Mudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter Walker - Economia - A Notícia

Versão mobile

 

Liderança10/05/2018 | 10h51Atualizada em 10/05/2018 | 11h02

Mudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter Walker

Norte-americano abriu o ciclo de palestras do último dia da Expogestão 2018, em Joinville

Mudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter Walker Salmo Duarte/A Notícia
Executivo Peter Walker, sócio da R&G Global Consultants Foto: Salmo Duarte / A Notícia

O executivo Peter Walker, sócio da R&G Global Consultants, abriu o ciclo de palestras no último dia da Expogestão 2018, em Joinville, provocando lideranças empresariais a vencerem o comodismo, desafiarem suas crenças e aplicarem mudanças contínuas que gerem resultados de excelência nas organizações. Trazendo como bagagem os ensinamentos enquanto líder do reconhecido programa Lean Six Sigma, no processo de transformação da General Electric, o norte-americano foi enfático: futuros líderes precisam de um DNA diferente.

O incentivo foi o componente principal da palestra "Das mudanças individuais à geração de resultados", que evidenciou as qualidades que se espera de um líder, a maneira como ele enxerga a empresa e as melhorias que podem surgir a partir das suas entregas. Segundo ele, 80% da mudança corporativa se baseia em comportamento e definição de métricas.

— Independente de sua posição numa companhia, o componente mais importante é a melhoria contínua no planejamento dos negócios. É o exercício da liderança, de ter ciência do que você pode fazer diariamente, a nível prático, para ter bons resultados no amanhã. Para isso, é necessário ter metas e métricas desafiadoras; analisar os concorrentes; entender o que o mercado espera de nós; ter nível estratégico e fazer algo diferente, antes que outro o faça — orienta.

Leia mais notícias de negócios e lideranças na coluna de Claudio Loetz

Para as estratégias de geração de resultados, ele afirma que existem duas abordagens, a funcional e a de processos - a qual considera a mais importante por considerar que as chances de sucesso e sustentabilidade são maiores. O entendimento é de que é preciso encontrar uma maneira melhor de oferecer o serviço a qual a empresa se propõe.

— Quem almeja sucesso precisa ter dados e fazer análises. São essas métricas que vão demonstrar o caminho a ser seguido. É necessário ter um método eficaz e o kit ferramenta, mas só isso não é suficiente, porque tudo diz respeito a melhoria dos processos. É a maneira de lidar e aprender com os problemas e descobrir como ter líderes motivados, apaixonados e bem informados para liderarem esses processos — justifica.

Walker ensina ainda as três características que formam os gestores capazes de promover mudanças com êxito: 

1 - Melhorar a empresa é mais importante que seu cargo funcional, esse é o seu melhor objetivo (30% dos potenciais líderes reúnem essa característica); 

2 - É preciso estar insatisfeito com o "status quo", ou seja, não aceitar o que era feito antes e buscar elevar isso a um nível superior (15% reúnem essa qualidade); 

3 - Convidar os liderados a desafiarem suas ideias e suas crenças (5%). 

Esse DNA é apontado como o vetor das melhorias significativas na maioria das organizações, uma vez que trata de profissionais com paixão pelo que fazem, engajados e com conteúdo.

Mensuração de dados

Conforme Walker, quem mensura dados da forma que lhes convém, sem olhar o todo, pode enfrentar problemas. A avaliação é de que quando, por exemplo, são analisados dados mensais e não diários, o número final pode ser o mesmo, mas os dados irão mostrar uma realidade diferente no meio do percurso, o que pode impactar no ambiente laboral e na sustentabilidade do negócio.

— Esqueça as medições funcionais, deixe de observar sua empresa como uma caixa preta na qual você só mede o que está gravado nela e não o externo. Os clientes julgam nossos resultados com relação às suas metas e expectativas e é essa perspectiva que deve ser levada em conta. Quando algo está errado as pessoas costumam colocar a culpa em fatores externos e não dão devida atenção, quando, na verdade, os dados  mostram onde está a oportunidade e como correr atrás dela — esclarece.

Leia mais:

Participe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na Expogestão

"A transformação digital pode ser uma oportunidade", diz palestrante

Embaixador da China vislumbra um "caminho de progresso" na relação com o Brasil 





 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaJEC goleia o Figueirense e vence a primeira na Copa Santa Catarina https://t.co/Os8SoSQEaQ #LeianoANhá 10 horas Retweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaDo clássico ao rock, Pianíssimo de Joinville prova que piano é para todos os gostos e idades  https://t.co/CAz69AcaB7 #LeianoANhá 20 horas Retweet
A Notícia
Busca