madrasta má foi ao casamento e já tinha mandado botar dois sapatinhos de ferro na brasa. Alguém os tirou de lá com algumas ferramentas e os pôs diante da Branca, que foi obrigada a calçar os sapatinhos em brasa e dançar até cair morta. Sim, ela morre no final.

Versão da Disney
No clássico da Disney, a história é basicamente assim: uma rainha má e bela resolve, por inveja e vaidade, mandar matar sua enteada, Branca de Neve, a mais linda de todo o reino. Mas o carrasco a deixa partir e ela encontra a cabana dos sete anões, que trabalham em uma mina e passam a protegê-la. Algum tempo depois, quando descobre que Branca de Neve continua viva, a bruxa má se disfarça e vai atrás da moça com uma maçã envenenada, que faz com que Branca de Neve caia em um sono profundo, até o dia em que um beijo do amor verdadeiro a faça despertar. O príncipe aparece, beija-a e ela se casa e vive feliz para sempre.

A Gata Borralheira (Cinderela) Versão dos Irmãos Grimm



As histórias contada pelos Grimm e pela Disney têm o início parecido. Na versão original, criada pelos irmãos, o pai de Cinderela fica viúvo, casa com uma mulher que já tinha duas filhas e a jovem se torna a empregada da casa. Ela dormia no chão e não tinha direito a nada. Nem mesmo quando quis ir ao baile do príncipe. Mas com o apoio de duas pombas que ficavam no túmulo de sua mãe, Cinderela consegue melhor vestido e vai ao baile por três noites sem ser descoberta. Até que no último dia perde o sapato dourado (e não de cristal) e o jovem príncipe decide procurá-la.

Quando o príncipe chega à casa de Cinderela, as duas irmãs experimentam antes o sapato. No conto, esse trecho é relatado assim: “A mais velha entrou no quarto com o sapato e tentava calçá-lo. Mas ela não conseguiu colocar por causa de seu dedão do pé. Então, a mãe lhe deu uma faca e disse: ‘Corta o dedão, quando você for rainha, não precisará andar muito a pé’” .

O príncipe descobre a farsa e volta para a casa de Cinderela, mas a outra irmã prova o sapato. Mais uma vez, ele não cabe. A mãe manda a filha cortar um pedaço do calcanhar. A jovem também é descoberta. Chega a vez da Gata Borralheira provar o sapato de ouro, mostrando que ela é sua verdadeira dona. No casamento, as pombinhas arrancam um olho de cada uma das irmãs. Depois, na volta para casa, elas têm o outro olho arrancado pelas pombinhas.

Versão da Disney



Cinderela sofre sem deixar de ser bonita. O sapato de ouro se transforma no sapatinho de cristal. As pombas viram fada madrinha. Surgem a carruagem de abóbora e as badaladas da meia-noite. Até o baile com o príncipe, conto e filme se entrelaçam, mas, depois, tudo muda: não há mais sangue - as irmãs não cortam os pés e nem pombas comem os olhos delas. Há maldade, sim, mas o enredo é mágico e envolvente.

Rapunzel Versão dos Irmãos Grimm



A mãe de Rapunzel, quando estava grávida, tinha desejo de comer rabanetes que estavam plantados no jardim da vizinha, uma feiticeira. O marido pulou algumas vezes para pegar o legume, mas foi surpreendido pela malvada. Aí vem o acordo: em troca dos rabanetes, teria de entregar Rapunzel quando nascesse. E foi isso o que aconteceu.

Rapunzel cresceu e se tornou a mais linda criança. Quando fez 12 anos, a feiticeira trancou-a no alto de uma torre sem escada nem porta: apenas uma janelinha, no lugar mais alto. Quando a velha desejava entrar, ficava embaixo da janela e gritava:

– Rapunzel, joga suas tranças!

Foi assim por muito tempo, até um príncipe aparecer. Ele ouviu a jovem cantar, gostou e tentou a sorte: gritou e Rapunzel jogou suas tranças. A feiticeira descobriu e cortou os cabelos dela. Não contente, a malvada levou a pobre menina para um deserto e a abandonou. Na mesmo dia em que Rapunzel foi expulsa, a feiticeira prendeu as longas tranças num gancho da janela e ficou esperando. Quando o príncipe chamou por Rapunzel, ela deixou as tranças caírem. Ao entrar, o pobre rapaz não encontrou sua querida, mas, sim, a terrível feiticeira, que disse que nunca mais ele a iria encontrar.

Ao ouvir isso, o príncipe ficou fora de si e, em seu desespero, se atirou pela janela. O jovem não morreu, mas caiu sobre espinhos, que furaram seus olhos, deixando-o cego.

O príncipe fica vagando por anos e, de repente, ele está no mesmo deserto que Rapunzel. Ele a encontra, mas não sozinha: está com dois filhos – gêmeos! Os dois começam a chorar e duas das lágrimas da moça caem nos olhos dele e, no mesmo instante, o príncipe recupera a visão. Então, leva Rapunzel e as crianças para seu reino.

