Precoce Nagelsmann mede forças com ídolo Guardiola - Esportes - A Notícia

Vers?o mobile

 
 

Hoffenheim01/10/2018 | 14h29

Precoce Nagelsmann mede forças com ídolo Guardiola

AFP
AFP

Julian Nagelsmann, técnico mais jovem da história da Liga dos Campeões, não esconde sua admiração por Pep Guardiola, que enfrentará pela primeira vez nesta terça-feira, na partida do Hoffenheim alemão contra o Manchester City, pela segunda rodada da fase de grupos da Champions.

Em 19 de setembro, quando se sentou no banco em Donetsk para a estreia do Hoffenheim na fase de grupos da Champions contra o Shakthar (2-2), Nagelsmann tinha exatos 31 anos e 58 dias. Assim, bateu o recorde de precocidade que pertencia ao bielorrusso Viktor Goncharenko, que em 2008 dirigiu o BATE Borisov com 31 anos e 99 dias.

E as estatísticas não levam em conta a fase prévia da competição, da qual o Hoffenheim participou na temporada passada, sendo eliminado pelo Liverpool.

O técnico alemão, que admite se inspirar nas ideias de Guardiola, sabe que nem sempre é fácil decodificar o mestre espanhol: "Nunca é evidente saber exatamente como ele vai organizar sua equipe. Tem diferentes sistemas de acordo com os adversários e não é fácil se aproximar de seu estilo, mas tenho algumas ideias...".

Para se manter fiel a seu estilo, Nagelsmann deverá propor contra um City um jogo de pressão alta e, principalmente, transições rápidas para tentar aproveitar os contra-ataques contra um time inglês que se vê obrigado a buscar a vitória depois de estrear na Champions com uma derrota em casa para o Lyon (2-0).

- "Uma ideia louca" -

Este ex-zagueiro, que precisou dar um fim à carreira de jogador aos 20 anos devido a uma grave lesão, não conquistou o recorde de precocidade na Liga dos Campeões por um grande clube.

Em fevereiro de 2016, sua escolha para técnico principal do Hoffenheim, numa época em que o clube transitava pela zona baixa da tabela da Bundesliga, foi recebida com ceticismo, até menosprezo. "É uma ideia louca", "Uma pegadinha de marketing", escreveram alguns jornais sobre o treinador, que na época tinha 28 anos e um título de campeão da Alemanha com a equipe sub-19.

Em três meses, calou todos os críticos salvando a equipe do rebaixamento. Em seguida, colocou o Hoffenheim na parte de cima da tabela, terminado na 4ª colocação em 2016-2017 e 3ª posição na temporada passada.

Tudo isso sem uma grande estrela e perdendo em dois anos três de seus maiores destaques, contratados pelo rico Bayern de Munique: Sebastian Rudy e Niklas Sule em 2017 e Sandro Wagner em janeiro passado.

"Ele parece ter tanto talento que, um dia, o Hoffenheim será pequeno demais para ele", profetizou em 2017 o bilionário alemão Dietmar Hopp, fundador da empresa de informática SAP e mecenas do clube.

- Descoberto por Tuchel -

Foi um presságio certeiro, já que Nagelsmann tem sua saída programada: será na próxima temporada e o destino será o RB Leipzig, outro clube sem grande história, mas com maior poder financeiro e ambições bem maiores que o Hoffenheim.

O primeiro a se dar conta da capacidade de Nagelsmann como técnico, quando tinha apenas 21 anos, foi Thomas Tuchel, naquela época técnico dos juniores do Augsburg. Seduzido por sua visão de jogo, o atual treinador do Paris Saint-Germain ofereceu ao jovem, recém-aposentado da carreira de jogador, um cargo de olheiro da equipe e, em seguida, de assistente da comissão técnica.

"Agradeço a Tuchel por ter me dado a ideia de me tornar treinador", declarou Nagelsmann.

Ironia do destino, Tuchel e Nagelsmann competiram para assumir o cargo de técnico do gigante Bayern de Munique para esta temporada, embora o clube bávaro tenha finalmente optado por Niko Kovac.

Nagelsmann não esconde seu sonho de comandar um dia o Bayern, mas sabe que é questão de tempo: algumas das atuais estrelas do maior clube da Alemanha são mais velhos do que ele, como Arjen Robben (34 anos), Franck Ribéry (35) ou Manuel Neuer (32).

* AFP

 
A Notícia
Busca