Elton Carvalho: erro de Pingo foi jogar sempre da mesma maneira no JEC - JEC - Esportes - A Notícia

Versão mobile

Toque de Letra 11/09/2017 | 23h19Atualizada em 11/09/2017 | 23h27

Elton Carvalho: erro de Pingo foi jogar sempre da mesma maneira no JEC

Técnico está fora dos planos da direção tricolor, que nem o avisou, mas já confirma que ele não continuará no comando da equipe na próxima temporada

Elton Carvalho: erro de Pingo foi jogar sempre da mesma maneira no JEC Salmo Duarte/A Notícia
Foto: Salmo Duarte / A Notícia

Pingo afirmou na entrevista que teve o ataque mais positivo da chave e um aproveitamento de quase 60% dos pontos. De fato, os números frios mostram esta condição. Mas o ataque mais positivo foi turbinado pela última rodada. Antes deste jogo (o 8 a 1 sobre o Mogi Mirim), o JEC somava 12 gols marcados e 12 sofridos. E aí está o problema: não há dúvida de que o desempenho ofensivo do Joinville cresceu com Pingo, mas faltou o equilíbrio na parte defensiva. 

'Teríamos nos classificado se eu tivesse assumido antes', diz Pingo
Leia as últimas notas de Elton Carvalho  
Confira as últimas notícias do esporte  

Desde da chegada de Pingo, Toque de Letra mostrou que os números do treinador eram excelentes na busca pelo gol, mas a falta de segurança defensiva prejudicava o crescimento de seus times – o Brusque, por exemplo, no Campeonato Catarinense

De fato, com o atual aproveitamento, ele teria conseguido a classificação pelo JEC, mas a missão total cobrava do trabalho a compensação dos pontos perdidos no passado.

Na entrevista, concedida ao colunista (veja no link acima), Pingo reconheceu que não fez as melhores escolhas nos jogos contra São Bento e Macaé. Ele ainda debateu, com muito profissionalismo, as críticas feitas pela coluna e disse aprender com elas. Falta agora a Pingo corrigir o problema crônico de suas equipes: a exposição de seus sistemas defensivos.

A reunião

A direção do Joinville esteve reunida nesta segunda-feira para começar a traçar o planejamento para o fim desta temporada e o início do ano de 2018. Na conversa, estiveram presentes o presidente Jony Stassun, o vice, Jurandir da Silva, o superintendente financeiro, Ed Carlos Natali e o gerente de futebol, Carlos Kila.

No bate-papo, foram avaliadas questões salariais, de contrato e definições de quem sai ou fica no elenco. Segundo a assessoria de imprensa do JEC, não se colocou em pauta a continuidade do técnico Pingo.

A avaliação do trabalho do treinador deveria ocorrer nesta terça. No entanto, em entrevista à Rádio Cultura, o superintendente financeiro, Ed Carlos Natali, confirmou que Pingo não permanecerá no JEC. Segundo ele, Pingo só não teria sido informado porque não tinha sido localizado.

Mais uma vez, o Joinville mostra como não se faz futebol. Independentemente de o trabalho ter sido bom ou não, o profissional precisa ser informado primeiro, antes da imprensa. Mas o JEC não consegue fazer nem isso. E a justificativa de que ele não foi encontrado é frágil. O Joinville tem tempo de sobra agora. Não precisa se apressar para tentar dar respostas ao fracasso na Série C. O profissionalismo deveria vir em primeiro lugar.


A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros