Economia, A Notícia, clicRBSA Notíciahttp://anoticia.clicrbs.com.br/sc/urn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-iatom© 2011-2018 clicrbs.com.br2018-08-13T10:48:32-03:00urn:publicid:clicrbs.com.br:24624473Porto Itapoá dobra capacidade com investimento de R$ 360 milhõesNova estrutura, inaugurada nesta quinta-feira, vai gerar cerca de 300 novos empregos em 2018. Continuidade do projeto de expansão prevê aplicação de mais de R$ 1.7 bilhão nos próximos anos2018-08-09T18:43:11-03:002018-08-09T18:43:11-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuartePorto Itapoá dobra capacidade com investimento de R$ 360 milhõesA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24624473Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-porto-itapoa-dobra-capacidade-com-investimento-de-r-360-milhoes-10532927Porto Itapoá dobra capacidade com investimento de R$ 360 milhõesNova estrutura, inaugurada nesta quinta-feira, vai gerar cerca de 300 novos empregos em 2018. Continuidade do projeto de expansão prevê aplicação de mais de R$ 1.7 bilhão nos próximos anos2018-08-09T18:43:11-03:002018-08-09T18:43:11-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO Porto Itapoá, no Norte de Santa Catarina, inaugurou nesta quinta-feira (9) mais uma fase de sua obra de expansão. Um investimento de R$ 360 milhões aplicados nos últimos dois anos, que agora se reverte na geração de 300 novos empregos até o fim do ano e possibilita dobrar a capacidade de operação do terminal. As intervenções no porto privado de Itapoá contemplam 100 mil metros quadrados adicionais de pátio (eram 150 mil metros quadrados) e ganho de mais 170 metros de píer (eram 630 metros).Com a nova estrutura do terminal, a área de ocupação dos contêineres passa a ter 250 mil metros quadrados e o píer 800 metros, o equivalente a dois berços com capacidade de comportar dois dos grandes navios que vem para a costa brasileira (Super Post Panamax). O porto também passa a contar com seis portêineres e amplia sua capacidade instalada para a movimentação de cargas, de 500 mil TEUs/ano para 1,2 milhão TEUs/ ano - medida padrão para calcular o volume de um contêiner.Essa ampliação deve ter impacto direto na competitividade da unidade frente a outros estabelecimentos portuários brasileiros, já sentida no primeiro quadrimestre do ano. No período o Porto Itapoá foi o quinto com maior movimentação de contêineres no Brasil, de acordo com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).Porto aumentou em 100 mil metros quadrados a área de ocupação dos contêineresFoto: Salmo Duarte / A Notícia— Iniciamos as operações em 2011 e para nossa grata surpresa em 2013 já alcançamos 100% da ocupação do terminal. Isso nos motivou a antecipar nosso projeto de expansão em dois anos e nessa fase entregue hoje já conseguimos dobrar a capacidade de TEUs/ano. Queremos manter nossa posição de destaque e temos uma expectativa muito grande de crescimento e de retomada econômica do País, o que nos leva a já ter outra área em início de expansão para completarmos o projeto de chegar a capacidade de 2 milhões de TEUs anuais. Esperamos que isso aconteça até 2021 ou 2022 — analisa Cássio Schreiner, presidente do Porto Itapoá.O investimento chega num momento importante para manter o crescimento da movimentação portuária que, entre exportações, importações, cabotagem, transbordos e contêineres vazios, teve acréscimo de 14% em 2017 com relação ao ano anterior. A projeção para 2018 é ainda mais ousada: movimentação de 800 mil TEUs ante os 612 mil TEUs registrados no ano passado, mantendo os mercados de origem ou destino que já abrange: Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraguai.Novas ações previstas e o reflexo na comunidadeCássio Schreiner, presidente do Porto Itapoá, elenca as melhorias feitas e planejadas para o Porto ItapoáFoto: Salmo Duarte / A NotíciaEm sete anos de operação, o Porto Itapoá já recebeu cerca de R$ 1.2 bilhão em investimentos e planeja aplicar ao menos mais R$ 1.7 bilhão para completar o projeto total de expansão da capacidade portuária nos próximos quatro anos. Nos planos está a previsão de ampliar em mais 200 mil metros quadrados o pátio (já com aterro concluído) e a construção de um novo berço de atracação com 410 metros.A evolução do porto também deve refletir na comunidade local. Hoje o terminal emprega 750 colaboradores e ao fim das ações previstas projeta ultrapassar a marca de 1,3 mil postos de trabalho. A administração da unidade portuária destaca ainda que desde o início do projeto de inserção do porto na cidade já investiu aproximadamente R$ 70 milhões diretamente em Itapoá.— Foram mais de R$ 30 milhões investidos em acessos rodoviários e municipais, R$ 23 milhões aplicados na estrutura de energia elétrica do município e mais de R$ 14 milhões revertidos para projetos sociais e ambientais — aponta Schreiner.Porto Alegre, RSA NotíciaPorto Itapoá dobra capacidade com investimento de R$ 360 milhõesA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-porto-itapoa-dobra-capacidade-com-investimento-de-r-360-milhoes-10532927Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24620339Intenção de gastos com presentes para o Dia dos Pais cresce 17% em JoinvilleAumento percentual é o maior entre os sete municípios com maior potencial de consumo do Estado. Em contrapartida, joinvilenses também serão os mais econômicos, aponta a Fecomércio2018-08-07T17:34:36-03:002018-08-07T17:34:36-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteIntenção de gastos com presentes para o Dia dos Pais cresce 17% em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24620339Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-intencao-de-gastos-com-presentes-para-o-dia-dos-pais-cresce-17-em-joinville-10529936Intenção de gastos com presentes para o Dia dos Pais cresce 17% em JoinvilleAumento percentual é o maior entre os sete municípios com maior potencial de consumo do Estado. Em contrapartida, joinvilenses também serão os mais econômicos, aponta a Fecomércio2018-08-07T17:34:36-03:002018-08-07T17:34:36-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brOs consumidores de Joinville devem ser os mais econômicos na compra de presentes para o Dia dos Pais, comemorado no domingo, 12 de agosto, frente ao planejamento de gastos dos demais catarinenses – média de R$ 146,77 por cliente no município ante R$ 158,06 no estado. Essa tendência está na pesquisa de Intenção de Compras do Dia dos Pais 2018 da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio/SC), que ouviu 2,1 mil pessoas nas sete cidades de maior potencial de consumo catarinense: Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Joinville, Lages e Itajaí.Apesar de gastar menos, os joinvilenses apontam maior crescimento no total investido no presente para os pais com relação à mesma data, no ano passado, considerando os sete centros pesquisados. Isso porque a intenção de gastos na cidade aumentou 17,34%, superando de longe o valor médio de R$ 125,08 de 2017, além de retomar o patamar de 2016, quando o levantamento apontou ticket na casa dos R$ 144,12. Já na ponderação estadual a expectativa é de leve alta de 1,8% no gasto médio na comparação com a intenção de gastos em 2017 (R$ 155,19). Este índice estimado traz otimismo aos lojistas para as vendas nesta semana, em Joinville.Nas lojas de rua e nos shoppings, opções para a realização das compras de presentes para 68,4% e 23,6% dos consumidores, respectivamente, o movimento ainda é tímido e a torcida é para que a movimentação cresça entre quinta-feira e sábado. No fim de semana, inclusive, o comércio vai ampliar os horários de atendimento para atrair os compradores de última hora.— O ditado de que o brasileiro deixa tudo para a última hora não costuma falhar, então estamos preparados e confiantes que vamos registrar maior procura por presentes na sexta e no sábado — comentam as vendedoras Lucimar e Stefany, da ‘Lira Brasil’ loja de roupas.Ofertas e promoções chamam são usados como atrativos no comércioFoto: Salmo Duarte / A NotíciaO setor de vestuário, da qual elas têm comércio deve ser o principal impactado na cidade nesta semana com relação à celebração especial do Dia Dos Pais. Os itens do setor devem ser a opção de escolha para 60,1% dos consumidores. Na sequência aparecem as linhas de perfume e cosméticos (15,6%) e de calçados (12,6%).No ‘Boticário’, uma das maiores redes de produtos de beleza do Brasil, por exemplo, a gerente Sandra Cristina Vicente estima crescimento de ao menos 6% no comparativo com o Dia dos Pais de 2017, na franquia, no Shopping Mueller. Por lá a aposta está nos combos e nos descontos com a venda de produtos casados para ganhar os clientes. Essa decisão vai de encontro à observação dos moradores de Joinville, que conforme o estudo da Fecomércio/SC são os que dão prioridade nos preços (87%) e promoções (6%) para fechar negócio. Já no Estado, o olho nesses quesitos é mais contido, sendo 38% o total dos que avaliam o preço em primeiro plano e, 21%, as liquidações.— Ano passado o movimento já foi bom e, desta vez, apesar dessa timidez dos consumidores até agora, esperamos que haja aumento de última hora e esperamos um crescimento de 15% ou mais nas vendas — afirma o comerciante da ‘Pé Calçados’, Andres Sosa.Nos principais shoppings da cidade, a comemoração também envolve brindes e sorteios para estimular o público. No Garten Shopping, que espera ter crescimento de 9% nas vendas pelos lojistas, a cada R$ 200 em compras, o consumidor tem direito a uma cerveja artesanal exclusiva. Já no Shopping Mueller, também para cada R$ 200 o cliente tem direito a um cupom para concorrer a uma motocicleta da marca Harley-Davidson.Comércio joinvilense espera crescimento nas vendas no Dia dos PaisFoto: Salmo Duarte / A NotíciaPerfil do consumidorA Pesquisa de Intenção de Compras do Dia dos Pais 2018 da Fecomércio/SC aponta que, em Joinville, 63,1% dos que devem presentar na data são mulheres e, 36,9%, homens - a maioria deles na cada dos 18 a 25 anos (47,5%) e com carteira assinada (50,5%). O levantamento demonstra ainda que quase 80% dos consumidores devem pagar as compras à vista, no dinheiro.Confira o gasto médio previsto por cidadeBlumenau: R$ 147,51 Chapecó: R$ 157,14 Criciúma: R$ 169,80 Florianópolis: R$ 162,07 Joinville: R$ 146,77 Lages: R$ 147,24 Itajaí: R$ 176,03 Santa Catarina: R$ 158,06Porto Alegre, RSA NotíciaIntenção de gastos com presentes para o Dia dos Pais cresce 17% em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-intencao-de-gastos-com-presentes-para-o-dia-dos-pais-cresce-17-em-joinville-10529936Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24619674Turismo de eventos em Joinville cresce 15% no primeiro semestre Índice se refere ao primeiro semestre de 2018 em Joinville comparado com igual período do ano passado2018-08-07T09:15:27-03:002018-08-07T09:15:27-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSJuliano CruzTurismo de eventos em Joinville cresce 15% no primeiro semestre A Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24619674Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-turismo-de-eventos-em-joinville-cresce-15-no-primeiro-semestre-10529694Turismo de eventos em Joinville cresce 15% no primeiro semestre Índice se refere ao primeiro semestre de 2018 em Joinville comparado com igual período do ano passado2018-08-07T09:15:27-03:002018-08-07T09:15:27-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO turismo de eventos em Joinville registrou crescimento de 15% no primeiro semestre de 2018 com relação ao mesmo período do ano passado, quando considerados os resultados do Centro de Convenções e Exposições Expoville - o maior do gênero no Sul do Brasil e principal receptor de eventos do município. A estimativa é de que mais de 45 mil pessoas passaram pelo local entre janeiro e junho somente em congressos, feiras e palestras, gerando um reflexo direto de, pelo menos, R$ 50 milhões na cidade.De acordo com Luciano Coradi, diretor comercial da Expoville, essa movimentação econômica é abarcada por diversos setores que vão além dos próprios eventos. Isso porque envolve gastos nos setores de hotelaria, transporte, gastronomia, comércio, produtos e serviços. A base para o cálculo é o gasto médio diário de turistas de negócios no Estado, de quase R$ 350 por pessoa, conforme validação do Joinville e Região Convention & Visitors Bureau - entidade que trabalha para promover a cidade como destino para eventos nacionais.Ainda segundo Coradi, os fatores determinantes para Joinville na disputa de grandes eventos com outras promotoras na região Sul, como Porto Alegre, Gramado, Curitiba, Florianópolis e Foz do Iguaçu, vão da localização privilegiada, do destaque industrial e da própria cultura germânica.As condições de infraestrutura disponíveis são apontadas por Giorgio Augusto de Souza, executivo do Convention & Visitors Bureau, como reforço importante na captação e apresentação da cidade para os organizadores de feiras e congressos.- Nosso primeiro ponto forte é a infraestrutura, na qual temos 6,2 mil leitos de hospedagem que comportam os grandes eventos; depois, o como chegar, porque temos oito voos diários que conseguem atender a essa demanda. Outros pontos importantes são a nossa proposta de valor, que é mais atrativa que a de alguns dos grandes centros, e o fato de termos onde realizar esses congressos nacionais, que é o caso da Expoville - destaca.E esse trabalho construído ao longo dos anos parece estar dando resultado. Dos eventos realizados em 2018, no espaço de mais de 11 mil metros quadrados são destacados a captação do Congresso Brasileiro de Apicultura (Conbrapi), de Meliponicultura e a reunião anual da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular (SBBq), que somados, reuniram cerca de cinco mil participantes. O balanço também inclui eventos já tradicionais como a Expogestão, que atraiu cerca de 6,6 mil participantes, e a Exposuper (Feira de Produtos, Serviços e Equipamentos para Supermercados e Convenção Catarinense de Supermercadistas).Avanço deve continuarFoto: Salmo Duarte / Agencia RBSO Complexo Expoville foi responsável por abrigar 39 ações nos últimos seis meses, entre congressos, feiras, exposições, shows e palestras, além dos demais serviços e ações de lazer que acontecem tradicionalmente no local. A quantidade é maior que a média do período nos últimos anos, de cerca de 30 atividades. Conforme Luciano Coradi, diretor comercial da Expoville, a projeção é de manter o patamar de crescimento no segundo semestre e nos anos seguintes.- Esse 'boom' vem desde a estruturação da Expoville, em 2013. Acreditamos que nos próximos quatro a cinco anos ainda tenhamos uma crescente na movimentação de eventos em Joinville. Depois desse período, a expectativa é de que a quantidade se estabilize - aposta ele.Em 2017, os resultados já foram favoráveis, quando foram contabilizados 170 eventos, com movimentação financeira estimada em R$ 160 milhões para o município. No entanto, o valor refere-se, exclusivamente, à arrecadação direta com o turismo. Isso porque, quando considerada a movimentação comercial dos negócios gerados pelos eventos, a cifra estimada alcançou R$ 1 bilhão.Porto Alegre, RSA NotíciaTurismo de eventos em Joinville cresce 15% no primeiro semestre A Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-turismo-de-eventos-em-joinville-cresce-15-no-primeiro-semestre-10529694Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24606822Produtores de arroz de SC comemoram boa safra e devem ampliar volume de exportaçõesExpectativa de especialistas é de que o Estado, segundo maior produtor do grão no país, embarque de 5% a 7% de sua produção ao exterior2018-07-30T09:38:57-03:002018-07-30T09:38:57-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteProdutores de arroz de SC comemoram boa safra e devem ampliar volume de exportaçõesA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24606822Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-produtores-de-arroz-de-sc-comemoram-boa-safra-e-devem-ampliar-volume-de-exportacoes-10523449Produtores de arroz de SC comemoram boa safra e devem ampliar volume de exportaçõesExpectativa de especialistas é de que o Estado, segundo maior produtor do grão no país, embarque de 5% a 7% de sua produção ao exterior2018-07-30T09:38:57-03:002018-07-30T09:38:57-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brOs produtores de arroz de Santa Catarina estão confiantes quanto a investir em tecnologias em busca de mais produtividade e renda com o produto. Isso devido ao resultado favorável da colheita deste ano e a sequência de alta nas cotações do grão nos últimos dois meses. Outro fator que corrobora para essa perspectiva é o bom desempenho das exportações, estas tomando impulso pela relação entre os preços internos e o câmbio favorável, segundo especialistas. Um otimismo que pode impactar em cheio as maiores regiões produtoras do grão no Estado, em Araranguá e Tubarão, no Sul, e Joinville, no Norte - que representam, respectivamente, 34%, 15% e 14% do total de arroz colhido na safra 2017/2018 em SC.O Estado, inclusive, foi destaque na produção nacional do grão neste ano - 1,1 milhão de toneladas no período e a segunda maior colheita brasileira. E esses resultados favoráveis já começam a se refletir, com indicativo de aumento no preço médio da saca de 50 quilos depois de uma fase em baixa. No início do ano, era cotada a um valor próximo de R$ 30, agora o preço da saca gira em média a R$ 38 e se aproxima das cotações no Rio Grande do Sul. O Estado vizinho é responsável por 69% da produção do arroz brasileiro e teve elevação de 8% no valor do grão de maio para junho, hoje acima dos R$ 40, segundo o indicador Esalq-Senar/RS.É o que explica o analista Cleiton Evandro dos Santos, da AgroDados Inteligência em Mercados de Arroz, que avalia que a perspectiva positiva é válida para o mercado de arroz no Sul do País. Segundo ele, essa virada positiva dá fôlego aos rizicultores que desejam investir no plantio. Outra possibilidade é inverter a redução das áreas plantadas para expansão. Entre as duas últimas safras, no Norte catarinense, por exemplo, foram reduzidos cerca de 500 hectares, apesar de a produtividade permanecer estável: 8.380,7 quilos por hectare (kg/ha) e 8.439 kg/ha nas duas últimas colheitas.— A indústria de Santa Catarina se abasteceu bem na safra, com preços mais baixos, mas gradativamente está indo ao mercado e disputando o grão com exportadores e as indústrias gaúchas e de outros Estados. Essa competição e a importação menor neste ano estão dando fôlego para a recuperação das cotações aos arrozeiros — afirma Santos, citando como exemplo os resultados do Sul catarinense, onde as cotações já acompanham as do Litoral Norte gaúcho, na faixa de R$ 40 a R$ 42.Ainda conforme ele, outro impacto positivo para o mercado catarinense é o início das exportações e a união de força das cooperativas locais em busca de maior participação do mercado externo.— Um navio já foi embarcado e há mais um programado para os próximos meses. A expectativa é de que o Estado exporte de 5% a 7% de sua produção, quando anteriormente só exportava pequenos volumes de sementes. É um grande salto, resultado de um grande esforço e que deve impactar gradualmente nos preços ao produtor — justifica o analista.O fator determinante neste caso é a questão cambial relacionada ao aumento na projeção de consumo e da guinada ao mercado externo, com ação direta na recuperação das cotações do arroz. "O cenário atual é composto por um dólar fortalecido frente à nossa moeda e outras moedas mundiais, uma projeção de consumo de 12 milhões de toneladas e uma safra 500 mil toneladas menor ? além da retração nas importações e aumento das exportações, isso deixa o quadro de oferta e demanda muito ajustado", aponta a análise. Tendência de alta se mantémA tendência de alta deve continuar pelo menos até fevereiro de 2019, influenciada ainda por redução no estoque e oferta e demanda ajustadas, por causa da previsão do El Niño.— Mantido o cenário de câmbio e com as importações do Mercosul represadas como se está vendo, teremos preços muito mais próximos de 2016, quando batemos em R$ 50,50 por saca no RS — salienta Santos.O levantamento elenca também como fator decisivo as regras estabelecidas para a quitação de dívidas rurais, via nova opção de linha de crédito de sete anos para repactuar os débitos. Em contrapartida, devido a essa projeção de El Niño neste ano, os produtores terão de garantir um manejo perfeito para reduzir possíveis danos. Já prevendo isso, muitos dos agricultores de SC estão antecipando o plantio com objetivo de realizar duas colheitas e conseguir uma negociação com maiores volume e preços. Porém, é preciso atenção, conforme Cyrano Busato, engenheiro agrônomo da RiceTec, empresa especializada no desenvolvimento de sementes.— Para o plantio no cedo, a melhor opção são as variedades híbridas de ciclo curto. Mas não podemos esquecer que o plantio no cedo pode acarretar o desenvolvimento da cultivar na fase vegetativa em condições pouco adequadas, em que a temperatura e o fotoperíodo ainda não condizem com as necessidades da planta de arroz — alerta.NúmerosQuantidade de arroz produzida em Santa Catarina na Safra 2017/18, por região, em toneladas:Araranguá - 404.001Tubarão - 173.214Joinville - 164.871Criciúma - 162.944Rio do Sul - 95.926Itajaí - 73.128Blumenau - 67.345Tijucas - 20.300Florianópolis - 17.336Ituporanga - 2.475Tabuleiro - 1.050Total: 1.182.590Porto Alegre, RSA NotíciaProdutores de arroz de SC comemoram boa safra e devem ampliar volume de exportaçõesA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-produtores-de-arroz-de-sc-comemoram-boa-safra-e-devem-ampliar-volume-de-exportacoes-10523449Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24589001UniSociesc adquire instituição de ensino superior em Jaraguá do SulAquisição faz parte do plano de expansão e fortalece Instituição no Nordeste Catarinense2018-07-18T14:53:34-03:002018-07-18T14:53:34-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSUniSociescUniSociesc adquire instituição de ensino superior em Jaraguá do SulA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24589001Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-unisociesc-adquire-instituicao-de-ensino-superior-em-jaragua-do-sul-10512461UniSociesc adquire instituição de ensino superior em Jaraguá do SulAquisição faz parte do plano de expansão e fortalece Instituição no Nordeste Catarinense2018-07-18T14:53:34-03:002018-07-18T14:53:34-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA UniSociesc adquiriu uma instituição de Ensino Superior em Jaraguá do Sul. A Faculdade Jangada, estabelecimento particular de ensino superior com cerca de 900 estudantes na cidade, foi comprada por R$ 7,6 milhões pela Instituição. A compra da unidade foi anunciada nesta quarta-feira (18). No começo deste ano, o centro universitário abriu unidade no shopping da cidade, onde oferece 27 cursos de graduação e pós-graduação, com capacidade para 2 mil alunos. Agora, estudantes e professores de oito cursos de graduação focados na área de saúde e seis de pós-graduação lato sensu poderão encarar novas perspectivas, como a criação de novos cursos e projetos acadêmicos, além de investimentos e troca de práticas em diversas áreas de atuação. De acordo com Sandro Murilo Santos, reitor da UniSociesc, a união fortalece a presença da instituição na região nordeste do Estado de Santa Catarina. — Seguindo a característica regional, Jaraguá do Sul representa um grande polo metal mecânico, de automação e têxtil, onde o espírito empreendedor dos empresários alavancou grandes empresas de destaque nacional e internacional — afirmou. A parceria com a Faculdade Jangada fortalece o plano de expansão da UniSociesc , com o objetivo de impactar positivamente as regiões onde atuam por meio de ensino de qualidade, contribuindo para a construção do projeto de vida e carreira de milhares de estudantes.Porto Alegre, RSA NotíciaUniSociesc adquire instituição de ensino superior em Jaraguá do SulA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-unisociesc-adquire-instituicao-de-ensino-superior-em-jaragua-do-sul-10512461Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24575161Pesquisa aponta redução no valor da cesta básica em JoinvilleAlimentos que mais tiveram diminuição dos valores foram a cebola e o tomate2018-07-17T15:07:24-03:002018-07-17T15:07:24-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSLeo MunhozPesquisa aponta redução no valor da cesta básica em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24575161Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-pesquisa-aponta-reducao-no-valor-da-cesta-basica-em-joinville-10499557Pesquisa aponta redução no valor da cesta básica em JoinvilleAlimentos que mais tiveram diminuição dos valores foram a cebola e o tomate2018-07-17T15:07:24-03:002018-07-17T15:07:24-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO preço médio da cesta básica, em Joinville, neste mês é de R$243,73. Levantamento realizado pelo Procon levou em consideração valores de 45 itens em oito estabelecimentos da cidade. A pesquisa aponta redução de de 2,95% no valor dos produtos, em comparação a pesquisa de junho, quando o preço médio da cesta era de R$251,15. Os produtos que mais tiveram redução de preço foram a cebola (-44,45%), o tomate (-43,49%), a batata lavada (-28,03%) e a cenoura (-24,85%). Já os maiores aumento foram o sabão em pó 1 kg (20,03%), salsinha 1 kg (17,24%), pacote de 5 kg de arroz parboilizado Tipo 1 (12,19%) e o litro de leite longa vida integral (10,03%).ChurrascoNa pesquisa dos itens do churrasco a redução de preço em comparação a junho foi 5,63%. O levantamento dos 18 itens foi realizado em sete estabelecimentos de vários bairros. Os maiores aumentos foram no quilo do contra filé (0,74%) e alcatra (0,51%). Já as principais reduções de preço ficaram na linguiça de frango (-14,45%), maminha (-12,19%), fraldinha (-11,80%) e linguiça toscana (-10,53%). A pesquisa trouxe ainda a variação de preço entre o item mais barato e o mais caro. A maior foi no sal grosso (1 kg), com diferença de 232,18%.Porto Alegre, RSA NotíciaPesquisa aponta redução no valor da cesta básica em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-pesquisa-aponta-reducao-no-valor-da-cesta-basica-em-joinville-10499557Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24572103Confira nove passos para montar um negócio próprioDicas do Sebrae podem ser o começo de uma oportunidade para criar o empreendimento próprio 2018-07-16T07:33:13-03:002018-07-16T07:33:13-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSebrae / DivulgaçãoConfira nove passos para montar um negócio próprioA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24572103Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-confira-nove-passos-para-montar-um-negocio-proprio-10498051Confira nove passos para montar um negócio próprioDicas do Sebrae podem ser o começo de uma oportunidade para criar o empreendimento próprio 2018-07-16T07:33:13-03:002018-07-16T07:33:13-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO material do Sebrae pode ser o começo de uma oportunidade de montar um negócio próprio. Jovens já são maioria entre os empreendedores no país: pessoas entre 18 e 34 anos representam 57% do total de empresários no Brasil. O modelo do Sebrae serve de base para pensar ou criar uma ideia, além de ser um meio de analisar, corrigir ou mudar conceitos de novos negócios. O roteiro deve esclarecer ainda o que e como vou executar; para quem vou fazer; qual minha proposta de valor e quais e como serão obtidas as receitas e a estrutura de custos que vão viabilizar o projeto: 1. Proposta de valor: seu pacote de produtos e serviços o valor que ele possui para os clientes.Dica: é a razão pela qual meus clientes querem comprar o que ofereço.2. Segmentos de clientes: definição dos clientes que você irá atender.Dica: há sempre um grupo especial de pessoas para adquirir seu produto ou serviço.3. Canais: como sua empresa alcança seus clientes para entregar sua proposta de valor.Dica: quanto mais curto o caminho que o cliente fizer, melhor.Como o cliente quer comprar?4. Relacionamento com clientes: tipos de relação que uma empresa estabelece com segmentos de clientes para conquistá-los e mantê-los.Dica: como meus clientes querem ser atendidos? 