"Esquema que usamos é sacrificante e os atletas estão executando", frisa Claudinei, técnico do Avaí - Esportes - A Notícia

Versão mobile

Série A16/09/2017 | 11h00Atualizada em 16/09/2017 | 11h00

"Esquema que usamos é sacrificante e os atletas estão executando", frisa Claudinei, técnico do Avaí

Leão tem a chance de reafirmar o bom momento no Brasileirão diante de seu torcedor, às 11h deste domingo, contra o Atlético-MG

"Esquema que usamos é sacrificante e os atletas estão executando", frisa Claudinei, técnico do Avaí Marco Favero/Agencia RBS
Técnico do Avaí, Claudinei Oliveira afirma que os resultados mostram que o trabalho tem sido bem feito na Ressacada Foto: Marco Favero / Agencia RBS
DC Esportes
DC Esportes

A campanha invicta do Avaí no returno do Campeonato Brasileiro é fruto de muito trabalho na Ressacada. A cada entrevista, os jogadores destacam a dedicação e o empenho do grupo na busca pelos resultados positivos. Cada um sabe o que tem de ser feito em campo, o que rende elogios do técnico Claudinei Oliveira. Neste domingo, às 11h, na Ressacada, o time tem a chance de reafirmar o bom momento na competição.

— Os resultados mostram que o trabalho tem sido bem feito. No dia a dia os atletas têm feito acontecer. Esse esquema que usamos é sacrificante e os atletas estão executando. Todos se dedicam e fazem acontecer. É normal que analisem o Avaí. Vamos manter o que fazemos, pois acreditamos que é o melhor. Se precisar mudar peça ou forma, não há problema em fazer mudança. Não é uma tese, mas eu me preocupo muito com o resultado, mais que aparecer na mídia por jogar bonito, não dê balão. Quero que o Avaí fique na Série A. Estou feliz em andar na rua e ver as pessoas andando com a camisa do Avaí — analisa Claudinei.

Avaí mobiliza nação azurra para ter mais 10 mil na Ressacada contra o Galo

A confiança dos atletas no trabalho feito por Claudinei tem sido um dos diferenciais no Avaí. Para o técnico, os resultados estão contribuindo, pois o contrário iria gerar dúvidas. 

— Mas como ocorre (vitórias), todos se abraçam e se doam. O ambiente está bom, os atletas tem prazer em atuar juntos, em trabalhar. O resultado ajuda a fazer as coisas ficarem mais leves. O torcedor vai querer ver uma vitória. O ambiente já era bom na derrota, e a tendência é que melhore — prevê o técnico. 

Juan é dúvida no Avaí para o duelo com o Atlético-MG na Ressacada

Para Claudinei, o Leão precisa somar o maior número possível de pontos e, depois de alcançar os 45, poderá focar em algo maior, como uma Copa Sul-Americana. 

— Não podemos esquecer que estávamos há quase 100 dias na zona de rebaixamento, é dia pra caramba. Tem que valorizar o que fez e não esquecer o que passou para não passar nada. Não adianta sair agora e voltar para o Z-4. Foi projetado a cada quatro jogos fazer sete pontos. Fizemos dez nesses quatro primeiros (jogos). Não é porque fizemos dez que está bom. Se chegarmos aos 45 pontos, aí vamos pensar em Sul-Americana. Ainda é muito cedo. Queremos pontuar e distanciar o máximo possível — frisa.

Confira mais notícias sobre o Avaí
Veja a tabela de classificação da
Série A

A Notícia
Busca