"Batalhão Brasileiro": Time Guga é formado com modelo inédito e meta ousada - Esportes - A Notícia

Versão mobile

 

Tênis21/10/2018 | 08h20Atualizada em 21/10/2018 | 08h20

"Batalhão Brasileiro": Time Guga é formado com modelo inédito e meta ousada

Equipe busca mostrar o potencial do País e colocar atletas no top 100 do ranking mundial

"Batalhão Brasileiro": Time Guga é formado com modelo inédito e meta ousada Diorgenes Pandini/Diario Catarinense
Foto: Diorgenes Pandini / Diario Catarinense

O "Batalhão Brasileiro" é uma realidade. Capitaneado por Gustavo Kuerten, o Time Guga busca mostrar ao mundo que o Brasil possui jovens a serem lapidados para seguir um caminho semelhante ao percorrido pelo tricampeão de Roland Garros. A exemplo da "Brazilian Storm" (Tempestade Brasileira, em português), que se firmou como potência no circuito mundial de surfe após os títulos de Gabriel Medina, em 2014, e de Adriano de Souza, em 2015.

O projeto teve início há um ano e meio, será oficializado em dezembro e não é mais segredo. Além da participação do próprio ex-atleta, o Time Guga tem o envolvimento do irmão Rafael Kuerten na parte de gestão e do tenista Bruno Soares, integrante do conselho. O responsável pela coordenação técnica é Hugo Daibert, treinador de Soares. De acordo com ele, a intenção é preparar a geração para a chegar com tudo ao circuito. 

– O Guga chama de "Batalhão Brasileiro". Conversamos com treinadores e a ideia é que se utilize da inteligência e gestão para ser certeiro. A Confederação entende e apoia esse movimento. Tudo é transparente e bem traçado. O Time Guga é um caminho para transformar o tênis e colocar 10 jogadores no top 100 masculino. Uma escola forte em que não apenas um tenista se destaca como foi na época do Guga – fala Daibert.

Sete atletas compõem o Time Guga: João Menezes (21), Mateus Alves (17), João Pedro Ferreira (17), Natan Rodrigues (16), Bruno Oliveira (16), Pedro Boscardin Dias (15) e João Victor Loureiro (15). O treinamento deles é realizado em diferentes cidades do Brasil, mas com a mesma metodologia e disciplina. O modelo de trabalho da equipe é considerado inédito no tênis e evita de ser uma busca por um sucessor de Guga. 

– No Brasil sempre teve o peso do "novo Guga". Buscamos quebrar isso. Claro que um sempre chama mais atenção, mas é preciso ir devagar, tirar a pressão. Vamos chegar como um time e ter o foco no treinador e não no jogador. O tenista vai querer fazer parte da equipe sem deixar o clube que treina. O Guga sempre diz: "chegar sozinho, eu chego mais rápido. Mas chegar em conjunto, eu chego mais longe". É isso que queremos – destaca. 

Em Joinville, Boscardin e Loureiro treinam com o ex-tenista Ricardo Schlachter. Em São José do Rio Preto, o ex-atleta Thiago Alves trabalha com Mateus Alves e Natan Rodrigues. Por fim, em Belo Horizonte estão outros dois meninos do Time Guga, Bruno Oliveira e João Pedro Ferreira, que estão sob supervisão de Bruno Baeta. A equipe tem Maísa Feital na captação do grupo feminino, que ainda permanece no estágio de formação. 

– A Maísa tem se especializado para treinar meninas, pois o modelo é diferente dos meninos. É preciso entender o processo. Ainda está tudo embrionário. Estamos na fase do mapeamento e olhando lá em baixo. O projeto também se estende aos cadeirantes – completa Daibert.

 FLORIANOPOLIS, SC, BRASIL, 19.10.2018: O embaixador de Holland-Garros, Guga, interage com os atletas do time homônimo. (Foto: Diorgenes Pandini/Diário Catarinense)Indexador: Diorgenes Pandini
Foto: Diorgenes Pandini / Diario Catarinense

Uma base na Europa

 Em parceria com a academia "4Slam", do ex-tenista Galo Blanco, o Time Guga tem à disposição um centro de treinamento em Barcelona, na Espanha. É lá que fica o mais experiente da equipe, João Menezes. O lugar reúne condições adequadas e tem alguém acostumado com a transição do juvenil para o profissional. O espanhol foi o responsável por fazer isso com o canadense Milos Raonic, atual número 20 do mundo.  

– O Blanco é especialista nesta transição. E o Guga tinha esse pensamento. O que a Família Kuerten faz é com cuidado e planejamento. Tivemos que acelerar o projeto para não deixar essa geração se perder pelo caminho. A Espanha tem muitos fatores positivos. A participação dos treinadores é bem diferenciada – explica o coordenador.

Daibert destaca o fator cultural como determinante para apostar no centro de treinamento em parceria com Blanco. Outro ponto é a localização na Europa, onde acontece os principais torneios no circuito mundial.   

– A facilidade do idioma e a proximidade cultural, pelo Brasil ser um país latino, ajudam. É o centro mais próximo da nossa realidade. A Argentina está aqui do lado, mas distante do grande centro que é a Europa – afirma. 

Galo Blanco se tornou consultor internacional do Time Guga, assim como a tenista Anabel Medina, bicampeã de duplas em Roland Garros e prata nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008. Ela trabalha com os treinadores.

Composição do Time Guga

Conselho técnico
Gustavo Kuerten (Guga)
Rafael Kuerten
Bruno Soares

Coordenador técnico
Hugo Daibert

Consultores internacionais
Galo Blanco
Anabel Medina

Treinadores
Thiago Alves
Ricardo Schlachter
Bruno Baeta
Maísa Feital

Tenistas
João Menezes (21 anos)
Mateus Alves (17 anos)
João Pedro Ferreira (17 anos)
Natan Rodrigues (16 anos)
Bruno Oliveira (16 anos)
Pedro Boscardin Dias (15 anos)
João Victor Loureiro (15 anos)

 
A Notícia
Busca