5. Atividades principais: ações/tarefas importantes que sua empresa deve atender para fazer seu modelo de negócio funcionarDica: descubra quais são as atividades mais importantes.6. Parcerias principais: rede de fornecedores e parceiros que ajudam a sua empresa a entregar o que prometeu.Dica: ninguém faz nada sozinho, descubra quem pode lhe ajudar.7. Recursos principais: recursos necessários para entregar a proposta de valor.Dica: fique de olho nos recursos imprescindíveis para o funcionamento do negócio.8. Estrutura de custos: todos os custos envolvidos na operação do seu modelo de negócio.Dica: diferenciação de valor associada à redução de custos ajuda a abrir espaços de mercado 9. Fontes de receita: dinheiro que a empresa gera. Quanto e como você quer receber dos clientes.Dica: como vou cobrar deve estar de acordo com a forma que o cliente gosta de pagarJovens são maioria entre os empreendedores de JoinvilleJovem empreendedora vai de funcionária a dona de loja em JoinvillePorto Alegre, RSA NotíciaConfira nove passos para montar um negócio próprioA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-confira-nove-passos-para-montar-um-negocio-proprio-10498051Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24572004Aumenta participação de jovens em novos negócios em JoinvilleCidade segue tendência do resto do país: participação do público entre 18 e 34 anos no total de empresários em fase inicial no país saltou de 50% para 57% em 20172018-07-16T06:01:09-03:002018-07-16T06:01:09-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteAumenta participação de jovens em novos negócios em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24572004Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-aumenta-participacao-de-jovens-em-novos-negocios-em-joinville-10497995Aumenta participação de jovens em novos negócios em JoinvilleCidade segue tendência do resto do país: participação do público entre 18 e 34 anos no total de empresários em fase inicial no país saltou de 50% para 57% em 20172018-07-16T06:01:09-03:002018-07-16T06:01:09-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.br"Aprendi na minha vida empreendendo que você pode ter boas ideias e um grande sonho, mas é preciso ter pessoas que compartilhem desse mesmo sonho, senão não consegue sair do lugar. Pode ter recursos, mas se não tem as pessoas certas só vai queimar dinheiro mais rápido". A lição é levada à risca pelo joinvilense Cristian Aquino, que começou a empreender quando tinha 20 anos ainda na garagem do pai e hoje, aos 32, lidera a Camerite, empresa que alia tecnologia à segurança e está avaliada em pelo menos R$ 40 milhões. O jovem faz parte de uma geração em que a vocação empreendedora tem despontado com maior intensidade nos últimos três anos no país. Pesquisa do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP) mostra o aumento significativo no interesse da população mais jovem, entre 18 e 34 anos, em investir e apostar no próprio negócio. A participação deste público no total de empresários em fase inicial no país saltou de 50% para 57% em 2017. Em Joinville, a tendência nacional é mantida no avanço do número de jovens a caminho do empreendedorismo, seja por necessidade ou oportunidade. É o que defende Jaime Arcino Dias Júnior, coordenador Regional Norte do Sebrae em Santa Catarina. Segundo ele, apesar de não haver estudos locais que apontem quantos são os jovens empreendedores na cidade, a realidade do município espelha a nacional. Ecossistema que leva ao sucesso Entre os fatores decisivos estão os movimentos de mercado, como a alta competitividade, os serviços diferenciados e até os salários menores e o desemprego, além do próprio ambiente empresarial da cidade e o surgimento de novos modelos de investimentos. Essa engrenagem é percebida como um conjunto de atrativos que se revertem em oportunidades para os joinvilenses mais jovens que desejam empreender e ter sucesso profissional. Como exemplo se destaca o crescimento no total de microempreendedores individuais (MEIs) no município, que hoje chega a 25 mil.— Os MEIs têm posição de destaque com crescimento nos últimos anos devido ao baixo custo de manutenção e aos benefícios que oferece. Porém, as startups também merecem menção porque estão ampliando seu espaço. As incubadoras e os escritórios compartilhados têm papel importante: temos o Inova Park, as universidades trabalhando de forma integrada e um conselho de inovação que fortalecem esse ecossistema. O resultado é a criação de excelentes ideias e empresas — explica Jaime.Setor de tecnologia traz oportunidades à Região Norte de Santa Catarina Uma das vertentes que ganha força em Joinville é a área tecnológica, conforme aponta estudo da Associação Catarinense de Tecnologia, colocando a cidade na 7a posição nacional quando se analisa o faturamento médio das empresas do ramo, de R$ 1,2 milhão. No Estado, o Norte catarinense compreende ainda o maior percentual de empreendedores no setor, o que corresponde a 30,3%. Foi exatamente visando uma oportunidade que a Camerite foi criada há três anos em Joinville por Cristian Aquino, então com 29 anos. A startup desenvolve um software de monitoramento de imagens de segurança na nuvem e possui uma solução que permite, por exemplo, que vizinhos compartilhem entre si imagens públicas de câmeras particulares, além de ser auxílio para as empresas de segurança e municípios. A proposta, no entanto, só deu certo depois de uma mudança no modelo de negócio. Primeiro, o joinvilense havia montado um provedor de internet e, posteriormente, criou uma empresa de monitoramento com 1,2 mil câmeras. O objetivo era gerar audiência e receita por meio de propagandas. O erro foi apostar em um mercado com grandes players já estabelecidos, como Google e Facebook, e por transmitir imagens de monitoramento "ao vivo", mas sem gravá-las. Esse foi o insight que deu origem a uma segunda chance de empreendimento:— Não gravar as imagens que possuíamos gerou uma necessidade e vi nisso uma oportunidade. Percebemos que tínhamos uma grande malha e que de alguma maneira poderíamos contribuir com a segurança. Três meses depois conseguimos desenvolver um meio para gravar com a premissa de que qualquer pessoa no mundo pode acessar uma câmera e voltar no tempo com o monitoramento na nuvem.Confira nove passos para montar um negócioJovem empreendedora vai de funcionária a dona de loja em JoinvillePorto Alegre, RSA NotíciaAumenta participação de jovens em novos negócios em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-aumenta-participacao-de-jovens-em-novos-negocios-em-joinville-10497995Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24569530ArcelorMittal está com inscrições abertas para programa de estágioAs vagas são para os níveis superior e técnico nos estados de Santa Catarina , Minas Gerais, Espírito Santo, Pernambuco e São Paulo2018-07-13T17:08:45-03:002018-07-13T17:08:45-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSdivulgação / divulgaçãoArcelorMittal está com inscrições abertas para programa de estágioA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24569530Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-arcelormittal-esta-com-inscricoes-abertas-para-programa-de-estagio-10496745ArcelorMittal está com inscrições abertas para programa de estágioAs vagas são para os níveis superior e técnico nos estados de Santa Catarina , Minas Gerais, Espírito Santo, Pernambuco e São Paulo2018-07-13T17:08:45-03:002018-07-13T17:08:45-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brEstão abertas as inscrições do Programa de Estágio 2019 da ArcelorMittal Brasil. As oportunidades estão distribuídas em diversas cidades de todo o Brasil para estudantes de cursos técnico e superior. O período para concorrer às vagas se estenderá até o dia 31 de julho. As inscrições devem ser feitas, exclusivamente, pelo site (aqui). No espaço, o candidato encontrará todos os detalhes sobre o processo seletivo.A empresa oferecerá ao candidato selecionado uma bolsa de complementação educacional e benefícios competitivos com o mercado (seguro de vida, transporte e refeição). A admissão está prevista ao longo do ano de 2019, dependendo da vaga e de acordo com a programação de cada unidade. As etapas do processo de seleção consistem em: cadastro, triagem de currículos, entrevistas coletivas/dinâmicas em grupo, avaliação psicológica, entrevistas individuais e exame médico. As etapas não ocorrerão necessariamente nessa ordem e podem variar de acordo com cada unidade da ArcelorMittal Brasil.O Programa tem o objetivo de contribuir na formação do futuro profissional, possibilitando aos estudantes a oportunidade de trabalhar nos processos desenvolvidos pelas diversas áreas da empresa e exercer na prática os conhecimentos aprendidos nas escolas.Leia mais notíciasPorto Alegre, RSA NotíciaArcelorMittal está com inscrições abertas para programa de estágioA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-arcelormittal-esta-com-inscricoes-abertas-para-programa-de-estagio-10496745Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24447775Confira lista de novas vagas divulgadas pelo Cepat de Joinville2018-07-09T12:16:31-03:002018-07-09T12:16:31-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSineConfira lista de novas vagas divulgadas pelo Cepat de JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24447775Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-confira-lista-de-novas-vagas-divulgadas-pelo-cepat-de-joinville-10481185Confira lista de novas vagas divulgadas pelo Cepat de Joinville2018-07-09T12:16:31-03:002018-07-09T12:16:31-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA Prefeitura de Joinville divulga novas vagas disponíveis a partir desta segunda-feira (9) no Centro Público de Atendimento aos Trabalhadores (Cepat). Os interessados devem comparecer ao Cepat, na rua Abdon Batista nº342, perto do Mercado Público. É preciso levar carteira de trabalho, CPF, RG e CEP do endereço onde reside.Clique aqui e confira lista completa de vagas.Porto Alegre, RSA NotíciaConfira lista de novas vagas divulgadas pelo Cepat de JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-confira-lista-de-novas-vagas-divulgadas-pelo-cepat-de-joinville-10481185Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24447775Confira as mais de 60 vagas de trabalho disponíveis no Sine JoinvilleOportunidades de emprego são para preenchimento até 11 de julho2018-07-06T14:07:43-03:002018-07-06T14:07:43-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSineConfira as mais de 60 vagas de trabalho disponíveis no Sine JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24447775Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-confira-as-mais-de-60-vagas-de-trabalho-disponiveis-no-sine-joinville-10400230Confira as mais de 60 vagas de trabalho disponíveis no Sine JoinvilleOportunidades de emprego são para preenchimento até 11 de julho2018-07-06T14:07:43-03:002018-07-06T14:07:43-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO Sistema Nacional de Empregos (Sine), em Joinville, vinculado a Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, divulga novas vagas de emprego disponíveis para preenchimento até o dia 11 de julho. Mais de 90% das vagas exigem comprovação de experiência em carteira.Os interessados devem procurar o local das 12h30 às 18h30, na rua Nove de Março, 774, sala 02. Para se cadastrar é preciso levar carteira de trabalho, identidade, CPF e comprovante de residência. Mais informações pelos telefones (47) 3481-2137 e (47) 3481-2138. Confira as vagas:Almoxarife – 1 vaga – salário não informadoAnalista fiscal (economista) – 1 vaga – salário 1.200Auxiliar de mecânico de autos – 1 vaga – salário 1.334,Balconista – 1 vaga – salário 1.412Biomédico – 1 vaga – salário 1.300Chefe de cozinha – 1 vaga salário 1.200Consultor de vendas – 20 vagas – salário 1.500Costureira em geral – 5 vagas – salário não informadoCostureira em geral – 1 vaga – salário 1.400Costureira em geral – 10 vagas – salário 1.320Cozinheiro de restaurante – 1 vaga - salário não informado.Cozinheiro de restaurante – 1 vaga – salário 1.200Desenhista projetista de máquinas – 1 vaga – salário 1.253Desenhista – 1 vaga - salário não informado.Eletricista de veículos – 1 vaga - salário não informado.Esteticista – 2 vagas – salário 1.300Farmacêutico – 1 vaga – salário 2.970Fisioterapeuta geral – 1 salário 1.800Fresador CNC (trabalhar no exterior) – 1 vaga - salário não informado.Gerente de restaurante – 1 vaga - salário não informado.Limpador a seco, à máquina – 3 vagas – salário 1.390Mecânico de bomba injetora – 2 vagas - salário não informado.Mecânico de diesel e eletricidade– 1 vaga - salário não informado.Oficial de serviços gerais na manutenção de edificações – 2 vagas – 1.223Operador de utilidade – 1 vaga – salário 1.200Pedreiro – 1 vaga – salário 1.600Recepcionista de hotel (inglês) – 1 vaga – salário 1.800Serralheiro – 1 vaga – salário não informado.Tratorista operador de roçadeira – 1 vaga – salário 1.661Vendedor pracista - 1 vaga – salário 1.408->Porto Alegre, RSA NotíciaConfira as mais de 60 vagas de trabalho disponíveis no Sine JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-confira-as-mais-de-60-vagas-de-trabalho-disponiveis-no-sine-joinville-10400230Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24464045Assinada ordem de serviço para novo portão de acesso no Porto de São Francisco do SulMedida deve aumentar em até 50% a capacidade produtiva do porto; assinatura ocorreu em cerimônia alusiva ao aniversário de 63 anos da unidade portuária2018-07-05T15:31:33-03:002018-07-05T15:31:33-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteAssinada ordem de serviço para novo portão de acesso no Porto de São Francisco do SulA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24464045Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-assinada-ordem-de-servico-para-novo-portao-de-acesso-no-porto-de-sao-francisco-do-sul-10397878Assinada ordem de serviço para novo portão de acesso no Porto de São Francisco do SulMedida deve aumentar em até 50% a capacidade produtiva do porto; assinatura ocorreu em cerimônia alusiva ao aniversário de 63 anos da unidade portuária2018-07-05T15:31:33-03:002018-07-05T15:31:33-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA assinatura da ordem de serviço para a construção de um novo portão de acesso na SCPar Porto de São Francisco do Sul marcou a solenidade alusiva ao aniversário de 63 anos do terminal, comemorado nesta semana. A cerimônia ocorreu na manhã desta quinta-feira (5) e reuniu autoridades e parte dos 190 colaboradores da unidade portuária, tendo ainda a inauguração da primeira das sete novas torres de iluminação que devem garantir mais segurança das operações noturnas. Os dois investimentos totalizam R$ 10 milhões.Principal investimento de momento visando visando ampliar a capacidade operacional e manter o Porto de São Francisco do Sul entre os sete mais competitivos do País, a implantação do “gate in” vai aumentar de duas para cinco a quantidade de balanças rodoviárias eletrônicas em operação. A projeção de Luís Furtado, diretor-presidente do complexo portuário, é de que a medida aumente em até 50% a capacidade produtiva e de, no mínimo, 10% ao ano na movimentação de cargas dentro da unidade - que em 2017 atingiu 12,2 milhões de toneladas - já a partir do ano que vem.Luis Furtado assina ordem de serviço para implantação de novo portão de acesso ao Porto de São Francisco do SulFoto: Salmo Duarte / A Notícia— Hoje nós temos uma operação limitada por ter um portão de entrada com apenas duas balanças e, se fizer uma comparação com outros portos, a maioria deles têm cinco no mínimo. Então estamos fazendo um portão de entrada com três balanças e o atual vai ficar com duas de saída. Com isso, por exemplo, se um navio leva dois dias para descarregar, vai levar um, e quanto menos tempo ele fica parado se torna mais atrativo para o armador, o operador portuário e também para o porto, que consegue fazer uma operação mais rápida — explica.O total investido no novo “gate in” é de R$ 4.795.845,01 e a estimativa de início dos trabalhos é de ocorrer em até dez dias. O contrato foi firmado pouco mais de cinco meses depois de lançado o edital de licitação, em dois de fevereiro deste ano, com previsão de entrega nove meses depois de assinada a ordem de serviço.A cerimônia contou ainda com inauguração de uma das sete novas torres de iluminação em LED no pátio do terminal, com custo de R$ 5.343.601,24. A intervenção deve ser concluída em até três meses e atende uma demanda feita em 2015 pelo Ministério Público Federal (MPF).— O MP chegou a fechar um dos nossos berços por falta de iluminação e a gente teve que colocar holofotes móveis para dar continuidade às atividades. A partir de hoje vai funcionar uma nova torre e isso já muda a história do porto e devemos ter esse problema sanado rapidamente. A implantação do novo sistema vai possibilitar contar com oito torres (uma já existente) que trarão mais produtividade e segurança para as operações noturnas do terminal — destacou Furtado no evento.Investimentos são trunfo para manter a competitividade do maior porto público do EstadoA Sociedade de Propósito Específico, subsidiária à estatal SC Participações e Parcerias (SCPar), que administra o Porto de São Francisco do Sul, afirma que outros investimentos estão sendo planejados com objetivo de manter a competitividade do terminal portuário.Entre as obras de infraestrutura previstas está o Aterro do Berço 201, que aguarda a emissão da licença ambiental pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O projeto está pronto para o aterramento de uma área alagada que dará ganho de dez mil metros quadrados na estrutura portuária. Depois de iniciada, a execução dos trabalhos devem levar cerca de um ano com investimento previsto de R$ 8 milhões.Também no radar está a reforma de uma das duas esteiras de carregamento do corredor de exportação em novembro deste ano. Uma delas foi reformulada e voltou a operar no fim do mês passado, três meses depois de parte de a estrutura ceder, e passar por reforma completa. A recuperação desta outra linha deve ocorrer no período de entressafra conforme acordo com os terminais que operam no porto. A intenção é retomar novamente a capacidade total de operação do setor na próxima safra de grãos, em janeiro do ano que vem.Para o secretário executivo da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Joinville, Volnei Francisco Batista, essa sinalização da estatal tende a criar uma vitrine perante aos outros portos do Estado, resultando em maior fluxo de cargas e, consequentemente de faturamento. Os impactos dessa sequência de intervenções também é destacado pelo diretor da SCPar, Fernando Moretti, como indicativo de fortalecimento do complexo como o maior terminal de exportação catarinense.— O Porto de São Francisco já é bastante competitivo, ele representa 33% da carga de grãos no estado de Santa Catarina, mas isso implica justamente em uma maior competitividade, maior produção e movimentação do porto. também podemos destacar o impacto social que esses recursos refletem na comunidade de São Francisco do Sul e Região, que estará mais evidente a partir de agora — justifica.Porto Alegre, RSA NotíciaAssinada ordem de serviço para novo portão de acesso no Porto de São Francisco do SulA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-assinada-ordem-de-servico-para-novo-portao-de-acesso-no-porto-de-sao-francisco-do-sul-10397878Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24457464Safra de arroz  supera produtividade alcançada no ano passado no Norte de SCAumento de 3% em relação à colheita anterior nas regiões de Joinville, Blumenau e Itajaí foi apresentado por agrônomos da Epagri, e números oficiais ainda serão anunciados2018-07-02T19:00:33-03:002018-07-02T19:00:33-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteSafra de arroz  supera produtividade alcançada no ano passado no Norte de SCA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24457464Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-safra-de-arroz-supera-produtividade-alcancada-no-ano-passado-no-norte-de-sc-10393548Safra de arroz  supera produtividade alcançada no ano passado no Norte de SCAumento de 3% em relação à colheita anterior nas regiões de Joinville, Blumenau e Itajaí foi apresentado por agrônomos da Epagri, e números oficiais ainda serão anunciados2018-07-02T19:00:33-03:002018-07-02T19:00:33-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA produção de arroz nas regiões de Joinville, Blumenau e Itajaí indica aumento de aproximadamente 3% de produtividade do grão em 2018 com relação à safra anterior. O resultado da colheita foi apresentado durante a Reunião Anual de Avaliação da Safra de Arroz 2017/2018 no Litoral Norte, feita por engenheiros agrônomos da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri). O encontro ocorreu na última quinta-feira, em Massaranduba – Capital Catarinense do Arroz – e reuniu agricultores, técnicos e representantes de agroindústrias.Os números oficiais da Safra de 2018, que engloba as produções do primeiro e segundo corte (este encerrado em junho), devem ser confirmados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa) nos próximos dias. O gerente regional da Epagri em Joinville, Hector Silvio Haverroth, salienta que houve pequena redução na área de plantio, mas os resultados são favoráveis.Segundo os informes dos rizicultores dos 12 municípios do Norte Catarinense apontam por consolidar o aumento de produtividade, também em cerca de 3% na Região. O total incide sobre a produção conquistada na última Safra, que rendeu quase 170 mil toneladas do insumo em 22 mil hectares de plantação. A seguir essa média percentual, a projeção é de aproximadamente 175 mil toneladas neste ano. O destaque na produção é para Massaranduba, tanto em produtividade quanto de área plantada: seis mil hectares.Em contrapartida, apesar desse aumento na produção a qualidade do grão pode sofrer alterações importantes com relação ao último ano. De acordo com o agrônomo Ronaldir Knoblauch, “dados climáticos indicam possíveis motivos para produção com redução de qualidade de grãos em alguns períodos de colheita da última safra, principalmente devido dias com baixa temperatura e baixa radiação solar na fase da microesporogênese, estádio mais sensível da cultura do arroz”.Além do debate em torno da cadeia produtiva do grão, a reunião contou ainda com palestras e discussões sobre o uso de agrotóxicos e sua legislação aplicada ao tema; a outorga do direito de uso da água para irrigação, bem como a análise do clima e os efeitos sobre a produção e a qualidade do grão. Também houve a aplicação de um diagnóstico via questionário junto a 228 agricultores locais com o objetivo de auxiliar na análise dos dados da Safra. As informações coletadas seguem para análise de uma equipe especializada em mercado da Epagri/Cepa para após tornarem-se dados oficiais para o estado.Tendência de crescimentoAs perspectivas de mercado também foram analisadas. De acordo com Sérgio Roberto Gomes dos Santos Júnior, representante da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab/Brasília), nos próximos meses existe perspectiva, a nível nacional, de aumento nos preços do arroz, principalmente baseado na redução de produção do grão no Rio Grande do Sul – Estado responsável por 70% da produção nacional.No Norte de Santa Catarina essa tendência já começa a aparecer. Nesta semana a comercialização da saca de 50 quilos gira em torno de R$ 35. O valor ainda não atinge a média de R$ 40 dos anos anteriores, mas é levemente maior que o preço de venda registrado há cerca de quatro meses, quando a saca do grão chegou a ser vendida a R$ 31,50. A safra de 2017 representou aproximadamente R$ 133,6 milhões em movimentação financeira, já o valor gerado em 2018 ainda não foi divulgado.Porto Alegre, RSA NotíciaSafra de arroz  supera produtividade alcançada no ano passado no Norte de SCA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-safra-de-arroz-supera-produtividade-alcancada-no-ano-passado-no-norte-de-sc-10393548Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24444059Projeto da Prefeitura prevê aumento no IPTU para terrenos baldios e abandonados em JoinvilleProjeto de IPTU Progressivo será apresentado na próxima semana na Câmara e pode impactar 12 mil imóveis2018-06-27T07:54:47-03:002018-06-27T07:54:47-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteProjeto da Prefeitura prevê aumento no IPTU para terrenos baldios e abandonados em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24444059Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-projeto-da-prefeitura-preve-aumento-no-iptu-para-terrenos-baldios-e-abandonados-em-joinville-10389239Projeto da Prefeitura prevê aumento no IPTU para terrenos baldios e abandonados em JoinvilleProjeto de IPTU Progressivo será apresentado na próxima semana na Câmara e pode impactar 12 mil imóveis2018-06-27T07:54:47-03:002018-06-27T07:54:47-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brUm total de 8.980 terrenos baldios e 3.270 imóveis com até 10% de taxa de ocupação na área urbana de Joinville são, em tese, sujeitos ao Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) Progressivo proposto pelo Executivo Municipal. É o que avalia a Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável (Sepud) em caso de aprovação do projeto que propõe a ampliação das alíquotas do tributo municipal para terrenos desocupados ou baldios. A Minuta final (SEI nº 1682665/2018) deverá ser apresentada à Câmara de Vereadores na próxima semana.A discussão do tema, no entanto, é antiga e a adoção do sistema progressivo está prevista para o município desde 2008, quando entrou em vigor o atual Plano Diretor de Joinville. Em outras ocasiões o projeto entrou em discussão com a 1ª Minuta elaborada em 2011, mas sem avanços porque dependia da aprovação da nova Lei de Ordenamento Territorial (LOT). Com a sanção da Lei Complementar nº 470/2017 - LOT, no início do ano passado, a questão voltou a ser debatida junto ao Conselho da Cidade e em audiências públicas.Este possível aumento da alíquota anual do IPTU para imóveis localizados em áreas urbanas e que se encontram ociosos ou subutilizados tem como objetivo combater a especulação imobiliária. A mudança também é considerada um instrumento de indução ao desenvolvimento urbano e visa estimular a utilização de áreas da cidade que já possuem boa infraestrutura.— O objetivo não é aumentar a arrecadação, mas o adensamento da população de Joinville em áreas que detêm melhores condições de infraestrutura. Cidades consideradas mais sustentáveis possuem índices entre 200 habitantes por hectare (hab/ha) a 300 hab/ha. Joinville ainda está muito longe disso e tem aproximadamente 27 hab/ha, o que indica que ainda há muito a ser feito — defende Danilo Conti, secretário de Planejamento Urbano de Joinville.A versão final do projeto deve ser apresentada na Câmara de Vereadores de Joinville possivelmente na semana que vem. Os vereadores terão de analisar a Minuta, também com audiência pública, e encaminhá-la para votação. Em caso de aprovação no Poder Legislativo, a adoção do IPTU progressivo vai para sanção do prefeito municipal, Udo Döhler, e passa a valer 120 dias depois da assinatura. O Plano Diretor de Joinville determina ainda que, se houver aceite, o recurso proveniente da alteração na cobrança seja direcionado para o Fundo Municipal de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável.ENTENDA A PROPOSTAO modelo de tributação tem como base as ações previstas no Estatuto da Cidade - Lei 10.257/01. Pelo texto, uma vez aprovado o IPTU progressivo, a prefeitura pode aplicar um aumento escalonado nas alíquotas do imposto que incide sobre terrenos baldios, não edificados, subutilizados ou abandonados.No caso da proposta do Executivo Municipal, o modelo tributário prevê que, em caso de sanção, os imóveis nessas condições podem passar a ter tributação pelo IPTU Progressivo no Tempo. A medida poderá ser aplicada nos imóveis cujo o dono seja notificado e venha a descumprir os termos e prazos estabelecidos para parcelamento, edificação ou utilização compulsória de ocupação do espaço.Segundo a minuta, o proprietário terá dois anos a partir da notificação para apresentar um projeto de uso em acordo com a função social do imóvel. Cabe à Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (SAMA) avalizar a proposta, que deverá ser executada em até cinco anos. Encerrado esse período e, não havendo o feitio do que foi previsto, passa a valer a cobrança progressiva do IPTU para o imóvel. A arrecadação diferenciada ocorre mediante elevação anual e consecutiva das alíquotas de enquadramento original, também pelo prazo de cinco anos.Ainda conforme o documento, o valor da alíquota a ser aplicada a cada ano não poderá exceder a duas vezes o valor referente ao ano anterior, até a máxima de 12%. Esse teto pode ser atingido entre dois e cinco anos após o início da cobrança, a depender da especificação do imóvel. Quando atingida, a cota de cobrança permanece inalterada nos cinco anos seguintes.Ao fim desse prazo, caso não haja cumprimento dos termos previstos em lei, o local pode ser desapropriado com pagamento mediante títulos da dívida pública. Já para o caso de comprovação de reutilização dos terrenos baldios ou desocupados, o lançamento do IPTU volta a ocorrer via aplicação das alíquotas originais, previstas na legislação tributária no exercício seguinte ao cumprimento das adequações.ÁREAS PRIORITÁRIASMapa de JoinvilleFoto: PMJ / DivulgaçãoNo município, foram consideradas inicialmente como áreas prioritárias de aplicação para o IPTU progressivo os imóveis não edificados, subutilizado e não utilizados, localizados na área central e imediações, em bairros como América, Anita Garibaldi, Atiradores e Bucarein (em vermelho no mapa acima). Também estão sujeitas de aplicação do IPTU progressivo, as faixas viárias, compostas pelas principais ruas e avenidas de cada bairro (faixas amarelas no mapa).Ao todo são cinco setores abarcados pela proposta de escalonamento, entre áreas de interesse cultural, adensamento prioritário e de centralidade urbana. As notificações serão iniciadas primeiro na área central e por último nas áreas periféricas. O tempo de início das notificações em cada área deve respeitar o período de 24 meses, entre um setor e outro.Em contrapartida, exclui-se a implantação do IPTU Progressivo nos setores especiais de interesse de conservação de morros e de várzeas não entram na proposta estabelecida na minuta inicial. O documento também exclui da nova modalidade, entre outros, terrenos com limitações ambientais comprovadas, tombados ou listados como de interesse de preservação ou com até 450 metros quadrados quando imóvel único não edificado pertencente a pessoa física.Pela proposta, o IPTU progressivo também não deverá ser aplicado nos lotes que, comprovadamente, estejam sendo utilizados para o desenvolvimento de atividades econômicas regulares e em operação que necessitem de áreas de pequeno porte. Terrenos explorados em atividade rural, acadêmica ou integrantes de unidades de conservação ambiental e imóveis vinculados a programas habitacionais de iniciativa pública também não entram na aplicação.ALÍQUOTAS PREVISTASDesde a retomada das discussões em torno da adesão de Joinville ao IPTU Progressivo para terrenos em situação de desocupação, as alíquotas previstas pelo Executivo a serem aplicadas sofreram alterações. No ano passado, por exemplo, foi considerada a aplicação do IPTU Progressivo no Tempo até a máxima de 15%. Agora, o teto baixou para 12% em todos os imóveis considerados suscetíveis à medida.No caso dos terrenos baldios, por exemplo, atualmente o tributo vigente mais baixo é de 2% sobre o valor venal. Com a aplicação do progressivo, o mesmo terreno (em desacordo com as condições e prazos) passaria a ter alíquota de 4% no primeiro ano, 6% no segundo e atingiria os 12% depois de cinco anos. Para as áreas não residenciais centrais e de maior valorização, a alíquota original pode chegar a 10%. Com a mudança, o percentual poderia ser fixado em 12% já no primeiro ano de aplicação do Progressivo. Alíquotas previstas do IPTU Progressivo de Joinville de Luan MartendalPorto Alegre, RSA NotíciaProjeto da Prefeitura prevê aumento no IPTU para terrenos baldios e abandonados em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-projeto-da-prefeitura-preve-aumento-no-iptu-para-terrenos-baldios-e-abandonados-em-joinville-10389239Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24441716Porto de São Francisco do Sul retoma capacidade total do embarque de grãosNova estrutura de esteira que havia cedido está apta a operar a partir desta segunda-feira2018-06-25T06:30:29-03:002018-06-25T06:30:29-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSPorto de São Francisco do SulPorto de São Francisco do Sul retoma capacidade total do embarque de grãosA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24441716Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-porto-de-sao-francisco-do-sul-retoma-capacidade-total-do-embarque-de-graos-10386719Porto de São Francisco do Sul retoma capacidade total do embarque de grãosNova estrutura de esteira que havia cedido está apta a operar a partir desta segunda-feira2018-06-25T06:30:29-03:002018-06-25T06:30:29-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brUma espera de 105 dias. Esse foi o tempo que levou para a retomada total da capacidade do embarque de grãos no Porto de São Francisco do Sul, depois que parte da estrutura de uma das duas esteiras de exportação cedeu, em 11 de março. Desde o acidente, ocorrido durante o carregamento de um navio, apenas uma delas mantinha ativo o serviço no corredor de exportação a granel, fato a ser superado a partir desta segunda-feira (25), às 7 horas.O religamento do equipamento ocorre depois de uma reforma completa na estrutura deste ‘Ship Loader’, com custo de R$ 8,5 milhões. Apesar de liberado hoje para uso, a conclusão da obra já ocorreu pelo menos uma semana antes e, desde então, a nova esteira passava por testes.Para se ter uma ideia do impacto do acidente para as exportações catarinenses, em março, por questão de segurança as duas esteiras chegaram a ter o serviço interrompido por alguns dias para reforma e avaliação. Com isso, na época, o problema chegou a impedir o embarque de cerca de 30 mil toneladas de grãos diariamente na unidade. No entanto, o outro tripper voltou a funcionar e abarcou sozinho o carregamento a granel enquanto a galeria da estrutura que cedeu era refeita.Para Luís Furtado, diretor-presidente da SCPar Porto de São Francisco do Sul, o terminal conseguiu superar a demanda no corredor de exportação antes mesmo da conclusão da obra.— No mês passado já mantivemos fluxo normal de carregamento de cargas mesmo com apenas um Ship Loader em funcionamento. Foram embarcadas 600 mil toneladas de grãos, o que representa 80% do total carregado no mesmo mês no ano passado. Além disso, o tempo de espera dos navios ficou entre seis a sete dias, enquanto em outros portos como o de Paranaguá, leva-se até 30 dias em operações normais — afirma.Nesta semana os navios que chegarem já devem ser atendidos com a utilização das duas esteiras, um deles já encontra-se na barra e aguarda a chegada de mercadorias para iniciar o carregamento e seguir viagem.Novos investimentosDe acordo com a administração da unidade portuária, a outra esteira do terminal graneleiro que realiza essas operações deve passar por um “ultrassom” e sua reforma está prevista para ocorrer em Novembro. O período foi escolhido por tratar-se da entressafra e pode levar daquele mês até janeiro para que a estrutura seja religada.O orçamento dessa intervenção ainda não foi elaborado, mas a expectativa é de que custe mais barato que o investimento feito na recomposição da estrutura que cedeu há três meses. Isso porque não será necessária a criação de uma nova galeria como ocorreu desta vez, com custo aproximado entre R$ 2,5 milhões a R$ 3 milhões do total investido. A reforma será custeada com recursos do próprio porto.Porto Alegre, RSA NotíciaPorto de São Francisco do Sul retoma capacidade total do embarque de grãosA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-porto-de-sao-francisco-do-sul-retoma-capacidade-total-do-embarque-de-graos-10386719Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24430594Concluída obra em esteira de exportação no Porto de São Francisco do SulNova estrutura está sob fase de testes; Retomada total da capacidade de carregamento deve ocorrer ainda nesta semana2018-06-19T11:16:06-03:002018-06-19T11:16:06-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSPorto de São Francisco do SulConcluída obra em esteira de exportação no Porto de São Francisco do SulA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24430594Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-concluida-obra-em-esteira-de-exportacao-no-porto-de-sao-francisco-do-sul-10382156Concluída obra em esteira de exportação no Porto de São Francisco do SulNova estrutura está sob fase de testes; Retomada total da capacidade de carregamento deve ocorrer ainda nesta semana2018-06-19T11:16:06-03:002018-06-19T11:16:06-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brFalta pouco para que o Porto de São Francisco do Sul retome a capacidade máxima de carregamento no terminal de movimentação de grãos. As obras no corredor de exportação de granel, danificada durante um incidente em março, foram concluídas. De acordo com a administração portuária, a expectativa é de que a operação nas duas esteiras do setor estejam em funcionamento conjunto ainda nesta semana.Entre esta terça e quarta-feira (20), a nova estrutura passa por testes. A operação acontece da seguinte forma: a esteira que funcionou sozinha ao longo dos últimos três meses é desligada, enquanto a outra movimenta as mercadorias para certificar o perfeito funcionamento. Se houver aprovação nos testes, ambas as esteiras serão ligadas e 100% da capacidade do corredor de exportação estará garantido (hoje está em cerca de 70%).A obra é orçada em cerca de R$ 8,5 milhões, com recursos próprios da SCPar Porto de São Francisco do Sul.Porto Alegre, RSA NotíciaConcluída obra em esteira de exportação no Porto de São Francisco do SulA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-concluida-obra-em-esteira-de-exportacao-no-porto-de-sao-francisco-do-sul-10382156Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24424755Exposuper 2018 começa nesta terça-feira em JoinvilleExpectativa do evento supermercadista é de gerar R$ 450 milhões em negócios2018-06-18T08:00:31-03:002018-06-18T08:00:31-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSMauro Artur SchlieckExposuper 2018 começa nesta terça-feira em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24424755Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-exposuper-2018-comeca-nesta-terca-feira-em-joinville-10378048Exposuper 2018 começa nesta terça-feira em JoinvilleExpectativa do evento supermercadista é de gerar R$ 450 milhões em negócios2018-06-18T08:00:31-03:002018-06-18T08:00:31-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brGerar R$ 450 milhões. Essa é a projeção de valor para os negócios convertidos a partir da Exposuper 2018, que começa nesta terça-feira (19), em Joinville. A 31ª edição da Feira de Produtos, Serviços e Equipamentos para Supermercados e Convenção Catarinense de Supermercadistas é considerada a maior do setor em número de participantes de Santa Catarina, devendo reunir até 35 mil pessoas ao longo dos próximos três dias no Complexo Expoville. O evento é organizado pela Associação Catarinense de Supermercados (Acats) e tido ainda como um dos mais importantes encontros supermercadistas do País, parte do circuito nacional de eventos ligados à Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O congresso reúne empresários, executivos, fornecedores de produtos, serviços, equipamentos, distribuidores, produtores rurais e supermercadistas, até o próximo dia 21. O público participante terá a oportunidade de firmar negócios e parcerias, conhecer novas tecnologias e inovações, além de acompanhar mais de 40 atrações, entre palestras, painéis, workshops e oficinas. Neste ano, também estão confirmados mais de 250 expositores, com potencial para superar em até R$ 100 milhões a geração de negócios no comparativo com o ano passado. À época, foi movimentado algo em torno de R$ 350 milhões a R$ 380 milhões. Se confirmada a meta de 2018, o incremento pode beirar a casa dos 30% de um ano para o outro. A avaliação é do presidente da Acats, Paulo Cesar Lopes, que encara com otimismo os resultados que virão. A temperatura mais quente para os negócios decorre da melhora econômica frente ao último ano, o aumento no número de expositores e a própria qualidade das empresas envolvidas. — Existe uma expectativa diferente daquela do ano passado devido à melhora econômica. Os participantes já estão se programando para as vendas de fim de ano e Natal, o que contribui para essa perspectiva. São mais de 250 expositores, sendo 60% deles do Estado, o que deve fomentar a própria economia catarinense — aponta.Nos três dias de Exposuper, são esperados participantes de ao menos cinco Estados: Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Estão previstas também cerca de 30 caravanas de ônibus que devem desembarcar em Joinville para o evento. A iniciativa de transporte coletivo é uma oportunidade para ampliar a participação dos supermercadistas de pequeno porte ou de regiões mais distantes na feira.PROGRAMAÇÃOA abertura da Exposuper 2018 está marcada para as 19h desta terça-feira, com palestra do jornalista e economista Luis Nogueira, editor de economia da "Istoé Dinheiro". Além dele, respectivamente, nos dias 19, 20 e 21 de junho, estão programadas as palestras de Roberto Shinyashiki, Fernando Scherer e Clóvis de Barros Filho. Ainda no dia 21, acontece o Prêmio Mérito Acats Exposuper, às 20h30.Porto Alegre, RSA NotíciaExposuper 2018 começa nesta terça-feira em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-exposuper-2018-comeca-nesta-terca-feira-em-joinville-10378048Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24413840Produtos alusivos à Seleção Brasileira ganham espaço no comércio de JoinvilleVitrines em verde e amarelo são apostas dos lojistas para aumentar o faturamento2018-06-13T06:30:34-03:002018-06-13T06:30:34-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteProdutos alusivos à Seleção Brasileira ganham espaço no comércio de JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24413840Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-produtos-alusivos-a-selecao-brasileira-ganham-espaco-no-comercio-de-joinville-10373556Produtos alusivos à Seleção Brasileira ganham espaço no comércio de JoinvilleVitrines em verde e amarelo são apostas dos lojistas para aumentar o faturamento2018-06-13T06:30:34-03:002018-06-13T06:30:34-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA um dia do início dos jogos da Copa do Mundo de 2018 a oferta e procura por produtos alusivos à Seleção Brasileira começam a ganhar o comércio de Joinville. A presença de torcedores nas lojas se deve a estreia do Brasil, marcada para domingo, às 15h, em jogo contra a Suíça. Itens como bandeiras, roupas, apitos e cornetas chegaram às vitrines de forma tímida no início da semana, ainda disputando espaço com o Dia dos Namorados e festas juninas. Hoje, o cenário já é diferente: prateleiras recheadas em verde e amarelo.O cenário tem explicação na intenção de compra dos consumidores. De acordo com pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), ao menos 33% dos micro e pequenos empresários brasileiros dos ramos do comércio e serviço estima crescimento nas vendas. A Fecomércio destaca que os empresários esperam faturamento até 12% maior do que o mesmo período do ano passado. E mais, a gigante Google aponta que em torno da metade dos brasileiros deseja comprar itens relacionados à Copa para assistir os jogos.Em Joinville, esse espírito torcedor pode ser conferido em lojas de diversos segmentos, principalmente no Centro da cidade. O objetivo dos lojistas é o mesmo, buscar impulsionar as vendas com a participação do país no Mundial. Na Chocante, especializada em artigos para festas, por exemplo, a movimentação é satisfatória desde o início do mês. O estabelecimento chegou a preparar estoque para o caso de a Seleção avançar às finais, conforme conta a gerente do estabelecimento, Solange Ferreira. No local o ticket médio de compra varia em torno de R$ 30.— Estamos vendendo bastante para famílias, que estão comprando balões, bandeiras, chapéus, uma diversidade de produtos e os clientes estão respondendo ao investimento. A torcida é para que o Brasil passe as primeiras fases, porque isso terá impacto direto nos nossos resultados de vendas durante a Copa — explica.Vitrines nas cores verde e amarela começam a dominar o comércio de rua nesta semanaFoto: Salmo Duarte / A NotíciaPara ela, a junção do início dos jogos com a semana do Dia dos Namorados e as festividades tradicionais deste mês não influencia nas compras relacionadas aos jogos e não atrapalhou a venda dessas mercadorias. "O público já vem determinado a levar o que deseja para torcer", aponta. No entanto, em outras lojas, a proximidade das datas fez com que a vitrine com as cores da bandeira nacional fossem seguradas até metade da semana. Este foi o caso da Mega Show, também no centro.— Montamos a vitrine verde e amarela somente na terça-feira e conforme fomos enfeitando, a procura foi aumentando. O pessoal busca principalmente camisetas, que está difícil de encontrar em outros lugares, mas levam também toucas, cachecóis, faixas de cabelo e bandeiras — afirma a dona da loja, Maristela Alves.Outra que decidiu esperar para montar a vitrine alusiva à Copa foi a Pitter Pan, loja de festas no bairro Iririú. Das duas vitrines da loja uma é ocupada por materiais de festa junina, a outra é decorada nesta quarta-feira com o tema "Brasil", depois de finalizadas as vendas para o Dia dos Namorados. No entanto, boa parte da loja já reúne produtos da Seleção desde o fim da Páscoa. No local, os destaques ficam por conta das perucas; gravatas; pirulitos; copos; cornetas e bandeiras. O ticket médio de compra é de R$ 80. Conforme o gerente, Guilherme Pacheco, o tema ainda é procurado para a decoração de festas de aniversário e o atual momento do time também reflete nas vendas.— Com as duas boas atuações do Brasil nos últimos amistosos, verificamos que a tendência é uma maior procura por esses produtos — revela.Diferentes significados para os itens decorativos atraem os consumidoresAna Caroline leva bandeira para casa para torcer e também para demonstrar torcida por melhorias no PaísFoto: Salmo Duarte / A NotíciaEntre os clientes, a paixão pelo futebol se une a oportunidade de festejar com amigos e familiares. Os utensílios procurados têm função desde objeto de decoração até para intensificar o barulho da festa. É o que esperam a joinvilense Aline da Silva Ribas e o filho, Lucas, que responde empolgado e sem titubear: "buscamos o Hexa", quando perguntado pela reportagem o que procurava na loja que remetesse à Seleção.Por outro lado, a maior oferta de produtos contendo a bandeira do Brasil serve também para os cidadãos que buscam dar outros significados para o símbolo além do futebol. É o que pretende, por exemplo, a bancária Ana Caroline Marques de Souza. A jovem conta que o momento de instabilidade que o país enfrenta foi determinante para que ela aproveitasse o momento para comprar itens relacionados às cores verde e amarela.— A gente quer ter uma bandeira em casa para estender, não só pela Copa do Mundo, mas para orar pelo nosso país — justifica.Porto Alegre, RSA NotíciaProdutos alusivos à Seleção Brasileira ganham espaço no comércio de JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-produtos-alusivos-a-selecao-brasileira-ganham-espaco-no-comercio-de-joinville-10373556Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24395124Procon de Joinville notifica postos por preços abusivos durante a greve dos caminhoneirosAo menos 16 de 96 estabelecimentos de abastecimento da cidade devem ser notificados e terão dez dias para se manifestar sobre elevação no preço do combustível no período2018-06-08T11:30:18-03:002018-06-08T11:30:18-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSMarcelo CasagrandeProcon de Joinville notifica postos por preços abusivos durante a greve dos caminhoneirosA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24395124Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-procon-de-joinville-notifica-postos-por-precos-abusivos-durante-a-greve-dos-caminhoneiros-10367736Procon de Joinville notifica postos por preços abusivos durante a greve dos caminhoneirosAo menos 16 de 96 estabelecimentos de abastecimento da cidade devem ser notificados e terão dez dias para se manifestar sobre elevação no preço do combustível no período2018-06-08T11:30:18-03:002018-06-08T11:30:18-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de Joinville notifica ao longo desta sexta-feira (8) os postos de combustíveis da cidade que podem ter praticado preços abusivos durante a paralisação dos caminhoneiros. Ao todo, 16 estabelecimentos devem receber a notificação do órgão municipal, dentre os 96 visitados durante a greve deflagrada em maio.De acordo com Elias Fernando Bammesberger, coordenador do Procon, as ações de fiscalização ocorreram em dias alternados nos 11 dias do movimento, com a primeira coleta realizada no dia 22 do mês passado. Ainda segundo ele, além das 16 empresas autuadas, outras oito ainda estão em análise para expedição ou não das notificações.Em um dos exemplos citados pelo Procon está um posto de combustíveis notificado por alteração no preço da gasolina acima do normal. Na ocasião das visitas, o preço praticado por litro era de R$ 3,89 em uma data e, R$ 4,99, dois dias depois.As notificações começaram a ser feitas na manhã desta sexta (8) e os proprietários desses locais devem apresentar defesa em até dez dias. Caso a justificativa não seja contemplada, uma das ações previstas é a aplicação de multa. Ainda não há cálculo de quanto a medida punitiva pode onerar para cada posto, mas o Procon crê, nestes casos, em algo em torno de R$ 20 mil a R$ 50 mil a depender da estrutura e faturamento de cada estabelecimento.A listagem total dos postos notificados ainda está sendo compilada e deve ser liberada até segunda-feira.Porto Alegre, RSA NotíciaProcon de Joinville notifica postos por preços abusivos durante a greve dos caminhoneirosA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-procon-de-joinville-notifica-postos-por-precos-abusivos-durante-a-greve-dos-caminhoneiros-10367736Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24398685Definida nova data para conclusão de obra em esteira do Porto de São Francisco do SulEstrutura de um dos dois trippers de exportação do terminal graneleiro cedeu há três meses. Em maio houve o embarque de 600 mil toneladas de grãos, quantia que representou 80% do carregamento realizado no mesmo período do ano passado2018-06-06T21:30:02-03:002018-06-06T21:30:02-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSPorto de São Francisco do SulDefinida nova data para conclusão de obra em esteira do Porto de São Francisco do SulA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24398685Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-definida-nova-data-para-conclusao-de-obra-em-esteira-do-porto-de-sao-francisco-do-sul-10364331Definida nova data para conclusão de obra em esteira do Porto de São Francisco do SulEstrutura de um dos dois trippers de exportação do terminal graneleiro cedeu há três meses. Em maio houve o embarque de 600 mil toneladas de grãos, quantia que representou 80% do carregamento realizado no mesmo período do ano passado2018-06-06T21:30:02-03:002018-06-06T21:30:02-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA conclusão das obras de reforma do tripper para carregamento de navios no terminal graneleiro do Porto de São Francisco do Sul deve acontecer no próximo dia 15, pouco mais de três meses depois de uma das esteiras de exportação ser paralisada após parte da estrutura ceder. A informação é da SCPar, que administra o complexo portuário, e já havia prorrogado esta previsão em outras oportunidades por conta da interferência climática na execução dos trabalhos. Ao todo, a reforma demanda recursos próprios do porto na ordem de R$ 8,5 milhões.De acordo com Luis Furtado, diretor-presidente do Porto de São Francisco do Sul, a expectativa era de que a esteira voltasse a funcionar nesta quinta-feira (7), porém, devido ao tempo e aos impactos da greve dos caminhoneiros - encerrada na semana passada - o novo prazo foi estabelecido para a semana que vem.— O tempo muito chuvoso acabou demandando mais tempo para a execução da obra. A greve também atrapalhou, porque foram cerca de dez dias dos caminhoneiros parados e essa paralisação interrompeu a chegada de materiais. A partir de hoje (quarta-feira) algumas peças menores começam a chegar e o trabalho segue de forma contínua — explica.O acidente com uma das duas esteiras de carregamento que operam no terminal ocorreu na manhã do dia 11 de março e, desde então, a capacidade total de operações ficou comprometida em cerca de 30%. Durante uma semana após o acidente, as duas esteiras do terminal graneleiro chegaram a ser desativadas, para garantir que a movimentação de uma delas não causasse mais problemas na estrutura da galeria que cedeu. Com isso, uma fila maior do que o normal se formou no terminal portuário e o tempo de espera chegou a até 25 dias em 12 de abril, conforme empresas que operam no porto.Obras continuam sendo feitas no terminal graneleiro do portoFoto: Porto de São Francisco / DivulgaçãoAgora, segundo Furtado, há apenas dois navios aguardando para atracar em pleno pico da safra da soja. O primeiro deles chegou no dia 1º e deve iniciar o carregamento na quinta-feira, o outro, chegou nesta semana. Além disso, ele defende que não houve desvios de rota de navios que estavam programados para chegar na unidade e, em maio, houve o embarque de 600 mil toneladas de grãos. A quantia representa 80% do carregamento realizado no mesmo mês do ano passado, com funcionamento dos dois trippers.Empresas que atuam no local, ouvidas pelo A Notícia, também se mostram otimistas com a regularização dos embarques para exportação no terminal até a próxima semana. Quanto a demora de cerca de 90 dias para a entrega da obra, a SCPar afirma que prezou pela segurança dos operários, além da decisão de realizar uma reforma total na esteira, e não apenas consertar a avaria que causou o problema. Para isso, empregou os recursos na construção de uma nova galeria e na troca de várias peças em toda a extensão do corredor 15-B.Porto Alegre, RSA NotíciaDefinida nova data para conclusão de obra em esteira do Porto de São Francisco do SulA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-definida-nova-data-para-conclusao-de-obra-em-esteira-do-porto-de-sao-francisco-do-sul-10364331Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24398120Lançados os novos modelos de ônibus da marca Busscar em JoinvilleConsolidação da retomada das atividades fabris da empresa acontece um ano depois da aquisição da empresa por um grupo de investidores2018-06-06T09:42:27-03:002018-06-06T09:42:27-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSCarbussLançados os novos modelos de ônibus da marca Busscar em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24398120Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-lancados-os-novos-modelos-de-onibus-da-marca-busscar-em-joinville-10364162Lançados os novos modelos de ônibus da marca Busscar em JoinvilleConsolidação da retomada das atividades fabris da empresa acontece um ano depois da aquisição da empresa por um grupo de investidores2018-06-06T09:42:27-03:002018-06-06T09:42:27-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA Carbuss, Indústria Catarinense de Carrocerias anunciou nesta semana o lançamento dos novos modelos da marca Busscar, de Joinville, que está retornando efetivamente ao mercado neste primeiro semestre do ano. Serão comercializados três modelos: Vissta Buss 340, Vissta Buss 360 e Vissta Buss DD. As três linhas de ônibus foram desenvolvidas para os segmentos rodoviário, de fretamento e de turismo e consolidam a retomada das atividades fabris da marca. Durante o processo de implantação da nova Busscar também houve investimento na atualização de projetos, no design dos produtos e na atualização e modernização da fábrica.Os modelosModelo Vissta Buss 340, um dos três apresentados pela empresaFoto: Carbuss / DivulgaçãoDe acordo com a Carbuss, os novos produtos mantém o padrão de excelência da marca Busscar conquistados ao longo de 70 anos no mercado, com linhas mais modernas e design clean. Os protótipos contam ainda com tecnologia de ponta e possuem conjunto óptico intercambiáveis entre si, o que facilita sua reposição, e farol de rodagem diurna (DRL) em Led. O Vissta Buss 340 e o Vissta Buss 360, ambos têm 12 metros a 15 metros de comprimento com largura externa de 2,6 metros e, respectivamente, 3,4 metros e 3,6 metros de altura. Já o modelo super luxo, Vissta Buss DD, tem dois pisos que, a depender da configuração interna, podem abrigar o modelo e a quantidade de poltronas conforme as necessidades do cliente. Este modelo possui comprimento de 14 metros a 15 metros e largura externa de 2,6 metros, além de 4,1 metros a 4,25 metros de altura.Porto Alegre, RSA NotíciaLançados os novos modelos de ônibus da marca Busscar em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-lancados-os-novos-modelos-de-onibus-da-marca-busscar-em-joinville-10364162Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24398075Contorno viário de Garuva ainda aguarda liberação total da obraInauguração da rodovia só ocorrerá após instalação completa de toda a iluminação do trecho, conforme prevê determinação da ANTT2018-06-06T09:03:19-03:002018-06-06T09:03:19-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteContorno viário de Garuva ainda aguarda liberação total da obraA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24398075Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-contorno-viario-de-garuva-ainda-aguarda-liberacao-total-da-obra-10364150Contorno viário de Garuva ainda aguarda liberação total da obraInauguração da rodovia só ocorrerá após instalação completa de toda a iluminação do trecho, conforme prevê determinação da ANTT2018-06-06T09:03:19-03:002018-06-06T09:03:19-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA entrega total do Contorno Sul, em Garuva, ainda não tem data certa para ocorrer. O último prazo informado pelo Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) era de que a iluminação seria realizada até meados de maio e a obra estaria totalmente concluída. Entretanto, o liberação não aconteceu e a instalação dos postes não começou a ser feita. Agora, conforme o Deinfra, será necessária uma integração com Autopista e Polícia Rodoviária para realizar a implantação.A instalação dos postes é a etapa que falta para liberar totalmente a rodovia para tráfego de veículos. Para isso, o governo do Estado ainda tentará uma integração com Auto Pista Litoral Sul e com as polícias rodoviárias para garantir a segurança na pista durante a instalação. Um projeto foi remetido pelo Deinfra aos órgãos para autorização dessa integração e, neste momento, o departamento aguarda o retorno para poder iniciar os trabalhos. Com 98% dos trabalhos concluídos desde o ano passado, o contorno já enfrentou outros entraves. Desde 2013 – ano em que a obra foi iniciada – houve problemas envolvendo desapropriações, que deixaram os trabalhos em ritmo lento. O prazo inicial para finalização era 2016, mas atrasou. Após o período, outras datas também já foram estipuladas pelo Deinfra, a última delas para a primeira quinzena de maio. Alguns moradores já utilizam a parte da obra que está finalizada. A pavimentação e a sinalização da estrada foram concluídas, mas o viaduto, que liga o contorno à BR-101, permanece interditado por causa da falta de postes. A liberação total só ocorrerá após a iluminação completa, conforme prevê uma determinação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). No elevado serão colocados 24 postes na área do viaduto, na parte de cima e de baixo. As lâmpadas serão de LED e o investimento deve ser de aproximadamente R$ 250 mil. Algumas tratativas chegaram a ser feitas com a Autopista – concessionária da BR-101 – e com a Celesc para instalação da iluminação. Entretanto, as empresas não aceitaram a parceria, ficando a cargo do Deinfra realizar a obra. O Contorno Sul inicia no Km 10 da BR-101 e termina na intersecção com a SC-417, na localidade de Palmital. Assim que estiver liberada, será alternativa para desafogar o trânsito para veículos pesados em direção ao Porto de Itapoá. Além disso, o acesso às praias da região também poderá ser feito sem a necessidade de passar pela área urbana de Garuva, aliviando o trânsito na região. Linha do tempoAlém da falta de iluminação, outros entraves contribuíram para o atraso na finalização das obras do contorno. Confira a linha do tempo:2011O Deinfra já trabalhava no desenvolvimento do projeto do contorno de Garuva e fazia levantamento das desapropriações necessárias; O traçado previsto era de 18 km de extensão, com investimento de R$ 35 milhões.2012No mês de junho, é assinado o edital de licitação para a contratação de responsável pela obra. O investimento previsto é de R$ 30,8 milhões para trecho que liga a BR-101, na altura do km 10, à entrada do rio Palmital;Em novembro, o consórcio Empo/Fortunato é definido como responsável pela obra. A proposta vencedora foi de R$ 27,1 milhões.2013No mês de janeiro, o governador Raimundo Colombo entrega a ordem de serviço das obras do contorno. Onze meses depois, as obras ainda estavam em estágio inicial.2014Em agosto, os trabalhos continuam em ritmo devagar, principalmente por causa das desapropriações.2015Em janeiro, as obras são paralisadas pelo governo do Estado por falta de acordo para desapropriação de área próxima à BR-101. Naquele momento, quase 60% estavam concluídos;No mês de maio, o prazo para a conclusão do contorno é adiado de outubro de 2015 para março de 2016;Em agosto, cinco dos nove quilômetros estavam asfaltados. Também estavam em andamento as obras do viaduto, com previsão de entrega para abril de 2016.2016Em fevereiro, as obras corriam risco de parar por causa das desapropriações. Pelo menos 77% dos trabalhos estão executados;Em agosto, o governador Colombo reitera a necessidade de se resolver as questões com desapropriações para finalizar a obra até outubro;Em novembro, o Deinfra consegue tomar posse de dois imóveis desapropriados que impediam a continuam da obra.2017Em fevereiro, obras estão na parte final, na localidade do Palmital, onde o contorno fará interseção com a SC-417;No mês de outubro, 98% dos trabalhos estão concluídos. Falta apenas a instalação de postes de iluminação sobre o viaduto que passa sobre a BR-101. O impasse impede a inauguração do contorno, e o Deinfra busca uma solução com a Autopista Litoral Sul para terminar a obra e liberar o tráfego;Em dezembro, a previsão de liberação ficou para fevereiro de 2018, o que não aconteceu.2018Em abril, o governo do Estado aguarda liberação de empenho para começar a instalar a iluminação. Previsão era que a liberação do trecho ocorresse em meados de maio. Leia mais:Más condições da SC-417, entre Garuva e Itapoá chamam a atenção de motoristasGoverno estadual estuda concessionar estrada entre Itapoá e Garuva, Rodovia do Arroz eEstrada Dona Francisca na região de JoinvillePorto Alegre, RSA NotíciaContorno viário de Garuva ainda aguarda liberação total da obraA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-contorno-viario-de-garuva-ainda-aguarda-liberacao-total-da-obra-10364150Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24382098Cepat disponibiliza 77 vagas de emprego em JoinvilleVagas são para preenchimento imediato2018-06-04T12:22:53-03:002018-06-04T12:22:53-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSTiago GhizoniCepat disponibiliza 77 vagas de emprego em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24382098Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-cepat-disponibiliza-77-vagas-de-emprego-em-joinville-10362499Cepat disponibiliza 77 vagas de emprego em JoinvilleVagas são para preenchimento imediato2018-06-04T12:22:53-03:002018-06-04T12:22:53-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA Prefeitura de Joinville divulgou nesta segunda-feira (4) novas vagas de emprego disponíveis por meio do Centro Público de Atendimento aos Trabalhadores (Cepat). Ao todo são 77 oportunidades, com salários que chegam a até R$ 3,5 mil.O Cepat fica na rua Abdon Batista nº 342, no Centro de Joinville, e os candidatos a uma vaga podem levar currículo no local de segunda a sexta-feira, das 8 às 14 horas. Para a concorrência também é preciso encaminhar a carteira de trabalho, CPF, RG e comprovante de residência.O destaque fica por conta do setor de comércio. São 20 vagas para consultor de vendas, com salário de R$ 1,5 mil. A lista completa pode ser acessada neste link.Porto Alegre, RSA NotíciaCepat disponibiliza 77 vagas de emprego em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-cepat-disponibiliza-77-vagas-de-emprego-em-joinville-10362499Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24315593Obras no terminal graneleiro do Porto de São Francisco do Sul têm conclusão adiada Estrutura no porto ficou danificada em março e opera com apenas uma esteira de embarque2018-05-24T13:49:50-03:002018-05-24T13:49:50-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSFlaviano MalucheObras no terminal graneleiro do Porto de São Francisco do Sul têm conclusão adiada A Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24315593Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-obras-no-terminal-graneleiro-do-porto-de-sao-francisco-do-sul-tem-conclusao-adiada-10353835Obras no terminal graneleiro do Porto de São Francisco do Sul têm conclusão adiada Estrutura no porto ficou danificada em março e opera com apenas uma esteira de embarque2018-05-24T13:49:50-03:002018-05-24T13:49:50-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPassados 75 dias desde que uma das esteiras do terminal graneleiro do Porto de São Francisco do Sul foi paralisada após uma parte da estrutura ceder, a reforma do tripper para carregamento dos navios ainda não foi concluída. A última informação divulgada pela empresa SCPar, que administra a unidade portuária, era de que as obras terminariam por volta de 21 de maio, em uma projeção de que seriam necessários apenas mais 20 dias de obras depois que a nova estrutura fosse içada até o corredor de exportação, em 1º de maio. No entanto, a conclusão foi adiada para a primeira semana de junho. Segundo o diretor-presidente do Porto de São Francisco do Sul, Luis Furtado, as obras foram afetadas pelos dias de chuvas que ocorreram no meio deste mês.Porto de São Francisco do Sul permanece com capacidade de operações reduzida— Estamos em fase de finalização, com 40 pessoas trabalhando na reforma todos os dias — afirmou Furtado. Segundo ele, a decisão da SCPar foi a de realizar uma reforma total na esteira, e não apenas consertar a avaria que causou o problema. Para isso, foram investidos R$ 8,5 milhões, com a construção de uma nova galeria e a troca de várias peças em toda a extensão do corredor 15-B. Em 11 de março, quando a paralisação ocorreu, uma parte de cerca de 40 metros da galeria de uma das duas esteiras de embarque cedeu enquanto uma carga de grãos era transportada. A manutenção do equipamento é de responsabilidade da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), mas, como ela se encontra na unidade portuária, a reforma total cabe à empresa gestora. Durante uma semana após o acidente, as duas esteiras do terminal graneleiro foram desativadas, para garantir que a movimentação de uma delas não causasse mais problemas na estrutura da galeria que cedeu. Com isso, uma fila maior do que o normal se formou no terminal portuário e o tempo de espera chegou a 25 dias em 12 de abril. Agora, segundo Furtado, há quatro navios na barra e a espera está avaliada em dez dias. Ele também defende que a expedição está ocorrendo com mais da metade da capacidade.— A correia em funcionamento está operando com 70% da capacidade em relação a quando ambas estão atuando, que é de 50%. Então, o atraso é pequeno — garante.As empresas que operam no Porto de São Francisco do Sul temem que a sobrecarga na esteira que está em funcionamento cause avaria semelhante à que ocorreu em março. Além disso, o representante de uma empresa afirma que muitos navios foram deslocados para descarregamento em outros portos, evitando filas em São Francisco. A SCPar já informou anteriormente que foi feito um laudo para confirmar a viabilidade de aumentar o volume na expedição da esteira em funcionamento. O presidente da empresa também reafirmou que há um plano de ação para reformar a outra esteira assim que a primeira esteja totalmente recuperada. A obra ocorrerá com recursos próprios, da mesma forma que a atual, um edital de licitação deverá ser aberto ainda neste ano.Porto Alegre, RSA NotíciaObras no terminal graneleiro do Porto de São Francisco do Sul têm conclusão adiada A Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-obras-no-terminal-graneleiro-do-porto-de-sao-francisco-do-sul-tem-conclusao-adiada-10353835Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24370823SC Que Dá Certo contou histórias de sucesso em São Bento do Sul Encontro realizado na Univille, em São Bento do Sul, reuniu mais de 300 pessoas na noite de ontem para conhecer trajetórias de empresas2018-05-23T10:29:58-03:002018-05-23T10:29:58-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSJose Somensi.SC Que Dá Certo contou histórias de sucesso em São Bento do Sul A Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24370823Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-sc-que-da-certo-contou-historias-de-sucesso-em-sao-bento-do-sul-10352606SC Que Dá Certo contou histórias de sucesso em São Bento do Sul Encontro realizado na Univille, em São Bento do Sul, reuniu mais de 300 pessoas na noite de ontem para conhecer trajetórias de empresas2018-05-23T10:29:58-03:002018-05-23T10:29:58-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO painel SC Que Dá Certo, realizado em São Bento do Sul ontem à noite, apresentou histórias de sucesso de empresas dos segmentos têxtil, moveleiro e de eventos. O encontro, realizado no auditório da Univille e conduzido pelo apresentador do NSC Notícias Fabian Londero, contou com a participação de representantes da Buddemeyer, Neumóveis, Feistock e Móveis Lima. Um público de mais de 300 pessoas acompanhou a apresentação das trajetórias e dicas dadas pelos empreendedores.Os quatro painelistas dividiram um pouco os desafios de manter uma empresa na ativa em um cenário cada vez mais competitivo.O diretor comercial Rafael Bud- demeyer contou a história da empresa fundada em 1937 pelo bisavô, Friedrich Bernard Buddemeyer, e falou da responsabilidade de comandar a empresa da família. O administrador também compartilhou dicas para quem deseja empreender. Para ele, a melhor maneira de progredir na carreira é aliar dedicação e boas escolhas.- Para se preparar e evoluir se tem, muitas vezes, que abdicar de momentos, inclusive pessoais. Saber escolher é um dos maiores desafios - disse.Neuri Hubel, sócio-proprietário da Neumóveis, contou a trajetória da empresa desde 1997, passando por momentos difíceis até conseguir mudar o layout de produção e manter o mesmo faturamento reduzindo a mão de obra a 60%. Ele dividiu o palco com Nádia, a esposa, que é sócia no negócio.O empresário Jonathan Linzmeyer diretor comercial da Feistock, abordou a necessidade de persistir para prosperar:- O maior desafio sempre é o início. Você cria uma empresa no sonho, trabalha na fé e realiza no pensamento. Foram 10 anos de investimento. Sempre pagando conta antes de receber. A Feistock iniciou sem faturamento. Eu e meu sócio, o Julio, trabalhávamos em outras empresas para bancar o empreendimento. Hoje, temos o giro de caixa antecipado - contou.Foto: Jose Somensi. / DivulgaçãoO sócio-proprietário da Acabamento de Móveis Lima, Adriel Lima, disse em sua explanação que foi um grande desafio assumir com o irmão a empresa do pai, em 2015. Entre as soluções adotadas, ele destacou o controle e indicadores diários de produção e controles financeiros:- Foram medidas que nos deram lucro e a possibilidade de um crescimento ainda maior.ServiçoO quê: Painel SC Que Dá CertoOnde: AraranguáQuando: 4 de junhoComo participar: Inscrições gratuitas no site www.scquedacerto.com.brIniciativa: NSC TVOferecimento: Crea-SC, Fecoagro, Fiesc e SescProgramação4/06 - Araranguá 19/06 - Joaçaba3/07 - São Miguel do OestePorto Alegre, RSA NotíciaSC Que Dá Certo contou histórias de sucesso em São Bento do Sul A Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-sc-que-da-certo-contou-historias-de-sucesso-em-sao-bento-do-sul-10352606Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24369402Consumidores encontram gasolina mais cara nesta semana em JoinvilleDesde a última pesquisa da ANP - entre 13 e 19 de maio - e esta semana, preço médio da gasolina comum passou de R$ 3,71 para R$ 4,052018-05-22T15:49:57-03:002018-05-22T15:49:57-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteConsumidores encontram gasolina mais cara nesta semana em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24369402Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-consumidores-encontram-gasolina-mais-cara-nesta-semana-em-joinville-10351894Consumidores encontram gasolina mais cara nesta semana em JoinvilleDesde a última pesquisa da ANP - entre 13 e 19 de maio - e esta semana, preço médio da gasolina comum passou de R$ 3,71 para R$ 4,052018-05-22T15:49:57-03:002018-05-22T15:49:57-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brOs motoristas que precisaram abastecer o carro nesta semana, em Joinville, encontraram a gasolina quase 10% mais cara. A última pesquisa realizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), no período de 13 a 19 de maio em 19 estabelecimentos, apontou que o preço médio praticado na cidade era de R$ 3,713. Já nesta terça-feira, a equipe de "AN" consultou os mesmos locais, o valor médio encontrado chegou a R$ 4,052. Já a variação atual no preço da gasolina comum entre os postos da cidade varia em até R$ 0,33. Em alguns locais, o preço mais baixo por litro chegou a R$ 3,95 e o mais alto alcança a marca de R$ 4,29. O aumento nos preços do combustível começou no final do mês de abril, após uma ligeira queda nos valores. — A impressão que eu tenho é que está subindo um pouquinho a cada dia, porque sempre que venho abastecer e o litro está mais caro — conta a professora Jéssica da Silva, 23 anos.Apesar de morar em Jaraguá do Sul, a jovem, vez por outra, abastece o carro em um posto na zona Sul de Joinville. Segundo Jéssica, tanto aqui quanto em Jaraguá, o preço aumenta a cada semana. Ela conta que já chegou a pagar chegando a R$4,12 em alguns postos. A percepção da professora - do aumento gradual neste último mês – condiz com os dados apresentados pelo Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Santa Catarina (Sindipetro). De acordo com o sindicato, desde 1º de maio até esta terça-feira (22), o preço de venda da gasolina para as distribuidoras aumentou 14,97%. O número representa acréscimo de 8,02% pontos percentuais, em comparação com a variação do mês de abril, quando o aumento chegou a 6,95%. Este aumento praticado pela Petrobras para a venda do combustível às distribuidoras reflete no preço que o consumidor paga na bomba, já que ainda há o incremento de impostos. Até chegar ao bolso do consumidor há um longo caminho. Ainda são acrescidos outros valores que elevam o preço, como os impostos, o valor de frete do combustível pago pelos donos dos postos e ainda as despesas dos estabelecimentos, impactando no valor final que o cliente encontra nas bombas. Em alguns locais de Joinville, o lucro dos proprietários fica menor do que 15 centavos por litro. Foto: Salmo Duarte / A NotíciaAudiência debate preços Nesta quarta-feira, o presidente do Sindipetro de SC, Luiz Antonio Amin, irá participar de uma audiência pública em Brasília para acompanhar o debate sobre os preços dos combustíveis. A discussão atende um pedido da Federação do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíves), que pretende esclarecer os impactos que a política de preços dos combustíveis adotada pela Petrobras em suas refinarias, desde julho de 2017, está trazendo para o orçamento das famílias e empresas. Fora isso, a audiência também pretende identificar alternativas para minimizar a insegurança e garantir mais previsibilidade à política de ajustes de preços dos combustíveis. — O revendedor não sabe quanto pagará pelo produto na próxima compra. Além disso, muitas vezes é acusado injustamente de praticar altos preços, visto que os valores divulgados pela refinaria não levam em consideração o valor dos impostos pagos, dando a entender que todo lucro é do posto, o que não condiz com a realidade — afirma.Leia maisConfira mais notícias de Joinville e região no NSC TotalPorto Alegre, RSA NotíciaConsumidores encontram gasolina mais cara nesta semana em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-consumidores-encontram-gasolina-mais-cara-nesta-semana-em-joinville-10351894Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24365382SC Que Dá Certo apresenta estratégias inovadoras de empreendedorismo em São Bento do SulPainel com representantes da Buddemeyer, Neumóveis, Feistock e Acabamento de Móveis Lima será nesta terça-feira, no auditório da Univille, às 18h2018-05-22T07:00:02-03:002018-05-22T07:00:02-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSdivulgaçãoSC Que Dá Certo apresenta estratégias inovadoras de empreendedorismo em São Bento do SulA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24365382Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-sc-que-da-certo-apresenta-estrategias-inovadoras-de-empreendedorismo-em-sao-bento-do-sul-10349118SC Que Dá Certo apresenta estratégias inovadoras de empreendedorismo em São Bento do SulPainel com representantes da Buddemeyer, Neumóveis, Feistock e Acabamento de Móveis Lima será nesta terça-feira, no auditório da Univille, às 18h2018-05-22T07:00:02-03:002018-05-22T07:00:02-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brManter-se atualizado pode ser um diferencial importante em um cenário cada vez mais desafiador para quem empreende ou deseja abrir um negócio próprio. Uma boa oportunidade para se conectar com o que há de novo sobre empreendedorismo é a série de painéis do "SC Que Dá Certo". O projeto que promove líderes que são referências em suas áreas chega a São Bento do Sul nesta terça-feira (21), a partir das 18h.O painel será no auditório da Univille e terá a participação do diretor-comercial da Buddemeyer, Rafael Buddemeyer, o sócio-proprietário da Neumóveis, Neuri Hubel, o sócio-diretor da Feistock, Joanathan Roger Linzmeyer, e o sócio-proprietário da Acabamento de Móveis Lima, Adriel Lima. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site www.scquedacerto.com.br. A apresentação do evento será feita pelo apresentador do NSC Notícias, Fabian Londero. Após a apresentação de cada case, o jornalista mediará a interação do público com os painelistas, em um bate-papo dinâmico sobre empreendedorismo.A participação de abertura será feita por Rafael Buddemeyer, diretor-comercial da Buddemeyer, empresa fundada em Itajaí, no ano de 1937, e que ficou conhecida por diversos produtos, entre eles a toalha de algodão egípcio. Rafael é administrador de empresas, tem especialização em gestão estratégica de negócios e em varejo, além de um MBA concluído nos EUA, onde iniciou sua carreira como vendedor da Lintex.Neuri Hubel, segundo painelista da noite, vai contar um pouco da história da Neumóveis, que começou em 1998 sem nenhum funcionário e hoje tem colhido resultados positivos após uma mudança recente nos processos da fábrica, que garantiu mais produção, com menos mão-de-obra.Na sequência, Jonathan Roger Linzmeyer, fundador da TBS Feiras e Eventos, vai falar do fenômeno Feistock. Promovida pela primeira vez 2004, a Feira de Móveis e Decoração se consolidou na cidade e já conta com 27 edições realizadas, batendo recordes em vendas e visitantes.Para encerrar o painel de São Bento do Sul, Adriel Lima, sócio-proprietário da Acabamento de Móveis Lima, vai compartilhar com a plateia a difícil missão de assumir com o irmão a empresa do pai. Entre os feitos da dupla, está o aumento em 50 % do faturamento nos piores anos da crise. O "SC Que Dá Certo" é um projeto da NSC TV, com oferecimento do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-SC), a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (Fecoagro), a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e o Serviço Social do Comércio (Sesc).ServiçoO que: Painel SC Que Dá CertoQuando: Terça-feira (22), às 18hOnde: Auditório da Univille, em São Bento do SulComo participar: Inscrições gratuitas no site www.scquedacerto.com.brIniciativa: NSC TVApoio: Crea-SC, Fecoagro, Fiesc e SescProgramação22/05 - São Bento do Sul05/06 - Araranguá19/06 - Joaçaba3/07 - São Miguel do OestePorto Alegre, RSA NotíciaSC Que Dá Certo apresenta estratégias inovadoras de empreendedorismo em São Bento do SulA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-sc-que-da-certo-apresenta-estrategias-inovadoras-de-empreendedorismo-em-sao-bento-do-sul-10349118Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24354116Painelista do SC Que Dá Certo dá dicas sobre gestão de carreiraRafael Buddemeyer, da Buddemeyer, é um dos convidados do terceiro evento do projeto da NSC TV, que será nesta terça-feira (21), às 18h, no auditório da Univille2018-05-21T16:56:03-03:002018-05-21T16:56:03-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSdivulgaçãoPainelista do SC Que Dá Certo dá dicas sobre gestão de carreiraA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24354116Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-painelista-do-sc-que-da-certo-da-dicas-sobre-gestao-de-carreira-10349116Painelista do SC Que Dá Certo dá dicas sobre gestão de carreiraRafael Buddemeyer, da Buddemeyer, é um dos convidados do terceiro evento do projeto da NSC TV, que será nesta terça-feira (21), às 18h, no auditório da Univille2018-05-21T16:56:03-03:002018-05-21T16:56:03-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brNa trajetória de um empreendedor, pensar a gestão da carreira é fundamental para se destacar, atingir os objetivos e alcançar o almejado sucesso. Atualmente diretor-comercial da Buddemeyer, uma das grandes empresas da indústria têxtil de Santa Catarina, Rafael Buddemeyer é o exemplo de quem aliou formação e experiências no mercado. Formado em administração, possui especialização estratégica de negócios e em gestão de varejo, além de um MBA nos EUA, onde iniciou a carreira como vendedor da Lintex. No Brasil, foi auditor, consultor e coordenador em empresas de Curitiba, antes de assumir o cargo de gerente-comercial da Buddemeyer SA. Rafael será um dos painelistas do segundo evento do "SC Que Dá Certo", nesta terça-feira (21), às 18h, no auditório da Univille, em São Bento do Sul. Promovido pela NSC TV e mediado pelo apresentador do NSC Notícias, Fabian Londero, estarão ao lado do administrador o sócio-proprietário da Neumóveis, Neuri Hubel, o sócio-diretor da Feistock, Jonathan Linzmeyer, além do sócio-proprietário da Acabamento de Móveis Lima, Adriel Lima. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site www.scquedacerto.com.br.Confira abaixo algumas dicas do Rafael Buddemeyer para gerir melhor sua carreira:AtitudeBusque sempre o aprendizado contínuo e aproveite as oportunidades em áreas que muitas vezes podem parecer menos atrativas ou interessantes.NetworkingParticipe em associações e grupos, seja virtuais ou físicos. Amplie a rede de contatos. Associações comerciais, grupos de bairros ou até mesmo grupos ligados a um esporte ajudam a ampliar sua rede de comunicação.Autoconhecimento e Marketing PessoalÉ preciso saber primeiro o que não queremos ou não sentimos prazer em fazer. Isto já um grande passo para o autoconhecimento. Mas para poder ter essa opinião, normalmente, deveríamos experimentar para comprovar.Não tenha dúvida que sua carreira é feita por você, não terceirize esta função.Ter um marketing pessoal coerente nos tempos de hoje é premissa básica para ter chance de competir e se destacar no mercado de trabalho.Driblar momentos de instabilidadeBusque observar seus pontos fortes, as habilidades que temos maior aptidão, elas nos trazem a confiança que precisamos para enfrentar as dificuldades na evolução da carreira. DesafiosSaber que para ter crescimento na sua carreira existe muita dedicação e escolhas. Para se preparar e evoluir tens que muitas vezes abdicar de momentos, inclusive pessoais. Saber escolher do que abdicar é um dos maiores desafios.Opção: mudar de áreaQuando você não sente felicidade alguma no que faz, talvez seja o momento de repensar. Nem tudo, em qualquer carreira, tem esta felicidade o tempo todo. Porém, se houver mais frustração e descontentamento é melhor rever se este realmente é o caminho.E se o Rafael pudesse começar de novo...Experimentaria áreas mais novas e tentaria conectar com os conhecimentos pré adquiridos , o mundo de hoje está repleto de oportunidades e transformações.ServiçoO que: Painel SC Que Dá CertoQuando: Dia 22 de maio, às 18hOnde: Auditório da Univille, em São Bento do SulComo participar: Inscrições gratuitas no site www.scquedacerto.com.br (clique aqui)Iniciativa: NSC TVApoio: Crea-SC, Fecoagro, Fiesc e SescProgramação22/05 - São Bento do Sul05/06 - Araranguá19/06 - Joaçaba3/07 - São Miguel do OestePorto Alegre, RSA NotíciaPainelista do SC Que Dá Certo dá dicas sobre gestão de carreiraA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-painelista-do-sc-que-da-certo-da-dicas-sobre-gestao-de-carreira-10349116Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24362336Associações dão força para a produção de mel em JoinvilleUnião de produtores locais fortalece a atividade, garante o abastecimento do mercado na região e amplia lucro com a venda direta ao consumidor2018-05-19T13:35:25-03:002018-05-19T13:35:25-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteAssociações dão força para a produção de mel em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24362336Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-associacoes-dao-forca-para-a-producao-de-mel-em-joinville-10347987Associações dão força para a produção de mel em JoinvilleUnião de produtores locais fortalece a atividade, garante o abastecimento do mercado na região e amplia lucro com a venda direta ao consumidor2018-05-19T13:35:25-03:002018-05-19T13:35:25-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brEm Joinville há pelo menos 2.966 exemplos de organização de trabalho: são colmeias artificiais monitoradas por apicultores de onde são retirados os favos de mel que abastecem a região e parte da exportação que coloca Santa Catarina como o terceiro maior produtor do Brasil. O Estado é o que mais comercializa os derivados para o exterior. Seguindo o exemplo das abelhas, que somam forças por um mesmo objetivo, os produtores joinvilenses se organizam em associações e ajudam a fortalecer a atividade.Nesta semana, a cidade sediou o 36º Congresso Nacional de Apicultura e o 8º Congresso Nacional de Meliponicultura, os mais importantes eventos da área no País. É um sinal da força das associações locais, que trabalharam para que Joinville recebesse os congressos, tornando mais acessível aos produtores as mais de cem palestras, oficinas e cursos realizados. No mesmo período houve uma feira de materiais e equipamentos agrícolas, comércio de produtos e visitas técnicas a propriedades. SC havia sediado o Congresso Nacional de Agricultura pela última vez em 2000.— Esperamos que os congressos ajudem a levar o exemplo de Santa Catarina a outros Estados, porque é referência em qualidade e políticas para a apicultura — afirma o presidente da Confederação Brasileira de Apicultura (CBA), José Soares de Aragão Brito.No Brasil e em Joinville a apicultura é uma atividade secundária para a maioria dos produtores. Ela geralmente é desenvolvida por agricultores com outras fontes de renda, que só recentemente começaram a olhar com mais atenção para essa área e a desenvolver técnicas de manejo. O Estado tem cerca de 9 mil apicultores, mas não mais do que 200 famílias vivem só da atividade. Em Joinville, há 59 apicultores cadastrados e poucos se dedicam apenas à criação de abelhas. Para Aragão Brito, há potencial para que a atividade seja mais rentável, mesmo que não se torne o foco principal do produtor. — A apicultura e a meliponicultura podem ser desenvolvidas até por um cidadão que não tem uma propriedade — diz.É o que ocorre em Joinville, onde uma grande parte dos produtores arrenda espaços em propriedades para manter as colmeias artificiais. Trata-se de uma atividade de baixo investimento e, portanto, acessível. Adquirir uma caixa de madeira com a estrutura de colmeia artificial custa, em média, R$ 100, enquanto uma granja de galinhas requer investimento inicial de R$ 65 mil. Foto: Salmo Duarte / A NotíciaTrabalho requer pouco investimento A produção de Joinville assume cada vez mais importância. O mel dos produtores locais é quase todo consumido na macrorregião de Joinville. Para o presidente da Federação das Associações de Apicultores de Santa Catarina (Faasc), Nério de Medeiros, isso garante ao apicultor um valor melhor, porque diminui o caminho até o consumidor. — Na maioria dos lugares, o produtor vende a R$ 8 o quilo e o comprador vai pagar de R$ 25 a R$ 40 o quilo. Com isso, apenas as classes A e B consomem mel. Em Joinville, mesmo produzindo menos, o apicultor tem uma renda maior, porque consegue vender direto ao consumidor — explica.O coordenador de apicultura do Epagri de SC, Ivanir Cella, salienta que, além disso, Joinville e região se beneficiam da criação de abelhas ao garantirem qualidade dos produtos, sem a perda gerada do processo de industrialização e de envase em grande quantidade. Joinville tem outra característica diferente da maioria das cidades catarinenses que figuram entre as 30 maiores produtoras: a apicultura urbana, que não requer tanto espaço, nem dedicação exclusiva. Novas técnicas de manejo Há pelo menos 30 anos, a propriedade de Amarildo Jacobi no bairro Vila Nova é referência para quem deseja comprar mel em Joinville. A produção começou com o pai dele e é mantida pelo agricultor de 37 anos. No entanto, muita coisa mudou. Enquanto o patriarca utilizava métodos pautados pela intuição e pela prática, Amarildo aderiu a novas técnicas de manejo e tem buscado soluções mais eficientes e baratas para criação de abelhas e extração de mel. — Meu pai mantinha caixotes simples onde as abelhas entravam, faziam os favos e ele "cortava fora". Não tinha os quadros de cera, como agora, e hoje eu centrifugo o mel para fazer a extração — conta. Ilze cultiva espécies nativas, sem ferrão, e aposta no turismo ecológicoFoto: Salmo Duarte / A NotíciaO agricultor tem a plantação de pupunha e de grama preta como principais fontes de renda, mas suas 200 colmeias chegam a render até R$ 40 mil por ano. Destas, 160 são para produção de mel; as outras, para produção e extração de pólen apícola, alimento que pode ser usado em receitas ou consumido in natura. Até pouco tempo, Amarildo ainda comercializava os produtos em casa, como o pai fazia, e com isso vendia apenas a clientes que o conheciam. Com a criação de uma marca pela associação da qual faz parte, a Apicampo (Associação dos Apicultores de Campo Alegre), que reúne cerca de 25 membros de Joinville e de Campo Alegre, ele coloca os produtos em mercados e empórios.— Com a marca, podemos vendê-los legalmente — explica Ilze Pabst, presidente da Apicampo.Joinville ocupa no Estado o 22º lugar em produção de mel, segundo última pesquisa promovida pela Faasc. À frente estão cidades pequenas, de perfil agrícola e com estações mais bem definidas, como Bom Retiro, Urubici, São Bento do Sul e Rio Negrinho – as duas últimas ao Norte de Santa Catarina.Abelhas nativas ajudam a perpetuar a espécie Foto: Salmo Duarte / A NotíciaIlze Pabst também tem a apicultura como herança do pai. Ela mantém um apiário e, em sua propriedade no distrito de Pirabeiraba, promove o turismo rural e pedagógico ao apresentar as abelhas nativas aos visitantes. Conhecidas como meliponas, elas não têm ferrão e, por isso, não apresentam risco. Produzem pouco, mas são importantíssimas para a polinização. De acordo com o presidente da Faasc, há em SC pelo menos 40 mil caixas de abelhas que prestam serviços de polinização. Por esse serviço, outros agricultores pagam em torno de R$ 80 por caixa, fazendo girar cerca de R$ 3,2 milhões anualmente neste setor.— Quando se fala em apicultura, o primeiro pensamento é o mel, mas ele é um subproduto. O principal é o serviço de polinização, que contribui com a perpetuação da espécie vegetal e na produção de alimentos. A sociedade precisa estar ciente disso e proteger o apicultor, porque dependemos muito das abelhas — afirma Nézio. É por isso que, apesar de a apicultura não garantir retorno financeiro tão alto quanto outras culturas, o Epagri de Santa Catarina tem dedicado investimento em pesquisas e planejado formas de desenvolvimento para os produtores. Segundo Ivanir Cella, atualmente todas as unidades de gestão técnica da Epagri têm um técnico com conhecimento na área e pelo menos 10 mil atendimentos são feitos anualmente – o que é pouco, porque representa menos de dois atendimentos por ano para cada apicultor. Em compensação, o associativismo dos produtores garante que as informações sejam compartilhadas. SAIBA MAIS:— Em 2000, o Brasil era o 25º produtor de mel do mundo; — Em 2018, o Brasil assumiu a 8ª posição de maior produtor de mel do mundo;— A expectativa é de que em cinco anos, o Brasil esteja no 3º lugar;— A China é o maior produtor mundial de mel, com 350 mil toneladas anuais; — O Brasil produz cerca de 45 mil toneladas anuais; — O país produz, em média, 5 quilos de mel por quilômetro quadrado; — Santa Catarina produz, em média, 65 quilos por quilômetro quadrado.Porto Alegre, RSA NotíciaAssociações dão força para a produção de mel em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-associacoes-dao-forca-para-a-producao-de-mel-em-joinville-10347987Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24354118SC Que Dá Certo confirma mais dois nomes para evento nesta terça-feira em São Bento do SulAdriel Lima, da Acabamento Móveis Lima, e Neuri Hubel, da Neumóveis, são os nomes confirmados 2018-05-19T10:23:53-03:002018-05-19T10:23:53-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSdivulgaçãoSC Que Dá Certo confirma mais dois nomes para evento nesta terça-feira em São Bento do SulA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24354118Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-sc-que-da-certo-confirma-mais-dois-nomes-para-evento-nesta-terca-feira-em-sao-bento-do-sul-10347878SC Que Dá Certo confirma mais dois nomes para evento nesta terça-feira em São Bento do SulAdriel Lima, da Acabamento Móveis Lima, e Neuri Hubel, da Neumóveis, são os nomes confirmados 2018-05-19T10:23:53-03:002018-05-19T10:23:53-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO SC Que Dá Certo, projeto da NSC TV que promove o empreendedorismo em Santa Catarina, confirmou mais dois nomes para o painel de São Bento do Sul. O sócio-proprietário da Acabamento de Móveis Lima, Adriel Lima, e o sócio-proprietário da Neumóveis, Neuri Hubel, irão se juntar ao diretor-comercial da Buddemeyer, Rafael Buddemeyer, e o sócio-diretor da Feystock, Jonathan Linzmeyer no palco do auditório da Univille, a partir das 18h desta terça-feira (22). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site. Com mediação do apresentador do NSC Notícias, Fabian Londero, os convidados vão compartilhar um pouco de suas trajetórias no mundo dos negócios e dar dicas para quem deseja empreender. Administrador por formação, Adriel Lima assumiu com o irmão, Éder, a empresa do pai, que desde 1994 presta serviços de acabamentos de móveis na região. Embora jovens, os dois driblaram a crise e conseguiram aumentar em 50 % do faturamento nos últimos anos. Também empresário do ramo mobiliário, Neuri Hubel promoveu nos últimos dois anos mudanças drásticas nos processos da fábrica, iniciada em 1998. O resultado foi um crescimento eficiente, produzindo mais com menos colaboradores. O SC Que Dá Certo é um projeto da NSC TV, com oferecimento do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-SC), a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (Fecoagro), a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e o Serviço Social do Comércio (Sesc).Conheça os painelistas de São Bento do SulRafael BuddemeyerFoto: divulgação / divulgaçãoRafael Byddemeyer, diretor-comercial da Buddemeyer, é formado em Administração de empresas, tem especialização em Gestão estratégica de negócios e em Gestão de varejo, além de um MBA concluído nos Estados Unidos. Começou a carreira profissional como vendedor da Lintex, dos Estados Unidos. De volta ao Brasil, trabalhou como auditor e consultor e depois coordenador em empresas de Curitiba e em 2004 assumiu o cargo de gerente comercial na Buddemeyer SA. Exerceu essa atividade até 2012, quando passou a ocupar o cargo de Diretor Comercial da empresa. A Buddemayer foi fundada em 1937 na cidade de Itajaí pelo imigrante alemão Friedrich Bernard Buddemeyer, que trouxe do país de origem a experiência na engenharia têxtil. A empresa começou como uma indústria de teares e, em 1951, quando foi transferida para São Bento do Sul, passou a fabricar produtos têxteis. Ao longo do tempo, a Buddemeyer ficou conhecida por diversos produtos, entre eles a toalha de algodão egípcio, que chegou a ser considerado o melhor do mundo. Atualmente, a empresa tem duas fábricas, em São Bento do Sul e Campo Alegre, onde trabalham 1.200 pessoas.Jonathan Roger LinzmeyerFoto: divulgação / divulgaçãoJonathan é empresário, fundador da TBS Feiras e Eventos, empresa que organiza a Feistock – Feira de Móveis e Decoração que se consolidou na cidade de São Bento do Sul e já teve 27 edições realizadas. Começou em 2004, pra ajudar moveleiros de São Bento do Sul, Rio Negrinho e Campo Alegre a escoarem seus estoques que sobravam de exportações e que, com o passar dos anos, com as crises no setor, se tornou essencial para as empresas divulgarem suas marcas para lojistas e consumidores. Jonathan também é proprietário da Central de Negócios, empresa de gestão empresarial e que comercializa os espaços da Promosul, local da Feistock. Além disso, sua experiência é levada a outros empreendedores, através de palestras e também dos órgãos que participa. Já foi Presidente do Clube de Dirigentes Industriais de São Bento do Sul, tesoureiro fundador da Associação de Transportes Rodoviários do Norte Catarinense e é o atual presidente da Associação Comercial e Industrial de São Bento do Sul.Adriel LimaAdriel Lima, sócio-proprietário da Acabamento de Móveis Lima, é formado em administração e em 2013 assumiu junto com o irmão, Éder, a empresa do pai, que desde 1994 prestava serviços de acabamentos de móveis para empresas da região. Embora no início a sucessão tenha gerado insegurança, já que ele estava com 26 anos e o irmão 23, à frente da empresa os dois conseguiram resultados surpreendentes. Desde que assumiram a gestão, Adriel e Éder buscaram a ajuda do Sebrae para melhorar os processos e, nos piores anos da crise econômica, conseguiram aumentar o faturamento da empresa em 50%, sem aumentar o número de funcionários. A perspectiva é um crescimento ainda maior em 2018. Neuri Hubel Neuri Hubel é sócio-proprietário Neumóveis, que fabrica estruturas de camas-box para empresas como a Ecoflex e Mannes, ambas do Norte catarinense. O empresário começou sua vida profissional como funcionário da Ecoflex, aos 16 anos, mas o avô já trabalhava com madeira, o que acabou por inspirar nele a vontade de empreender. Em 1998, iniciou a Neumóveis, em São Bento do Sul, sem nenhum funcionário. Há cerca de dois anos, iniciou uma mudança drástica nos processos da fábrica, produzindo mais, com menos colaboradores. O faturamento também vem crescendo consideravelmente.ServiçoO que: Painel SC Que Dá CertoQuando: Dia 22 de maio, às 18hOnde: Auditório da Univille, em São Bento do SulComo participar: Inscrições gratuitas no site www.scquedacerto.com.br (clique aqui)Iniciativa: NSC TVApoio: Crea-SC, Fecoagro, Fiesc e SescProgramação22/05 - São Bento do Sul05/06 - Araranguá19/06 - Joaçaba3/07 - São Miguel do OestePorto Alegre, RSA NotíciaSC Que Dá Certo confirma mais dois nomes para evento nesta terça-feira em São Bento do SulA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-sc-que-da-certo-confirma-mais-dois-nomes-para-evento-nesta-terca-feira-em-sao-bento-do-sul-10347878Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24354118Terceiro painel do SC que Dá Certo será em São Bento do SulEvento será na próxima terça-feira, dia 22, na Univille e terá empresários da Buddemeyer e da Feystock2018-05-16T16:14:56-03:002018-05-16T16:14:56-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSdivulgaçãoTerceiro painel do SC que Dá Certo será em São Bento do SulA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24354118Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-terceiro-painel-do-sc-que-da-certo-sera-em-sao-bento-do-sul-10342987Terceiro painel do SC que Dá Certo será em São Bento do SulEvento será na próxima terça-feira, dia 22, na Univille e terá empresários da Buddemeyer e da Feystock2018-05-16T16:14:56-03:002018-05-16T16:14:56-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brUma vida dedicada à educação e duas trajetórias de exímios negociadores estarão em destaque no terceiro painel da série SC Que Dá Certo, projeto da NSC TV que coloca em evidência cases catarinenses de empreendedorismo. As inscrições estão abertas para participar do evento, que será realizado no dia 22 de maio, no Auditório da Univille, em São Bento do Sul, a partir das 18h. Estarão no palco Rafael Buddemeyer, diretor-comercial da Buddemeyer e Jonathan Roger Linzmeyer, sócio-diretor da Feystock.Empresários de sucesso, os painelistas irão dividir com o público um pouco de suas trajetórias e analisar o cenário econômico atual com foco nas oportunidades. A apresentação fica a cargo do apresentador do NSC Notícias, Fabian Londero, que vai mediar um bate-papo com perguntas feitas pela plateia aos convidados. