Chapecoense é derrotada no Uruguai  por 3 a 0, pela Libertadores - Esportes - A Notícia

Versão mobile

Em Montevidéu27/04/2017 | 21h25Atualizada em 27/04/2017 | 21h46

Chapecoense é derrotada no Uruguai  por 3 a 0, pela Libertadores

Experiência do Nacional acabou se sobrepondo ao time catarinense

Chapecoense é derrotada no Uruguai  por 3 a 0, pela Libertadores MIGUEL ROJO/AFP
Chapecoense não fez um bom jogo contra o Nacional e além de tomar três gols teve dois jogadores expulsos no Uruguai Foto: MIGUEL ROJO / AFP
darci debona

Estreante em Libertadores a Chapecoense foi engolida pela experiência de 44 Libertadores do Nacional e acabou derrotada 3 a 0, na noite desta quinta-feira, no Parque Central, em Montevidéu. Com o resultado a Chapecoense fica com quatro pontos e o Nacional, que já venceu três vezes a competição, foi a sete, junto com o Lanús. Restam apenas dois jogos, Lanús fora e Zúlia em casa.

O técnico Vagner Mancini tentou surpreender ao escalar a Chapecoense com três zagueiros, promovendo a entrada de Grolli no lugar de Apodi. Havia a intenção de colocar o volante Moisés Ribeiro mas ele sentiu um desconforto muscular e nem foi relacionado.

A estratégia não deu certo. Deste o início da partida o Nacional foi melhor. Jogando no Parque Central, o time uruguaio dominou o jogo foi para cima dos visitantes. Tanto que a primeira chegada da Chapecoense ao ataque foi só aos 14 minutos, num chute de Luiz Antônio, longe do gol.

A falta de experiência da Chapecoense na competição se revelou em lances como o de cobrança de lateral, aos 13 minutos. A cobrança foi errada, Nathan perdeu no jogo de corpo para Silveira, que está acostumado ao jogo de contato físico da Libertadores. O atacante uruguaio avançou e chutou, a bola desviou em Grolli e sobrou para Kevin Ramírez, nas costas da zaga, marcar o primeiro gol.

Cinco minutos depois Aguirre recebeu no ataque pela direita, passou pelo goleiro Artur mas ficou quase sem ângulo e chutou para fora. O Nacional seguiu melhor e, em cobrança de falta de Rodríguez, Artur mandou para escanteio. A Chapecoense teve apenas dois chutes fracos de Reinaldo e  Rossi, sem perigo.

No segundo tempo o técnico Vagner Mancini insistiu no mesmo esquema e acabou tomando mais um logo aos quatro minutos, numa bola lançada na área que Aguirre se antecipou ao goleiro Artur e desviou de cabeça para dentro do gol.

Depois disso a Chapecoense acabou perdendo o equilíbrio. O zagueiro Luiz Otávio foi expulso aos oito minutos e acabou com as possibilidades de reação.

 A Chapecoense ainda reclamou de uma entrada de Lozano em Reinaldo, que merecia expulsão mas a arbitragem não deu nem amarelo. 

Aos 35 minutos Viudez acertou um chute no ângulo do goleiro Artur Moraes e ampliou para 3 a 0. Para piorar três minutos depois Rossi também foi expulso. A situação ficou bem difícil mas a Chapecoense continua viva na Libertadores.

Ficha técnica

Nacional-3: E. Conde; Fucile (Lozano), Diego Polenta, Rafael García e Alfonso Espino; Santiago Romero, Sebastian Rodriguez (Gonzalo Porras) , Alvaro González e Kevin Ramírez (Viudez); Hugo Silveira e Rodrigo Aguirre. 

Técnico: Martín Lasarte. 

Chapecoense-0: Artur Moraes;  Luiz Otavio, Grolli e Nathan; João Pedro, Andrei Girotto, Luiz Antonio (Apodi) e Reinaldo; Rossi, Wellington Paulista (Túlio de Melo) e Arthur Caike (Niltinho). 

Técnico: Vagner Mancini. 

Arbitragem: Eber Aquino, auxiliado por Rodney Aquino e Darío Gagna (trio do Paraguai). 

Cartões amarelos: Rafael Garcia, Kevin Ramírez e Álvaro González (N); Grolli, Nathan, Andrei Girotto, Rossi

Expulsão: Luiz Otávio (C), aos oito minutos do segundo tempo, e Rossi (C), aos 38 do segundo tempo.
Local: Estádio Parque Central, em Montevidéu-URU.

Leia mais notícias sobre a Chapecoense 
Chapecoense terá dois dias de preparação para enfrentar o Avaí
Poucas lesões e ritmo de jogo deixam Chapecoense preparada para sequência de jogos decisivos
Avaí e Chapecoense: um raio x dos finalistas do Catarinense


A Notícia
Busca