Versão da Disney


O filme Enrolados é baseado no conto da Rapunzel, mas não há tanta tristeza. Quando a rainha, que está grávida, adoece, seus súditos inventam um elixir com uma flor cultivada a partir de uma gota de luz solar. O medicamento restaura a saúde da rainha e concede poderes mágicos de cura para o bebê. No entanto, uma velha bruxa chamada Gothel sequestra a pequena princesa logo após o nascimento. Gothel a tranca numa torre e diz que o mundo é perigoso e cheio de coisas horríveis.

Flynn Rider decide usar a torre de Rapunzel como esconderijo depois de roubar joias. Rapunzel o captura, pega a mochila e o mantém refém, até fazer o jovem levá-la para o festival de luzes em um reino vizinho. Ninguém fica cego, ninguém vai para o deserto e também não há nascimento de gêmeos. A jovem consegue voltar para o castelo, reencontra seus pais e se casa com Flynn.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Cultura 12/05/2015 | 09h06

Contação de histórias: um momento de afeto

Qualquer pessoa pode pegar um livro e contar histórias. Se não sabe por onde começar, o AN dá algumas dicas para você entrar no mundo da imaginação

Cultura 11/05/2015 | 14h59

Veja quais os livros são os campeões de leitura na biblioteca pública de Joinville

Conheça a leitora mais assídua do espaço e e saiba quais são as obras mais lidas do momento

Cultura 09/05/2015 | 10h02

Novos gêneros young adult e new adult são febre entre os leitores

Obras como A Culpa É das Estrelas, Jogos Vorazes e Seraphine são exemplos desta novidade

Cultura 08/05/2015 | 08h01

Dez clássicos da literatura que você não pode deixar de ler

AN apresenta dicas preciosas sobre o tema

Cultura 08/05/2015 | 07h31

Jura Arruda escreve o conto O Miserável João Vargeão

Texto faz parte do projeto Joinville que Queremos, do jornal A Notícia

Cultura 07/05/2015 | 08h01

Confira dicas de livros para as diferentes idades

Alguns se enquadram no padrão, outros preferem a descontrução, não importa. O livro é para todas as idades. Abaixo, algumas dicas para crianças e jovens descobrirem esse universo.

Cultura 06/05/2015 | 12h55

Entrega de livros gratuitos para moradores de Joinville segue até quinta

Ação do projeto Joinville que Queremos já entregou cerca de 700 títulos

Cultura 06/05/2015 | 09h16

Confira dicas preciosas para você descobrir o universo das letras

Ler é bom. Mas para descobrir o universo das palavras, é preciso se permitir experimentar.

Cultura 05/05/2015 | 14h12

Estudante e escritor, Gustavo Otto diz que com as letras expressa emoções e fé

Artigo faz parte do projeto Joinville que Queremos, do jornal A Notícia

Cultura 05/05/2015 | 13h54

Escritora Camila Gomes conta como o livro transformou sua vida

Artigo faz parte do projeto Joinville que Queremos, do jornal A Notícia

Cultura 05/05/2015 | 13h04

AN segue entregando livros no Centro de Joinville

Ação vai até quinta e faz parte do projeto Joinville que Queremos

Cultura 05/05/2015 | 09h55

Psicopedagoga Josiane Borgmann acredita que ao ler a criança estimula a curiosidade, a imaginação e a informação

Artigo faz parte do projeto Joinville que Queremos, do jornal A Notícia

Cultura 05/05/2015 | 09h46

Sueli Brandão diz que a leitura é uma muralha de proteção contra a ignorância

Em artigo publicado no AN, presidente do Instituto da Cultura e Educação de Joinville destaca como a Feira do Livro pode incentivar novos leitores

Cultura 05/05/2015 | 09h07

Veja quais os livros serão entregues de graça pelo A Notícia

Ação faz parte do projeto Joinville que Queremos

Cultura 04/05/2015 | 14h18

Pegue um livro você também! AN entrega obras de graça até quinta-feira

Ação faz parte do projeto Joinville que Queremos e a proposta é incentivar a leitura crianças, jovens e adultos.

Cultura 01/05/2015 | 18h54

Ação do projeto Joinville que Queremos vai distribuir livros nas ruas da cidade

Uma bicicleta totalmente adaptada vai se transformar em uma biblioteca itinerante com livros

Cultura 01/05/2015 | 18h24

Família e escola têm papel fundamental para ajudar as crianças a descobrir o prazer de um bom livro

"AN" lança o Projeto Joinville que Queremos, que durante duas semanas vai debater este tema

 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaHonestidade https://t.co/0Q1YAc6QAjhá 3 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaAdolescente é apreendido com drogas dentro do Terminal Central de Joinville  https://t.co/fkisrUzY8vhá 3 horas Retweet

Veja também

A Notícia
Busca