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pelo site www.scquedacerto.com.br. Além da série de painéis, a terceira temporada do projeto pode ser acompanhada pelos veículos da NSC Comunicação e ganha destaque na NSC TV, com reportagens no NSC Notícias, no Bom dia Santa Catarina e na página especial do G1 Santa Catarina.Depois de São Bento do Sul, o projeto vai passar ainda pelas cidades de Araranguá (05/06), Joaçaba (19/06) e São Miguel do Oeste (03/07). O SC Que Dá Certo é uma promoção da NSC TV, com oferecimento do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-SC), a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (Fecoagro), a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e o Serviço Social do Comércio (Sesc).Conheça os painelistas de São Bento do SulRafael BuddemeyerFoto: divulgação / divulgaçãoDiretor-comercial da Buddemeyer, é formado em Administração de empresas, tem especialização em Gestão estratégica de negócios e em Gestão de varejo, além de um MBA concluído nos Estados Unidos. Começou a carreira profissional como vendedor da Lintex, dos Estados Unidos. De volta ao Brasil, trabalhou como auditor e consultor e depois coordenador em empresas de Curitiba e em 2004 assumiu o cargo de gerente comercial na Buddemeyer SA. Exerceu essa atividade até 2012, quando passou a ocupar o cargo de Diretor Comercial da empresa. A Buddemayer foi fundada em 1937 na cidade de Itajaí pelo imigrante alemão Friedrich Bernard Buddemeyer, que trouxe do país de origem a experiência na engenharia têxtil. A empresa começou como uma indústria de teares e, em 1951, quando foi transferida para São Bento do Sul, passou a fabricar produtos têxteis. Ao longo do tempo, a Buddemeyer ficou conhecida por diversos produtos, entre eles a toalha de algodão egípcio, que chegou a ser considerado o melhor do mundo. Atualmente, a empresa tem duas fábricas, em São Bento do Sul e Campo Alegre, onde trabalham 1.200 pessoas.Jonathan Roger LinzmeyerFoto: divulgação / divulgaçãoEmpresário, fundador da TBS Feiras e Eventos, empresa que organiza a Feistock – Feira de Móveis e Decoração que se consolidou na cidade de São Bento do Sul e já teve 27 edições realizadas. Começou em 2004, pra ajudar moveleiros de São Bento do Sul, Rio Negrinho e Campo Alegre a escoarem seus estoques que sobravam de exportações e que, com o passar dos anos, com as crises no setor, se tornou essencial para as empresas divulgarem suas marcas para lojistas e consumidores.Jonathan também é proprietário da Central de Negócios, empresa de gestão empresarial e que comercializa os espaços da Promosul, local da Feistock. Além disso, sua experiência é levada a outros empreendedores, através de palestras e também dos órgãos que participa. Já foi Presidente do Clube de Dirigentes Industriais de São Bento do Sul, tesoureiro fundador da Associação de Transportes Rodoviários do Norte Catarinense e é o atual presidente da Associação Comercial e Industrial de São Bento do Sul.ServiçoO que: Painel SC Que Dá CertoQuando: Dia 22 de maio, às 18hOnde: Auditório da Univille, em São Bento do SulComo participar: Inscrições gratuitas no site www.scquedacerto.com.br (clique aqui)Iniciativa: NSC TVApoio: Crea-SC, Fecoagro, Fiesc e SescProgramação22/05 - São Bento do Sul05/06 - Araranguá19/06 - Joaçaba3/07 - São Miguel do OestePorto Alegre, RSA NotíciaTerceiro painel do SC que Dá Certo será em São Bento do SulA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-terceiro-painel-do-sc-que-da-certo-sera-em-sao-bento-do-sul-10342987Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24339831As lições e as inspirações da Expogestão 2018 em JoinvilleTemas abordados em 14 palestras reforçam entendimento de que vivemos uma era de transformações exponenciais, que impactam no mundo dos negócios2018-05-11T20:26:38-03:002018-05-11T20:26:38-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteAs lições e as inspirações da Expogestão 2018 em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24339831Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-as-licoes-e-as-inspiracoes-da-expogestao-2018-em-joinville-10337007As lições e as inspirações da Expogestão 2018 em JoinvilleTemas abordados em 14 palestras reforçam entendimento de que vivemos uma era de transformações exponenciais, que impactam no mundo dos negócios2018-05-11T20:26:38-03:002018-05-11T20:26:38-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brOs temas abordados ao longo das 14 palestras nacionais e internacionais durante os três dias da Expogestão 2018, em Joinville, reforçaram o entendimento de que vivemos uma era de transformações exponenciais, que impactam o mundo dos negócios. Com um convite para conectar o público participante, de 6,6 mil pessoas, às tendências que se desenham para o futuro, o evento cumpriu seu papel e, hoje, você confere os ensinamentos que ficaram e merecem ser aplicados na prática.Leia mais notícias de Economia e negócios na coluna de Claudio LoetzO perfil do profissional do futuroO perfil do profissional do amanhã foi um dos temas abordados por pelo menos três palestrantes durante os três dias de Expogestão. Com a transformação tecnológica e a automatização de processos, o modelo de trabalho deve mudar ao longo dos anos, requisitando novas competências e habilidades dos profissionais.O presidente da PageGroup, Gijs van Delft, mostrou estudos que apontam previsões até 2050, quando 65% das profissões que as crianças terão ainda não existem e 800 milhões de empregos devem acabar por causa da robótica e inteligência artificial. Por outro lado, haverá a criação de duas novas vagas para cada uma extinta. O desafio é que essas vagas não necessariamente serão as mesmas para as quais os profissionais de hoje estão se capacitando.Carlos Magariños, embaixador da Argentina no BrasilFoto: Salmo Duarte / A Notícia"O segredo não é tentar competir contra as máquinas. Temos que achar a forma de trabalhar com elas. Isso nos pede que mudemos de habilidades ou criemos e fortaleçamos algumas competências novas. O pensamento critico, a identificação de padrões de grande magnitude e a comunicação completa com outra pessoa, ao menos hoje, são habilidades que os humanos fazem melhor do que os computadores. É como podemos agregar valor ao processo."Carlos Magariños, embaixador da Argentina no BrasilGijs van Delft, CEO da PageGroup BrasilFoto: Salmo Duarte / A Notícia"A transformação digital não é só uma ameaça, mas pode ser uma oportunidade. É preciso ver quem você quer ser nesse novo mercado. Qual valor quer agregar?" Gijs van Delft, CEO da PageGroup BrasilPeter Walker, sócio da R&G Global ConsultantsFoto: Salmo Duarte / A Notícia"O DNA diferente e que deve ser observado, está na capacidade de entender as mudanças que são necessárias, ter paixão para fazer com que as coisas ocorram. A crença está em você querer melhorar sua empresa, nunca se satisfazer com o status quo. É desafiar seus paradigmas atuais, ter comprometimento e entrega de impacto capazes de gerar melhorias significativas à organização." Peter Walker, sócio da R&G Global ConsultantsLeitura de cenáriosConheça, em frases, as tendências que se desenham para os futuros econômicos, políticos e tecnológicos:"O comércio bilateral entre a China e o Brasil cresceu 30% no ano passado, alcançando US$ 87,5 bilhões. A meta é aumentar esses números, em via de mão dupla, possibilitando benefícios mútuos aos dois países. Queremos ser parceiros e caminhar juntos." Li Jinzhang, embaixador da China no Brasil, sobre o futuro das relações comerciais entre as duas nações."Inovação bem-sucedida raramente é resultado de sorte, surge de disciplina e melhoria contínua, no qual você precisa olhar para o mercado em busca de novas ideias e oportunidades. Ela ocorre de forma rápida e é preciso escolher o tempo e os parceiros certos. Quem não acompanhar esse ritmo, facilmente se tornará um dinossauro." Robert Pearlstein, vice-presidente do Stanford Research Institute (SRI), sobre os avanços tecnológicos."Se tivermos mais crescimento econômico e governança política teremos o crescimento sustentado; se a governança não melhorar e as reformas não forem feitas, vamos parar na tempestade perfeita." Carlos Alberto Primo Braga, mestre e doutor em economia, sobre as perspectivas econômicas do País."O presidente vai ter que fazer uma reforma que tira benefícios do presente para garantir os benefícios do futuro. Essa é a reforma mais difícil porque quem perde sabe que está perdendo." Rafael Cortez, doutor em ciência política, sobre os desafios do futuro presidente do Brasil."As criptomoedas representam uma evolução maior do que a própria internet, porque pela primeira vez é possível alcançar a confiança entre atores completamente desconhecidos. Isso se dá, porque a segurança do sistema incentiva o comportamento honesto - entre iguais - e facilita o acesso a um sistema financeiro aberto, sem intermediação de bancos ou autoridades monetárias." Fernando Ulrich, especialista em criptomoedas do Grupo XP, sobre as potencialidades das moedas digitais.O futuro das organizaçõesA revolução tecnológica, principalmente na esfera digital, segue em ascensão e vem se mostrando desafiadora a velhos paradigmas, como o modo de relação entre empresas e clientes, o destino dos investimentos e a conquista de espaço no mercado. Impactos diretos dessa transformação já são sentidos no meio corporativo, a partir do que é feito hoje e o que se espera do amanhã. Parte dos modelos de negócios atuais, por exemplo, tem sua sobrevivência colocada à prova, tendo urgência na criação de novas iniciativas, de preparação e "sacadas inteligentes". Essas são algumas das reflexões mais fortes deixadas pelos nomes que passaram pela Expogestão, que vislumbram nessa realidade um caminho de soluções e oportunidades. Nesse contexto, o papel que se impõe a funcionários, executivos, gestores e líderes está em construir o sucesso das organizações nas quais atuam, encarando de frente os desafios e não os enxergando como um problema. E para tornar essa travessia mais natural, elaboramos com base nas lições trazidas pela Expogestão, cinco dicas valiosas para empresas que almejam sucesso no mundo futuro dos negócios: 1- Reconheça e invista em talentos: o uso de tecnologia de ponta não garante sozinho o sucesso de uma organização. "Máquinas você compra, dinheiro você pede emprestado se tem crédito, mas a motivação das pessoas é a base do êxito." Essa fórmula ensinada por Décio da Silva, presidente do conselho da WEG, demonstra a importância de se investir em bons profissionais para o alcance dos resultados esperados. Vince Molinaro, diretor global de Gestão de Soluções de Liderança da Lee Hecht Harrison (LHH), reforça o conselho aos líderes. "Precisamos de líderes responsáveis, então alinhe e engaje seus funcionários e deixe um legado de liderança forte. Trata-se de fortalecer seus líderes para que fortaleçam sua organização, de forma a entregar valor aos clientes, acionistas e sociedade." 2- Aprenda a lidar com ativos intangíveis: em tese a empresa tem que aprender a aprender, a se adaptar em um cenário que não estava previsto e, no fluxo com que as coisas se impõem. A lição é de Ricardo Guimarães, presidente da Thymus Branding, que acredita que as marcas podem ser eternas, desde que você ofereça experiências extraordinárias, algumas, ainda impensáveis. “Viemos de uma sociedade com instituições em que as pessoas apenas cumprem ordens, são ativos tangíveis. A sociedade que estamos vivendo são de pessoas que veem o significado das ações. Agora temos que aprender a lidar com os ativos intangíveis”, justifica. 3- Inove na velocidade das transformações: "A mudança é muito grande, urgente e difícil, mas a narrativa é simples: nós já passamos da era da inovação, o nosso mundo, as nossas indústrias estão sendo completamente reescritas. É preciso ter agilidade; inovação e escalabilidade. Alguns setores já passaram por isso, como mídia e telefonia, no qual, empresas sumiram e outras gigantes nasceram nesse tempo". O período descrito por Oliver Cunningham, da KPMG, é recente e as transformações continuam pulsantes e de forma rápida. A saída para quem quer pegar carona no surgimento de novos modelos de negócios é apostar no todo. "Nossa visão deve entender a transformação digital como a transformação da estrutura inteira, não como um tema restrito. É preciso encarar esse desafio de frente, porque ninguém quer trabalhar, investir ou mesmo comprar em uma empresa antiquada."4- Encare os desafios: conquistar relevância e conseguir mantê-la exige atenção e alerta. Ricardo Guimarães é categórico e afirma que uma cultura de empresa para que ela sobreviva ao ambiente não é a calma. É preciso criar valor, aceitar o desafio de sair de uma cultura de conservação para uma cultura de evolução. "O ecossistema das tecnologias atuais alimenta quem contribui para ele e pune quem não contribui", reflete. 5- Busque crescimento e longevidade, mas mantenha suas raízes: a sustentação e consolidação de um negócio passa por planejamento, investimentos e inovação, mas para que tudo funcione é necessário unidade da governança. Quem ensina é o executivo Décio da Silva, que ainda hoje segue os preceitos ensinados pelo pai quando ingressou no mundo corporativo, a receita é "cultura de gestão", que envolve pessoas; visão de longo prazo; execução, gestão participativa; governança e sociedade e família. "Quando um fundador monta uma empresa a coisa que mais lhe vem à cabeça é a longevidade, isso faz pensar que o mais importante para um líder de uma organização é prepará-la para quando ele não estiver mais presente. O fator chave é a unidade da governança", explica.O futuro das pessoasOs palestrantes da Expogestão também abordaram temas comportamentais e de saúde durante o evento. O neurologista Fabiano Moulin falou sobre como as pessoas estão ficando cada vez mais doentes, e o jornalista Marcos Piangers fez uma análise da dependência da tecnologia no dia a dia da população. Ambos ainda deixaram dicas de como melhorar a qualidade de vida e a saúde diante das mudanças e novidades que surgem com tanta velocidade na atualidade.- Cuidar da saúde: O neurologista Fabiano Moulin afirmou que a sociedade vive uma epidemia de depressão. Hoje, é um problema tratado com um estigma, mas que metade da população terá sintomas que podem durar o suficiente ou não para preencher o diagnóstico da depressão. Segundo ele, o primeiro ponto é reconhecer o problema e saber que é comum. "Não está relacionado à fraqueza, moleza e não adianta falar para a pessoa levantar e ir trabalhar. Temos que ter cuidado com nossos preconceitos", sugere. Uma dica do especialista é cada um pensar para quê e para quem está acordando todos os dias de manhã. Quem tiver essa resposta clara, terá menos riscos de ficar doente. De acordo com ele, também é importante exercitar a gratidão diariamente, fazer um diário, ler, meditar e ouvir música, por exemplo. "Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para a doença. A saúde é construção e planejamento, não passividade", complementa. Neurologista Fabiano MoulinFoto: Salmo Duarte / A Notícia- Atenção com a tecnologia: O jornalista e radialista Marcos Piangers levou ao público lições sobre o uso da tecnologia. Segundo o palestrante, ela é incrível para quem sabe usar corretamente. O problema é quando nos viciamos e esquecemos o que é humano. "Você pode questionar se aquela tecnologia serve para você porque ela molda a forma com que a gente se comporta e o estilo de vida de cada um", explica. A percepção é de que todos estão cada vez mais viciados e impacientes. No entanto, Piangers defende que o problema não é a tecnologia, mas a falta de atitude que as pessoas têm todos os dias. "O problema é você que não percebe que o problema está na sua atitude", afirma. Ele ainda salientou que a tecnologia já está sendo e pode ainda mais ser usada para transformar o mundo em um lugar melhor. O segredo é ter um propósito e se doar para ele.Lições dos congressistasAna Paula Palandi, analista de qualidadeFoto: Salmo Duarte / A Notícia"A gente tem que prestar atenção em algumas coisas. Se eu não tiver saúde, também não vou trazer bons resultados para a minha empresa, por exemplo. Então, acho que isso é o que levarei de lição daqui."Ana Paula Palandi, analista de qualidadeJosé Valdir Colling, financiárioFoto: Salmo Duarte / A Notícia"Várias palestras nos levam a pensar sobre o nosso momento atual, nossas equipes e o que podemos fazer nesse mercado competitivo. Então, estamos levando a lição de que precisamos inovar, fazer uma gestão de pessoas eficiente para qualificá-las. São os cuidados que devemos ter com toda a equipe que trabalha conosco."José Valdir Colling, financiárioMarcelo Malinowski, bancárioFoto: Salmo Duarte / A Notícia"Como o próprio mote da Expogestão é inspiração, inovação e evolução, neste ano a gente tem conseguido ver muitos cases e ideias novas. Principalmente, para o meu setor que é o bancário, as palestras têm nos ajudado e trazido muitos subsídios para que possamos ter uma qualidade de trabalho e produtividade ainda maior para que consigamos inovar no dia a dia. Em um evento como a Expogestão, a gente consegue muitos subsídios para que consigamos conduzir as equipes e empresas para cumprir suas missões e atender as necessidades." Marcelo Malinowski, bancárioMarco Antonio Salvo, especialista em gestãoFoto: Salmo Duarte / A Notícia"Penso que o principal insight que nós tivemos foi em relação a transformação digital e de inovação. As palestras trouxeram realmente exemplos práticos e considerações que podem ser colocadas em prática em qualquer organização, sem que haja necessidade de uma grande estruturação. Embora esteja claro que a transformação não se vai fazer com atitudes simples, mas se apontou um caminho para que haja um encaminhamento da inovação e transformação digital nas empresas."Marco Antonio Salvo, especialista em gestãoDoraci Felisiak, secretário de Indústria e Comércio de Maravilha (SC)Foto: Salmo Duarte / A Notícia"Percebi o desconhecimento que ainda se tem em muitas áreas e o bom é que viemos aqui para aprender, em busca por conhecimento com o objetivo de aplicar na nossa cidade. Vejo que estamos um pouco parados no tempo, falando por mim, por vezes, trabalhando e seguindo um caminho que não abre novos horizontes, então é muito importante buscar esse conhecimento na Expogestão, saio com o pensamento diferente com relação ao que podemos fazer de bom para o nosso município." Doraci Felisiak, secretário de Indústria e Comércio de Maravilha (SC)Airton Souza, diretor de Cultura e Turismo de Rodeio (SC)Foto: Salmo Duarte / A Notícia"O contato com as novas mídias é importantíssimo, isso ficou em evidência. Hoje em dia, nós, que estamos em um governo, aprendemos que temos que estar sempre em contato com o público e as mídias sociais são um elo importante para que isso ocorra. Sempre temos que estar atualizados e a transformação digital está tão rápida que se você não está antenado nessas mudanças, você acaba perdendo espaço." Airton Souza, diretor de Cultura e Turismo de Rodeio (SC)Vincenzo Mastrogiacomo, diretor da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic)Foto: Salmo Duarte / A Notícia"Sem dúvida nenhuma as palestras foram muito boas e elas são direcionadas e fundamentadas para a parte de gestão. Então, o que consegui ver nas palestras é que elas mostram que a gente pode crescer, que temos meios para aprender e ainda há coisas que estão para acontecer, tanto no trabalho, como na saúde e no relacionamento das pessoas Essa é a discussão mais importante." Vincenzo Mastrogiacomo, diretor da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic)Leia mais:"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologistaMudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter Walker"A transformação digital pode ser uma oportunidade", diz palestrantePorto Alegre, RSA NotíciaAs lições e as inspirações da Expogestão 2018 em JoinvilleA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-as-licoes-e-as-inspiracoes-da-expogestao-2018-em-joinville-10337007Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24343049Público da Expogestão cresce 10% neste anoEvento corporativo, que terminou nesta quinta-feira em Joinville, reuniu cerca de 6,6 mil participantes em três dias de palestras, workshops e seminários2018-05-11T13:02:37-03:002018-05-11T13:02:37-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuartePúblico da Expogestão cresce 10% neste anoA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24343049Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-publico-da-expogestao-cresce-10-neste-ano-10336720Público da Expogestão cresce 10% neste anoEvento corporativo, que terminou nesta quinta-feira em Joinville, reuniu cerca de 6,6 mil participantes em três dias de palestras, workshops e seminários2018-05-11T13:02:37-03:002018-05-11T13:02:37-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA Expogestão 2018 reuniu neste ano cerca de 6,6 mil participantes, crescimento de 10% em relação à edição de 2017. O balanço foi divulgado pela organização no último dia do congresso. Desde terça-feira, o evento trouxe para Joinville palestrantes nacionais e internacionais de destaque para falar sobre os desafios do mundo corporativo.Neste ano, o evento abordou temas como inovação, cultura de gestão, comportamento, impacto da transformação digital nos negócios, futuro do trabalho, bem-estar e tendências políticas e econômicas. O sócio da R&G Global Consultants, Peter Walker, e o vice- presidente do Stanford Research Institute, Robert Pearlstein, comandaram os principais painéis do último dia.Leia mais notícias de Economia e negócios na coluna de Claudio LoetzAs temáticas abordadas ao longo das 14 palestras magnas do Congresso Nacional de Atualização em Gestão reforçaram o entendimento de que vivemos uma era de transformações exponenciais, que estão impactando o mundo dos negócios. Como um convite para conectar o público participante as tendências que se desenham para o futuro, a 16ª Expogestão cumpriu o seu papel.Essa é a avaliação do presidente da comissão organizadora do evento, Giuliano Donini. O empresário aponta que as contribuições dos palestrantes formaram uma “reflexão em voz alta”, que convergiram para um propósito parecido de discussão com relação aos caminhos das organizações, do futuro do trabalho e da atualização profissional.— Escolhemos uma listagem de palestrantes amarrados entre si e com assuntos, de certa forma, correlacionados, onde abordamos alguns eixos e procuramos aprofundar essa leitura; discussão e reflexão. Isso é importante para o aumento da capacidade de absorção dos conteúdos por parte dos congressistas e aí a gente entende a qualidade da provocação que é feita — considera.Visitantes de oito estadosNesta edição, 14 palestrantes - cinco deles internacionais - trouxeram discussões multidisciplinares e compartilharam suas experiências, boas práticas e ensinamentos com os visitantes de 138 municípios de oito estados. O Congresso contou com 2.050 inscrições individuais.Além dos painéis do congresso, 55 workshops garantiram a mais de 2,1 mil pessoas o acesso gratuito a conteúdos qualificados ministrados por patrocinadores, apoiadores e parceiros da Expogestão. Houve também eventos paralelos, como o Encontro Estadual da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc), o 2º Seminário Cidades que se Reinventam e o 26º Meetup Startup SC.Efeitos do eventoOs efeitos do evento foram além do esperado também nos bastidores e eventos paralelos, conforme a organização. Por conta da importância das pessoas que passaram pelo evento, a Expogestão serviu inclusive de agregador, por exemplo, ao encontro do governador do Estado, Eduardo Pinho Moreira, com o embaixador da Argentina no Brasil, Carlos Magariños.— Entendemos que a Expogestão extrapola aquilo que ela pode proporcionar nos congressos, workshops seminários e na Feira de Negócios. Devido a boa nominata de pessoas que aqui passam, é natural que ocorra esse tipo de situação (como a reunião de governador e embaixador), podendo inclusive gerar efeitos positivos para o nosso estado — salienta Donini.Leia mais:"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologistaMudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter Walker"A transformação digital pode ser uma oportunidade", diz palestrantePorto Alegre, RSA NotíciaPúblico da Expogestão cresce 10% neste anoA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-publico-da-expogestao-cresce-10-neste-ano-10336720Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24341538Piangers fala sobre o impacto da tecnologia na vida das pessoas: 'se algo vai nos diferenciar é ser empático e humano' Jornalista fez a última palestra da Expogestão 2018, que termina nesta quinta-feira em Joinville2018-05-10T18:20:02-03:002018-05-10T18:20:02-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSAndré Kopsch / divulgaçãoPiangers fala sobre o impacto da tecnologia na vida das pessoas: 'se algo vai nos diferenciar é ser empático e humano'A Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24341538Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-piangers-fala-sobre-o-impacto-da-tecnologia-na-vida-das-pessoas-se-algo-vai-nos-diferenciar-e-ser-empatico-e-humano-10335960Piangers fala sobre o impacto da tecnologia na vida das pessoas: 'se algo vai nos diferenciar é ser empático e humano' Jornalista fez a última palestra da Expogestão 2018, que termina nesta quinta-feira em Joinville2018-05-10T18:20:02-03:002018-05-10T18:20:02-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA Expogestão 2018 encerrou na tarde desta quinta-feira com uma palestra do jornalista Marcos Piangers, na Expoville, em Joinville. Ele falou sobre comportamento e a mudança que as pessoas fazem no mundo, além do impacto que a tecnologia tem na vida de cada um.Para o radialista, a tecnologia é incrível, mas muitas vezes as pessoas não sabem a usar. Elas se viciam e esquecem o que é humano. Publicam nas redes sociais o que nunca falariam pessoalmente.- Se algo vai nos diferenciar é ser empático e humano. A tecnologia é maravilhosa, mas é importante saber quando e como usar porque estamos viciados e cada vez mais impacientes - explica.Leia mais notícias de Economia e negócios na coluna de Claudio LoetzO palestrante criticou o sistema educacional brasileiro, que cria as pessoas para fazerem tudo igual. De acordo com ele, isso era o esperado do profissional do passado, mas hoje a necessidade já é outra e continuará sendo.