Loetz: Ajorpeme apela para que associados registrem boletins de ocorrência - Economia - A Notícia

Versão mobile

Joinville08/11/2017 | 07h10Atualizada em 08/11/2017 | 07h10

Loetz: Ajorpeme apela para que associados registrem boletins de ocorrência

De janeiro a outubro deste ano, 500 clientes da associação foram vítimas de ocorrências criminais

Loetz: Ajorpeme apela para que associados registrem boletins de ocorrência /

As oito empresas que integram o Núcleo de Segurança da Associação Joinville Pequenas Micro Médias Empresas (Ajorpeme) contabilizam ocorrências criminais em mais de seus 500 clientes no período de janeiro a outubro deste ano. O dado e o grande número de furtos e roubos em estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços e arrombamentos de residências preocupa tanto a associação, que ela inicia campanha para o registro de boletim de ocorrência (B.O.).

O boletim de ocorrência é o documento oficial utilizado pelos órgãos das Polícias Civil, Federal e Militar, além dos Bombeiros e da Guarda Municipal, para fazer o registro da notícia do crime.

– O Núcleo de Segurança espera que os associados da Ajorpeme passem a criar a cultura de, primeiramente, registrar o B.O. caso ocorra algum crime relacionado ao patrimônio em seu negócio ou até em sua residência. A partir daí, a ideia é que esse associado dissemine essa cultura no seu círculo de convívio.

Confira outras informações de Claudio Loetz
Confira as últimas notícias

Joinville x Florianópolis
As 20 maiores companhias com sede em Joinville que fazem parte do ranking 500 Maiores do Sul somaram receita líquida de R$ 12,2 bilhões em 2016. O número fica bem abaixo do faturamento líquido somado pelas 21 empresas de Florianópolis demonstrado no mesmo estudo: R$ 22,9 bilhões.
À primeira vista, os dados são surpreendentes e dão a entender de que a economia da capital do Estado é mais forte do que a do município mais industrializado de Santa Catarina. Não é.
Há uma distorção neste cálculo. Não que ele esteja equivocado. Apenas significa que, deste valor apurado junto às empresas florianopolitanas, R$ 17,6 bilhões vêm do caixa de companhias elétricas.
Assim, se não fossem empresas como a Engie, a Eletrosul e a Celesc, Joinville lideraria com folga o indicador. Estas e outras informações constam do trabalho da consultoria PwC Brasil preparado para a revista Amanhã, e será oficialmente mostrado no dia 16.

Etapa burocrática
O prefeito Udo Döhler, secretário de Administração e Planejamento Miguel Bertolini, secretários de governos e diretores executivos reuniram-se com integrantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para detalhar aspectos do programa Viva Cidade 2. O encontro corresponde a uma etapa burocrática que antecede à liberação de recursos para obras de macrodrenagem e construção de parque, entre outras.

Prefeito Udo Döhler, secretário de Administração e Planejamento Miguel Bertolini, secretários de governos e diretores executivos participam da reunião com integrantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento dobre o Programa Viva Cidade 2
Foto: Jaksson Zanco / Divulgação

Licença
A Águas de São Francisco do Sul recebeu, da Fatma, a licença ambiental de operação (LAO) da estação de tratamento de água localizada no bairro Rocio Grande.

Tecnologia dinamarquesa
Comitiva de empresários dinamarqueses, integrantes do Danish Water Fórum, percorrem, até quinta-feira, dia 9, concessionárias de água e esgoto no Brasil. Trazem tecnologias (Leakage Management) – e dinheiro – para investimentos potenciais no negócio envolvendo combate às perdas de água. A Águas de Joinville tem interesse?

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaLoetz: Colombo veta projeto que combatia roubo de cargas  https://t.co/g6s3MzCfYD #LeianoANhá 1 horaRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaEmpresa de Joinville oferece 30 vagas para jovens de 18 a 22 anos https://t.co/WSKP0Br0IL #LeianoANhá 2 horas Retweet
A Notícia
Busca