Preço do metro quadrado para aluguel e venda cai em Joinville - Economia - A Notícia

Versão mobile

Mercado imobiliário16/06/2017 | 07h35Atualizada em 16/06/2017 | 07h35

Preço do metro quadrado para aluguel e venda cai em Joinville

Pesquisa do DMI- Viva Real mostra que, de janeiro a maio, houve queda nos valores de aluguéis e de venda de imóveis na cidade

Preço do metro quadrado para aluguel e venda cai em Joinville Salmo Duarte/Agencia RBS
Segundo pesquisa, os bairros de Joinville com o metro quadrado mais caro para a venda são o Centro, Atiradores e América Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

Os cinco primeiros meses do ano representaram incentivo para quem busca um imóvel para morar, em Joinville. De janeiro a maio, o mercado imobiliário joinvilense registrou queda de -3,16% e -2,5%, respectivamente, no valor do metro quadrado (m²) dos imóveis à venda e para aluguel.

Os números são do DMI-VivaReal (Dados do Mercado Imobiliário), que reúne uma amostra de 30 cidades brasileiras e considera mais de 2 milhões de imóveis disponíveis para compra ou aluguel. Em Joinville, a plataforma contabiliza atualmente cerca de 14,8 mil imóveis à venda e outros 2,6 mil para aluguel.

O ano começou com o m² dos empreendimentos disponíveis para alugar custando, em média, R$ 14. Em maio, esse valor baixou para R$ 13,65. Já o valor médio do m² dos imóveis à venda passou de R$ 3.408 para R$ 3.300 no período. Atualmente a maior demanda na cidade é de imóveis para venda, 52%, ante 48% de aluguel.

Apesar da retração, o mês esboçou tímida reação de 0,08% e 0,18% no comparativo com abril, quando os preços médios por m² foram de R$ 13,64 (aluguel) e R$ 3.294 (venda). A alta foi puxada pelos bairros América, Costa e Silva e Santo Antônio, em que a variação nominal do aluguel cresceu de abril a maio. No América a alta foi de 7,2%, passando de R$ 15,54 para R$ 16,67 o m². No Costa e Silva, o valor passou de R$ 12,90 para R$ 13,27, aumento de 2,8%, e no Santo Antônio, R$ 14,83 para R$ 14,85 (0,1%).

Pesquisa aponta valor médio do metro quadrado de imóveis usados em Joinville

O VivaReal divulgou ainda os bairros com maior valorização e desvalorização dos imóveis à venda nos dois últimos meses. As maiores variações positivas são dos bairros Petrópolis e Iririú (3,2%) e São Marcos (2,7%). Entre as desvalorizações destacam-se os preços nos bairros Saguaçu (-1,4%), Morro do Meio (-1,2%) e Itinga, América e Bucarein, todos com redução de 1,1% nos preços por m².

De acordo com a pesquisa, os bairros de Joinville com o m² mais caro para a venda são o Centro, Atiradores e América. Já os valores mais salgados para aluguel, em média, são encontrados no América, Santo Antônio e Costa e Silva. Os mesmos bairros também estão entre os mais procurados pelos consumidores. (colaborou Hassan Farias)

Feirão da Caixa e Feira de Imóveis de Joinville 2017 na Expoville  
Feirão da Casa Própria de Joinville deve gerar R$ 100 milhões em negócios


Hora de avaliar o custo-benefício

A economista Anemarie Dalchau explica que a queda do preço do metro quadrado dos imóveis tem ocorrido por causa da demanda muito fraca, já que a economia ainda não conseguiu reverter o quadro de recessão. No entanto, ela alerta que, mesmo com a redução, é necessária uma análise do orçamento da família.

— Até o final do ano, a gente não acredita em uma grande retomada de preços. O segundo semestre será de bastante análise da situação e de como o governo vai tratar as iniciativas de incentivo à economia. Agora é o momento de analisar o custo benefício — esclarece.

A especialista afirma que, se a pessoa tem dinheiro ou possibilidade de compra, há ofertas interessantes no mercado. O financiamento também é uma opção, principalmente se o imóvel for para uso próprio. Por outro lado, quem quiser comprar para alugar pode não ser o melhor momento porque, na outra ponta, o preço dos aluguéis está caindo. 

Habitação tem meta de legalizar 5,7 mil imóveis irregulares em Joinville

Para quem já mora de aluguel e quer adquirir um imóvel, a dica da economista é fazer o comparativo entre comprar e continuar no aluguel por mais um tempo. Segundo Anemarie, se o aluguel for 30 ou 40% mais barato do que o financiamento, vale a pena esperar e guardar a diferença. É uma oportunidade de engordar o valor para a entrada e melhorar a negociação. 

— Se for para parcelar, tome cuidado para não comprometer mais do que 30% da renda. Uma prestação de longo prazo pode ser problemática.

 
 

Siga A Notícia no Twitter

  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaPolícia apreende 1,5 tonelada de maconha em Itajaí e mais três cidades https://t.co/TNvuvultSx #LeianoANhá 5 minutosRetweet
  • anonline

    anonline

    Jornal A NotíciaObras ocasionam a interdição de oito ruas em Joinville https://t.co/YdT8kNxa9R #LeianoANhá 37 minutosRetweet
A Notícia
Busca
clicRBS
Nova busca - outros