- A gente precisa de gente que possa e consiga imaginar porque a resposta certa a máquina pode dar. Ficar passível atrás de uma tela não é saudável - aponta.Piangers afirmou que as pessoas passam muito mais tempo em aplicativos que as deixam tristes do que em ferramentas que contribuam. Segundo ele, o ser humano procura nos aplicativos quase que uma forma dos algoritmos controlarem aquilo que eles precisam. O palestrante fez o público refletir que, em caso das pessoas continuarem desta forma, no futuro a tecnologia poderá até ser capaz de escolher as profissões e relacionamentos com base em todas as informações colhidas dos usuários.Foto: André Kopsch / André Kopsch / divulgaçãoNo entanto, ele defende que a culpa não é da tecnologia, mas da falta de atitude que as pessoas têm todos os dias.Segundo Marcos, o problema não está nos relacionamentos ou empregos infelizes, mas na pessoa que não percebe o problema em cada atitude.Piangers citou exemplos de pessoas que já estão usando a tecnologia para evitar suicídios ao identificar os emoticons mais usados por pessoas com tendência a se matarem; palmilhas de tênis que ajudam cegos a chegarem nos locais onde precisam ao vibrar o calcanhar para o lado que precisam virar; ou ainda luvas que os mudos usam para se comunicar em Libras e emitir sons.Para ele, cada pessoa é a única que tem o poder de transformar a sua própria vida. E tem muita gente transformando o mundo em um lugar melhor com um propósito, que é o que faz elas terem a vontade de sair de cada todos os dias.Leia mais:"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologistaMudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter Walker"A transformação digital pode ser uma oportunidade", diz palestrantePorto Alegre, RSA NotíciaPiangers fala sobre o impacto da tecnologia na vida das pessoas: 'se algo vai nos diferenciar é ser empático e humano'A Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-piangers-fala-sobre-o-impacto-da-tecnologia-na-vida-das-pessoas-se-algo-vai-nos-diferenciar-e-ser-empatico-e-humano-10335960Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24341352"Empresa que não consegue investir rapidamente se torna um dinossauro", diz Robert PearlsteinVice-presidente para negócios corporativos da Stanford Research Institute (SRI), Pearlstein, palestrou na Expogestão nesta quinta-feira, em Joinville2018-05-10T16:05:57-03:002018-05-10T16:05:57-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSAndré Kopsch"Empresa que não consegue investir rapidamente se torna um dinossauro", diz Robert PearlsteinA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24341352Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-empresa-que-nao-consegue-investir-rapidamente-se-torna-um-dinossauro-diz-robert-pearlstein-10335861"Empresa que não consegue investir rapidamente se torna um dinossauro", diz Robert PearlsteinVice-presidente para negócios corporativos da Stanford Research Institute (SRI), Pearlstein, palestrou na Expogestão nesta quinta-feira, em Joinville2018-05-10T16:05:57-03:002018-05-10T16:05:57-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brQuem não tem curiosidade de explorar novas tecnologias, algumas, que em breve farão parte do nosso cotidiano? E mais, quem não quer estar entre os primeiros brasileiros a conhecer as pesquisas em desenvolvimento no mundo e que prometem impactos profundos no futuro de empresas, serviços e pessoas? Para o público da Expogestão 2018, em Joinville, essa possibilidade deixou de ser uma intenção e se tornou real nesta quinta-feira (10).Oportunidade concretizada com respaldo de Robert Pearlstein, vice-presidente para negócios corporativos da Stanford Research Institute (SRI) — organização sem fins lucrativos ligada à Universidade Stanford, que há sete décadas investe num futuro no qual o objetivo é fazer da inovação uma realidade. Com mais de 20 anos de experiência em tendências e estratégias de pesquisa junto a empresas, o executivo deu relevo à força transformadora das inovações em setores de ponta, como os praticados na SRI. A entidade conta com um portfólio que inclui a criação da assistente virtual Siri, do iPhone, além de tecnologias como o mouse, o HDTV e a impressora jato de tinta.— Não vendemos produtos, desenvolvemos tecnologias avançadas e nossa missão é que essas inovações saiam do laboratório e avancem para o mercado com o intuito de causar impactos positivos no mundo.Esse foi o ponto de partida para que ele entrasse em um dos temas mais aguardados da 16ª edição do evento: a revolução tecnológica em curso e suas implicações no amanhã. "Inovação hoje vai além de uma área científica, envolve, por exemplo, inteligência artificial, 'machine learning', processamento de energia, sensores, tudo sendo combinado para criar soluções inovadoras", sintetiza.Leia mais notícias de Economia e negócios na coluna de Claudio LoetzEle destaca a propriedade intelectual dos membros do SRI em algumas das inovações que permeiam diversos campos de atuação como o de serviços e manufatura. Entre os exemplos, está o desenvolvimento de um aspirador de pó inteligente, mais leve que os comuns, barato de produzir e que pode ser aplicado em outras áreas. É possível, inclusive, utilizar na indústria têxtil na criação de bolsos, coleta de vidros ou mesmo em empresas de logística com uma esteira de eletro-adesão.— Alavancamos uma mesma tecnologia para mais de uma solução, porque a chave para nós é entender as necessidades do mercado e ter uma metodologia inovadora que seja aplicável — explica.Hora certa para inovarEle aponta também que o hoje é o melhor momento na história para quem tem a contribuir para o campo da inovação. Para isso, destaca como áreas chaves a ligação com as megatendências tecnológicas e da sociedade, citando como exemplo o amplo espaço de exploração de novidades por meio da "big data",o desenvolvimento de inteligência artificial, os algoritmos avançados e seus impactos no varejo, na área da saúde, alimentação e manufatura.Conforme Pearlstein , um dos pontos considerados relevantes para o tema é que o mundo tem cerca de sete bilhões de habitantes e deve aumentar para dez bilhões até 2050. No entanto, passa por um processo de envelhecimento da população, além de haver previsão de aumento no número de consumidores da classe média, impulso no êxodo rural e cada vez menos mão de obra para o trabalho. Esse conjunto de tendências, ele diz, será fator determinante para novas inovações sejam criadas e incorporadas às fábricas e ao dia a dia da sociedade.A velocidade com que essas soluções chegam ao mercado também demonstram aceleração: para atingir 150 milhões de usuários a televisão levou 38 anos, o game Pokemón Go, duas semanas. A constância deve ser uma prática a quem vislumbra ser referência em uma época em que a concorrência é cada vez mais ditada pelas boas ideias.— Se você fizesse uma lista das 500 maiores empresas mundiais na década de 1960, era possível que uma companhia se mantivesse lá durante 30 anos. Se fizer isso hoje e a empresa ficar lá por 15 a 20 anos, ela tem sorte. Empresas de pequeno, médio e grande porte, se não consegue investir rapidamente se torna um dinossauro — sentencia.Em contrapartida, ele destaca que a inovação com frequência tem a ver com o tempo e os parceiros certos, lembrando que o mouse foi criado na década de 1960 e permaneceu na gaveta por 18 anos até o "boom" que o levou ao mercado. O empresário afirma ainda que uma inovação bem sucedida raramente é resultado de sorte, mas sim um processo disciplinado e de melhoria contínua, em que é preciso olhar para outros mercados em busca de novas ideias e oportunidades.Exemplos de um novo mundoUm exemplo bem sucedido disso, conforme ele, é que a mudança possibilitada ao longo do tempo com relação aos robôs inteligentes, que antes serviam como um assistente pessoal virtual e agora já existem os assistentes mentores virtuais. Estes, aliando diferentes aplicações são capazes de guiar uma tarefa ou mesmo de compreender o comportamento e os sentimentos de uma pessoa.Dois desses exemplos já são realidade, um usado no campo e desenvolvido para agricultores do estado de Washington, nos Estados Unidos, no qual a inteligência artificial é usada para colher maçãs e é possível identificar se o fruto está maduro e pronto para ser colhido. Em outra solução, no Chile, foi desenvolvido um robô de mineração controlado por telecomando e orientado por um trabalhador real, que atua de dentro de um escritório.Leia mais:"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologistaMudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter Walker"A transformação digital pode ser uma oportunidade", diz palestrantePorto Alegre, RSA Notícia"Empresa que não consegue investir rapidamente se torna um dinossauro", diz Robert PearlsteinA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-empresa-que-nao-consegue-investir-rapidamente-se-torna-um-dinossauro-diz-robert-pearlstein-10335861Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24340919"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologistaFabiano Moulin fez palestra sobre saúde durante a Expogestão 2018, em Joinville, nesta quinta-feira2018-05-10T12:40:15-03:002018-05-10T12:40:15-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo Duarte"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologistaA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24340919Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-quem-nao-acha-tempo-para-a-saude-vai-ter-que-arrumar-para-doenca-diz-neurologista-10335719"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologistaFabiano Moulin fez palestra sobre saúde durante a Expogestão 2018, em Joinville, nesta quinta-feira2018-05-10T12:40:15-03:002018-05-10T12:40:15-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brSaúde e bem-estar foram o tema da palestra conduzida pelo médico neurologista e especialista em neurologia cognitiva e do comportamento, Fabiano Moulin, durante a manhã desta quinta-feira (10) na Expogestão 2018, em Joinville. Segundo ele, a saúde é um investimento que as empresas podem fazer para os seus colaboradores.Moulin apresentou dados que comprovam um aumento do suicídio, acompanhando o crescimento da produtividade ao longo das últimas décadas, desde os anos 1950. De acordo com ele, vivemos uma epidemia de depressão e metade da população vai ter sintomas que podem preencher o diagnóstico desta doença.— O primeiro ponto é reconhecer a depressão e depois entender que ela é muito comum. Não está relacionada à fraqueza ou moleza e não adianta falar para a pessoa levantar e ir trabalhar. Temos que ter cuidado com nossos preconceitos — explica.Veja como a enxaqueca pode afetar sua produtividade no trabalho Outro dado apresentado foi de que metade dos adultos em atividade laboral vai passar por um transtorno mental em algum momento da vida. Segundo o especialista, nós morreremos cada vez menos de câncer ou AVC, mas vamos adoecer mais com depressão, ansiedade e, seguinte, por suicídio, se não fizermos algo para melhorar esta situação.— Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para a doença — resume.Foto: Salmo Duarte / A NotíciaAlgumas sugestões para melhorar a saúde mental são ter um propósito diferente para cada mudança que houver na sua vida e viver mais o presente ao invés de se preocupar tanto com futuro ou passado.Moulin também sugere exercitar a gratidão e ter estímulos cognitivos, como fazer um diário, ler, meditar e ouvir música. Tudo isso ajuda a reduzir os riscos de doenças mentais.Confira algumas dicas do palestrante:- Preste atenção na sua atenção às coisas;- Lazer e família são essenciais;- Faça para e com os outros;- Mantenha-se curioso;- Cuide do coração;- Durma bem;- Não ignore as doenças silenciosas;- Saia do lugar, faça atividades físicas.CONHEÇA FABIANO MOULINO Dr. Fabiano Moulin de Moraes é médico pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), neurologista e mestre em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), preceptor médico da Residência de Neurologia da Universidade Federal de São Paulo e membro titular da Academia Brasileira de Neurologia (ABN).Leia mais:Mudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter WalkerPiangers: "Temos muitas ferramentas tecnológicas, mas pouca imaginação""A transformação digital pode ser uma oportunidade", diz palestrantePorto Alegre, RSA Notícia"Quem não acha tempo para a saúde, vai ter que arrumar para doença", diz neurologistaA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-quem-nao-acha-tempo-para-a-saude-vai-ter-que-arrumar-para-doenca-diz-neurologista-10335719Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24340631Mudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter WalkerNorte-americano abriu o ciclo de palestras do último dia da Expogestão 2018, em Joinville2018-05-10T10:51:25-03:002018-05-10T10:51:25-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteMudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter WalkerA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24340631Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-mudancas-corporativas-se-baseiam-em-comportamento-e-metricas-explica-o-executivo-peter-walker-10335587Mudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter WalkerNorte-americano abriu o ciclo de palestras do último dia da Expogestão 2018, em Joinville2018-05-10T10:51:25-03:002018-05-10T10:51:25-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO executivo Peter Walker, sócio da R&G Global Consultants, abriu o ciclo de palestras no último dia da Expogestão 2018, em Joinville, provocando lideranças empresariais a vencerem o comodismo, desafiarem suas crenças e aplicarem mudanças contínuas que gerem resultados de excelência nas organizações. Trazendo como bagagem os ensinamentos enquanto líder do reconhecido programa Lean Six Sigma, no processo de transformação da General Electric, o norte-americano foi enfático: futuros líderes precisam de um DNA diferente.O incentivo foi o componente principal da palestra "Das mudanças individuais à geração de resultados", que evidenciou as qualidades que se espera de um líder, a maneira como ele enxerga a empresa e as melhorias que podem surgir a partir das suas entregas. Segundo ele, 80% da mudança corporativa se baseia em comportamento e definição de métricas.— Independente de sua posição numa companhia, o componente mais importante é a melhoria contínua no planejamento dos negócios. É o exercício da liderança, de ter ciência do que você pode fazer diariamente, a nível prático, para ter bons resultados no amanhã. Para isso, é necessário ter metas e métricas desafiadoras; analisar os concorrentes; entender o que o mercado espera de nós; ter nível estratégico e fazer algo diferente, antes que outro o faça — orienta.Leia mais notícias de negócios e lideranças na coluna de Claudio LoetzPara as estratégias de geração de resultados, ele afirma que existem duas abordagens, a funcional e a de processos - a qual considera a mais importante por considerar que as chances de sucesso e sustentabilidade são maiores. O entendimento é de que é preciso encontrar uma maneira melhor de oferecer o serviço a qual a empresa se propõe.— Quem almeja sucesso precisa ter dados e fazer análises. São essas métricas que vão demonstrar o caminho a ser seguido. É necessário ter um método eficaz e o kit ferramenta, mas só isso não é suficiente, porque tudo diz respeito a melhoria dos processos. É a maneira de lidar e aprender com os problemas e descobrir como ter líderes motivados, apaixonados e bem informados para liderarem esses processos — justifica.Walker ensina ainda as três características que formam os gestores capazes de promover mudanças com êxito: 1 - Melhorar a empresa é mais importante que seu cargo funcional, esse é o seu melhor objetivo (30% dos potenciais líderes reúnem essa característica); 2 - É preciso estar insatisfeito com o "status quo", ou seja, não aceitar o que era feito antes e buscar elevar isso a um nível superior (15% reúnem essa qualidade); 3 - Convidar os liderados a desafiarem suas ideias e suas crenças (5%). Esse DNA é apontado como o vetor das melhorias significativas na maioria das organizações, uma vez que trata de profissionais com paixão pelo que fazem, engajados e com conteúdo.Mensuração de dadosConforme Walker, quem mensura dados da forma que lhes convém, sem olhar o todo, pode enfrentar problemas. A avaliação é de que quando, por exemplo, são analisados dados mensais e não diários, o número final pode ser o mesmo, mas os dados irão mostrar uma realidade diferente no meio do percurso, o que pode impactar no ambiente laboral e na sustentabilidade do negócio.— Esqueça as medições funcionais, deixe de observar sua empresa como uma caixa preta na qual você só mede o que está gravado nela e não o externo. Os clientes julgam nossos resultados com relação às suas metas e expectativas e é essa perspectiva que deve ser levada em conta. Quando algo está errado as pessoas costumam colocar a culpa em fatores externos e não dão devida atenção, quando, na verdade, os dados mostram onde está a oportunidade e como correr atrás dela — esclarece.Leia mais:Participe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na Expogestão"A transformação digital pode ser uma oportunidade", diz palestranteEmbaixador da China vislumbra um "caminho de progresso" na relação com o BrasilPorto Alegre, RSA NotíciaMudanças corporativas se baseiam em comportamento e métricas, explica o executivo Peter WalkerA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-mudancas-corporativas-se-baseiam-em-comportamento-e-metricas-explica-o-executivo-peter-walker-10335587Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24339612Veja como a enxaqueca pode afetar sua produtividade no trabalho Neurologista do Hospital Dona Helena realizou um workshop nesta quarta-feira na Expogestão 2018, em Joinville2018-05-10T05:14:01-03:002018-05-10T05:14:01-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSLuan MartendalVeja como a enxaqueca pode afetar sua produtividade no trabalho A Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24339612Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-veja-como-a-enxaqueca-pode-afetar-sua-produtividade-no-trabalho-10335061Veja como a enxaqueca pode afetar sua produtividade no trabalho Neurologista do Hospital Dona Helena realizou um workshop nesta quarta-feira na Expogestão 2018, em Joinville2018-05-10T05:14:01-03:002018-05-10T05:14:01-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brVocê já parou para pensar no quanto uma simples dor de cabeça ou uma enxaqueca afeta a sua produtividade no trabalho? Muitas vezes esse problema passageiro ou até mesmo recorrente desencadeia, além da dor, uma série de implicações na nossa vida pessoal e profissional. O tema gera interesse para uma parcela importante da população, em especial, para as mulheres. São elas as principais vítimas de enxaqueca: três a quatro casos para cada homem acometido com a doença crônica.De acordo com o médico neurologista do Hospital Dona Helena, de Joinville, Wladimir Kümmer, existe a possibilidade de que 18% das mulheres possam vir a desenvolver enxaqueca em algum momento da vida. E para explicar melhor o que motiva ela a aparecer ou como combatê-la, ele apresentou dicas durante a lição “Enxaqueca e produtividade”, na Expoville, durante um dos 55 workshops que fazem parte da programação paralela da Expogestão 2018.Para um público de cerca de 50 pessoas, o profissional destacou os impactos desse problema na vida das pessoas, no âmbito social, da saúde e também no trabalho.— A gente sabe que a enxaqueca não é uma doença grave, que ninguém vai morrer de enxaqueca, mas ela é uma doença crônica que pode desencadear ao longo da vida e que afeta principalmente as pessoas na idade economicamente mais ativa — explica.Esse incômodo tem implicação importante no trabalho, que não é a causa, mas pode ter reflexos do problema. São considerados gatilhos para o desenvolvimento da doença o estresse, as alterações no sono, os hábitos alimentares incorretos e a falta de atividade física. Além desses fatores ambientais, ainda há casos em que a motivação é desconhecida.Já quanto aos impactos gerados, principalmente no dia a dia laboral, são apontados, por exemplo, uma possível baixa na qualidade das atividades na qual a pessoa deve exercer.— No trabalho temos basicamente dois momentos, primeiro quando o paciente tem a crise, que é um incômodo extremamente excruciante, o que muitas vezes faz com que ele pare o que está fazendo ou reduza a sua produtividade. Se eu estou em uma reunião, por exemplo, não consigo concentrar e reagir da maneira que eu gostaria se não tivesse tendo a dor. E também existe aquele comportamento de evitar situações em que pudesse desencadear a enxaqueca — aponta.De acordo com o especialista, para prevenir ou reduzir as crises o primeiro passo é a informação, o diagnóstico correto do problema, uma vez que pode ser controlado com medidas simples. No entanto, existe uma pequena proporção de pacientes que precisa de ajuda médica e , às vezes, remédios de uso regular (5% a 10% dos pacientes).No caso de lideranças empresariais, foco da Expogestão, ele considera que o acúmulo de problemas é um gatilho para o desenvolvimento da enxaqueca e de outras dores de cabeça mais esporádicas. "Todas na verdade convergem para um mesmo mecanismo, que é uma desregulação do nosso sistema de alarme, de alerta de dor e todo o desencadeador da enxaqueca pode ser um desencadeador desses outros incômodos", salienta.Leia mais:Participe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na Expogestão"Precisamos de líderes que sejam verdadeiramente responsáveis", orienta Vince MolinaroEmbaixador da China vislumbra um "caminho de progresso" na relação com o BrasilPorto Alegre, RSA NotíciaVeja como a enxaqueca pode afetar sua produtividade no trabalho A Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-veja-como-a-enxaqueca-pode-afetar-sua-produtividade-no-trabalho-10335061Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24339585'A transformação digital pode ser uma oportunidade', diz palestranteGijs Van Delft palestrou sobre os mitos e fatos do profissional do amanhã em Joinville2018-05-09T20:08:18-03:002018-05-09T20:08:18-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo Duarte'A transformação digital pode ser uma oportunidade', diz palestranteA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24339585Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-a-transformacao-digital-pode-ser-uma-oportunidade-diz-palestrante-10335040'A transformação digital pode ser uma oportunidade', diz palestranteGijs Van Delft palestrou sobre os mitos e fatos do profissional do amanhã em Joinville2018-05-09T20:08:18-03:002018-05-09T20:08:18-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brOs mitos e os fatos sobre o profissional do amanhã foi tema de palestra na noite desta quarta-feira na Expogestão, em Joinville. O presidente da PageGroup Brasil, Gijs Van Delft, falou sobre o panorama da digitalização no mercado de trabalho, como as empresas estão se organizando no cenário atual e quais são os profissionais do futuro que já começam a aparecer no mercado.Segundo o especialista, a tecnologia está em uma velocidade muito forte e acelerada, impactando os empregos, a estrutura organizacional das empresas e do país, além da formação dos talentos. Dados mostram, por exemplo, que hoje os jovens estão trocando de trabalho a cada dois anos.Gijs também apresentou dados de que 57% dos empregos atuais são vulneráveis a mudança por causa da tecnologia digital, 70% dos líderes desejam novas habilidades dos profissionais contratados e 90% dos executivos acreditam que a tecnologia ajuda na tomada de decisões.— A transformação digital não é só uma ameaça, mas pode também ser uma oportunidade — defende.O presidente da PageGroup mostrou estudos que apontam previsões até 2050, quando 65% das profissões que as crianças terão ainda não existem e 800 milhões de empregos (47% das vagas que existem no mundo no nível formal) devem acabar por causa da robótica e inteligência artificial.Por outro lado, um estudo mostra que haverá a criação duas novas vagas para cada uma extinta.— Eu não acredito no mito de que o emprego e a insegurança vão aumentar. Nós já sentimos uma demanda extraordinária na PageGroup para profissões digitais — conta.As empresas no momento atualDe acordo com a experiência vivida pela PageGroup, até 2000 as empresas buscavam nos candidatos para um emprego competências mais acadêmicas e técnicas. Em 2008, as soft skills (habilidades interpessoais) passaram a ser requisitadas também. Em 2014, também foi adicionado aos padrões de busca o cultural fit (alinhamento entre os ideias da empresa e do candidato).