Igor Amorelli inicia semestre em busca de mais um título de Ironman 70.3 - Esportes - A Notícia

Versão mobile

 

No Equador05/07/2018 | 19h00Atualizada em 05/07/2018 | 19h00

Igor Amorelli inicia semestre em busca de mais um título de Ironman 70.3

Campeão da prova em Florianópolis, em abril, triatleta persegue conquista no Equador neste domingo

Igor Amorelli inicia semestre em busca de mais um título de Ironman 70.3 Romulo Cruz/
Foto: Romulo Cruz
DC Esportes
DC Esportes

O triatleta Igor Amorelli começa o segundo semestre de ano em busca de mais um título de Ironman 70.3 – prova com metade das distâncias da franquia Ironman. Neste domingo, na cidade de Manta, ele tenta conquistar o Ironman 70.3 Equador. Neste ano ele venceu a prova em Florianópolis, em abril, e no mês seguinte, também na capital catarinense, ficou em segundo lugar do Ironman Brasil

O atleta vive uma das melhores fases da carreira e embarcou ao país sul-americano confiante em outro bom resultado. O desafio no Equador faz parte da preparação para os mundiais de Ironman, no Havaí, e Ironman 70.3, na África do Sul.

— A fase está boa e para o momento a forma também. Agora é entrar no ritmo de provas de novo até o objetivo principal, que é Kona. Até outubro eu vou fazer mais duas provas de 70.3, sendo que uma delas é o mundial e a outra deve ser nos EUA. Não farei mais nenhum Ironman Full até o Havaí — descreveu o triatleta nascido em Belo Horizonte e que adotou Santa Catarina como sua casa ainda jovem.

Nas últimas cinco provas que disputou, o catarinense subiu ao pódio em todas, com vitórias em Miami (outubro/2017) e Florianópolis (abril/2018), ambas em provas de 70.3, dois segundos lugares, no 70.3 de Bariloche (março/2018) e no Ironman Brasil (maio/2018), além de um 3º no Ironman Mar del Plata (dezembro/2017). Pela frente nesse final de semana o triatleta terá como desafio 1.9 km de natação, 90 km de ciclismo e 21.1 km de corrida em uma prova que conhece bem, ainda que não tenha tido bom resultado na edição do ano passado em Manta.

— Eu não fiz todo o percurso no ano passado devido a minha queda, mas sei bem o que terei pela frente. A natação é no mar, o que é bom para mim. O ciclismo é rápido, com algumas subidas e descidas que não chegam a ser muito pesadas. O percurso é rápido e plano e o clima deve ser de tempo quente — analisou.

Saiba mais sobre o esporte em Santa Catarina.

 
A Notícia
Busca