Presidente do JEC garante continuidade do gerente de futebol em 2018 - JEC - Esportes - A Notícia

Versão mobile

Toque de Letra 06/09/2017 | 20h33Atualizada em 06/09/2017 | 20h33

Presidente do JEC garante continuidade do gerente de futebol em 2018

Clube já pensa em planejamento para a próxima temporada, apesar das chances pequenas de classificação na Série C

Presidente do JEC garante continuidade do gerente de futebol em 2018 Salmo Duarte/Agencia RBS
Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

O presidente Jony Stassun (esquerda) confirmou que irá manter Carlos Kila (centro) no comando do trabalho da gerência do futebol em 2018. A afirmação do dirigente foi feita na noite de terça-feira, em entrevista ao programa Debate Tricolor, da Rádio Udesc FM.

Leia as últimas notas de Elton Carvalho 
Confira as últimas notícias do esporte

Segundo o presidente, apesar das dificuldades na Série C, o trabalho de Kila foi bom, especialmente em comparação ao que foi feito no ano anterior.

– Tive uma conversa com meu vice (Jurandir da Silva) e chegamos à conclusão de que o melhor no momento era manter o trabalho do (Carlos) Kila no próximo ano – afirmou o dirigente.

Ainda sobre a gerência de futebol, Jony afirmou ter se arrependido de ter contratado Júlio Rondinelli, comandante do setor durante a participação do Tricolor na Série B de 2016.

– Dentro daquilo que queríamos, as contratações não renderam. Queríamos o acesso para a Série A, não conseguimos e, pior ainda, foi a queda para a Série C. Eu poderia ter contratado outro gerente de futebol. Com certeza eu teria feito, mas só vemos isso depois, na prática.

A sequência de Pingo (à direita na foto) ainda não está confirmada.

Opinião do colunista
O JEC comete um erro ao julgar o atual trabalho como bom. Foram 29 contratações para formar uma equipe que, provavelmente, será eliminada na primeira fase da Série C

O básico, que era a classificação para a segunda fase, o JEC não conseguiu. Pior: teve quase três times de jogadores, repetindo o erro de Júlio Rondinelli, condenado pelo próprio presidente — Rondinelli contratou seis a mais no ano passado, num campeonato mais longo. 

Houve alguns acertos de contratações, como Caíque, Bruno Rodrigues, Rafael Grampola, mas era preciso mais, especialmente pela diferença de orçamento do JEC para seus concorrentes. O próprio Kila reconheceu, no começo do ano, que era necessário errar pouco. 

O índice de acerto deveria ser maior, ao menos para atingir o objetivo mínimo — classificação à segunda fase, que ainda pode vir, mas não esconderá que o Joinville poderá ganhá-la mas no acaso do que por méritos, afinal, foram 15 das 17 rodadas fora do G4.

 










A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros