Neymar, exibição de gala eclipsada por outra polêmica com pênalti - Esportes - A Notícia

Versão mobile

 

Paris18/01/2018 | 20h09

Neymar, exibição de gala eclipsada por outra polêmica com pênalti

AFP
AFP

É possível brilhar, marcar quatros gols e terminar uma partida vaiado pela própria torcida: foi o que aconteceu com o brasileiro Neymar, na quarta-feira, depois de goleada por 8 a 0 sobre o Dijon, por não deixar Edinson Cavani cobrar pênalti no final da partida.

O jogo já estava decidido em 7 a 0, com chances do centro-avante uruguaio se tornar o maior artilheiro da história do Paris Saint-Germain diante do seu público, mas o camisa 10 foi para a cobrança.

Neymar não gostou da reação do público e demonstrou a insatisfação ao deixar o gramado. Depois da partida, não deu declarações e não cumprimentou a torcida.

Situação paradoxal, depois do craque ser eleito o melhor jogador do jogo após exibição espetacular. Neymar fez quatro gols, deu duas assistências e ganhou nota 10 do jornal esportivo francês L'Équipe, feito bastante raro.

Mas um setor da torcida não perdoou o jogador por outra polêmica com o pênalti, apesar de ser evidente que com menos força do que a discussão entre Neymar e Cavani para decidirem quem cobraria uma penalidade na partida contra o Lyon, dia 17 de setembro.

Desta vez, o jogo estava definido e Cavani estava a um gol de chegar superar os 156 gols marcados pelo sueco Zlatan Ibrahimovic, com quem está empatado na artilharia do PSG. Caso tivesse cobrado, o uruguaio poderia deixar o estádio com um novo recorde. Mas Neymar foi para a bola e Cavani terá que esperar.

A chegada de Neymar no início da temporada, depois do PSG desembolsar 222 milhões de euros para tirá-lo do Barcelona, causou um terremoto no futebol francês, em especial no vestiário do clube parisiense. Cavani precisou aprender a compartilhar o protagonismo com o recém chegado.

O técnico Unai Emery se esfoçou para que o embate de setembro não tivesse maiores consequências.

Contra o Dijon, era Neymar o responsável para cobrar o pênalti. Mas o brasileiro já havia feito um "hat-trick" e dado duas assistências. Deixando a bola para Cavani bater, Neymar teria feito "um gesto muito bonito, de fair-play", admitiu o companheiro belga Thomas Meunier, que minimizou o incidente.

A equipe não quer atravessar outra tormenta a um mês do duelo decisivo das oitavas de final da Liga dos Campeões, contra o Real Madrid.

- 'Show de um homem só' -

Mas Neymar se fez de surdo aos pedidos da arquibancada e decidiu não ceder o ápice de seu protagonismo no "show de um homem só", como estampou o jornal L'Équipe em sua manchete.

A decisão do brasileiro dividiu os torcedores, tanto no estádio quanto nas redes sociais. Alguns o parabenizavam pela grande atuação, enquanto outros o questionavam pela atitude e pelo excesso de individualismo.

"Se for só pelo recorde, se não é na quarta será no domingo", falou Thomas Meunier. "Quando você marca quatro gols, dá duas assistência e tudo o que você ganha são vaias por um pênalti, eu vejo como ingratidão dos torcedores", acrescentou o belga ao defender o companheiro.

Na Espanha, que acompanha de perto a trajetória do PSG antes do duelo contra o Real Madrid, a imprensa ecoou o novo episódio da rivalidade Neymar-Cavani, apesar da prioridade do clube francês seja evitar qualquer chance de incêndio.

* AFP

 
A Notícia
Busca