Boca afasta jogadores acusados de agredirem duas mulheres - Esportes - A Notícia

Versão mobile

 

 

Buenos Aires17/01/2018 | 17h44

Boca afasta jogadores acusados de agredirem duas mulheres

AFP
AFP

Os colombianos Edwin Cardona e Wilmar Barrios foram afastados temporariamente do Boca Juniors, nesta quarta-feira, depois de denúncia de agressões e ameaças feitas por duas mulheres.

"Houve álcool, agressão física e verbal e ameaça com uma faca dentro do elevador, além de privação ilegal de liberdade", disse o advogado das denunciantes, Juan Cerolini, ao canal C5N.

O também colombiano Frank Fabra não foi disputar amistoso contra o Aldosivi. O lateral é considerado testemunha do caso, que aconteceu no sábado em um apartamento do bairro de Puerto Madero, em Buenos Aires.

Os três colombianos fazem parte da seleção da Colômbia para a Copa do Mundo da Rússia-2018.

"Não vamos ter pulso fraco para atuar da maneira correta", antecipou o presidente do Boca, Daniel Angelici. O clube não deu outra informação.

O clube de La Bombonera lidera o Campeonato Argentino, que retoma às competições no final de janeiro após pausa para o verão.

A reação dos jogadores foi negar as acusações: "é uma extorsão. Meus clientes não participaram de nenhuma maneira dessas características", afirmou à C5N o advogado de ambos, Miguel Pierri.

"Aprendei que precisamos estar tranquilos, esperar as provas. É um tema que vamos acompanhar muito atentamente" declarou Angelici.

"Nunca vi estas mulheres na minha vida. É uma falta de respeito. Tenho uma família" disse Cardona à TyC Sports.

Barrios se somou ao companheiro para desmentir a acusação e afirmar que "tudo o que dizem é mentira. Pode ser uma extorsão".

Por outro lado, Cerolini disse que no apartamento "houve temor, choros, gritos e violência física".

Segundo a versão de Pierri, os jogadores foram ao apartamento onde trabalha um cabeleireiro de sua confiança. "Existem pelo menos nove testemunhas do que realmente aconteceu", disse Pierri.

"A comissão técnica disse para continuar trabalhando, continuar focando os objetivos que temos adiante. Aí é onde as energias devem ser colocadas", detalhou Angelici.

Pierri acrescentou que um áudio que circula nas redes sociais com as vozes das mulheres e, supostamente, dos jogadores envolvidos "não tem nada a ver".

"Meus clientes estão a disposição da justiça", concluiu Pierri.

* AFP

 
A Notícia
Busca