— O que os executivos pedem cada vez mais são os talentos, de diversos tipos — explica.Com o avanço da tecnologia, a proximidade física entre as pessoas também diminuiu. No entanto, empresas de renome em tecnologia já voltaram a trabalhar com as pessoas juntas porque perceberam um aumento de produtividade.Segundo o especialista, a organização das empresas atualmente passa a ser cada vez mais horizontal do que vertical, com a presença de todos os tipos de trabalho, como contratos, freelancers, terceirizados e colaborativos.Profissional de projetos é o futuroVan Delft afirma que os profissionais do amanhã são aqueles que trabalham diretamente com projetos. Ou seja, pessoas que atuam em projetos de curta duração, com prazo de início e fim. Estudos mostram que a parcela de trabalhadores temporários no Brasil é de 20%.Na Europa, esse percentual é maior e está em crescimento. Em 1995, era de 11,5%, passou para 20,4% em 2016 e deve chegar a 50% em 2050. O especialista diz que a tendência é ocorrer o mesmo no país ao longo dos próximos anos.Segundo ele, o cenário brasileiro ganhou com a flexibilização das leis trabalhistas, que é uma tendência mundial. Gijs acredita que é algo benéfico tanto para emrpesas quanto para colaboradores, gerando mais oportunidades de temporários e flexibilização os processos.Dados apresentados pelo palestrante:Profissões previstas para extinguir até 2050:Piloto de aviãoEngenheiro de softwareContadores e auditoresJornalistaAnalista financeiroCorretor de imóveis/segurosProfissões em alta até 2050:Fazendeiro urbanoDesenvolvedor de tecnologia domésticaDesigner de realidade virtualDesigner de produto para impressão 3DPerito forense digitalDesenvolvedores e arquitetos de informaçãoEstudos mostram que todas as áreas serão atingidas, mas as seguintes serão as mais voláteis entre 2015 e 2020:Setores em baixaAdministrativoProdução e manufaturaConstrução e extrativismoDesign, artes e mídiasJurídicoInstalação e manutençãoSetores em altaOperações de negócios e finançasGestãoComputação e matemáticasArquitetura e engenhariaVarejo, marketing e relacionadosEducação e treinamentoLeia mais:Confira a programação das palestras da 16ª ExpogestãoParticipe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na ExpogestãoEspecialistas mostram os potenciais das criptomoedas e novas tecnologias digitaisPorto Alegre, RSA Notícia'A transformação digital pode ser uma oportunidade', diz palestranteA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-a-transformacao-digital-pode-ser-uma-oportunidade-diz-palestrante-10335040Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24339455"Precisamos de líderes que sejam verdadeiramente responsáveis", orienta palestrante na Expogestão 2018Vince Molinaro, diretor global de Gestão de Soluções de Liderança, ensina termos e condições do que ele chama de "contrato de liderança" 2018-05-09T19:51:58-03:002018-05-09T19:51:58-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo Duarte"Precisamos de líderes que sejam verdadeiramente responsáveis", orienta palestrante na Expogestão 2018A Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24339455Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-precisamos-de-lideres-que-sejam-verdadeiramente-responsaveis-orienta-palestrante-na-expogestao-2018-10335027"Precisamos de líderes que sejam verdadeiramente responsáveis", orienta palestrante na Expogestão 2018Vince Molinaro, diretor global de Gestão de Soluções de Liderança, ensina termos e condições do que ele chama de "contrato de liderança" 2018-05-09T19:51:58-03:002018-05-09T19:51:58-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brComo enfrentar as mudanças nos modelos de negócio e os riscos empregados aos cargos de liderança envolvem o desenvolvimento de estratégias assertivas. E foram essas perspectivas que conduziram a participação de Vince Molinaro, Diretor Global de Gestão de Soluções de Liderança da Lee Hecht Harrison (LHH) — consultora especializada no desenvolvimento de carreiras, líderes e negócios, na Expogestão 2018, em Joinville. Com a palestra "Contrato de liderança", ministrada na noite desta quarta-feira (9), o convidado internacional expôs como um líder deve agir para cumprir as suas responsabilidades e conquistar o engajamento de toda a equipe de trabalho.Confira mais notícias de negócios na coluna de Claudio LoetzEm sua explanação, Molinaro salientou que "líderes não nascem prontos", mas são moldados a partir das próprias experiências e das decisões (conscientes) que tomam. Mas defende que precisamos de líderes que sejam verdadeiramente responsáveis. Para ele, há uma espécie de "contrato de liderança", na qual, o profissional deve respeitar as cláusulas para alcançar o resultado almejado. São itens do contrato a tomada de decisão, o cumprimento de suas obrigações enquanto líder, força para encarar os desafios e a conexão com pessoas. Em contrapartida, cabe às organizações estimularem uma cultura da liderança.Confira abaixo os termos e condições do "contrato de liderança", descritos por Molinaro:1 - Liderança é uma decisão: Aprendi através do meu trabalho com líderes e através de minhas próprias experiências de liderança que, em última análise, a liderança é uma decisão e você tem que deliberadamente fazer isso. Isso significa definir a si mesmo como um líder.2 - Liderança é uma obrigação: Você precisa intensificar sua obrigação como líder todos os dias para fortalecer sua organização. Uma vez que você realmente decide ser um líder, você reconhece que isso vem com considerável obrigação e responsabilidade, com nossas empresas, nossos clientes, nossos funcionários e com as comunidades em que atuamos.3 - Liderança é um trabalho árduo: O terceiro diz que a liderança é um trabalho árduo e você tem que ser duro para lidar com isso - muitos líderes apenas gostam de fazer as coisas boas da liderança, mas o papel exige que, às vezes, você tome decisões impopulares, dê feedback direto para um colega, reclame de comportamento improdutivo - essas coisas, se as evitamos enfraquecemos a nós mesmos e nossas empresas.4 - Liderança é uma comunidade: Finalmente, o quarto mandato diz que liderança é uma comunidade e você precisa se conectar com seus colegas líderes. Muitos líderes estão isolados e desconectados uns dos outros. Nós passamos os nossos dias em silos, trabalhando de forma cruzada uns com os outros, isso é exaustivo. Por isso, é essencial liderar de uma maneira diferente - liderar na comunidade. Isso significa que os líderes devem construir relacionamentos com seus colegas. Eu posso ser um líder forte individualmente, mas também devemos ser líderes fortes coletivamente.Além do conceito de "Contrato de Liderança", foram levantados temas sobre o que é a liderança hoje e como se preparar para ser um líder amanhã, bem como as dicas para desenvolver a capacidade de se reinventar e transformar a realidade de seu ambiente de trabalho e organização.Leia mais:Participe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na ExpogestãoEmbaixador da China vislumbra um "caminho de progresso" na relação com o Brasil Empresas precisam ser atentas e estar em "alerta" para sobreviver ao mercado, indica palestrantePorto Alegre, RSA Notícia"Precisamos de líderes que sejam verdadeiramente responsáveis", orienta palestrante na Expogestão 2018A Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-precisamos-de-lideres-que-sejam-verdadeiramente-responsaveis-orienta-palestrante-na-expogestao-2018-10335027Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24339341Embaixador da China vislumbra um "caminho de progresso" na relação com o Brasil Li Jinzhang palestrou na Expogestão, em Joinville, no final da tarde desta quarta-feira2018-05-09T18:17:01-03:002018-05-09T18:17:01-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteEmbaixador da China vislumbra um "caminho de progresso" na relação com o Brasil A Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24339341Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-embaixador-da-china-vislumbra-um-caminho-de-progresso-na-relacao-com-o-brasil-10334934Embaixador da China vislumbra um "caminho de progresso" na relação com o Brasil Li Jinzhang palestrou na Expogestão, em Joinville, no final da tarde desta quarta-feira2018-05-09T18:17:01-03:002018-05-09T18:17:01-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brO embaixador da China no País, Li Jinzhang, destacou o Brasil como um importante parceiro comercial, mesmo diante da recessão econômica brasileira, e vislumbra um caminho de progresso conjunto através da ampliação de parcerias em prol do desenvolvimento das duas nações. A avaliação foi feita em Joinville, durante palestra realizada na Expogestão 2018, na tarde desta quarta-feira (09).Jinzhang desembarcou no país há cerca de seis anos e acompanhou as oscilações econômicas do Brasil desde então, assim como os investimentos chineses no período. Com esta bagagem, ele tratou de economia e negócios e revelou como a China vê o Brasil. Nas palavras dele, mesmo enfrentando dificuldades perante a crise, o Brasil recebeu reforço de investimentos do país asiático e citou como exemplo, a entrada de capital estrangeiro em uma unidade portuária no Nordeste e em Paranaguá, no Paraná. Um estoque de investimento que chega a US$ 54 bilhões.— Apesar dos altos e baixos, a colaboração comercial entre os mercados brasileiro e chinês tem se mantido alto, com incremento de cerca de 30% em investimentos. O Brasil é o maior parceiro da China na América do Sul e nos últimos anos cada vez mais produtos brasileiros, com alto valor agregado, como bens de consumo, aviões e grãos são incorporados ao mercado chinês, além de potencial na área de infraestrutura e manufatura avançada — aponta.Ele entende que as relações comerciais dos dois países ainda tem um amplo espaço a ser percorrido, para isso, se faz necessário definir estratégias de gestão com foco em metas de curto, médio e longo prazo. O embaixador salienta que Brasil e China buscam ideais em comum em termos econômicos e de desenvolvimento e "caminham juntos para formar uma comunidade com interesses compartilhados". Como atrativos de investidores chineses, ele complementa o fato de o País ser o maior da América Latina, que tem ainda importantes recursos, mercado amplo, um mecanismo financeiro robusto e potencial de crescimento.Foto: Salmo Duarte / A NotíciaHoje a China é a principal parceira comercial do nosso País, responsável por 43% do valor das exportações brasileiras de soja, de 22% do minério de ferro e de 15% de óleos brutos de petróleo. E é no fortalecimento dessa relação que ele aposta para um futuro bilateral promissor.— Podemos promover em conjunto uma estrutura de governança justa e eficiente, de modo a manter a estabilidade econômica mundial, sendo amigos que têm as mesmas ideias e missões. China e Brasil devem caminhar lado a lado e dar apoio um ao outro nessa tendência de colaboração aberta e inclusiva para um rumo mais justo e equitativo para a economia mundial — considera.Li Jinzhang mostra ainda que a China está com uma proposta de reforma de abertura de mercado, que inclui o Brasil, para fortalecer ainda mais sua economia – que no ano passado girou teve PIB de US$ 12 trilhões. São quatro medidas de expansão para esse objetivo: ampliar o acesso ao mercado; criar condições mais atrativas para investimento; reforçar a proteção dos direitos de propriedade intelectual das empresas estrangeiras na China e aumentar voluntariamente as importações.— Em novembro, será feita a primeira feira internacional de importação da China, ação pioneira que abre voluntariamente o seu mercado ao mundo. O Brasil participará como País convidado e incentivamos os empresários brasileiros a apresentarem seus produtos para melhor aproveitamento do mercado da China — conclui.Leia mais:Confira a programação das palestras da 16ª ExpogestãoParticipe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na ExpogestãoEspecialistas mostram os potenciais das criptomoedas e novas tecnologias digitaisPorto Alegre, RSA NotíciaEmbaixador da China vislumbra um "caminho de progresso" na relação com o Brasil A Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-embaixador-da-china-vislumbra-um-caminho-de-progresso-na-relacao-com-o-brasil-10334934Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24339023Participe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na ExpogestãoQualquer pessoa pode se inscrever para os workshops no evento que ocorre em Joinville2018-05-09T18:12:28-03:002018-05-09T18:12:28-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteParticipe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na ExpogestãoA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24339023Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-participe-dos-cursos-rapidos-gratuitos-desta-quinta-feira-na-expogestao-10334825Participe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na ExpogestãoQualquer pessoa pode se inscrever para os workshops no evento que ocorre em Joinville2018-05-09T18:12:28-03:002018-05-09T18:12:28-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brQuem não conseguiu participar dos cursos rápidos — e gratuitos — que estão ocorrendo na Expogestão 2018, em Joinville, desde terça-feira, tem a última oportunidade para garantir vaga nos workshops nesta quinta (10). Os temas, mais uma vez, são os mais variados. Há possibilidade de ampliar os conhecimentos nas áreas de tecnologia, como noções sobre startups, criptomoedas e indústria 4.0; marketing e vendas, como cursos de branded content e de gestão comercial; além de workshops que tratam sobre a felicidade no ambiente de trabalho e na vida pessoal.Vai perder? Os cursos são promovidos pelos patrocinadores, apoiadores, expositores, entidades e convidados do evento. Eles possuem duração de uma hora. Para se inscrever, é preciso ter o CPF em mãos e realizar o cadastro pelo site da Expogestão, clicando aqui. Os cursos possuem vagas limitadas e cada interessado pode participar de no máximo cinco workshops.Confira os cursos que ocorrem nesta quinta:14h30 - 15h30Por que Você Deixa de Ganhar 25%R&G Global ConsultantsReginaldo Figueiredo14h30 - 15h30O Futuro da Segurança: Drones, IA e as Novas TecnologiasGrupo FTVagner Onesko14h30 - 15h30Branded Content - Conteúdo para Marcas que têm o que ContarNSC ComunicaçãoGabriela Moura Santos14h30 - 15h30Os Pilares da Logística 4.0 – Redução de Custos, Simplificação de Processos e Segurança da InformaçãoTOTVSLuis Arthur Bogiano14h30 - 15h30Gestor Comercial como Vetor da TransformaçãoADVB/SC - Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing de Santa CatarinaDelton Batista16h - 17hCONTATOS - Captação e InteraçãoDinamizeRoberta Kreuch16h - 17hFelicidade e Sucesso nas Empresas Através da Inteligência EmocionalEvolução Essencial Desenvolvimento HumanoAdriana Preto Rutzen16h - 17hGestão Industrial: Caminhos para Habilitar sua Operação à Indústria 4.0SENIOR Software e ServiçosEuripedes Fernandes16h - 17hPrincipais Tendências em Termos de Inovação e Tecnologia para o Século XXIUnisociescFernando Luiz Freitas Filho16h - 17hEstratégia de Investimentos em Ativos Digitais Através da Alocação em Criptomoedas e TokensGrupo EstruturaRubens Neistein17h30 - 18h30Como ter o Lugar dos Sonhos para sua Equipe Trabalhar e ViverA2CLucas König17h30 - 18h30A Sinergia Startup - IndústriaSpinBenyamin Fard17h30 - 18h30Estratégias para implementação das inovações da Reforma Trabalhista. Riscos e OportunidadesSchramm.Hofmann. Advogados AssociadosAstridt Hofmann17h30 - 18h30As Novas Soluções para Redução Custos E Garantia de Abastecimento de ÁguaTigre Água e EfluentesEwerton Garcia17h30 - 18h30MEG 21 - Case Senac SCExcelênciaSCRudney RaulinoLeia mais:Confira a programação completa das palestras da 16ª ExpogestãoUnidade entre acionistas, cultura de gestão e pessoas: as dicas de Décio da Silva que todo líder deve levar em contaPorto Alegre, RSA NotíciaParticipe dos cursos rápidos gratuitos desta quinta-feira na ExpogestãoA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-participe-dos-cursos-rapidos-gratuitos-desta-quinta-feira-na-expogestao-10334825Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24339279Empresas precisam ser atentas e estar em "alerta" para sobreviver ao mercado, indica palestranteO presidente da Thymus Branding, Ricardo Guimarães, participou do evento em Joinville na tarde desta quarta-feira2018-05-09T17:50:31-03:002018-05-09T17:50:31-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteEmpresas precisam ser atentas e estar em "alerta" para sobreviver ao mercado, indica palestranteA Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24339279Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-empresas-precisam-ser-atentas-e-estar-em-alerta-para-sobreviver-ao-mercado-indica-palestrante-10334912Empresas precisam ser atentas e estar em "alerta" para sobreviver ao mercado, indica palestranteO presidente da Thymus Branding, Ricardo Guimarães, participou do evento em Joinville na tarde desta quarta-feira2018-05-09T17:50:31-03:002018-05-09T17:50:31-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brEm seu segundo dia, na tarde desta quarta-feira (09), a Expogestão 2018 contou com uma palestra sobre valores e propósitos, em Joinville. O presidente da Thymus Branding, Ricardo Guimarães, falou sobre como as empresas se comportam atualmente e como elas devem se transformar para continuar perenes diante de um cenário que muda de maneira imprevisível e fora de controle.Segundo o especialista, o fator mais relevante e que muda tudo na vida das pessoas é a aceleração do tempo nas relações. Isso tem a ver com a tecnologia e a quantidade de gente no mundo. Antigamente, eram poucas pessoas e uma tecnologia muito pobre e cara, levando a anos ou décadas sem algo novo e relevante acontecer em nosso cenário.Atualmente, a realidade mudou e tudo está acelerado. No entanto, Guimarães aponta que é o medo da insegurança que faz com que não mudemos, porque a certeza de que o futuro será igual ao passado foi justamente o motivo de valorizarmos as melhores práticas deste passado.— Uma cultura de empresa para sobreviver ao ambiente não é a calma. É uma empresa atenta e alerta. Isso tem que mudar — garante.Ricardo defende que as empresas devem contratar o profissional que se identifique com ela para que a pessoa participe da mudança como agente e não como vítima. Assim, o sistema funcionará como um canal, em que a pessoa entra, contribui com a empresa e também sai com uma contribuição adquirida. A empresa será perene e útil para a sociedade.— As gírias capturam a essência da época. Por isso, "tamojunto e misturado. É nois" — brinca.Guimarães diz que o ecossistema atual das tecnologias alimenta quem contribui para ele e pune quem não o faz. Por isso, quem quer uma empresa perene precisa ter um sonho grande e bom. Porém, deve ser bom para todos para que isso também retorne para a empresa e a ajude a se manter forte.Foto: Salmo Duarte / A NotíciaRicardo GuimarãesPresidente da Thymus Branding. Fundador da RAPS e do instituto ATA, co-autor dos livros "Gestão Integrada dos Ativos Intangíveis" e "Liderança Baseada em Valores - caminhos para a ação em cenários complexos e imprevisíveis".Leia mais: Confira a programação das palestras da Expogestão 2018Especialistas mostram os potenciais das criptomoedas e novas tecnologias digitais nos negócios"Precisamos de líderes que sejam verdadeiramente responsáveis", diz consultor internacionalPorto Alegre, RSA NotíciaEmpresas precisam ser atentas e estar em "alerta" para sobreviver ao mercado, indica palestranteA Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-empresas-precisam-ser-atentas-e-estar-em-alerta-para-sobreviver-ao-mercado-indica-palestrante-10334912Change0Usableurn:publicid:clicrbs.com.br:24339126Especialistas mostram os potenciais das criptomoedas e novas tecnologias digitais nos negócios  O painel desta quarta-feira trouxe os especialistas Fernando Ulrich e Oliver Cunningham para falarem sobre transformação digital e novos modelos de negócios2018-05-09T16:27:13-03:002018-05-09T16:27:13-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brPorto Alegre, RSSalmo DuarteEspecialistas mostram os potenciais das criptomoedas e novas tecnologias digitais nos negócios  A Notíciaurn:publicid:clicrbs.com.br:24339126Change0Usableurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-especialistas-mostram-os-potenciais-das-criptomoedas-e-novas-tecnologias-digitais-nos-negocios-10334831Especialistas mostram os potenciais das criptomoedas e novas tecnologias digitais nos negócios  O painel desta quarta-feira trouxe os especialistas Fernando Ulrich e Oliver Cunningham para falarem sobre transformação digital e novos modelos de negócios2018-05-09T16:27:13-03:002018-05-09T16:27:13-03:00© 2011-2018 clicrbs.com.brA transformação digital e os novos modelos de negócios ficaram em evidência no segundo dia da Expogestão 2018, na tarde desta quarta-feira (09), em Joinville. Em um painel que reuniu Fernando Ulrich, especialista em criptomoedas do Grupo XP, e Oliver Cunningham, sócio de Estratégia e Operações de serviços financeiros da KPMG, foram abordados temas com ampla margem de discussão e que despertam a curiosidade de quem visa pegar carona nas revoluções tecnológicas que se apresentam para o futuro.Ao longo de quase duas horas de bate-papo, com direito a perguntas dos congressistas, os convidados apresentaram um panorama das transformações advindas das novas tecnologias, o futuro do trabalho e das profissões, robótica, inteligência artificial, blockchain, moedas digitais e os novos mapas mentais. Tudo isso para chegar a um denominador comum: os impactos nos negócios.Em sua explanação, Fernando Ulrich, trouxe ao centro do debate as "Moedas Digitais – a democratização da inovação", explicando o que essa novidade no mundo corporativo pode representar para a economia e o mercado empresarial. Defensor das potencialidades das criptomoedas, o especialista destacou que a própria criação da internet despertava desconfiança, assim como a criação das moedas digitais. No entanto, afirma que grandes empresas mundiais já atuam puramente com modelo de negócio digital e as transações por meio dessa tecnologia são seguras e ainda possuem espaços a serem explorados.O especialista em criptomoedas do Grupo XP, Fernando UlrichFoto: Salmo Duarte / A Notícia— A criptomoeda é uma grande inovação, sem precedentes, a mais importante desde a criação da internet. Se tratássemos a internet hoje como um correio eletrônico seria subestimar a rede, mas lá atrás isso não estava tão claro e não se sabia de que forma ela ia perturbar os mercados já estabelecidos. Vários negócios foram possibilitados, que não eram imaginados. A criptomoeda está num estágio parecido e novos modelos de negócios. É a inovação mais importante desse milênio e vai impactar toda a sociedade e a economia — acredita.Para ilustrar as potencialidades de sua fórmula, ele aponta para alguns conceitos básicos. O primeiro, sua utilização como ativo digital que vai além de um sistema de pagamento; o segundo, a ideia de descentralização política em que as transações são possíveis sem a existência de um regulador central, ela é feita "entre iguais".— Pela primeira vez é possível alcançar a confiança entre atores completamente desconhecidos, porque o sistema é desenhado de tal forma que as regras incentivam o comportamento honesto. Em nove anos nenhum caso de fraude foi reportado no blockchain, o livro contábil do sistema — afirma.O terceiro e último conceito é o de rede global sem fronteiras. Para ele, as criptomoedas representam um potencial de inclusão financeira, por exemplo, de baixo custo, com segurança, rapidez e transparência nas transações. As implicações podem ir além, obrigando governos a mudarem suas regras no campo financeiro. — Hoje no Brasil quase metade da população não tem acesso ao sistema vigente (banco), ou seja, está desconectada e isso inviabiliza o acesso ao sistema financeiro para muita gente. No meio digital basta ter um telefone móvel com acesso a internet e um simples aplicativo que você se conecta a uma plataforma financeira internacional — exemplifica.— Os protocolos da criptomoeda são de código de fonte aberto, qualquer um pode melhorar este código, criar novas soluções e entregá-las ao mundo sem precisar solicitar autorização de um órgão regulador. Se sua inovação for benéfica ela vai ser aceita e utilizada — complementa.O futuro no meio dos negóciosNa sequência, Oliver Cunningham levou ao público sua visão sobre o futuro da tecnologia financeira a partir dos chamados novos mapas mentais que surgem com as inovações, como o Blockchain, por exemplo, e sua influência no surgimento de novos modelos de negócios. A ideia central foi explanada com exemplos de companhias de sucesso atuais, que têm nas transformações digitais o caminho para resultados expressivos.Oliver CunninghamFoto: Salmo Duarte / A NotíciaProposta que é seguida pela KPMG, que tem como agente de incentivo a percepção de que "nós já passamos da era da inovação, o mundo está sendo reescrito completamente". Esse entendimento imperativo da transformação foi amplificado através de uma pesquisa global feita com líderes de companhias, no qual, 90% têm ciência de que as novas tecnologias digitais vão transformar suas indústrias e, para 70% deles, os próximos três anos serão mais desafiadores do que os últimos 50 anos.O surgimento dos aplicativos mais fortemente a partir de 2010 mostra que essa revolução já começou, e exige uma mudança no modelo antigo de forma urgente. — Está acontecendo uma mudança profunda no comportamento do cliente, que, em média, checa o celular 160 vezes ao dia e tem uma interação digital (com uma marca) que dura cerca de oito segundos. É muito fácil perder um cliente nesse tempo e mais difícil é ganhá-lo, porque exige personalização — explica. Essa é a mudança apontada como necessária para quem quer abarcar essas mudanças, sair na frente e vencer.Leia mais sobre negócios e Economia na coluna de Claudio LoetzOs vencedores no mundo digital, exemplificados por ele, são formados por plataformas inteligentes, como o Google, Uber, Netflix e Amazon. Mas o que faz dessas organizações vencedoras? Refletir e agir diante dessa pergunta forma a proposta de Cunningham. E ele explica que, quando se depura essas marcas e elas têm sua fórmula e sucesso pesquisadas, se sobressaem quatro componentes:— Essa disrupção digital é a mudança em forma e substância que ocorre quando novas tecnologias e modelos mentais criam novos modelos de negócios, com propostas de valor que desafiam a escala de bens e serviços existentes. Elas são leves em ativos, ricas em dados, o cliente está no centro e são calcadas em um modelo de plataforma — explica.Agilidade, inovação e escalabilidade devem ser consideradas, porque ele explica que simplesmente aderir à digitalização não se converte em sucesso. É preciso "controlar o mindset do cliente e ter ciência do lugar que a empresa ocupa na cabeça deste consumidor". Outra situação chave é a mudança de mentalidade e aplicação de recursos para inovação e modelos de negócios que acompanhem a velocidade das transformações digitais.— É preciso encarar esse desafio de frente. Ninguém quer trabalhar, investir ou mesmo comprar em uma empresa antiquada, não faz sentido — revela.Leia mais:Confira a programação completa das palestras da 16ª ExpogestãoUnidade entre acionistas, cultura de gestão e pessoas: as dicas de Décio da Silva que todo líder deve levar em contaEspecialistas analisam os cenários político e econômico do Brasil na ExpogestãoPorto Alegre, RSA NotíciaEspecialistas mostram os potenciais das criptomoedas e novas tecnologias digitais nos negócios  A Notíciaurn:publicid:anoticia-clicrbs-com-br-sc-economia-especialistas-mostram-os-potenciais-das-criptomoedas-e-novas-tecnologias-digitais-nos-negocios-10334831Change0Usable